7 breves histórias policiais para crianças e adolescentes

7 breves histórias policiais para crianças e adolescentes

Hoje trago a você uma seleção de histórias policiais curtas que o manterão no limite até o resultado inesperado que resolverá o caso. Eles são sobre investigações, polícia e assassinato.

A ficção é capaz de atrair até os mais desconcentrados. Em essência, todas as obras ou histórias de ficção visam capturar o leitor através de uma história envolvente, com personagens interessantes.

As histórias fictícias conseguem fazer com que o leitor desfrute por várias razões, como a identificação dos personagens com a pessoa ou a atração do ambiente em que operam.

Mais especificamente, o gênero policial se estabeleceu como um dos gêneros mais emocionantes e aclamados da literatura. As histórias policiais mantêm a intriga até o fim e vinculam o leitor para que ele possa construir sua própria teoria sobre os fatos e até conseguir deduzir quem são os criminosos.

Você também pode estar interessado nessas histórias inventadas (curtas) de ficção científica .

Seleção de histórias policiais curtas

– A morte do bispo

Na principal delegacia de polícia da pequena cidade de Torreroca, o detetive Piñango recebeu a notícia de uma morte que havia chocado grande parte da cidade. O bispo da Grande Basílica da cidade morreu em circunstâncias estranhas.

O padre Henry era muito apreciado pela comunidade. Seus membros destacaram seu constante trabalho altruísta em nome da população, além de sua capacidade de integrar as diferentes crenças das pessoas.

O detetive Piñango recebeu o relatório da autópsia, que indicava que o padre Henry havia morrido repentinamente, mas que não havia indicação de assassinato. Este relatório foi assinado pelo legista Montejo, reconhecido profissional de grande prestígio em Torreroca.

No entanto, Piñango estava desconfiado.

“O que você acha, González?” O detetive perguntou a sua colega de trabalho.

Detetive, de fato, há algo que soa estranho.

Piñango e González concordaram em se mudar para a casa paroquial, onde residia o padre. Embora não tivessem ordem judicial para entrar, a polícia se intrometia na casa.

– Quais são todas essas figuras, Piñango? Gonzalez perguntou, incrédulo do que viu.

“Sem dúvida, são imagens budistas. Buda está em toda parte – ele respondeu.

“Mas o padre Henry não era católico?” Gonzalez questionou.

―Esse foi o meu entendimento.

O detetive Piñango achou altamente suspeita a presença de uma pequena garrafa ao lado da cama do pároco. No invólucro, dizia algumas gotas de sândalo.

Piñango pegou a garrafa para ser analisada na delegacia. Os resultados foram inconfundíveis: o que havia na garrafa era arsênico, mas quem poderia ter assassinado o padre Henry? Todas as dúvidas caíram sobre a comunidade budista de Torreroca.

Piñango e González se aproximaram da loja de produtos budistas na diagonal da Plaza Mayor.

Quando eles entraram, o funcionário foi atrás encontrar alguma coisa, mas não voltou. Piñango notou e saiu para a rua, onde começou uma perseguição

-Pare! Você não tem escapatória! -grito. Em questão de minutos, ele conseguiu capturar o gerente.

A mulher que dirigia a loja budista respondeu ao nome de Clara Luisa Hernández. Rapidamente, após sua prisão, ele confessou seu crime.

Acontece que Clara Luisa, uma mulher casada, teve um relacionamento romântico com o padre Henry. Ele informou que não queria mais continuar com ela e ela decidiu matá-lo.

– Paredes invisíveis

Os policiais Roberto Andrade e Ignacio Miranda foram para uma pequena casa localizada em um bairro de classe média alta da cidade.

Eles estavam destinados a investigar dentro dele, porque estavam investigando uma enorme fraude fiscal, um produto da corrupção que havia sido perpetrada por membros do conselho da cidade.

Por volta das seis da tarde, a polícia chegou em casa. Eles trouxeram consigo uma ordem judicial que lhes permitia entrar em quaisquer circunstâncias.

Para começar, Andrade e Miranda bateram na porta. Ninguém respondeu. Eles tocaram novamente e ouviram passos. Uma senhora bonita abriu a porta para eles.

Os policiais explicaram gentilmente a situação e as razões pelas quais tinham um mandado de busca para entrar na casa.

A senhora entendeu a situação, embora tenha explicado que não tinha nenhum relacionamento com as pessoas investigadas e que não as conhecia. De qualquer forma, os oficiais tiveram que entrar, algo que a dama aceitou.

Posteriormente, os dois policiais começaram a revistar a casa. A velha indicou que não encontrariam nada, pois era a única pessoa que morava naquela casa desde que se tornou viúva. No entanto, em nenhum momento ele interrompeu o trabalho policial.

“Parece que não vamos encontrar nada, Ignacio”, disse Roberto Andrade.

―Nenhum sinal de dinheiro escondido é visto, como as investigações indicaram. Eu acho que isso é um fiasco ”, ele respondeu.

Finalmente, os policiais saíram para o grande quintal da casa, que também era um jardim com muitas árvores.

– Você se lembra que o Sr. Vallenilla, um dos investigados na trama, é amante do bonsai? Miranda perguntou a Andrade.

-Certamente. É verdade.

Miranda fez esse comentário enquanto apontava para uma parte do jardim cheia de bonsai, de todos os tipos. Os bonsais foram organizados em fileiras. Cada um deles tinha um tipo de bonsai.

Em um havia pequenas laranjeiras, no outro havia pequenos limoeiros e assim por diante. Uma das linhas que mais se destacou foi a de árvores do tipo bonsai que pareciam verdadeiramente japonesas. De fato, havia várias dessas linhas.

– Vamos cavar? Perguntou Andrade.

“Claro”, respondeu Miranda.

Embora não tivessem ferramentas para cavar no chão, a polícia começou a vasculhar os locais onde o bonsai era plantado à mão.

“Acho que estou jogando algo firme”, disse Miranda efusivamente.

– Muito bem!

De fato tinha sido assim. Demorou algumas horas para eles desenterrarem uma caixa grande e lacrada nos quatro lados.

“Agora o desafio é abri-lo”, afirmou Andrade.

Embora tenha sido bastante complicado, graças ao martelo obtido pelos policiais, eles conseguiram quebrar um dos lados da caixa.

Com muita paciência, eles gradualmente liberam grande parte da superfície da caixa para abri-la. Em pouco tempo, eles já haviam conseguido abri-lo.

– Bem feito! Eles entoaram em uníssono. Dentro da caixa havia milhares de notas embrulhadas em ligas, de várias denominações. Verificou-se que o dinheiro estava escondido dentro da casa.

Os policiais carregaram a caixa para dentro da casa e perceberam que não havia vestígios da velha que havia aberto a porta para eles. Eles não deram importância a esse fato e se prepararam para sair.

Quando tentaram, algo implausível aconteceu, que Andrade e Miranda certamente nunca esperaram.

– Há uma parede invisível! Miranda exclamou.

Os policiais conseguiram abrir a porta da casa sem problemas e puderam ver o exterior da casa. No entanto, eles não podiam sair!

– Eu não entendo o que está acontecendo! Andrade gritou.

De repente, a doce velhinha apareceu com um olhar maquiavélico, apontando uma arma para eles.

– Eles não podem sair! Esta casa é protegida por um sistema que ativa um campo eletromagnético que bloqueia todas as suas entradas.

Relacionado:  Valle-Inclán: biografia e obras completas

Rapidamente, Andrade se preparou para sacar sua arma, quando percebeu que não era. Miranda fez o mesmo.

– Você é tão estúpido que tirou suas armas quando elas estavam desenterrando a caixa! A velha gritou.

Os policiais ficaram chocados. Eles não sabiam o que fazer. Eles sabiam que a velha os havia tomado como reféns.

– Deixe a caixa e fuja, se você quer viver!

Os dois policiais se entreolharam conscientemente e soltaram a caixa. Eles imediatamente começaram a correr do lado de fora da casa.

“Não podemos contar nada disso na delegacia”, disse Andrade.

“Claro que não”, afirmou Miranda.

– A maçã assassina

Era uma vez uma pequena cidade chamada San Pedro de los Vinos. Nele, a delegacia de sua pequena força policial estava de luto, pois o comissário chefe Ernesto Perales havia morrido recentemente.

Embora ele fosse um homem mais velho, sua morte chocou muitos, tornando a dor muito mais forte. Mas a policial Alicia Contreras não podia acreditar na história de que ela morrera dormindo em sua casa, em silêncio.

“Eu não acredito nessa versão”, Alicia estava dizendo aos companheiros.

“Ele era um homem mais velho.” Ela tem a família, nós devemos respeitar sua memória e seu descanso, Alicia ”, respondeu Daniela, uma das acompanhantes.

No entanto, outra oficial, Carmen Rangel, ouviu com algum interesse as teorias de sua parceira Alicia. A história da morte do comissário Perales também não lhe parecia muito correta. Ambos começaram a falar com o médico legista, que não teve nenhum problema em fazer uma autópsia antes que o corpo fosse descoberto.

Quando essa autópsia foi realizada, eles tiveram uma grande surpresa. Embora o comissário Perales fosse um ávido consumidor de maçã, a surpresa foi que ele tinha maçãs no estômago, mas envenenado com cianeto, mas quem era a Branca de Neve nesta história?

– Mas quem o matou? Carmen perguntou, exaltada.

“Eu acho que sei.”

Daniela teve um filho recentemente. Ela nunca disse quem era o pai, nem era uma questão de importância.

Alguns dos companheiros alegaram que o filho tinha uma grande semelhança com o comissário Perales, algo que eles aceitaram como cortesia.

“Foi você quem o matou!” Alicia gritou com Daniela. O último, sacou a arma e, sem tiros de mediação, atirou nela, sem poder matá-la. Os outros colegas mataram Daniela, que depois de ser presa e levada ao hospital, confessou seu crime passional.

– Um ladrão de costumes

Don José tinha uma barraca de comida em uma área movimentada da Cidade do México. Era o comércio mais solicitado pelos moradores da região e pelos habitantes das cidades próximas. As pessoas vinham comprar carne fresca, peixe, legumes, ovos e outros produtos.

Tudo estava indo bem naquela quinta-feira, 6 de novembro de 2019, como aconteceu nos últimos 20 anos desde a criação do estabelecimento, em 3 de outubro de 1999. María, a caixa, assumiu sua posição habitual, um lugar que ocupava dez anos e que ele amava, porque ele interagia com as pessoas da cidade.

Cada cliente tinha uma história diferente para contar dia após dia, bem como seus costumes. Don José conhecia todos eles. Margarita gostava de comprar frutas frescas toda terça-feira às nove da manhã; às vezes chegava às oito e cinquenta e cinco, às vezes às nove e cinco, mas nunca fora desse intervalo de 10 minutos.

Don Pedro, por sua vez, gostava de comprar peixe na sexta-feira ao meio-dia, mas só comprava pargo, a espécie mais cara de todas, e o cavalheiro sempre levava cerca de 10 quilos. Essa foi, de longe, a maior venda que Don José fez semanalmente por uma única pessoa.

Dona Matilde, em particular, comprou galinhas e melões às terças-feiras para preparar sua sopa caribenha especial para o marido. Maria e Don José sabiam desses gostos, porque Dona Matilde sempre dizia a eles toda vez que ia.

“Hoje eu tenho que fazer minha sopa de galinha com melão, minha sopa especial e que meu marido ama” Dona Matilde era ouvida toda vez que chegava.

Assim como esses personagens, centenas passaram, até milhares por semana.

Agora, naquela quinta-feira, aconteceu algo que nunca havia acontecido na história daquele lugar, em suas duas décadas de existência: eles foram roubar.

Embora não houvesse muitos danos, as perdas foram consideráveis, principalmente porque foram roubados os mais caros, dez quilos de pargo da geladeira, exatamente a quantia que Dom Pedro costumava comprar; galinhas, melões e todas as frutas frescas do local.

Além disso, a caixa registradora estava completamente vazia, não havia mais um centavo, nem as roupas de ouro que Don José escondia em seu escritório, totalizando cerca de US $ 15.000. Talvez o mais estranho seja que as câmeras de segurança estejam completamente desativadas.

Estranhamente, Don Pedro não compareceu para comprar seus dez quilos de pargo na sexta-feira, o que surpreendeu Maria e Don José depois que a polícia reuniu todas as evidências na área do crime.

“Que estranho Dom Pedro não ter vindo, certo?” Maria disse para Dom José.

– Sim, muito estranho, Maria, principalmente porque, além das roupas, havia apenas o peixe que ele gosta e a quantidade que normalmente carrega.

As investigações continuaram na semana seguinte, mas as coisas ficaram ainda mais misteriosas. Acontece que na semana seguinte nem Margarita nem Matilde foram comprar, apenas os clientes que compraram frutas frescas, galinhas e melões.

Don José e María sentiam ainda mais falta um do outro.

Depois de três semanas sem clientes regulares, a polícia chegou ao estabelecimento com um mandado de prisão para María.

“Mas o que é isso? O que eles estão fazendo!” Disse o caixa.

– Maria, Maria, você foi muito evidente. Viu que enviar sua prima para recomendar outras lojas aos meus clientes para que eles não viessem apenas naqueles dias e levassem o que gostavam com você foi uma boa jogada. Isso poderia ter confundido todo mundo e, de fato, você conseguiu. Você só falhou em uma coisa, uma coisa pequena ”, disse Don Pedro enquanto algemavam quem quer que fosse o caixa dele.

“Do que você está falando? Eu sou inocente, tenho sido sua amiga e funcionária todo esse tempo!”

– Sim, e durante todo esse tempo eu estudei você, como você me fez. Sei da sua partida amanhã para o Brasil. Foi um velho amigo que lhe vendeu a passagem. Alertei a polícia e eles encontraram tudo na casa do seu primo. Tudo é conhecido.

O fim.

– A prisão mais rápida em Punta de Piedras

Naquele dia, Pedro foi trabalhar, como sempre, encaixando o dispositivo de ecolocalização com a mão direita e vendo em sua mente todas as mudanças do lugar que ele conhecia como as costas da mão: sua vizinhança.

Relacionado:  Qual é o assunto morfológico? (com 50 exemplos)

Sim, como você pode entender, Pedro era cego, e não haveria nada de estranho se ele não fosse o único policial cego em Punta de Piedras. No entanto, como ele era cego de nascença, seus olhos nunca faltavam, seus outros sentidos sempre eram suficientes para localizá-lo: seu gosto, seu olfato, sua audição e seu toque. Ele era o caçula de quatro irmãos e o único garoto.

Pedro não se lembrava apenas das pessoas pelo modo de falar, mas também pelo barulho típico que faziam ao caminhar, pelo cheiro de sua pele e respiração, ou pelo toque das mãos (no caso dos homens) e bochechas (no caso de mulheres) ao cumprimentar.

O homem conhecia plenamente todo o seu povo, o local de cada árvore, cada casa e cada construção, bem como a localização de cada sepultura no cemitério.

A polícia também sabia quando os navios e balsas chegavam e saíam do porto, alguns já os conheciam de cor por horas e aqueles que não o conheciam, os identificavam pelo som de suas chaminés e sons particulares de trombeta.

O dispositivo na mão de Pedro que emitia um som oco lhe permitiu localizar carros e pessoas, além de outros objetos novos na estrada.

Do resto, o homem conhecia cada local de sua cidade e suas distâncias em passos largos, passos curtos, para trás, em zigue-zague, corrida ou corrida, até as distâncias de braçadas eram conhecidas, nadando, pois desde criança aprendeu a nadar na praia da cidade dele.

Se alguém não conhecesse Pedro, não descobriria que ele era cego em sua cidade, principalmente porque ele nunca quis usar uma bengala. De fato, seus próprios amigos às vezes esqueciam que ele era cego, porque, na realidade, ele não parecia cego.

Os vilões o respeitavam e o temiam, e não foi em vão. Pedro, o policial cego, teve o melhor registro de capturas de malfeitores na cidade. Ele os pegou correndo ou nadando, os desarmou com técnicas especiais de karatê. E, bem, para completar as qualidades de Pedro, ele não se sentia à vontade com armas, nunca usou uma em sua vida.

As patrulhas se amontoaram em frente ao local na segunda-feira, 1 de abril de 2019. Eram nove horas da manhã na Ivan Jewelry Store, em frente ao porto, onde a maioria dos barcos partia para o continente.

“O que aconteceu, meninos?” Quem me diz? Deixe-me passar! Pedro disse quando chegou à cena do crime e caminhou entre os curiosos.

“Foi um assalto, eles pegaram o diamante de Esther Gil e o colar de pérolas de Gloria, as jóias mais caras do Estado”, respondeu Toribio, colega de Pedro.

“Tudo bem, deixe-me analisar tudo”, disse Pedro, caminhando até a caixa de vidro com vidro quebrado, do qual as jóias foram extraídas.

O homem curvou-se, pegou dois cristais e passou os dedos pela borda fina, levou-os ao nariz e cheirou-os profundamente, depois os colocou na boca e provou-os. Seus amigos já estavam acostumados com seus hobbies e coisas estranhas, mas o povo da cidade não deixou de se surpreender com tudo o que estava vendo.

Pedro parou sem dizer nada, caminhou entre seus amigos e a multidão, enquanto uma lágrima escorreu de seu rosto e ele ficou ao lado de sua irmã, que estava lá assistindo tudo como o resto. O cego pegou a mão de Josefa (que era o nome da irmã mais velha) e a algema em momentos.

“Leve-a embora, meninos, tudo está na casa dela com o marido”, disse Pedro, muito triste.

“O que você está fazendo, Pedro!” O que é isso! Disse a irmã, gritando e surpresa.

“Se você pensou que eu não iria desistir de você ser minha irmã, você está errado.” Pelo menos você teria a delicadeza de lavar as mãos antes de vir com seu marido para fazer esse crime. Sim, eles ainda cheiram como o peixe que minha mãe lhes deu ontem. E sim, o corte do copo corresponde à faca que seu marido sempre carrega e os cristais têm gosto de suor das mãos ”, disse Pedro, e depois cala a boca e sai.

Os policiais foram imediatamente para a casa da irmã de Pedro e corroboraram tudo o que ele havia dito, e chegaram exatamente no momento em que Martin, marido de Josefa, preparava tudo para deixar com jóias em seu barco.

O fim.

– A queda do mentiroso

Todo mundo sabia, exceto John. Como sempre, quando essas coisas acontecem. Todos os detalhes foram contados de maneira diferente pelas fofocas da cidade, grandes e pequenos, altos e baixos, pessoas más e não profissionais, que só gostavam de viver fofocas e nada mais.

“John roubou, foi ele”, foi ouvido em um canto; “Sim, foi ele quem roubou o carro”, foi ouvido no outro “; “Eu o vi dirigindo o veículo às 5:00 da manhã pelo posto de gasolina”, disseram eles em uma mesa na praça.

Acontece que o carro de Marco foi roubado em frente à sua casa às 3:50 da manhã dois dias atrás, na quarta-feira, 5 de março de 2003.

Tudo aconteceu na cidade de La Blanquecina, uma cidade saudável, onde não era costume ouvir notícias estranhas, mas as pessoas tinham o mau hábito de fofocar.

John veio ouvir no sábado dois, quando dois meninos disseram “Lá está ele, ele rouba carros”, enquanto eles apontavam para ele. Ele ficou intrigado e foi falar com Vladimir, seu amigo barbeiro.

“Olá, Vladimir, como tem passado?” Como está tudo? John perguntou, em um tom normal.

“Olá, John, está tudo bem …” respondeu o barbeiro, com certa ironia.

“Seja claro, Vladimir, o que está sendo dito sobre mim nas ruas?”

“Você não sabe?”

-Não não sei.

“Que você roubou o carro de Marco, é o que eles dizem.”

Sim, como foi dito no começo, toda a cidade sabia, exceto John. Havia um boato em toda a cidade, a infâmia de que o jovem havia roubado o carro de Marco. Tudo seria normal se John não trabalhasse das sete da manhã às nove da noite para sustentar sua família e se ele não ensinasse crianças com necessidades especiais nos finais de semana.

Talvez por isso, porque ele não perdeu tempo fofocando, John não tinha ouvido falar que eles estavam falando sobre ele, mas, graças ao barbeiro, ele já sabia.

Lá na barbearia, ele e Vladimir conversaram por um longo tempo. John teve contatos com um policial que sabia sobre espionagem por computador e conseguiu amarrar os pontos até chegar a quem começou a fofoca.

Na segunda-feira, apenas cinco dias após o início das fofocas contra John, a polícia bateu na porta de Marco com um mandado de busca.

-O que acontece? Por que eles estão fazendo isso comigo? Eu sou a vítima? Marco disse enquanto colocavam as algemas nele.

Relacionado:  Epopeia em Espanhol: Contexto, Características e Trabalhos Notáveis

“Sabemos tudo, nada é excluído da internet”, disse o policial.

“E do que eles estão me acusando?”

– Família contra John Martinez, fraude contra uma seguradora e colaboração em um crime de roubo de automóvel.

Dentro do computador do homem, eles encontraram uma conversa com um assunto em que negociavam o preço de partes do carro que supostamente haviam sido roubadas dias atrás.

Além disso, eles arrecadaram mais de US $ 20.000 em dinheiro na mesa, dinheiro pelo qual o carro de Marco estava seguro. Do lado de fora da casa, John e quase todos os vizinhos esperavam, que não hesitavam em pedir desculpas ao homem pelos danos que causaram ao seu nome.

O fim.

– O campo de caça

A família Ruíz estava passando pelo pior momento econômico. Ricardo, pai da família, estava desempregado há muito tempo e não podia nem ajudar os senhores a caçar, já que a temporada de caça estava encerrada. Ele e a esposa e o filho adolescente não comiam há vários dias, então a situação era crítica.

Um dia, farto da situação, Noah disse ao filho para se vestir e levar a espingarda para ele. Ele havia decidido que iria para a reserva de caça do chefe da cidade e mataria alguma perdiz ou porco.

Sua esposa objetou e implorou que ele mudasse de idéia.

– Noah, se o Sr. Quintana te pegar em sua reserva, ele a matará sem qualquer escrúpulo, você sabe que ele é um homem mau – ela disse que continha o marido.

– Você está certo, esposa. Talvez você deva falar diretamente com o Sr. Quintana e pedir um empréstimo com antecedência. Quando a temporada de caça começar novamente, retornarei com meu trabalho – Noah disse mais serenamente.

Naquela mesma tarde, Noah foi procurar o Sr. Quintana, prometendo à esposa que ele retornaria o mais rápido possível com o dinheiro. 

No entanto, chegou a noite e o marido ainda não apareceu em casa. Sua esposa e filho decidiram ir para a cama, pensando que Noah estaria em uma taberna gastando parte do dinheiro que ele iria pedir ao Sr. Quintana.

Na manhã seguinte, a mulher acordou e encontrou uma sacola cheia de perdizes e uma sacola de dinheiro fora de sua casa para passar várias semanas sem problemas. No entanto, não havia vestígios de seu marido. Quando ele abriu a bolsa, encontrou uma nota que dizia:

«Querida esposa, ontem à noite entrei para assaltar a propriedade do Sr. Quintana. Peguei algum dinheiro e atirei em algumas perdizes que deixo aqui. Eu tive que fugir da cidade porque sei que eles vão procurar que eu me mate. Eu não quero colocar você em perigo. Adeus”.

Essa nota fez sua esposa chorar por imprudência do marido. Embora ele soubesse que estava fazendo isso pelo bem de sua família, eles talvez nunca mais o vissem. Eu estava devastado.

Quem não pareceu convencido disso tudo foi seu filho Sebastián. Tudo parecia estranho o suficiente para ele, não para o pai. Ele confortou sua mãe, mas logo começou a pensar em amarrar os pontos.

Ele analisou a nota e percebeu que a caligrafia não era nada parecida com a do pai. Além disso, ele disse que havia atirado em algumas perdizes, mas a verdade é que em casa todos os cartuchos estavam intactos. Ele contou à mãe, mas ficou chocado com a situação.

Sebastián queria contar à polícia, mas precisamente isso foi em busca e captura de quem roubou o Sr. Quintana. Contar às forças de segurança que teriam sido como trair o pai.

Ele decidiu procurar pistas e, para isso, precisava entrar no local de caça do Sr. Quintana. Para fazer isso, ela se apresentou a ele, ofereceu seus respeitos e se disponibilizou para cobrir a perda de seu pai antes da próxima temporada de caça. O Sr. Quintana aceitou sua oferta.

O fato de ele não fazer perguntas sobre o paradeiro de seu pai deixou Sebastian ainda mais desconfortável, então ele começou a vislumbrar o desconhecido de tudo isso.

Durante três semanas, participou de caçadas de perdizes, veados e javalis e logo ganhou a confiança do Sr. Quintana. Tanto que ele foi com ele se embebedar nos bares da cidade. 

Em uma dessas saídas noturnas, o Sr. Quintana pegou um pau que ele não conseguia se levantar. Sebastián aproveitou a ocasião e se ofereceu para levá-lo à sua fazenda. Ele o deitou na cama e garantiu que estava dormindo.

Nesse momento, ele começou a procurar em todos os quartos uma pista de onde seu pai poderia ser encontrado. Ele tinha certeza de que o Sr. Quintana sabia de algo e estava escondendo isso dele.

Ele procurou e procurou, até descer ao porão, onde ficou surpreso. Havia centenas de animais empalhados: corujas, veados, ursos, pumas, javalis, tatus, guaxinins, esquilos e … o corpo de seu pai.

Isso horrorizou Sebastián, que imediatamente correu para o quarto do Sr. Quintana para matá-lo. Ele chegou à sala e apertou o pescoço dela com força até que ele acordou.

“Você matou meu pai por sua coleção de animais! Você é um demônio! Ele veio pedir sua ajuda!” – Sebastian disse com olhos injetados.

– O seu pai foi um acidente! Deixe-me explicar por favor! – Sr. Quintana tentou responder da melhor maneira possível.

Sebastián concordou e soltou o pescoço do Sr. Quintana, mas não antes de tirar uma espingarda da sala para apontá-la para o rosto dele. Explique-se! – Ele demandou.

– Seu pai veio me pedir ajuda, mas eu não a ofereci, então ele entrou na minha fazenda e se escondeu nos arbustos para caçar alguma coisa. Naquela mesma noite, organizei um dia de caça ilegal com alguns amigos importantes. Um deles atirou nos arbustos onde seu pai estava pensando que era algum animal. – Sr. Quintana ofegou.

– Morreu? Sebastian perguntou.

– sim Foi imediato, não podíamos notificar ninguém. Quem atirou é um homem muito importante da região e me pediu para esconder o incidente. Se a polícia tivesse chegado, todos teriam sido agredidos. Então eu o tranquei no porão esperando ser enterrado quando o dia da caça passar.

– E por que você enviou essa nota para minha casa com o dinheiro e as perdizes? Sebastian insistiu.

– Eu sabia que se seu pai não aparecesse sem motivo, você notificaria a polícia. Todo mundo sabe que ele trabalha para mim, então eles teriam vindo e poderiam ter descoberto tudo. Com essa nota, verifiquei que você ficasse de boca fechada.

– E por que você me aceitou como assistente nos dias de caça?

– Eu me senti responsável por tudo isso e queria compensar um pouco contratando você e contribuindo com dinheiro para sua casa. Eu estava claramente errado.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies