Incêndios florestais: características, causas, conseqüências, tipos

Incêndios florestais: características, causas, conseqüências, tipos

Os incêndios florestais são incêndios não controlados que consomem grandes áreas de florestas e outros tipos de vegetação. Eles são caracterizados pelo fogo cujo combustível material é a madeira e os tecidos vegetais e o vento envolvidos no seu desenvolvimento.

Esses incêndios podem ocorrer por causas naturais e antropogênicas (ações humanas). No primeiro caso, ocorrem devido a efeitos de raios em condições extremas de seca com altas temperaturas, mas a maioria é causada por ação humana acidental ou intencional.

São uma das principais causas de degradação ou perda de ecossistemas, pois podem eliminar totalmente a cobertura vegetal, bem como a fauna da região. Isso aumenta a erosão do solo, aumenta o escoamento e diminui a infiltração, reduzindo assim as fontes de água.

Existem três tipos básicos de incêndios florestais, determinados pelo tipo de vegetação, umidade ambiental, temperatura e regime de vento. São incêndios superficiais, de coroa e subterrâneos.

Para evitar incêndios florestais, a conscientização do cidadão sobre o problema e suas conseqüências é essencial. Da mesma forma, os sistemas de viveiro ambiental, detecção e alerta precoce, além de contar com equipes de incêndio florestal.

Características dos incêndios florestais

Os incêndios florestais são caracterizados por ocorrer em áreas abertas, onde o vento desempenha um papel determinante. Por outro lado, o material inflamável que os alimenta é matéria vegetal, como a lignina e a celulose, que queimam facilmente.

Para se originar, é necessária a combinação de um material combustível, calor e oxigênio. Os principais fatores que influenciam são a presença de vegetação seca e baixa umidade do solo e do ar, além de altas temperaturas e vento.

Composição específica

As espécies de plantas em um determinado local podem determinar a magnitude e a taxa de propagação do fogo. Por exemplo, coníferas como pinheiros e ciprestes produzem resinas que aumentam a combustibilidade do material vegetal.

Além disso, algumas angiospermas de famílias como Anacardiaceae e gramíneas secas (gramíneas) são um excelente combustível. Particularmente em prados altos, as chamas se espalham com grande velocidade.

Topografia

O relevo da terra onde o incêndio florestal se desenvolve e a direção do vento são fatores determinantes na propagação e extensão do fogo. Por exemplo, um incêndio nas encostas das montanhas com correntes de ar ascendentes se espalha em alta velocidade e com chamas de alta altitude.

Além disso, quando há uma inclinação acentuada, os fragmentos do material combustível queimado (flocos) se movem facilmente para baixo.

Fogo e ecossistemas

Existem ecossistemas em que o fogo é uma de suas características operacionais e as espécies se adaptaram a incêndios periódicos e até dependem do fogo. Por exemplo, nas savanas e florestas do Mediterrâneo, ocorrem queimaduras periódicas que renovam a vegetação e promovem a germinação ou regeneração de algumas espécies.

Além disso, muitos outros ecossistemas não toleram fogo e são severamente afetados por incêndios florestais. É o caso de florestas tropicais, florestas tropicais decíduas, entre outras.

Partes de um incêndio florestal

As partes do incêndio florestal são determinadas principalmente pela direção da progressão do fogo, que depende do vento. Nesse sentido, são definidas uma frente de incêndio, flancos e cauda, ​​bem como focos secundários.

Desde o ponto de partida, o fogo se expande em todas as direções do avião, mas a direção dominante do vento define suas características.

A frente do fogo

É a borda principal do fogo favorável à direção predominante do vento, onde as chamas são altas e podem ocorrer línguas de fogo. Estes últimos são extensões longitudinais da frente, que cobrem o terreno e expandem a área de incêndio.

Bordas laterais

Estas são as partes laterais do fogo em relação à frente dianteira, onde os ventos impactam pela lateral. Nesta área, a intensidade do fogo é menor e seu progresso é mais lento.

A fila

É a parte de trás do incêndio florestal e corresponde ao seu local de origem. Neste ponto, as chamas são mais baixas porque a maior parte do material combustível foi consumida. 

Focos secundários

É comum que fontes de fogo sejam geradas longe do núcleo principal, devido à ação de fragmentos de material em chamas que se movem devido à ação do vento ou de declives acentuados.

Causas

Os incêndios florestais podem se originar de causas naturais ou ser causados ​​por ações humanas.

– Causas naturais

Alguns incêndios na vegetação ocorrem por causas estritamente naturais, como raios. Da mesma forma, foi apontada a possibilidade de combustão espontânea de certos tipos de vegetação em condições adequadas.

Relacionado:  Tornado: características, causas, tipos e consequências

No entanto, alguns pesquisadores negam essa possibilidade porque as temperaturas necessárias para o início de um incêndio florestal excedem 200 ºC.

– Causas humanas

Mais de 90% dos incêndios florestais são causados ​​por seres humanos, por acidente, negligência ou intencionalmente.

Acidentes

Muitos incêndios florestais são iniciados por curtos-circuitos ou sobrecargas nas linhas de transmissão de energia que passam por áreas naturais. Em alguns casos, isso ocorre porque as ervas daninhas não são eliminadas na base das torres e no curso das linhas de energia.

Negligência

Uma causa muito comum de incêndios florestais são incêndios mal extintos ou descontrolados. Da mesma forma, queima de lixo ou bitucas de cigarro jogadas na berma da estrada.

Intencional

Incêndios florestais causados ​​intencionalmente por seres humanos são muito frequentes. Assim, existem aqueles causados ​​por pessoas com problemas mentais que gostam de causar incêndios (piromaníacos).

Por outro lado, muitos incêndios florestais são deliberadamente causados ​​por destruir a cobertura vegetal e justificar o uso da terra para outros fins. Por exemplo, foi relatado que a principal causa de incêndios na Amazônia é a queima intencional para a introdução de pastagens e culturas, principalmente soja.

Consequências

Para os ecossistemas em que o fogo faz parte de sua dinâmica natural, as consequências são geralmente positivas. No entanto, na maioria dos casos, os incêndios florestais têm consequências altamente negativas para o ecossistema e os seres humanos.

Perdas de biodiversidade

Os incêndios florestais causam um impacto direto, diminuindo a biodiversidade no ecossistema. O fogo causa a morte de espécies vegetais e animais, bem como de outros organismos, como fungos, musgos, líquenes e samambaias.

Somente as espécies tolerantes ao fogo (pirofílicas), como algumas palmeiras, árvores e gramíneas, não são afetadas. Por outro lado, quando o habitat é degradado, há um desaparecimento secundário de espécies ou muitas são forçadas a migrar para sobreviver.

Perda de fontes de água

O desaparecimento ou degradação da cobertura vegetal e da matéria orgânica do solo aumenta o escoamento da água da chuva, diminuindo a infiltração. Portanto, as reservas de água subterrânea são reduzidas e o sedimento arrastado do solo que obstrui os reservatórios aumenta.

Além disso, à medida que a área florestal diminui, sua capacidade de contribuir para a produção de chuva e a captura de umidade ambiental é afetada.

Deterioração do solo

Como o solo é exposto devido à perda de vegetação, a perda devido à erosão aumenta. Além disso, o fogo diminui a matéria orgânica do solo e afeta sua atividade biológica, teor de umidade e capacidade de troca de íons minerais.

Aquecimento global

Os incêndios florestais são uma importante contribuição para o aumento do aquecimento global. As florestas que capturam e retêm carbono atmosférico são destruídas e o carbono retido é liberado na forma de CO 2,  que é um gás de efeito estufa.

Problemas de saúde pública

A fumaça e as partículas geradas pelos incêndios florestais causam sérios problemas respiratórios nas populações próximas. Mais diretamente, as pessoas podem sofrer queimaduras e até morte quando apanhadas em incêndios florestais.

Danos à infraestrutura e serviços

Os incêndios florestais produzem chamas que às vezes atingem grandes alturas e podem afetar as infraestruturas presentes na área em que ocorrem ou em áreas próximas.

Habitação e outras infra-estruturas

Quando os incêndios florestais atingem grandes áreas, às vezes acabam afetando áreas residenciais próximas. Portanto, são comuns os casos de incêndios florestais que acabam gerando incêndios estruturais.

Linhas de energia

Quando as chamas dos incêndios florestais atingem as linhas de alta tensão, causam sobrecargas. Essas sobrecargas acionam os mecanismos de segurança do sistema e o suprimento elétrico para grandes áreas urbanas e industriais é cortado.

Perda de recursos do ecossistema

As florestas e outros ecossistemas são uma fonte de recursos alimentares, medicinais, genéticos e industriais que podem ser explorados de maneira sustentável. Os incêndios florestais por destruir as espécies do ecossistema causam a perda desses recursos.

Diminuição da atividade turística

Um valor do ecossistema é o seu potencial para o turismo. Sem dúvida, isso é afetado negativamente pelos incêndios florestais, tanto pelo risco à segurança dos turistas durante sua ocorrência quanto pela degradação ambiental que eles causam.

Perdas econômicas

O impacto negativo dos incêndios florestais também se manifesta economicamente, devido à perda de recursos e infraestrutura florestais, aos custos associados a problemas de saúde, deslocamento humano e medidas de remediação subsequentes.

Relacionado:  Deterioração ambiental: causas, consequências e soluções

Tipos de incêndios florestais

Os incêndios florestais podem ser classificados levando em consideração vários critérios, incluindo o tipo de formação de plantas onde ocorrem. Nesse sentido, falamos de incêndios florestais e de savanas ou pastagens em geral.

Em relação à maneira como ocorrem, os incêndios florestais são classificados em três tipos: superfície, copa e subsolo.

Fogos de superfície

Esse tipo de fogo se espalha principalmente pela superfície do solo, queimando a vegetação herbácea e arbustiva do sub-bosque. Ocorre principalmente em ecossistemas como savanas sem árvores (sem árvores).

Taças de fogo

Eles ocorrem em áreas arborizadas, onde as árvores têm os topos muito próximos e o fogo os ataca. Portanto, o fogo progride de dossel para dossel, independentemente do solo da floresta.

Incêndios subterrâneos

Incêndios florestais subterrâneos ocorrem principalmente em áreas com solos ricos em matéria orgânica. Por exemplo, em áreas de turfa, porque o fogo consome turfa abaixo do solo.

Muitas vezes, os surtos não são detectados e não são fáceis de combater. Assim, as turfeiras podem durar semanas queimando nessas condições.

Super incêndios ou incêndios famintos

Eles consistem em incêndios florestais que, devido à sua grande magnitude, são realimentados, gerando suas próprias condições de desenvolvimento. Formações de plantas muito extensas ocorrem em condições de extrema seca, portanto há material combustível abundante.

Devido à sua extensão e intensidade, eles geram grandes quantidades de calor e produzem tempestades de fogo. Esses super incêndios ou incêndios de sexta geração estão se tornando mais comuns, devido às mudanças nas condições climáticas do planeta.

Por exemplo, durante 2019, esse tipo de incêndio florestal consumiu milhões de hectares na Amazônia, América do Norte, Sibéria, Europa Ocidental, Indonésia e Austrália.

Tempestades de fogo

Em alguns casos, o calor extremo gerado na área causa uma zona de baixa pressão na qual as massas de ar fluem. Além disso, o oxigênio alimenta as chamas e o fogo se torna mais intenso e se espalha,

As massas de ar quente sobem como colunas, formando um tipo específico de nuvem ( piro cumulonimbus ). Quando essas colunas colapsam, elas arrastam para baixo as massas de ar que alimentam o fogo e fazem com que ele mude dramaticamente sua direção.

Prevenção

Prevenir a ocorrência de incêndios florestais requer um programa integrado de medidas que vão desde promover a conscientização do público até sistemas de alerta precoce.

– Sensibilização do público

O ponto de partida de um programa de prevenção de incêndios florestais é conscientizar os cidadãos sobre o problema e suas conseqüências. Dessa maneira, pressão política pode ser gerada para as administrações estaduais, para que elas invistam os recursos necessários.

Por outro lado, um cidadão consciente contribui para a vigilância e o alerta, cumprindo as medidas preventivas necessárias.

– Erradicação ou controle da prática de queima de restolho

Uma causa muito comum de incêndios florestais é a prática de queima de restolho e detritos de culturas antes do cultivo da terra. Essa prática, além de afetar o solo e a atmosfera, aumenta o risco de incêndio.

– Firewall

Para evitar a propagação de incêndios, um sistema de firewall deve ser estabelecido, através de faixas desprovidas de vegetação ou barreiras vivas. Esses firewalls são organizados separando áreas sensíveis de possíveis fontes de iniciação a incêndios, como estradas, áreas povoadas e outras.

Também ajuda a evitar a ocorrência de incêndios florestais ou sua propagação, poda controlada e queima controlada de material combustível,

Barreiras vivas

Esse método de firewall consiste em organizar faixas com vegetação perene de espécies pirofílicas. São espécies especificamente adaptadas para resistir ou tolerar o fogo.

– Manutenção e assistência à floresta

Um sistema de prevenção adequado deve incluir o monitoramento da floresta e sua manutenção periódica. Acumulações de material seco em áreas sensíveis devem ser removidas e até fontes de água artificiais fornecidas.

– Sistema de alerta precoce

Um elemento-chave na prevenção da propagação de um incêndio florestal é a detecção precoce dos surtos. Para isso, são utilizados sistemas de vigilância direta, sistemas tecnológicos de detecção de satélites e sistemas de detecção de fumaça.

Por exemplo, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) detecta fontes de calor usando o satélite AQUA. Este satélite usa o sensor Modis com uma resolução de 1 Km 2 .

Relacionado:  Estepe seco: características, clima, fauna, flora

– Bombeiros florestais

Bombeiros florestais adequadamente equipados e com pessoal adequado são vitais para impedir a propagação de um incêndio florestal.

Incêndios florestais no México

Segundo a Comissão Nacional de Florestas, 98% dos incêndios florestais neste país são de origem humana. De 1998 a 2013, a média anual de incêndios florestais excedeu 10.000 eventos, afetando mais de 2 milhões de hectares no total.

Em 2019, ocorreram 7.410 incêndios florestais, afetando mais de 600.000 Ha. No entanto, 95% dessa superfície corresponde a vegetação herbácea e arbustiva, apenas 5% envolvem florestas.

Incêndios florestais na Colômbia

A Colômbia possui 18,44% de seu território, altamente suscetível à ocorrência de incêndios florestais. A região de Orinoquia é a que apresenta maior suscetibilidade a incêndios florestais, com 20.000 hectares perdidos entre 1999 e 2002.

No período de 2002 a 2012, mais de 6.000 incêndios florestais ocorreram consumindo mais de 900 Ha. Em 2019, houve mais de 500 incêndios florestais neste país.

Incêndios florestais na Espanha

Na Espanha, existem formações vegetais onde o fogo faz parte de sua dinâmica natural, como é o caso da floresta mediterrânea. No entanto, os incêndios florestais afetam várias áreas da geografia nacional.

Entre 2000 e 2006, mais de 900.000 hectares do país foram queimados devido a incêndios florestais. Entre 2007 e 2017, houve mais de 8.000 ataques de fogo por ano e os próprios incêndios excederam 4.000 por ano.

Em 2017, mais de 178 mil Ha foram afetados por incêndios florestais, incluindo 56 grandes incêndios (mais de 500 Ha em cada caso). A região mais afetada pelos incêndios florestais é o Noroeste (51,57%) e na província de León (município de Encinedo) mais de 9 mil Ha foram afetados.

Incêndios florestais no Peru

Entre 1973 e 2000, 117 incêndios florestais em larga escala ocorreram neste país, afetando mais de 122.000 hectares de floresta. A taxa anual de incêndios florestais aumentou de 30,7 Ha na década de 1970 (século 20) para mais de 11.000 Ha na década de 1990, devido a causas humanas.

Incêndios florestais na Venezuela

Na Venezuela, os incêndios florestais são recorrentes durante a estação seca e cerca de dois terços do seu território enfrentam um risco alto a muito alto. Durante 2016, mais de 200 incêndios ocorreram em áreas naturais protegidas e, em 2019, o número aumentou para mais de 700 incêndios florestais.

Na encosta sul da cordilheira da Costa, a floresta semidecídua foi substancialmente reduzida e até incêndios afetam a floresta nublada. Por seu lado, a cordilheira de Perijá, na fronteira com a Colômbia, sofreu o pior incêndio em 15 anos em 2016.

Incêndios florestais na Argentina

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente deste país, mais de 8,5 milhões de hectares sofreram incêndios florestais entre 2005 e 2017. Uma das áreas mais afetadas pelos incêndios é a Patagônia.

Além disso, cerca de 30% das áreas montanhosas de Córdoba são queimadas recorrentemente a cada ano.

Referências

  1. Aguirre-Briones, F. (2001). Manual de treinamento sobre incêndios florestais para tripulações. 2ª edição revisada. Governo de Aragão.
  2. Centro Nacional de Gerenciamento de Incêndios (2019). Programa de gerenciamento de incêndio. Fechar 2019. CONAFOR. Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais. México.
  3. Comissão Nacional Florestal (2010). Incendios florestais. Guia prático para comunicadores. México. Comissão Nacional de Florestas (2013). Incêndios florestais no México. Temporada 2013.
  4. INAMEH (2019). Boletim de alerta prévio sobre o risco de incêndios florestais na República Bolivariana da Venezuela. Estação seca 2018-2019. Instituto Nacional de Meteorologia e Hidrologia.
  5. Manta, IM e León, H. (2004). Incêndios florestais no Peru: sério problema a ser resolvido. Floresta.
  6. Ministério da Agricultura e Pescas, Alimentação e Meio Ambiente (2017). Incêndios florestais na Espanha. 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2017. Avanço da informação.
  7. Mondragón-Leonel, MF, Melo-Ardila, A. e Gelvez-Pinzón, K. (2013). Causas de incêndios florestais nas regiões do Caribe, Andina e Orinoco da Colômbia. Prevenção de incêndios florestais por meio de exercícios regionais que vinculam a comunidade e outros atores locais que levam à proteção de florestas e serviços ecossistêmicos. Organização Internacional de Madeiras Tropicais.
  8. Navarrete, R., Oberhuber, T. e Reina, J. (2007). Incendios florestais. Manual prático. Ecologistas em ação.
  9. Vignote, S. (2020). Mudanças climáticas e incêndios florestais na Espanha. Relatório técnico

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies