José María Plácido Caamaño: biografia e obras

José María Plácido Caamaño (1837–1900) foi advogado e político de Guayaquil no século XIX. Ele serviu como presidente da República do Equador, primeiro como interino em 1883, depois oficialmente até 1888.

Ele era neto do explorador espanhol Jacinto Caamaño e seu pai era José María Caamaño, que também era parente da política equatoriana nos dias de García Moreno. Apesar disso, Plácido Caamaño começou sua vida dedicada ao trabalho comercial e administrativo privado, com o qual obteve uma pequena fortuna.

José María Plácido Caamaño: biografia e obras 1

Desconhecido – Presidência da República do Equador [Domínio público], via Wikimedia Commons

Ele foi um dos apoiadores de Ignacio de Veintemilla. Então, quando se declarou ditador, Caamaño se tornou um de seus adversários e fez parte do governo que assumiu o poder depois de derrubar Veintemilla.

Em outubro de 1883, Caamaño foi eleito presidente interino e, no ano seguinte, após um empate com Rafael Pérez Pareja, venceu a corrida pela primeira magistratura. Foi assim que o progressismo começou no Equador.

Apesar de ter chegado ao escritório com o apoio dos liberais, Caamaño decidiu dar altas posições aos conservadores. Essa foi a razão que levou os liberais não apenas a se separarem de Caamaño, mas também a oferecer-lhe paz em seu mandato.

Biografia

Primeiros anos

José María Plácido Caamaño Cornejo nasceu em 5 de outubro de 1838 em Guayaquil, Equador. Seu pai, José María Caamaño e Arteta, era candidato à presidência em 1865. Sua mãe era a senhora Dolores Cornejo.

O jovem frequentou o Seminário de Guayaquil, onde recebeu um diploma de bacharel em Filosofia e Letras. Então, Caamaño mudou-se para Quito, onde obteve o título de Doutor em Jurisprudência na Universidade da cidade.

Desde então, Caamaño não exerceu sua profissão, mas voltou para Guayaquil. Lá ele se dedicou à administração da propriedade Tenguel, que pertencia à sua família. Ele conseguiu como comerciante e conseguiu os meios para obter uma vida confortável.

Política

Em 8 de setembro de 1876, Plácido Caamaño fez parte da revolução liderada por Ignacio de Veintemilla, na qual grande parte da sociedade de Guayaquil participou, contra o governo do presidente Antonio Borrero e Cortázar.

Caamaño apoiou o novo presidente, mas, com o passar do tempo, decidiu se mudar e voltou à vida privada como proprietário e comerciante de terras. Então, em 1882, Veintemilla foi proclamado ditador e Caamaño ingressou em uma conspiração contra o governo.

O plano foi descoberto e Caamaño foi banido para Lima, onde ficou por um ano. Do Peru, Caamaño financiou e organizou a expedição do sul do exército restaurador, que uniu liberais e conservadores contra Veintemilla.

Quando essa força triunfou, Plácido Caamaño começou a fazer parte do pentavirato, juntamente com Luis Cordero, Pedro Carbo, José María Sarasti e Agustín Guerrero. Os cinco constituíram um conselho que assumiu o comando do governo equatoriano.

Governo

Em 11 de outubro de 1883, Plácido Caamaño foi nomeado presidente interino pela Convenção Nacional que se reunira em Quito. Ele estava nessa posição até fevereiro do ano seguinte, quando a constituição foi promulgada e um novo governante foi escolhido.

Nas eleições, realizadas em 7 de fevereiro de 1884, Caamaño foi medido contra Rafael Pérez Pareja. Houve um empate nos resultados entre os dois, por isso passamos a deixar a sorte escolher o vencedor.

Em 18 de fevereiro do mesmo ano, Plácido Caamaño assumiu a presidência por seu mandato de quatro anos. Assim começou no Equador uma nova era política que era conhecida como Progresismo.

Dizia-se que Caamaño não levava ao primeiro escritório velhos ressentimentos, mas a vontade de um governo de paz e unidade na nação.

No entanto, os laços que uniram conservadores e liberais contra Veintemilla logo foram desfeitos pela tendência de Caamaño a um governo constituído principalmente por conservadores.

Isso levou os liberais a decidirem combater Caamaño, que teve que enfrentar as chamadas montoneras e outras revoltas constantes.

Ele visitou grande parte do território nacional e, em junho de 1888, como indicado pela constituição, Caamaño concluiu seu governo. Ele apoiou Antonio Flores Jijón na candidatura presidencial no período que lhe aconteceria.

Últimos anos

Desde 1888, Plácido Caamaño exerceu funções diplomáticas como ministro plenipotenciário nos Estados Unidos da América. Em 1892, ele se estabeleceu em Guayaquil e foi nomeado governador de Guayas.

Após um conflito relacionado à suposta venda da bandeira, Caamaño decidiu se aposentar e se mudar para a Espanha, onde permaneceu até o final de sua vida, empobrecido desde que sua fortuna a disponibilizou para a causa restauradora.

Morte

José María Plácido Caamaño morreu em 31 de dezembro de 1900 em Sevilha, Espanha. Sua vida culminou no exterior, sem dinheiro e subsidiada por seus parentes que possuíam fortunas.

Trabalha em sua presidência

Para criar seu plano de governo, Plácido Caamaño decidiu visitar o país e estudar as necessidades de cada província em primeira mão. Ele considerou que apenas dessa maneira poderia projetar um modelo que lhe permitisse progredir em todos os cantos do Equador.

Embora, devido às constantes revoltas que ele enfrentou, Caamaño não pudesse executar todos os projetos planejados, ele tentou não abandonar completamente as obras públicas.

A educação foi uma das bases do governo de Caamaño, no qual as escolas foram criadas em todo o território. Ele restaurou algumas instituições que apoiou financeiramente para melhorar suas instalações, como a Escola Militar de Quito ou a Náutica de Guayaquil.

Em termos de infraestrutura e estradas, foi dado apoio ao trabalho ferroviário e novas estradas foram criadas para ligar as regiões do Equador. Além disso, no campo da comunicação, foi criado o telégrafo entre Quito e Guayaquil.

Ele também reabriu as portas da Universidade de Quito. Durante seu governo, o Instituto de Ciências foi estabelecido e apoiado pela Escola de Agronomia, o Jardim Botânico, o Observatório Astronômico e a Biblioteca Nacional.

Referências

  1. In.wikipedia.org. (2018).José Plácido Caamaño . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acesso em 15 dez. 2018].
  2. Avilés Pino, E. (2018).Caamaño Dr. José María Plácido – Personagens Históricos | Enciclopédia do Equador . [online] Enciclopédia do Equador. Disponível em: encyclopediadelecuador.com [Acesso em 15 dez. 2018].
  3. Pérez Pimentel, R. (2018).LAS ANGUSTIAS DE CAAMAÑO . [online] Ecuadorprofundo.com. Disponível em: ecuadorprofundo.com [Acesso em 16 dez. 2018].
  4. Garcia-Pelayo e Gross, R. (1983).Larousse pequena ilustrada . Paris: Larousse, pp. 1176
  5. Castellano, P. e Orero Sáez de Tejada, C. (2000).Enciclopédia Espasa . Madri: Espasa, vol. 4, pp. 1915

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies