Os 10 principais recursos da Light

Entre as características mais relevantes da luz estão sua natureza eletromagnética, seu caráter linear, que possui uma área impossível de ser percebida pelo olho humano e o fato de que, dentro dela, todas as cores existentes podem ser encontradas.

A natureza eletromagnética não é exclusiva da luz. Essa é uma das muitas outras formas de radiação eletromagnética que existem. Ondas de microondas, ondas de rádio, radiação infravermelha, raios-X, entre outras, são formas de radiação eletromagnética.

Os 10 principais recursos da Light 1

Muitos estudiosos dedicaram suas vidas à compreensão da luz, definindo suas características e propriedades e investigando todas as suas aplicações na vida.

Galileu Galilei , Olaf Roemer, Isaac Newton , Christian Huygens, Francesco Maria Grimaldi, Thomas Young, Augustin Fresnel, Siméon Denis Poisson e James Maxwell são apenas alguns dos cientistas que, ao longo da história, dedicaram seus esforços para entender esse fenômeno. e reconhecer todas as suas implicações.

10 principais características da luz

1- É onda e corpuscular

São dois grandes modelos que foram usados ​​historicamente para explicar qual é a natureza da luz.

Após diferentes investigações, determinou-se que a luz é, ao mesmo tempo, onda (porque se propaga através das ondas) e corpuscular (porque é composta de pequenas partículas chamadas fótons).

Diferentes experiências na área revelaram que ambas as noções poderiam explicar as diferentes propriedades da luz.

Isso levou à conclusão de que os modelos de onda e corpuscular são complementares, não exclusivos.

2- Se espalha em linha reta

A luz carrega uma direção reta em sua propagação. As sombras geradas pela luz em seu caminho são evidências evidentes dessa característica.

A teoria da relatividade, proposta por Albert Einstein em 1905, introduziu um novo elemento ao afirmar que, no espaço-tempo, a luz viaja em curvas, pois é desviada por elementos que se interpõem em seu caminho.

3- velocidade finita

A luz tem uma velocidade finita e pode ser extremamente rápida. No vácuo, ele pode se mover para cerca de 300.000 km / s.

Quando a área em que a luz viaja for diferente do vácuo, a velocidade de seu movimento dependerá das condições ambientais que afetam sua natureza eletromagnética.

4- Frequência

As ondas se movem em ciclos, ou seja, elas se movem de uma polaridade para a próxima e depois retornam. A característica de frequência tem a ver com o número de ciclos que ocorrem em um determinado momento.

É a frequência da luz que determina o nível de energia de um corpo: quanto maior a frequência, maior a energia; a uma frequência mais baixa, menos energia.

5- Comprimento de onda

Essa característica tem a ver com a distância entre os pontos de duas ondas consecutivas que ocorrem em um determinado momento.

O valor do comprimento de onda é gerado a partir da divisão entre a velocidade das ondas pela frequência: quanto menor o comprimento de onda, a frequência será maior; e quanto maior o comprimento de onda, a frequência será menor.

6- Absorção

O comprimento de onda e a frequência permitem que as ondas tenham um tom específico. O espectro eletromagnético contém em si todas as cores possíveis.

Os objetos absorvem as ondas de luz que os afetam, e aqueles que não absorvem são aqueles que são percebidos como cores.

O espectro eletromagnético tem uma área visível ao olho humano e outra que não é. Dentro da área visível, que varia de 700 nanômetros (cor vermelha) a 400 nanômetros (cor violeta), cores diferentes podem ser encontradas. Na área não visível, por exemplo, podem ser encontrados raios infravermelhos.

7- Reflexão

Esse recurso tem a ver com o fato de que a luz é capaz de mudar de direção quando é refletida em uma área.

Essa propriedade indica que, quando a luz atinge um objeto com uma superfície lisa, o ângulo em que será refletido corresponderá ao mesmo que teve o raio de luz que primeiro afetou a superfície.

Olhar no espelho é o exemplo clássico desse recurso: a luz é refletida no espelho e cria a imagem percebida.

8- Refração

A refração da luz está relacionada ao seguinte: em seu caminho, as ondas de luz podem passar através de superfícies transparentes perfeitamente.

Quando isso acontece, a velocidade de movimento das ondas é reduzida e isso faz com que a luz mude de direção, o que gera um efeito de flexão.

Um exemplo da refração da luz pode ser colocar um lápis dentro de um copo de água: o efeito quebrado gerado é uma consequência da refração da luz.

9- Difração

A difração da luz é a mudança na direção das ondas quando elas passam por aberturas ou quando cercam um obstáculo em seu caminho.

Este fenômeno ocorre em diferentes tipos de ondas; Por exemplo, se as ondas geradas pelo som são observadas, a difração pode ser notada quando as pessoas conseguem perceber um ruído, mesmo que venha, por exemplo, de trás de uma rua.

Embora a luz viaje em linha reta, como vimos anteriormente, também pode ser observada na característica de difração, mas apenas em relação a objetos e partículas com comprimentos de onda muito pequenos.

10- Dispersão

Dispersão é a capacidade da luz de se separar através de uma superfície transparente e mostrar como conseqüência todas as cores que fazem parte dela.

Esse fenômeno ocorre porque os comprimentos de onda que fazem parte de um feixe de luz são ligeiramente diferentes um do outro; então, cada comprimento de onda formará um ângulo ligeiramente diferente ao cruzar uma superfície transparente.

A dispersão é uma característica das luzes que possuem vários comprimentos de onda. O exemplo mais claro da dispersão da luz é o arco-íris.

Referências

  1. “A natureza da luz” no Museu Virtual da Ciência. Recuperado em 25 de julho de 2017 de Museu Virtual da Ciência: museovirtual.csic.es.
  2. “Características da luz” em CliffsNotes. Retirado em 25 de julho de 2017 de CliffsNotes: cliffsnotes.com.
  3. “Light” na Enciclopédia Britânica. Retirado em 25 de julho de 2017 de Encyclopedia Britannica: britannica.com.
  4. Lucas, J. “O que é luz visível?” (30 de abril de 2015) em Live Science. Retirado em 25 de julho de 2017 de Live Science: livescience.com.
  5. Lucas, J. “Imagem invertida: reflexão e refração da luz” (1 de outubro de 2014) em Live Science. Retirado em 25 de julho de 2017 de Live Science: livescience.com.
  6. Bacharel, R. “1915. E Einstein curvou a luz ”(23 de novembro de 2015) em El Mundo. Recuperado em 25 de julho de 2017 de El Mundo: elmundo.es.
  7. Bachiller, R. “A luz é uma onda!” (16 de setembro de 2015) em El Mundo. Recuperado em 25 de julho de 2017 de El Mundo: elmundo.es.
  8. “Cores da luz” (4 de abril de 2012) no Science Learning Hub. Retirado em 25 de julho de 2017 de Science Learning Hub: sciencelearn.org.nz.
  9. “Luz: ondas eletromagnéticas, espectro eletromagnético e fótons” na Khan Academy. Retirado em 25 de julho de 2017 da Khan Academy: www.khanacademy.org.
  10. “Comprimento de onda” na Enciclopédia Britânica. Retirado em 25 de julho de 2017 de Encyclopedia Britannica: britannica.com.
  11. “Frequency” na Enciclopédia Britânica. Retirado em 25 de julho de 2017 de Encyclopedia Britannica: britannica.com.
  12. “Dispersão de luz” no FisicaLab. Recuperado em 25 de julho de 2017 de FisicaLab: fisicalab.com.
  13. “Dispersão da luz por prismas” na sala de aula de física. Retirado em 25 de julho de 2017 de The Physics Classroom: physicsclassroom.com.
  14. “Reflexão, refração e difração” na sala de aula de física. Retirado em 25 de julho de 2017 de The Physics Classroom: physicsclassroom.com.
  15. Cartwright, J. “A luz se curva por si mesma” (19 de abril de 2012) em Science. Retirado em 25 de julho de 2017 de Science: sciencemag.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies