Agorafobia: o que é, causas, sintomas e tratamento

A agorafobia é um transtorno de ansiedade caracterizado pelo medo intenso e persistente de estar em lugares ou situações em que escapar pode ser difícil ou constrangedor, como locais públicos, multidões ou espaços abertos.

As causas da agorafobia podem estar relacionadas a predisposição genética, experiências traumáticas, estresse crônico ou desequilíbrios químicos no cérebro. Os sintomas incluem ansiedade extrema, ataques de pânico, sensação de perigo iminente, tremores, sudorese, palpitações, falta de ar e desconforto gastrointestinal.

O tratamento da agorafobia geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, que ajuda a identificar e modificar padrões de pensamento prejudiciais, e medicamentos, como antidepressivos e ansiolíticos. É importante buscar ajuda profissional para lidar com a agorafobia, pois o transtorno pode impactar significativamente a qualidade de vida do indivíduo.

Os possíveis efeitos da agorafobia na vida cotidiana das pessoas afetadas.

A agorafobia é um transtorno de ansiedade caracterizado pelo medo intenso e irracional de estar em lugares ou situações onde escapar pode ser difícil ou embaraçoso. Isso pode incluir espaços abertos, multidões, transporte público e locais desconhecidos. As pessoas afetadas pela agorafobia podem experimentar uma série de efeitos negativos em sua vida cotidiana.

Um dos efeitos mais comuns da agorafobia é a restrição severa das atividades diárias. As pessoas podem evitar sair de casa, ir ao trabalho, fazer compras ou socializar com amigos e familiares. Isso pode levar ao isolamento social, solidão e até mesmo depressão. As pessoas afetadas também podem ter dificuldade em realizar tarefas simples, como ir ao médico ou participar de eventos sociais.

Além disso, a agorafobia pode impactar negativamente a vida profissional das pessoas afetadas. Elas podem ter dificuldade em manter um emprego devido à incapacidade de comparecer ao trabalho regularmente ou participar de reuniões e eventos de trabalho. Isso pode levar a problemas financeiros e estresse adicional.

Outro efeito da agorafobia é o impacto na saúde física. As pessoas afetadas podem ter dificuldade em manter uma rotina saudável, incluindo exercícios regulares e uma dieta balanceada. Isso pode levar a problemas de saúde, como obesidade, doenças cardíacas e diabetes.

Para lidar com os efeitos da agorafobia, é importante procurar ajuda profissional. O tratamento geralmente inclui terapia cognitivo-comportamental, medicamentos e técnicas de relaxamento. Com o apoio adequado, as pessoas afetadas pela agorafobia podem aprender a gerenciar seus sintomas e melhorar sua qualidade de vida.

Quais são os sintomas de agorafobia, um transtorno de ansiedade comum?

A agorafobia é um transtorno de ansiedade comum que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Os sintomas da agorafobia podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem medo intenso de situações ou lugares onde é difícil escapar ou obter ajuda em caso de emergência. Alguns dos sintomas mais comuns incluem:

  • Ataques de pânico: A pessoa pode experimentar sintomas físicos como batimentos cardíacos acelerados, falta de ar, tremores e suores frios.
  • Medo de lugares lotados: Situações como shoppings, cinemas ou transportes públicos podem desencadear ansiedade intensa.
  • Evitar situações desconfortáveis: A pessoa pode começar a evitar sair de casa, ir a eventos sociais ou participar de atividades cotidianas.
  • Sensação de estar fora de controle: A pessoa pode sentir que não consegue controlar seus medos e que está constantemente em perigo.

É importante procurar ajuda profissional se você ou alguém que você conhece está sofrendo de agorafobia. O tratamento pode incluir terapia cognitivo-comportamental, medicamentos ansiolíticos e técnicas de relaxamento. Com o apoio adequado, é possível superar a agorafobia e retomar uma vida plena e saudável.

A evolução da agorafobia: causas, sintomas e tratamentos para superar esse transtorno.

A agorafobia é um transtorno de ansiedade que se caracteriza pelo medo intenso e irracional de estar em locais ou situações onde escapar pode ser difícil ou embaraçoso. Esse medo pode levar a pessoa a evitar situações como estar em espaços abertos, estar em multidões, viajar de transporte público, entre outros.

As causas da agorafobia ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que uma combinação de fatores genéticos, biológicos, psicológicos e ambientais possa desencadear o transtorno. Traumas passados, histórico familiar de transtornos de ansiedade e estresse crônico podem contribuir para o desenvolvimento da agorafobia.

Os sintomas da agorafobia incluem ataques de pânico, sensação de perigo iminente, sudorese, tremores, taquicardia, dificuldade para respirar, entre outros. Além disso, a pessoa com agorafobia pode apresentar comportamentos de evitação, como recusar-se a sair de casa ou a participar de atividades sociais.

O tratamento da agorafobia envolve uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir terapia cognitivo-comportamental, terapia medicamentosa e técnicas de relaxamento. A terapia cognitivo-comportamental ajuda a pessoa a identificar e modificar pensamentos distorcidos e comportamentos de evitação. Os medicamentos, como os antidepressivos e os ansiolíticos, podem ser prescritos para ajudar no controle dos sintomas. As técnicas de relaxamento, como a meditação e a respiração profunda, também são úteis no manejo da ansiedade.

Relacionado:  Urofilia: sintomas, causas e tratamento

É importante buscar ajuda profissional ao primeiro sinal de sintomas para que o tratamento seja iniciado o mais breve possível.

Identificando os sinais de agorafobia: como saber se você sofre com essa condição?

A agorafobia é um transtorno de ansiedade caracterizado pelo medo intenso de situações em que é difícil escapar ou obter ajuda em caso de emergência. Muitas vezes, as pessoas que sofrem de agorafobia evitam lugares lotados, transporte público, espaços abertos ou fechados, entre outros ambientes que possam desencadear crises de ansiedade.

Identificar os sinais de agorafobia pode ser fundamental para buscar ajuda e tratamento adequados. Alguns dos sintomas mais comuns incluem medo intenso de situações específicas, ansiedade extrema ao se expor a determinados ambientes, sensação de perda de controle ou de estar enlouquecendo e evitação de lugares ou situações que possam desencadear crises de ansiedade.

Além disso, pessoas com agorafobia podem apresentar sintomas físicos como taquicardia, tonturas, náuseas e sudorese excessiva. Esses sintomas podem ser desencadeados por pensamentos catastróficos, como o medo de ter um ataque de pânico em público.

Se você identificar alguns desses sinais em si mesmo ou em alguém próximo, é importante buscar ajuda profissional. O tratamento da agorafobia pode envolver terapia cognitivo-comportamental, medicamentos ansiolíticos e técnicas de relaxamento, entre outras abordagens.

Identificar os sinais precocemente e buscar tratamento adequado são passos importantes para lidar com esse problema de forma eficaz.

Agorafobia: o que é, causas, sintomas e tratamento

Agorafobia: o que é, causas, sintomas e tratamento 1

Na década de 1990, apareceu um dos primeiros filmes em que um caso de agorafobia era descrito em detalhes . A psicóloga que protagoniza essa peça de ficção sente-se ansiosa pelo simples fato de deixar seu apartamento alguns segundos para chegar ao jornal.

Claro, e por mais impressionante que a cena pareça, ainda é um recurso para apresentar a um dos personagens principais . Não serve para entender em que consiste esse transtorno de ansiedade, mas nos confronta com um caso extremo de agorafobia, para que possamos ver até que ponto a qualidade de vida de uma pessoa pode ser limitada e entendemos o comportamento dessa pessoa. Ao mesmo tempo, evidencia o fato de que as crises de ansiedade produzidas por esse distúrbio podem se tornar muito impressionantes e estar presentes em muitas das esferas da vida de um ser humano.

Mas, embora a agorafobia seja tão chocante e suas consequências possam se tornar tão palpáveis, não se pode dizer que é fácil entender o que é. Ler o que vem a seguir pode ajudar a formar uma imagem um pouco mais detalhada desse tipo de fobia e, de passagem, conhecer seus principais sintomas, causas e maneiras de tratar a agorafobia.

Agorafobia, medo de espaços abertos?

Supõe-se geralmente que a agorafobia é um medo irracional de espaços abertos, como grandes avenidas, parques ou ambientes naturais. A etimologia da própria palavra sugere uma relação entre a fobia e os quadrados ( agoras , palavra do grego), e é fácil tirar agorafobia certos casos de pessoas que simplesmente não gostam de sair de casa ou com problemas relacionados à isolamento social .

No entanto, não é inteiramente verdade que a agorafobia seja igual ao medo de espaços abertos ou públicos . É uma maneira de sentir medo e angústia cuja origem é um pouco mais abstrata do que a simples visualização de tais ambientes.

O fato de perceber espaços abertos ou lotados desempenha um papel no desencadeamento de ataques de pânico em pessoas com agorafobia, mas o medo não é produzido por esses espaços per se, mas pelas consequências de ser exposto a esse local . Essa nuance é fundamental e geralmente é ignorada.

Então … o que é agorafobia? Definição de

Uma primeira abordagem superficial do conceito de agorafobia é defini-lo como um transtorno de ansiedade expresso por perceber que não se encontra em um contexto seguro no qual é possível receber ajuda em caso de crise . Ou seja, seus sintomas são baseados em uma forte angústia causada por situações nas quais a pessoa que sofre se sente desprotegida e vulnerável a crises de ansiedade fora de seu controle. A raiz do problema é algo como um medo do medo. E isso faz com que uma vez que a dinâmica do medo de agorafobia tenha sido inserida, isso favorece sua aparência. É um distúrbio que muitas vezes se baseia em profecias auto-realizáveis, ou badejo que morde o rabo associado ao medo e à ansiedade.

O medo angustiante que alguém com esse transtorno de ansiedade experimenta é basicamente baseado na antecipação de ataques de pânico . Portanto, onde há agorafobia, há também um ciclo baseado no medo . Um círculo vicioso de pensamentos recorrentes dos quais é difícil escapar.

De alguma forma, a agorafobia se alimenta da antecipação das sensações desagradáveis ​​associadas a essas crises e dos perigos de perder o controle sobre os próprios atos. Portanto, a maneira pela qual esse sentimento de angústia é expressa também reproduz a estrutura de um loop: teme-se não o espaço aberto, mas a possibilidade de sofrer um ataque de pânico ou uma crise de ansiedade por estar lá, e ao mesmo tempo as consequências de estar naquele lugar quando isso acontece.

Por fim, a agorafobia é o medo da perda de controle sobre a própria ativação fisiológica e os resultados a que isso pode levar, além do medo de sentimentos subjetivos de desconforto que isso produziria em tempo real. É isso que explica que os ataques de ansiedade podem aparecer não apenas em grandes espaços, mas também em um elevador ou em qualquer outro lugar que não seja a própria casa. Agorafobia geralmente é expressa em qualquer lugar que é percebido como especialmente inseguro, ou seja, onde temos menos controle sobre as coisas.

O mito da agorafobia como compartimento apertado

Pelo exposto, podemos chegar a uma conclusão: os sintomas da agorafobia nem sempre são os mesmos e seus gatilhos podem ter formas muito diferentes . As situações e os locais que podem causar ansiedade ou ansiedade não são estereotipados nem iguais em todas as pessoas diagnosticadas com esse distúrbio, como seria de esperar se a agorafobia fosse expressa de maneira semelhante ao medo expresso na cultura popular. Vampiros para os crucifixos. De fato, às vezes acontece que ataques de ansiedade ocorrem mesmo quando a pessoa está em um local “seguro”, devido a causas internas não relacionadas à forma como o ambiente é percebido.

Devido a essa variabilidade, é comum que pessoas com agorafobia também sejam diagnosticadas com outros distúrbios, como transtorno do pânico ou transtorno de estresse pós-traumático , uma vez que vários de seus sintomas podem se sobrepor. Como vemos, há uma confusão habitual sobre os sintomas e sinais desse distúrbio psicológico.

Diagnóstico e sintomas

De um modo geral, algumas das características apresentadas por pessoas com agorafobia são:

  • Ser exposto a lugares abertos , lotados ou desconhecidos produz uma forte sensação de angústia.
  • Esse sentimento de angústia é intenso o suficiente para a pessoa adotar a estratégia de viver evitando esses lugares, embora isso tenha um impacto negativo na sua qualidade de vida.
  • Esses surtos de ansiedade e angústia não podem ser explicados por outros distúrbios já diagnosticados.
  • A possibilidade de atrair a atenção de estranhos ou de se fazer de bobo por causa de uma crise de ansiedade também desempenha um papel importante.

É muito importante destacar o fato de que essas informações são apenas indicativas e que apenas um especialista pode diagnosticar caso a caso, quando há um caso de agorafobia e quando não .

Ao diagnosticar esses tipos de distúrbios, é essencial levar em consideração se a pessoa percebe o que está acontecendo com ele como algo que limita sua qualidade de vida e, portanto, é incapacitante. Ou seja, a existência ou não de agorafobia depende não apenas dos sintomas, mas também do contexto em que ocorrem, tanto no subjetivo (o paciente acha que é problemático?) Quanto no objetivo (os sintomas aparecem quando A ansiedade é injustificada?)

É por isso que devemos considerar até que ponto qualquer pessoa sem problemas de ansiedade pode apresentar, em maior ou menor grau, qualquer uma dessas características gerais associadas à agorafobia.

Causas

Uma coisa é descrever uma desordem e outra é falar sobre suas causas . Sobre isso, é comum acreditar que as fobias em geral, entre as quais a agorafobia, aparecem simplesmente por causa de um estilo de vida estressante ou que são a expressão de algum tipo de trauma ou conflito interno que é expresso simbolicamente através de do medo de espaços abertos.

No entanto, atualmente, esses tipos de explicações não são muito úteis (e, no caso da segunda, nem mesmo podem ser demonstrados pelos fundamentos epistemológicos dessa abordagem), entre outras coisas, porque negligenciam as possíveis causas orgânicas. Ou seja, aqueles que têm a ver com as funções biológicas que determinam nossos pensamentos e nossos humores.

Relacionado:  Angiografia cerebral: o que é e quais distúrbios ele pode detectar?

Embora seja verdade que não se sabe exatamente o que causa agorafobia , foi detectada uma ligação entre esse tipo de distúrbio e os níveis anormalmente baixos de serotonina em certas partes do cérebro . Esses baixos níveis de serotonina podem ser a causa de uma mutação genética, mas também podem ser causados ​​por uma descompensação química causada por certas experiências ou pelo consumo de certas substâncias ou ser o produto de tudo isso ao mesmo tempo.

Independentemente de saber se esse achado acaba sendo bem-sucedido ou não para explicar os mecanismos por trás desse distúrbio, o que está claro é que não existe uma única causa de agorafobia, mas várias, como ocorre em praticamente qualquer fenômeno psicológico e patológico ou não.

A agorafobia aparece e se expressa por fatores biológicos e genéticos, mas também culturais e baseados no aprendizado que cada pessoa realizou e que constituem suas memórias. Psicologicamente, os seres humanos são de natureza biopsicossocial, e o mesmo vale para transtornos mentais.

Tratamento

Uma vez diagnosticada, a agorafobia pode ser tratada tanto por intervenção psicológica quanto por meio de drogas . A seguir, veremos quais são esses dois tipos de tratamento para agorafobia, mas é importante enfatizar que apenas um profissional de saúde mental está autorizado a realizar uma terapia eficaz.

1. Tratamento medicamentoso

No tratamento farmacológico, geralmente são usados antidepressivos (ISRSs) e ansiolíticos (clonazepam e diazepam). No entanto, esses medicamentos devem ser tomados apenas sob rigorosa supervisão médica e apenas mediante receita médica; em qualquer caso, não são usados ​​para curar o distúrbio, mas para lidar com seus sintomas.

Também é importante ter em mente que, como sempre acontece com os medicamentos, eles podem produzir efeitos colaterais e adversos importantes, como o aparecimento da síndrome da serotonina . Isso ocorre porque, como todos os medicamentos em geral, aqueles usados ​​para combater os sintomas das fobias agem não apenas nas partes do cérebro envolvidas na manutenção de altos níveis de ansiedade, mas também afetam todo o corpo em geral. , e isso pode causar uma incompatibilidade, dependendo das predisposições genéticas e biológicas do indivíduo .

Portanto, sempre há um certo risco ao usar essas substâncias contra a agorafobia ou contra qualquer outro distúrbio psicológico, e é tarefa dos profissionais de saúde mental determinar se o perigo é baixo o suficiente para usar uma certa dose e Para que lado deve ser usado?

2. Terapia psicológica

Quanto à abordagem psicoterapêutica , destacam-se intervenções baseadas na Terapia Cognitivo-Comportamental . É um tipo de terapia cujos benefícios foram comprovados cientificamente.

As vantagens dessa opção são que seus benefícios tendem a durar mais que os efeitos dos medicamentos após as últimas doses, é uma intervenção breve e não apresenta efeitos colaterais por não atuar diretamente na regulação de hormônios e neurotransmissores.

Entre suas desvantagens em relação ao tratamento medicamentoso estão a relativa lentidão com que o progresso aparece e a necessidade da pessoa com agorafobia poder colaborar e alcançar os objetivos propostos na terapia. Isso é importante, porque o progresso nesse tipo de intervenção significa lutar e enfrentar situações desagradáveis para gerar maior resistência ao que é temido, com supervisão profissional e em ambiente controlado.

Do ponto de vista cognitivo-condutivo, trabalharemos tanto nas crenças que a pessoa tem sobre seu distúrbio, quanto em seus hábitos e ações diárias, para que as mudanças realizadas nas duas dimensões, mental e comportamental, se reforcem. Além disso, também é comum recorrer a técnicas de relaxamento para treinar a capacidade de gerenciar a ansiedade.

Em muitos casos, recomenda-se usar a intervenção farmacológica e psicológica , para aliviar os efeitos imediatos desse transtorno de ansiedade e, ao mesmo tempo, treinar o paciente para que possa se expor cada vez mais às situações temidas e controlar a sensação. de nervosismo No entanto, isso só ocorrerá se for considerado estritamente necessário, e os medicamentos devem ser consumidos apenas sob orientação médica.

Referências bibliográficas:

  • Adamec, C. (2010). A enciclopédia de fobias, medos e ansiedades, terceira edição. Publicação Infobase. p. 328
  • American Psychiatric Association (2013) Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Arlington (5ª ed.): American Psychiatric Publishing.
  • Badós, A. (2006). Tratamento de pânico e agorafobia. Madri: pirâmide.
  • Hersen, M. e Last, C. (1985/1993). Manual de casos de terapia comportamental. Bilbau: Descée de Brouwer.
  • Lydiard, RB; Ballenger, JC (1987). Antidepressivos em transtorno do pânico e agorafobia. Journal of Affective Disorders. 13 (2): 153-168.
  • Jacobson, K. (2004). Agorafobia e Hipocondria como Distúrbios da Habitação. Estudos Internacionais em Filosofia. 36 (2): 31-44.
  • Luciano, MC (1996). Manual de psicologia clínica. Infância e adolescência Valência: Promolibro.

Deixe um comentário