Analito: análise qualitativa e quantitativa, etapas

Analito é um termo utilizado na química para se referir à substância ou componente que está sendo analisado em um experimento. A análise de um analito pode ser realizada de duas formas: qualitativa e quantitativa. A análise qualitativa busca identificar a presença ou ausência de determinadas substâncias, enquanto a análise quantitativa visa determinar a quantidade exata do analito presente em uma amostra. Ambas as análises envolvem diversas etapas, como preparação da amostra, separação dos componentes, identificação e quantificação do analito. Estas etapas são fundamentais para garantir a precisão e confiabilidade dos resultados obtidos na análise do analito.

Etapas da análise quantitativa: entenda o processo passo a passo para avaliação de dados.

Analisar dados de forma quantitativa envolve uma série de etapas que devem ser seguidas para garantir a precisão e confiabilidade dos resultados. Neste artigo, vamos explicar detalhadamente cada uma dessas etapas, desde a coleta dos dados até a interpretação dos resultados.

A primeira etapa da análise quantitativa é a coleta de dados. Neste processo, é importante garantir que os dados sejam coletados de forma precisa e representativa da população em estudo. Erros na coleta de dados podem comprometer todo o processo de análise.

Após a coleta dos dados, a próxima etapa é a organização e preparação dos mesmos para a análise. Isso envolve a limpeza dos dados, a identificação de outliers e a transformação dos dados, se necessário.

Uma vez que os dados estejam organizados, o próximo passo é a análise propriamente dita. Nesta etapa, são utilizadas técnicas estatísticas para extrair informações relevantes dos dados, como médias, desvios padrão, correlações, entre outros.

Por fim, a última etapa da análise quantitativa é a interpretação dos resultados. Neste momento, é importante analisar os dados de forma crítica e tirar conclusões que possam auxiliar na tomada de decisões.

Em resumo, as etapas da análise quantitativa são: coleta de dados, organização e preparação dos dados, análise estatística e interpretação dos resultados. Seguindo essas etapas de forma cuidadosa e precisa, é possível obter insights valiosos a partir dos dados coletados.

Quais substâncias são analisadas em um exame laboratorial?

Um exame laboratorial pode analisar uma grande variedade de substâncias no organismo, dependendo do objetivo do teste. As substâncias mais comuns analisadas em um exame laboratorial incluem glicose, colesterol, hemoglobina, ácido úrico, creatinina e eletrólitos, entre outras.

A análise qualitativa de um analito envolve a identificação da presença ou ausência de uma determinada substância no organismo, enquanto a análise quantitativa determina a quantidade exata dessa substância presente. Ambas as análises são fundamentais para o diagnóstico de doenças e monitoramento da saúde.

As etapas de um exame laboratorial geralmente incluem a coleta da amostra biológica, o processamento da amostra, a análise do analito e a interpretação dos resultados. É importante seguir corretamente cada etapa do processo para garantir a precisão e confiabilidade dos resultados do exame.

Relacionado:  Limitante e excesso de reagente: como é calculado e exemplos

Portanto, as substâncias analisadas em um exame laboratorial podem variar de acordo com o tipo de teste realizado, mas geralmente incluem glicose, colesterol, hemoglobina, ácido úrico, creatinina e eletrólitos, entre outras, sendo essenciais para a avaliação da saúde e diagnóstico de doenças.

Entenda a diferença entre química analítica qualitativa e quantitativa em poucas palavras.

A química analítica qualitativa é utilizada para identificar os componentes de uma substância, enquanto a química analítica quantitativa é empregada para determinar a quantidade desses componentes. Na análise qualitativa, são realizados testes para identificar os íons presentes na amostra, sem se preocupar com a quantidade exata de cada um. Já na análise quantitativa, são feitas medições precisas para determinar a concentração de cada íon na amostra. Ambas as técnicas são fundamentais para a caracterização de compostos químicos e desempenham um papel crucial em diversas áreas, como na indústria, na pesquisa científica e no controle de qualidade de produtos.

Diferença entre amostra e analito: o que você precisa saber sobre esses termos.

Amostra e analito são termos frequentemente utilizados em análises químicas e laboratoriais. É importante entender a diferença entre eles para garantir resultados precisos e confiáveis.

Uma amostra é uma porção representativa de um material ou substância que será analisada em um experimento. A amostra pode ser sólida, líquida ou gasosa e deve ser coletada de forma cuidadosa e representativa do material original.

Por outro lado, o analito é a substância específica que está sendo analisada na amostra. Ele é o foco da análise e pode ser identificado e quantificado através de técnicas qualitativas e quantitativas.

Na análise qualitativa, o objetivo é identificar a presença ou ausência de determinadas substâncias na amostra. Já na análise quantitativa, busca-se determinar a quantidade exata do analito presente na amostra, geralmente expressa em unidades de concentração.

As etapas da análise qualitativa e quantitativa envolvem a preparação da amostra, a escolha e realização das técnicas analíticas adequadas, a interpretação dos resultados e a elaboração de relatórios precisos.

Portanto, ao realizar análises laboratoriais, é essencial compreender a diferença entre amostra e analito, bem como seguir cuidadosamente as etapas de análise qualitativa e quantitativa para obter resultados confiáveis e precisos.

Analito: análise qualitativa e quantitativa, etapas

O analito é uma espécie química (íons, moléculas, agregados poliméricos), cuja presença ou concentração é desejável que seja conhecida em um processo de medição química. Ao falar sobre o processo de medição, refere-se a qualquer uma das técnicas analíticas existentes, sejam clássicas ou instrumentais.

Para estudar o analito, é necessária uma “lupa química” que permita sua visualização para identificá-lo no ambiente circundante; Este meio é conhecido como matriz. Além disso, é necessária uma regra, que é construída a partir de padrões com valores conhecidos de concentração e resposta (absorvâncias, tensão, corrente, calor, etc.).

Analito: análise qualitativa e quantitativa, etapas 1

Fonte: Pexels

As técnicas clássicas para determinar ou quantificar o analito geralmente consistem em reagir com outra substância cuja composição e concentração são exatamente conhecidas. É uma comparação com uma unidade padrão (conhecida como titulante), a fim de conhecer através dela a pureza do analito.

Relacionado:  Capilaridade: características e exemplo na água

Enquanto os instrumentais, embora possam ter o mesmo princípio clássico, eles procuram relacionar uma resposta física à concentração do analito. Entre essas técnicas podem ser mencionadas globalmente: espectroscopia, calorimetria, voltametria e cromatografia.

Análise qualitativa e quantitativa do analito

A análise qualitativa é sobre a identificação dos elementos ou substâncias presentes em uma amostra através de um conjunto de reações específicas. E a análise quantitativa procura determinar quanto de uma substância específica está presente em uma amostra.

A substância determinada é freqüentemente chamada de componente ou analito desejado e pode constituir uma pequena ou grande parte da amostra estudada ou analisada.

Se o analito for superior a 1% da amostra, ele será considerado um componente importante; embora se constitua entre 0,01 a 1%, é considerado um componente menor da amostra. E se a substância representar menos de 0,01% da amostra, o analito é considerado um componente vestigial.

A análise quantitativa pode ser baseada no tamanho da amostra colhida, e as análises geralmente podem ser divididas da seguinte forma:

-Macro, quando o peso da amostra for superior a 0,1 g

-Simimicro, com amostras entre 10 e 100 mg

-Micro, com amostras de 1 a 10 mg

-Ultramicro, amostras da ordem de microgramas estão relacionadas ao uso (1 μg = 10 -6 g)

Etapas na análise quantitativa

Uma análise quantitativa de uma amostra consiste em quatro estágios:

-Sampling

-Converta para o analito de maneira adequada para sua medição

-Medição

-Cálculo e interpretação de medições.

Amostra de analitos

A amostra selecionada deve ser representativa do material do qual foi extraída. Isso implica que o material deve ser o mais homogêneo possível. Portanto, a composição da amostra deve refletir a do material de onde foi retirada.

Se a amostra for selecionada com o devido cuidado, a concentração do analito encontrado nela será a do material em estudo.

A amostra consiste em duas partes: o analito e a matriz na qual o analito está imerso. É desejável que a metodologia utilizada para a análise elimine, tanto quanto possível, a interferência das substâncias contidas na matriz.

O material no qual o analito deve ser estudado pode ser de várias naturezas; por exemplo: um líquido, uma porção de uma rocha, uma parte do solo, um gás, uma amostra de sangue ou outro tecido, etc. Portanto, o método de coleta de uma amostra pode variar dependendo da natureza do material.

Se um líquido for analisado, a complexidade da amostragem dependerá se o líquido é homogêneo ou heterogêneo. Além disso, o método de coleta de uma amostra de líquido depende dos objetivos que se pretende desenvolver no estudo.

Transformação do analito de maneira mensurável

O primeiro passo desta fase do uso do método analítico quantitativo é a dissolução da amostra. O método utilizado para esse fim varia de acordo com a natureza do material em estudo.

Relacionado:  Fusão: o que é, exemplos e experimentos

Embora cada material possa apresentar um problema específico, os dois métodos mais comuns usados ​​para dissolver as amostras são:

-Tratamento com ácidos fortes, como ácidos sulfúrico, clorídrico, nítrico ou perclórico

-Fusão em um fluxo ácido ou básico, seguido de um tratamento com água ou com um ácido.

Antes de determinar a concentração do analito na amostra, o problema de interferência deve ser resolvido. Estes podem ser produzidos por substâncias que respondem positivamente aos reagentes usados ​​na determinação do analito, o que pode causar resultados falsos.

A interferência também pode ser de tal magnitude que impede a reação do analito com os reagentes utilizados em sua determinação. As interferências podem ser eliminadas alterando sua natureza química.

O analito também é separado da interferência por precipitação da interferência, usando os reagentes específicos para cada caso.

Medição

Esta etapa pode ser realizada por métodos físicos ou químicos, nos quais são realizadas reações específicas ou seletivas para o analito. Ao mesmo tempo, soluções padrão são processadas da mesma maneira que permitem a determinação da concentração do analito por comparação.

Em muitos casos, é necessário usar técnicas instrumentais projetadas para resolver problemas na análise química de substâncias, tais como: espectroscopia de absorção, fotometria de chama, gravimetria, etc. O uso dessas técnicas permite identificar a presença do analito na amostra e sua quantificação.

No curso da análise instrumental quantitativa, soluções de concentração conhecida (padrões ou padrões) devem ser preparadas para determinar a resposta na aplicação do método para construir uma curva de calibração (que serve como uma “regra química”). .

É importante projetar e usar os alvos apropriados que podem fornecer informações sobre possíveis erros na análise e a quantidade mínima que pode ser determinada a partir do analito com o método usado.

Os objetivos fornecem informações sobre a qualidade dos reagentes e a metodologia aplicada.

Cálculo e interpretação de medições

Uma vez obtidos os resultados, é realizada a análise estatística.

Inicialmente, a média dos resultados é calculada, bem como o desvio padrão usando a metodologia apropriada. Posteriormente, o erro da aplicação do método é calculado e, por comparação com as tabelas estatísticas, é determinado se o erro cometido na obtenção dos resultados da concentração do analito cai dentro dos limites permitidos.

Referências

  1. Day, RA e Underwood, AL (1986). Química Analítica Quantitativa. 5 ta Edition. Pearson Prentice Hall.
  2. Capítulo 3: O Vocabulário da Química Analítica. [PDF]. Recuperado de: agora.cs.wcu.edu
  3. Conceitos (nd) Conceito de analito químico. Recuperado de: 10conceptos.com
  4. Oyola R. Martínez. (2016). Química Analítica [PDF]. Recuperado de: uprh.edu
  5. Denton R. Braun. (1 de abril de 2016). Análise química Encyclopædia Britannica. Recuperado de: britannica.com

Deixe um comentário