Água peptonada: fundação, preparação e usos

A água de peptona é um meio de enriquecimento líquido, não selectivo, usado principalmente como diluente amostras de alimentos ou outros materiais. Este meio, do ponto de vista químico, é muito simples, contém peptona de carne, cloreto de sódio e água.

Tem um certo valor nutricional, permitindo enriquecer a amostra. Se houver bactérias danificadas, este meio tem o poder de reparar a viabilidade. É especialmente útil na recuperação de bactérias pertencentes à família Enterobacteriaceae.

Água peptonada: fundação, preparação e usos 1

Água peptonada em frascos. Fonte: MSc. Marielsa Gil

No caso de recuperação de Salmonella, recomenda-se o uso da variante de água peptonada com buffet; Isso serve como um meio de pré-enriquecimento da amostra, neste caso, contém outros elementos como fosfato dissódico e fosfato dipotássico.

Normalmente, a água peptonada é preparada em pH neutro; no entanto, existem outras variantes em que é necessário que o pH seja 8,5 ± 0,2 (alcalino), porque a bactéria que se pretende isolar é alcalofílica, como Vibrio cholerae.

Além disso, este meio pode ser usado como meio básico para testes de fermentação de carboidratos.

Fundação

Peptons fornecem os nutrientes necessários para o desenvolvimento bacteriano, especialmente nitrogênio e aminoácidos de cadeia curta, enquanto o cloreto de sódio mantém o equilíbrio osmótico.

Além disso, o meio permite dispersar, homogeneizar e reparar células bacterianas que foram danificadas por serem submetidas a processos industriais.

Como diluente, é ideal, substituindo efetivamente a solução fisiológica (SSF) ou a solução tampão de fosfato (PBS).

O crescimento bacteriano é evidente pela observação de sua turbidez.

Preparação

Preparação caseira (não comercial)

Pesar 1 g de peptona e 8,5 g de cloreto de sódio, dissolver em 1 litro de água destilada . O pH deve ser ajustado para 7,0. Para isso, pode ser utilizado cloreto de sódio 1 N.

Preparação usando meio comercial

Pesar 15 g do meio desidratado e dissolver em um litro de água destilada. Homogeneizar a mistura. Se necessário, a mistura é fervida por 1 minuto para ajudar na dissolução total. Servir em frascos de 100 ml ou tubos de 10 ml, conforme necessário. Autoclave a 121 ° C por 15 minutos.

Deixe esfriar e use ou guarde na geladeira. O pH final do meio é 7,2 ± 0,2.

A cor do meio seco é bege claro e preparado é âmbar claro.

Preparação para testes de fermentação

Na preparação anterior – antes da esterilização – o carboidrato deve ser adicionado a uma concentração final de 1%, mais o indicador de Andrade (fucsina ácida) ou vermelho de fenol (0,018 g / L). Os tubos devem ser colocados em um sino de Durham para observar a formação de gás.

Outras variantes de água peptonada

– Água peptonada tamponada ou tamponada

Contém hidrolisado enzimático de caseína, cloreto de sódio, di-hidrogenofosfato de potássio e dodeca-hidrato de fosfato de hidrogênio e sódio. O pH final é de 7,0 ± 0,2.

Para a sua preparação, pesar 20 g do meio desidratado e dissolver em 1 litro de água destilada. Deixe descansar por aproximadamente 5 minutos. Aqueça por 1 minuto até dissolver completamente.

Despeje sobre frascos adequados, conforme necessário. Esterilizar usando a autoclave a 121 ° C por 15 minutos.

Água peptonada alcalina

Pesar 25 g do meio desidratado e dissolver em 1 litro de água. Proceda como descrito acima. O pH varia de 8,3 a 8,7.

Use

O inoculo é feito colocando a amostra diretamente.

É utilizado para diluir amostras, especialmente quando se suspeita que possa haver bactérias danificadas. Geralmente as diluições são 1:10 e 1: 100.

Incubar por 24 horas em aerobiose a 35-37 ° C.

Amostras de fezes

Para amostras de fezes em busca de Salmonella, recomenda-se o uso de água tamponada ou tamponada como meio de pré-enriquecimento.

Para fazer isso, faça o seguinte:

Se as fezes se formarem, tome 1 g de amostra. Se forem líquidos, tome 1 ml de fezes e suspenda em um tubo com 10 ml de água peptonada bufada. No caso de zaragatoas retais, descarregue o material contido na zaragatoa no tubo com água peptonada tamponada.

Em todos os casos, misture e homogeneize a amostra muito bem.

Incubar a 37 ° C por 18 a 24 horas. Subcultivar em um caldo de enriquecimento, como caldo de selenita cistina ou caldo de tetrationato a 37 ° C por mais 18-24 horas. Finalmente crescer em meios seletivos para Salmonella, como ágar SS, ágar XLD, ágar Hektoen, entre outros.

Amostras de alimentos

A água peptonada é usada como um meio de enriquecimento ou como um diluente simples, mas, se forem procuradas espécies de Salmonella, ela será usada como um meio de pré-enriquecimento, como já descrito.

Nos alimentos, proceda da seguinte forma:

Para alimentos sólidos, pesar 25 g da amostra e para alimentos líquidos, medir 25 ml da amostra. Coloque a porção em frascos contendo 225 ml de água peptonada. Misture e homogeneize a amostra.

Se houver suspeita de que a carga microbiana seja alta, diluições seriais ou decimais poderão ser feitas para facilitar a contagem das unidades formadoras de colônias (UFC).

O número de diluições dependerá do tipo de amostra e da experiência analítica.

Se, pelo contrário, houver suspeita de que a carga microbiana seja muito baixa, não serão necessárias diluições. Posteriormente, subcultura em mídia seletiva.

No caso de alimentos do mar, como mariscos, peixes, entre outros, em busca de Vibrio cholerae ou outras espécies de Vibrio, deve-se usar água peptonada ajustada a pH 8,5 (água alcalina peptonada).

Controle de qualidade

De cada lote preparado deve-se incubar um a dois tubos sem inocular por 24 horas em aerobiose a 37 ° C. No final dos tempos, nenhuma turbidez ou mudança de cor deve ser observada.

Cepas de controle conhecidas também podem ser usadas para avaliar sua eficácia:

Para isso, podem ser utilizadas as seguintes cepas bacterianas: Escherichia coli ATCC 25922, Escherichia coli ATCC 8927, Staphylococcus aureus ATCC 6538, Pseudomonas aeruginosa ATCC 9027, Salmonella typhimurium ATCC 1428, Salmonella enteritidis ATCC 13076 .

Em todos os casos, é esperado um desenvolvimento microbiano satisfatório, observado pela turbidez do meio.

Limitações

-O meio desidratado é muito higroscópico, portanto deve ser mantido longe da umidade.

-O meio não deve ser utilizado se for observado algum tipo de deterioração.

– O meio de cultura desidratado deve ser armazenado entre 10 – 35 ° C

-O meio preparado deve ser mantido refrigerado (2-8 ° C).

Referências

  1. Camacho A, Giles M, Ortegón A, Palao M, Serrano B e Velázquez O. Técnicas para análise microbiológica de alimentos. 2009, 2ª ed. Faculdade de Química, UNAM. México Versão para Manual e Document Manager (AMyD) da Faculdade de Química, UNAM 1. Disponível em: http://depa.fquim.unam.mx
  2. Laboratórios britânicos. Água peptonada batida. 2015. Disponível em: britanialab.com
  3. Laboratórios Neogen Água Peptonada Disponível em: foodsafety.neogen.com
  4. Laboratórios britânicos. Água Peptonada 2015. Disponível em: britanialab.com
  5. Laboratórios Merck Água de peptona tamponada. Disponível em: merckmillipore.com
  6. Laboratórios Conda Pronadisa. Água Peptonada Alcalina Disponível em: condalab.com
  7. Forbes B, Sahm D, Weissfeld A. (2009). Diagnóstico microbiológico de Bailey & Scott. 12 ed. Editorial Panamericana SA Argentina.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies