Esteban Echeverría: biografia, estilo, obras, frases

Esteban Echeverría (1805-1851) foi um escritor e poeta de origem argentina, pioneiro no desenvolvimento do romantismo em seu país. Esse intelectual teve uma participação marcante na restauração da sociedade argentina, marcada pela Revolução de Maio.

A obra literária de Echeverría foi enquadrada nas fileiras do romantismo. Caracterizou-se pelo uso de linguagem simples (de acordo com o tempo) e por ser expressivo. O tema social e político que a Argentina experimentou em meados do século XIX também foi destaque em seus textos

Esteban Echeverría: biografia, estilo, obras, frases 1

Retrato de Esteban Echeverría. Fonte: Ernest Charton [domínio público], via Wikimedia Commons

Os títulos mais destacados deste escritor foram: Elvira ou a noiva de prata, Os consolos, Rhymes, O matadouro e O dogma socialista. Esteban Echeverría entrou na história como um homem preocupado em fazer da Argentina uma nação melhor através da literatura, palavras e novos pensamentos.

Biografia

Nascimento e família

José Esteban Echeverría Espinosa nasceu em 2 de setembro de 1805 em Buenos Aires (ex-vice-reinado do Rio da Prata, Império Espanhol). Veio de uma família culta e de classe média.

Seus pais eram um comerciante espanhol chamado José Domingo Echeverría e Martina Espinosa. Nos primeiros anos de sua infância, o poeta perdeu o pai.

Estudos

Echeverría e seu irmão José María cursaram os primeiros anos de estudos em uma instituição em San Telmo. Lá ele foi instruído sobre liberdade, igualdade e justiça. Ele então treinou na Faculdade de Ciências Morais e posteriormente ingressou na Universidade de Buenos Aires.

Quando ele estava no segundo ano de sua carreira em latim e filosofia, em 1825, o governo de Bernardino Rivadavia concedeu a ele uma bolsa para continuar os estudos em Paris. Durante seus quatro anos na Europa, ele ficou mergulhado em inovações literárias, especialmente romantismo.

Fique em Paris

A jovem Echeverría estudou com comprometimento, mas sem problemas; Ele matriculou poucas disciplinas na universidade e às vezes se reunia com professores para aconselhamento individual. Sua estadia em Paris foi decisiva para o desenvolvimento de seu trabalho e para tornar seus pensamentos e ideais mais firmes.

Além de aprender sobre as técnicas do romantismo, Esteban Echeverría se dedicou a conhecer a cultura e a história e entrou em contato com movimentos políticos, como o socialismo utópico ou ilusório. A atmosfera parisiense e o conhecimento que ele adquiriu o levaram a escrever seus primeiros versos.

Retorno à Argentina

O retorno de Echeverría ao seu país em 1830 coincidiu com o governo repressivo e tirano de Juan Manuel Rosas. A situação no país motivou o escritor a usar sua caneta como instrumento de protesto e mudança. Foi assim que Elvira ou a namorada de prata publicaram anonimamente em 1932 .

Naquela época, o poeta direcionou sua carreira literária para a maturidade profissional. Deu à poesia um sentido social e conseguiu ganhar liderança entre os intelectuais. Ele se comprometeu com o desenvolvimento de uma narrativa com recursos de denúncia que se tornaram testemunhos e realistas.

Boom literário

O desempenho literário e social de Esteban Echeverría estava aumentando. Seus escritos foram aclamados por várias personalidades, especialmente por Pedro de Angelis. Sua carreira foi definitivamente catapultada em 1937 com a publicação de Rhymes, sendo especialmente reconhecido o poema “O cativo”.

Esteban Echeverría: biografia, estilo, obras, frases 2

Trabalhos completos de Esteban Echeverria (Volume 1). Fonte: Academia Argentina de Letras [Domínio público], via Wikimedia Commons

O escritor refletiu neste trabalho uma forma de evolução a partir dos recursos naturais da Argentina. As abordagens sociais e políticas dos versos de Echeverría fizeram dele um “poeta cívico”, isto é, patriótico e interessado em fazer mudanças radicais em sua nação.

O Salão Literário

Esteban Echeverría participou das constantes reuniões que ocorreram no chamado Salão Literário por volta de 1838. Lá um grupo de jovens intelectuais conversou sobre literatura e discutiu a situação política na Argentina, algo que causou desconforto ao governador Juan Manuel Rosas.

Consequentemente, Rosas ordenou que seu órgão de segurança política (conhecido como La Mazorca) perseguisse aqueles que estavam contra ele. Por esse motivo, o Salão Literário foi fechado e muitos de seus membros tiveram que deixar o país. De qualquer forma, Echeverría e alguns jovens continuaram a se encontrar secretamente.

Echeverria Exile

O escritor foi forçado ao exílio no início de 1840. Isso se deve ao seu apoio aberto ao general Lavalle na tentativa de se revelar contra Rosas. Então ele foi para a cidade de Montevidéu, no Uruguai, deixando sua filha Martina em Buenos Aires, que tinha quatro anos de idade.

No Uruguai, ele foi recebido por alguns amigos com quem continuou lutando para tirar Juan Manuel Rosas do poder que exercia sobre a Argentina. Echeverría permaneceu dedicado à escrita e, naqueles anos, concebeu obras como: Avellaneda e La guitar.

Tempos difíceis

A vida no Uruguai não foi fácil para Echeverría, pois, além de não ter a mesma liderança de seu país, sua situação econômica e de saúde se enfraqueceu. Então, ele pediu apoio a alguns amigos e vendeu uma parte de sua biblioteca pessoal para sobreviver. No entanto, ele não parou de escrever.

Contribuições para a sociedade uruguaia

Apesar de seu enfraquecimento físico – ao longo de sua vida ele sofria de nervos e problemas cardíacos – e de sua pobreza, ele participou do desenvolvimento educacional e cultural do país que o hospedava. Ele era membro do primeiro conselho da Universidade de Montevidéu.

Echeverría colaborou na criação do Instituto Histórico Geográfico Nacional e fez parte do Instituto de Instrução Pública. Naquela época – em meados dos anos quarenta – ele escreveu o Manual de educação moral para a formação do ensino fundamental, encomendado pelo poeta uruguaio Andrés Lama.

Morte

Esteban Echeverría viveu seus últimos anos no Uruguai, uma vez que nunca poderia voltar para sua terra natal. De fato, ele nunca mais viu sua filha Martina. No início de 1850, a tuberculose foi acrescentada ao seu precário estado de saúde e ele morreu em 12 de janeiro de 1851 em Montevidéu.

Estilo

O estilo literário de Esteban Echeverría foi enquadrado no romantismo. Em seu trabalho, foi evidenciada uma linguagem culta, simples e expressiva, carregada, por sua vez, de limpeza estética e descrições naturais. O autor tratou de questões sociais e políticas, de acordo com os acontecimentos de seu tempo.

Trabalhos

– Elvira ou a namorada de Plata (1832).

Don Juan (1833).

– Os consolos (1834).

– Para o coração (1835).

– Rimas (1837).

– O matadouro (1838-1840).

– O dogma socialista (1837).

O anjo caído.

– O violão ou a primeira página de um livro.

– Avellaneda.

– Desculpas do matambre (1837).

– “Hino da dor” (1834).

– “Peregrinação de Gualpo”.

– “Cartas para um amigo”.

Cartas

– Epistolar entre Esteban Echeverría e Juan María Gutiérrez (1840-1845).

– Carta de Esteban Echeverría a Andrés Lamas (1844).

– Carta de Esteban Echeverría a Juan Bautista Alberdi (1849).

Esteban Echeverría: biografia, estilo, obras, frases 3

Juan María Gutierrez, amigo íntimo de Esteban Echeverría. Fonte: Veja a página do autor [Domínio público], via Wikimedia Commons

– Carta de Esteban Echeverría a Félix Frías (1850).

Compilações

– Vários poemas (1870).

– O anjo caído (1870).

– Vários poemas (1871).

– Escrito em prosa (1873).

– Escrito em prosa (1874).

Breve descrição de algumas de suas obras

Elvira ou a Noiva da Prata (1832)

Foi o primeiro trabalho publicado por Echeverría e é considerado aquele que iniciou o movimento romântico na Argentina e na América Latina. Era um conjunto de versos carregados de expressividade e emocionalidade, referentes às qualidades da feminilidade e do amor.

Fragmento

“Beleza celestial e encantadora;

divindade inefável, que o mundo ama,

que você domina o orbe e dá conforto,

inspirado com peito generoso

a sensação tenra e deliciosa,

Que o céu te mostre,

Eu te invoco: inspirar favorável

a música melancólica para minha Lira

de amor e ternura,

e um novo lauro para minha coroa triunfante …

O puro amanhecer celeste virgem

A frescura e a beleza juvenil

Os encantos de Elvira aumentaram,

dando poder a seu rosto gentil,

que encadeiam a agência

de quantos olharam para ela.

Seus olhos de inocência respiraram,

e do peito dele eles exalaram

suspiros inocentes,

filhos dos puros e celestiais felizes,

que desejos doces vivem isentos

de amor e seus tiros … “

Rimas (1837)

Foi o trabalho poético com o qual o escritor argentino alcançou o ponto culminante de sua carreira literária. A escrita mais destacada desse conjunto de poemas foi: “O cativo”, que tratou da história do soldado Brian e sua esposa Maria, depois de cair nas mãos dos povos indígenas.

A importância desses versículos estava na maneira como Echeverría encarnava a natureza da Argentina, as ações dos nativos e a maneira como eles usavam algumas das palavras da época. O poema foi estruturado em nove partes, compreendendo 2142 versos, além de uma conclusão ou epílogo.

Fragmento de “O Cativo”

“Qual seria sua dor! Que dor e amargura! E não havia criatura humana para ajudá-lo a sentir. Sua esperança foi estragada; e quando você se viu sozinho, também caiu, como uma árvore cuja raiz na terra não fortalece mais a pompa e o ornamento florido: nada conhecia o mundo ingrato de sua infeliz constância …

“O deserto a enterra, uma sepultura sublime e grandiosa, onde repousa também o herói que a apreciava e a admirava. O destino da sua vida era amar, amar o seu delírio, o amor causou o seu martírio, deu a você um ser sobre-humano; e o amor, na era da flor, sufocou a terna paixão … ”

O matadouro (1838-1840)

Foi uma das obras mais representativas de Esteban Echeverría. O matadouro foi anunciado em 1871 nas páginas da Revista Río de la Plata após a morte do escritor. Este resumo foi uma crítica ao governo de Juan Manuel Rosas e suas constantes perseguições fatais contra seus adversários.

Esteban Echeverría: biografia, estilo, obras, frases 4

Juan Manuel Rosas, governante que perseguiu Esteban Echeverría por seus escritos e posição política. Fonte: Fernando García del Molino [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

Nesta história, o escritor argentino narrou as divergências políticas, sociais, culturais, educacionais e econômicas que sua nação experimentou como resultado de um governo tirânico. A peça era uma luta constante entre liberdade e opressão, onde a juventude era o protagonista.

Fragmento

“O matadouro da Convalescença ou Alto, localizado no quinto sul da cidade, é uma grande praia de formato retangular, localizada no final de duas ruas, uma das ruas termina e a outra se estende para o leste …

“A perspectiva do matadouro à distância era grotesca, cheia de animação. Quarenta e nove bovinos estavam deitados em seus couros, e cerca de duzentas pessoas pisotearam aquele solo lamacento regado com o sangue de suas artérias … A figura mais predominante em cada grupo era o açougueiro com a faca na mão, braço e peito nus … ” .

Fragmento das consolações (1834)

“Eu sou uma flor escura

de fragrância e beleza

despojado

flor sem qualquer apelo

que apenas um momento vivo,

entristecido.

Eu nasci sob uma estrela ruim;

mas eu olhei para uma linda

apaixonado;

e me chamou de pensamento

e eu fui daquele momento

flor preciosa.

Eu não atendo nos jardins

como jasmim albos

ou as rosas;

mas eles me procuram e admiram

eles olham para mim e suspiram

os lindos

Se você me vê ausente

que tristeza sente,

ganha vida;

e é feliz imaginando

que sua querida estará pensando nele …

Frases

– “Fazer um povo trabalhar contra as condições particulares de seu ser como povo livre é desperdiçar sua atividade, é desviá-lo do progresso e direcioná-lo para trás …”.

– “Escravos ou homens sob poder absoluto não têm país, porque o país não está ligado à pátria, mas no livre exercício dos direitos dos cidadãos”.

– “Os princípios são estéreis se não se tornarem realidade.”

– “Liberdade é o direito que todo homem tem de empregar, sem impedimentos, suas faculdades na obtenção de seu bem-estar e escolher os meios que podem servir a esse objetivo”.

– “A única fórmula definitiva e fundamental de nossa existência como povo livre é maio, progresso, democracia”.

– “A democracia não é uma forma de governo, mas a própria essência de todos os governos republicanos ou instituídos para o bem da comunidade ou associação. Democracia é o regime de liberdade fundado na igualdade de classes. ”

– “Miserável daqueles que hesitam quando a tirania é iniciada nas entranhas da pátria.”

– “Nas minhas veias corre chama sutil e ardente, que me inflama incessantemente e cheia de dor.”

– “Ele perdeu o feitiço da melodia, que ansiava pelo meu coração.”

– “Quem olha indiferentemente a lágrima preciosa que generosamente derrama sensibilidade!”

Referências

  1. Vida e obra de Esteban Echeverría. (S. f.). Espanha: Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes. Recuperado de: cervantesvirtual.com.
  2. Tamaro, E. (2004-2009). Esteban Echeverría. (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  3. Esteban Echeverría. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  4. Harlan, C. (2019). Esteban Echeverría. (N / a): sobre espanhol. Recuperado de: aboutespanol.com.
  5. Elvira ou a namorada de Plata. (S. f.). Espanha: Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes. Recuperado de: cervantesvirtual.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies