As 9 lendas e mitos mais importantes da Nicarágua

Entre as principais lendas e mitos da Nicarágua , destacam-se os cadejos, a coiota de El Viejo e o chefe Diriangén. Os nicaraguenses têm uma rica cultura mitológica que dá origem à criação de contos de Dantes e contos populares.

Muitos dizem que na Nicarágua não existe uma única região em que nenhuma lenda, mito ou história fantástica seja conhecida. A América Central contém um imaginário negro, mágico, feiticeiro, paranormal e ancestral que molda as crenças e superstições de seus habitantes.

As 9 lendas e mitos mais importantes da Nicarágua 1

Na Nicarágua, a transmissão de lendas e mitos por meio da narração oral é muito importante; portanto, falar de medos, almas e seres sobrenaturais – bons e ruins – já é um hábito da população.

A América Central é um funil e local de convergência de uma cultura mestiça devido à sua localização geográfica estratégica.

Índios, africanos e europeus criaram histórias, histórias místicas que se referem à tradição ancestral indígena da região.

As 9 principais lendas e mitos da Nicarágua

1- O pai sem cabeça

Os frades e religiosos são protagonistas de muitos contos aterrorizantes originados na era colonial na América Latina.

Na cidade de León, houve um padre que defendia os nativos. Por esse motivo, ele foi decapitado, aproximadamente em 1550. A Idade Média , um período de obscurantismo e muito pânico causado pela superstição.

Desde aquele dia, o pai sem cabeça está em luto à noite. Ele aparece quando conhece pessoas que fazem uma farra ao amanhecer. Elas são atraídas por uma espécie de encantamento e o pai o leva à igreja onde ele dá missa em latim.

Então, o pai mostra sua ferida do massacre. Eles dizem que aqueles que foram assombrados passaram semanas sem palavras.

Relacionado:  O que é economia normativa? (com exemplos)

2- Chefe Diriangén

Os maribianos são do oeste da Nicarágua e adoravam a onça-pintada como um símbolo divino do poder. Há uma lenda sobre a morte do chefe Diriagen, que conta que um dia ele foi de noite à colina Casitas para fazer uma cerimônia que o faria se tornar o deus do sol.

O chefe subiu ao topo da colina e caiu na escuridão. A mitologia diz que o chefe morreu quando caiu do penhasco, mas que seu espírito voou para o céu e sempre se sulcou para o oeste.

3- A cobra zangada da catedral

Dizem que uma cobra gigante vive sob as águas da área da Catedral. É tão grande que suas costas estão guardadas na igreja de Sutiaba, na cidade de León.

A Virgem da Misericórdia é quem segura essa cobra rebelde por um fio de cabelo para que ela não destrua a cidade. Dizem que a cobra é feroz e treme, mas a Virgem faz o possível para controlá-la.

Quando a cobra conseguir se soltar, a Terra tremerá e as ruas serão inundadas para que possam surgir.

4- O soco de ouro dos sutiabas

Dizem que na região de Sutiaba existe um tesouro escondido, cujo espírito está incorporado em um enorme caranguejo dourado e brilhante que sai do oceano e “ilumina as praias de Peneloya”.

A mitologia indígena aponta que todos que tentarem pegar o soco de ouro ficarão sem palavras. E se alguém conseguir pegá-lo em algum momento, o chefe de Anahuac ficará desencantado, a quem os colonizadores mataram em um pau de tamarindo que ainda é exibido em Sutiaba.

O Golden Punch também procura um sutiaba para pegá-lo, encontrar o tesouro e ficar rico.

5- La Cegua

Esta é uma velha coruja noturna que assusta as mulheres meniegos. Ele tem apitos ultrafinos e seu cabelo é comprido até a cintura.

Relacionado:  As 9 charadas com metáforas em destaque

Sua voz é oca. Quando ele ataca com outras ceguas, ele bate, aperta e arranca os cabelos da vítima até que ele fique inconsciente ao ar livre.

6- Os Cadejos

A lenda do Cadejo é conhecida em vários países da América Central. São dois cães com olhos ardentes, um preto e um branco, um ruim e um bom.

Os bons escoltam os homens honestos que devem trabalhar à noite. O mau assusta aqueles que passam a noite em festas.

Quando alguém exclama “o Cadejo tocou”, significa que alguém foi deixado morrendo no chão.

7- La Mocuana de Sébaco

Segundo a história, muitos espanhóis chegaram às terras do chefe de Sébaco, a quem ele tratou com cordialidade e lhes deu ouro com uma condição: que deixassem seus domínios e nunca mais retornassem.

Como esperado, os espanhóis fizeram o contrário e queriam roubá-lo. O chefe, consciente, escondeu toda a sua fortuna confiando o segredo apenas à filha.

Anos depois, a filha do cacique se apaixonou por um espanhol e fugiu da comunidade. O europeu acabou por ser um louco que a trancou dentro de uma caverna, mas a garota, conhecendo o lugar, conseguiu escapar por uma brecha.

Dizem que essa garota aparece para os transeuntes e os convida a segui-la até a caverna. Ninguém foi capaz de ver seu rosto, a não ser seus cabelos longos e sua figura esbelta.

8- O coiota de El Viejo

Dizem que em uma cidade chamada El Viejo morava Teodora Valdivieso, uma mulher coyota. Depois que o marido adormeceu, ela deixou para trás o rancho, pronunciou o feitiço “carne abaixo, carne abaixo” e transformou-se para encontrar um pacote.

Em uma daquelas noites, seu marido a espionou e fez um punho de sal pouco antes de ela dizer que o feitiço voltaria a ser humano, um ato que a deixou com sua forma de coiota para sempre.

Relacionado:  Cultura Zacatecas: Costumes, Tradições, Música, Arte

Alguns dizem que ainda ouvem seus gritos de arrependimento e que, às vezes, são vistos se movendo pela planície acompanhados por seus filhotes.

9- Menino Longo da Poça Verde

O Chico Largo caminha pelas águas da lagoa Charco Verde.

Eles dizem que, se as pessoas entrarem na lagoa na quinta e na sexta-feira, correm o risco de serem pegos pelo Garoto Longo e de sua caverna, onde só podem deixar transformadas em vacas que serão vendidas posteriormente para um matadouro.

Referências

  1. Peña Hernández, E. Folclore da Nicarágua . União Editorial, Masaya, 1968.
  2. Palma, M. Trilhas míticas da Nicarágua . Editorial Nueva América, Bogotá, 1987.
  3. Cuadra, PA e Pérez Estrada, F. Mostra de folclore nicaragüense . Fundo de promoção cultural-Bank of America (Human Sciences series No. 9) Managua, 1978.
  4. Zepeda Henríquez, E. mitologia nicaragüense . Editorial “Manolo Morales”, Manágua, 1987.

Deixe um comentário