A linguagem como marcador de poder

A linguagem como marcador de poder 1

O camarada Oriol Arilla escreveu recentemente em Psychology and Mind um interessante artigo intitulado “A linguagem como reguladora do social “. Aproveitarei o fato de que o gelo já foi quebrado com uma das questões mais controversas e que foi objeto das mais importantes teorias filosóficas e psicanalíticas do século passado para aprofundar a reflexão.

artigo O. Arilla começa com um primeiro e importante ruptura com a análise convencional do que é a linguagem. Ou seja, não é apenas um meio de transmissão de informações.

Romper com o paradigma clássico

O escritor e filósofo Walter Benjamin nos alertou há quase um século que não podíamos reduzir a análise da linguagem ao esquema sempre burguês e utilitário de ser um meio para um fim. Nesse caso, um meio de transmitir informações de uma pessoa para outra. Para Benjamin, e eu subscrevo sua tese, a linguagem é uma pura medialidade.Ou seja, ele não entra nos canais de ser um meio para um fim, mas um meio em si e realizado em si mesmo. Para defender essa posição, Benjamin argumentou que ninguém pode se referir e pensar sobre a linguagem sem recorrer à própria linguagem. Se quiséssemos aplicar uma análise científica cartesiana à linguagem, teríamos que ser capazes de isolá-la como um objeto, o problema é que essa operação é impossível. De maneira alguma podemos separar a linguagem de seu próprio objeto de análise, porque devemos usar a própria linguagem para fazê-lo.

Essa ideia está ligada à citação de Nietzsche que abre, abre, o artigo da Oriol: “Não há nada menos inocente que palavras, as armas mais mortais que podem existir”. Não é que as palavras sejam apenas a arma mais mortal que possa existir (não é um meio inocente para um fim independente delas), mas elas também são o primeiro marcador de poder e estrutura. A linguagem é a primeira estrutura que nos ensinará a obedecer.

Deleuze e Guattari escrevem em mil platôs : “Nem mesmo a linguagem é feita para acreditar nele, mas para obedecer e fazê-lo obedecer. […] Uma regra gramatical é um marcador de poder antes de ser um marcador sintático. A ordem não está relacionada aos significados anteriores, ou com uma organização prévia das unidades distintivas ” [1]. A linguagem sempre pressupõe a linguagem e configurará, através de uma estrutura rígida, uma certa maneira de abordar o mundo, o visto, o ouvido. Gerará, dessa maneira, vários efeitos do poder, que incluem a construção de nossa subjetividade e nosso modo de ser no mundo. A linguagem sempre vai de algo dito para algo que é dito, não vai de algo visto para algo que é dito. Deleuze e Guattari argumentam que se os animais – no exemplo, as abelhas – não têm linguagem, é porque o que eles têm é a capacidade de comunicar algo visto ou percebido, mas eles não têm a capacidade de transmitir algo não visto ou não percebido aos outros. animais que também não o viram ou perceberam.

Relacionado:  Fico nervoso falando: o que acontece comigo e como corrigi-lo?

Deleuze e Guattari afirmam essa idéia em profundidade: “A linguagem não se contenta em passar de um primeiro para um segundo, de alguém que viu alguém que não o viu, mas necessariamente passa de um segundo para um terceiro, nenhum dos quais viu “. Nesse sentido, a linguagem é a transmissão de palavras que funciona como um slogan e não a comunicação de um sinal como informação. A linguagem é um mapa, não um traço. ”

As reflexões de Benjamin, Deleuze e Guattari abrem o caminho para introduzirmos duas idéias que me parecem fundamentais quando se trata de confrontar nossas realidades políticas e psíquicas no dia a dia. A primeira idéia é a da performatividade da linguagem , introduzida pelo filósofo John Langshaw Austin e aperfeiçoada por Judith Butler no final do século XX. A segunda idéia é a primazia dos significantes sobre os significados . Essa segunda idéia foi amplamente desenvolvida por Lacan e é o epicentro da teoria psicanalítica contemporânea.

Linguagem e política performativas

Austin disse que “conversar é sempre agir”. A linguagem geralmente é performativa, na medida em que uma afirmação pode, em vez de descrever uma realidade, realizar o fato pelo mesmo fato de ser expressa. Dessa maneira, quando juro, estou fazendo o ato de xingar enquanto expresso o juramento. Palavrões ou casamento – que são os dois exemplos usados ​​por Austin – só fazem sentido no próprio idioma. A afirmação está gerando uma realidade, independente de qualquer ato externo a ela, simplesmente por se expressar. Através de uma autoridade simbólica como a de um padre, a afirmação “Declaro você marido e mulher” é uma afirmação que só vem em relação a si mesma, é um ato performativo na medida em que o ato, o fato , faz sentido apenas na extensão de estar dentro de uma determinada comunidade e seguir determinados marcadores do poder da linguagem. Quando o casamento é constituído, a realidade que existia até então muda.

Pegando essa idéia, Derrida apontará que o performativo não pode ser intencional – porque Austin argumentará que a primeira coisa na linguagem será a vontade de algum sujeito – e que está além do assunto. A linguagem, por si só, pode transformar a realidade sem a intencionalidade dos seres humanos. Vou retomar as reflexões de Derrida para a seção de psicanálise .

Judith Butler adota muitas das idéias apresentadas aqui para sua teoria de gênero. Não vou aprofundar este artigo em seu pensamento devido à falta de espaço. Butler é garantir que a lei é produzido por repetições performativamente coercivas de práticas reguladoras. Mas a lei não só é reduzida ao legal, formal, também se estende a outras práticas sociais.

Relacionado:  Como se comunicar melhor com outras pessoas? 5 dicas úteis

Dessa maneira, a captação de uma idéia lançada por Marx (“esses são sujeitos considerados porque ele é rei”) garantirá que o gênero seja completamente performativo, no sentido de que, quando pensamos que, ao dizer “homem” ou “mulher” , estamos descrevendo um Na verdade, estamos criando isso . Dessa maneira, nossos corpos deixam de ser corpos para se tornarem ficções tecno-vivas que, por meio de práticas coercitivas repetitivas dos papéis atribuídos a homens e mulheres, se ajustam aos mecanismos de poder. A identidade de gênero, sendo homem ou mulher, não existe autonomamente para essas mesmas práticas pré-formativas que nos encaixam no que a estrutura social espera que sejamos. A nós são atribuídas funções –ao nascer com um corpo de bi-homem, ser-lhe-á atribuído o papel da masculinidade – que devemos repetir para naturalizá-los, para torná-los como se fossem identidades naturais. Isso mascara a luta social que está por trás e evita o caráter performativo de ser homem ou mulher.

Beatriz Preciado aponta uma questão muito importante para entender a magnitude dessa prática coercitiva nos corpos: no nascimento, o médico nunca realiza uma análise cromossômica, mas, mesmo assim, e simplesmente através da visão (veja se há pênis ou vagina) ) nosso papel social (masculino ou feminino) será determinado. É, portanto, uma política estéticos. Pela nossa estética, seremos atribuídos um papel social de masculinidade ou feminilidade. Estados preciosos: “A ciência produz metáforas performativas, isto é, produz o que tenta descrever antes através de marcadores políticos e culturais”.

Com tudo o que afirmei aqui, eu simplesmente queria entrar na complexidade e importância da filosofia da linguagem, bem como em seu impacto em nossas lutas políticas diárias. A desconstrução de todos os conceitos que nos impõem desde que nascemos deve ser uma prática libertadora constante. E nunca devemos esquecer a dimensão ultra-política da linguagem, bem como a performatividade na construção de nossa subjetividade, nossa resistência e poder.

A linguagem em Lacan, pinceladas

Na teoria psicanalítica contemporânea e, em particular, em Lacan, a linguagem é uma estrutura rígida que determina quase inteiramente a produção de nossa subjetividade. Lacan argumenta através da primazia dos significantes (S1) versus os significados (s1). Para demonstrar essa operação, Lacan recorre à metáfora e à metonímia. Ambas as figuras são aquelas que fortalecem e demonstram que os significantes estão sempre acima dos significados, pois em uma metáfora há uma mudança do significante (da própria palavra) enquanto o significado é mantido. Com palavras diferentes, podemos transmitir o mesmo significado. Portanto, Lacan – e a psicanálise – prestam atenção e prestam atenção aos significantes principais e às cadeias de significantes, mais do que nos significados. Aqui poderíamos acrescentar as reflexões de Derrida, nas quais se diz que o mesmo signo pode ter vários significados (polissemia) como complemento da teoria lacaniana.

Relacionado:  Patriarcado: 7 chaves para entender o machismo cultural

Os significantes sempre nos referem a outros significantes, eles não podem existir por si mesmos. Portanto, a psicanálise clássica também recebeu muitas críticas, porque não devemos procurar o significado oculto por trás das palavras que dizemos. Para Lacan, no entanto, a narrativa surge para resolver um antagonismo fundamental, nas palavras de Zizek, “Reorganizando suas partes em uma sucessão temporária”. Há um fato traumático constitutivo de ser assim, um fato, uma esfera, que é o Real que nunca pode entrar nos canais do Simbólico (a tríade lacaniana é o Real – o Simbólico e o Imaginário, no centro do qual existe o gozo). Aquilo que no objeto é positivamente percebido como mais do que o próprio objeto e que é a força que impulsiona meu desejo seria o objeto petit a, que às vezes pode ser confundido com o real e o excedente de prazer. Não quero me divertir muito nessa teoria neste pequeno artigo. O que deve ser retido para o que nos preocupa é a primazia do significante que poderia ser acrescentado ao signo e à forma e que nos leva a algo de fetichismo e teoria comunicativa contemporânea.

Sinal, forma e linguagem na construção de hegemonias e marcos políticos

Nós amamos o sinal. A forma é o que determina, não o conteúdo. E aqui, para concluir, gostaria de tentar estabelecer uma relação com a teoria marxista. Zizek, citando Marx , pode nos ajudar a vincular e moldar claramente a relação entre fetiche e formas. Zizek escreve: “A economia política clássica está interessada apenas no conteúdo oculto por trás da forma de mercadoria e é por isso que não pode explicar o verdadeiro mistério por trás da forma, mas o mistério dessa forma […] Onde Surge, então, o caráter enigmático que distingue o produto do trabalho ao assumir a forma de mercadoria.

Obviamente dessa maneira. ” [2 ] Os significados e conteúdos devem ser um pouco iludidos para focalizar nossas reflexões nas formas e nos sinais. Vivemos em um sistema de semi-capitalismo (capitalismo de sinais) que gera suas próprias estruturas opressivas e cria realidade através de sinais e linguagens . Para combatê-lo, precisamos ser inteligentes, criar e gerar nossos próprios sinais, além de desconstruir nossa linguagem, que ainda é nosso primeiro marcador de poder e estrutura autoritária.

Referências bibliográficas

  • [1] Deleuze e Guattari, Capitalism and Schizophrenia 2: A Thousand Plateaus, 1990: 82
  • [2] Marx citado por Zizek, The Sublime Object of Ideology, 2010: 40.

Deixe um comentário