Libido: como Sigmund Freud definiu esse conceito?

Libido: como Sigmund Freud definiu esse conceito? 1

Atualmente, o termo “libido” é difundido em linguagem coloquial ; Nesse contexto, esse conceito é entendido como sinônimo de desejo ou impulsos sexuais.

No entanto, a definição de libido criada por Sigmund Freud não se refere apenas à sexualidade, mas é mais ampla , e é essencial entender o restante de sua teoria.

Definindo energia libidinal

De acordo com a definição proposta por Sigmund Freud, a libido é a energia das pulsões ou instintos que dirigem todas as formas de comportamento . Inicialmente ele afirmou que a libido sempre teve um caráter sexual e que o restante das pulsões era secundário ao da reprodução; no entanto, ao desenvolver sua teoria, Freud incluiu outros tipos de energia nesse conceito.

Em psicanálise freudiano clássico do termo “libido” é geralmente utilizado para se referir a um efeito (ou emoção) ligado a uma unidade específica , que pode ser associado com ele ou o auto . Mais tarde, esse autor passou a chamar “impulso da vida” ou “Eros” aos impulsos dessas classes e acrescentou outro tipo diferente de impulso: o da morte ou Thanatos.

A quantidade de libido disponível para a psique de um indivíduo em particular é limitada. Portanto, os processos mentais competem entre si para ocorrer, e alguns têm um custo muito alto, podendo interferir nos outros; Por exemplo, Freud disse que o mecanismo de defesa conhecido como repressão é especialmente caro para a mente.

O conceito de libido de acordo com Carl Jung

Carl Gustav Jung , fundador da escola de psicologia analítica, identificou o conceito de libido com energia psíquica em geral . Seria a manifestação de processos vitais, que geralmente toma a forma de um desejo. Sua origem seria a oposição entre dualidades na mente, como mencionamos entre o It e o Superego.

Embora as definições de ambos os autores sejam semelhantes, a concepção junguiana da libido é um dos principais pontos de colisão entre Jung e Freud : enquanto para o pai da psicanálise a energia libidinal é basicamente sexual, Jung e os autores que seguiram seus passos. Eles acreditavam que a libido tem um caráter muito mais amplo e indiferenciado.

Jung também não concordou com Freud sobre a concepção da mente como um produto do substrato biológico do organismo. Portanto, podemos dizer que as idéias do mais famoso de seus discípulos são caracterizadas por um mentalismo ainda mais marcante; Nesse sentido, é importante levar em conta a grande influência que a religião exerceu sobre Jung.

  • Você pode estar interessado: ” Os 31 melhores livros de Psicologia que você não pode perder “

O princípio da libido e do prazer

A libido está contida Nele, uma das três estruturas da mente descritas por este autor. Enquanto o Ele representa a parte mais básica e primitiva do nosso ser, o Eu e o Superego surgem ao longo do desenvolvimento para atender às demandas do organismo e ao meio ambiente e para nos fornecer uma consciência moral, respectivamente.

É governado pelo princípio do prazer; Isso significa que ele direciona o comportamento para obter prazer imediato. Além disso, essa parte da psique depende de processos inconscientes; portanto, muitas vezes não sabemos quais são os impulsos que motivam nosso comportamento.

Por sua parte, o I está preocupado em obter gratificação levando em consideração o princípio da realidade. Isso significa que o Eu contém a energia libidinal Dele, para que seus instintos possam ser adequadamente satisfeitos em relação às regras e exigências do ambiente, o que inclui aspectos como raciocínio a longo prazo e julgamento social.

O Superego cumpre o papel de modelo de comportamento para o Self. Normas e valores sociais internalizados residem nessa estrutura por meio da interação com outros membros do mesmo grupo social, principalmente pais e outras figuras de autoridade. Assim, a libido do eu empurra o eu para obter prazer enquanto o superego prioriza a moralidade.

Os estágios do desenvolvimento psicossexual

Segundo a teoria de Freud, a libido é expressa de diferentes maneiras, dependendo do estágio de desenvolvimento em que o indivíduo está em um determinado momento. Assim, este autor descreveu uma série de fases evolutivas que seriam comuns a todos os seres humanos; cada um deles está relacionado a uma zona erógena específica na qual a libido se concentraria.

Freud descreveu 5 estágios do desenvolvimento psicossexual: a fase oral, na qual o prazer é obtido pela boca; a fase anal; a fase fálica, caracterizada pelo complexo de Édipo; o período de latência, no qual a libido é redirecionada para atividades não sexuais por sublimação; e a fase genital, que corresponde à chegada da puberdade e maturidade sexual.

Às vezes, a energia libidinal estagna em um estágio de desenvolvimento anterior ao atual; Freud se referiu a isso como “fixação”. Esse fenômeno, a origem do desconforto e da psicopatologia, pode derivar tanto da frustração das necessidades libidinais no estágio em questão quanto de sua satisfação excessiva, o que pode ser igualmente problemático.

  • Para saber mais: ” As cinco etapas do desenvolvimento psicossexual de Sigmund Freud “

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies