Beber álcool durante a adolescência modifica o cérebro

O consumo de álcool durante a adolescência pode ter efeitos devastadores no desenvolvimento do cérebro, uma vez que esta é uma fase crucial para a formação de conexões neurais e consolidação de habilidades cognitivas. Estudos científicos mostram que o álcool pode interferir no processo de maturação cerebral, resultando em prejuízos nas funções cognitivas, controle emocional e tomada de decisões. Portanto, é importante conscientizar os jovens sobre os riscos do consumo precoce de álcool e promover a educação sobre os impactos negativos que essa prática pode trazer para o seu desenvolvimento cognitivo e emocional.

O impacto do álcool no cérebro: entenda como essa substância interfere em suas funções.

Beber álcool durante a adolescência pode ter um impacto significativo no desenvolvimento do cérebro. Estudos mostram que o consumo excessivo de álcool nessa fase da vida pode causar alterações duradouras nas funções cognitivas e emocionais. O cérebro dos adolescentes é especialmente vulnerável aos efeitos do álcool, pois ainda está em desenvolvimento.

Uma das principais maneiras pelas quais o álcool afeta o cérebro é através da interferência nos neurotransmissores, substâncias químicas responsáveis pela comunicação entre os neurônios. O álcool pode prejudicar a função desses neurotransmissores, afetando a memória, o raciocínio e o controle emocional.

Além disso, o consumo de álcool durante a adolescência também pode causar danos estruturais no cérebro, afetando áreas importantes para o aprendizado e a tomada de decisões. Estudos mostram que os adolescentes que bebem em excesso têm um volume reduzido em certas regiões do cérebro, o que pode impactar negativamente sua capacidade de pensar e se comportar de forma adequada.

É importante ressaltar que os efeitos do álcool no cérebro dos adolescentes podem ser duradouros e afetar seu desenvolvimento futuro. Por isso, é fundamental conscientizar os jovens sobre os riscos do consumo excessivo de álcool e promover hábitos saudáveis desde cedo.

Os efeitos do álcool no cérebro: como a substância impacta suas funções cognitivas.

Beber álcool durante a adolescência pode ter efeitos duradouros no cérebro em desenvolvimento. O consumo excessivo de álcool nessa fase crucial pode alterar a estrutura e a função do cérebro, afetando diversas funções cognitivas.

Uma das principais formas como o álcool impacta o cérebro é através da interferência na neurotransmissão. O álcool atua como um depressor do sistema nervoso central, diminuindo a atividade dos neurotransmissores responsáveis pela comunicação entre os neurônios. Isso pode resultar em dificuldades de memória, aprendizado e tomada de decisões.

Além disso, o consumo de álcool durante a adolescência pode prejudicar o desenvolvimento de áreas importantes do cérebro, como o córtex pré-frontal. Essa região é responsável pelo controle de impulsos, planejamento e tomada de decisões. Quando exposta ao álcool em excesso, ela pode sofrer danos que afetam diretamente essas funções.

Outro efeito do álcool no cérebro adolescente é a alteração na formação de sinapses, as conexões entre os neurônios. O consumo de álcool pode interferir nesse processo crucial para o desenvolvimento cerebral, levando a prejuízos na capacidade de processamento de informações e no raciocínio lógico.

Portanto, é fundamental conscientizar os jovens sobre os riscos do consumo excessivo de álcool durante a adolescência. Essa prática pode ter consequências graves e duradouras no cérebro em desenvolvimento, impactando negativamente suas funções cognitivas e comprometendo seu futuro.

O impacto do álcool no equilíbrio corporal: entenda os efeitos dessa substância.

O consumo de álcool durante a adolescência pode ter graves consequências para o desenvolvimento do cérebro. Estudos mostram que o álcool afeta diretamente o equilíbrio corporal, interferindo na coordenação motora e no controle dos movimentos. Quando uma pessoa consome álcool, ele atua no sistema nervoso central, alterando a comunicação entre os neurônios e prejudicando a capacidade do cérebro de enviar sinais para o corpo.

Relacionado:  5-hidroxitriptofano (5-HTP): características e usos desta substância

Além disso, o álcool pode causar danos ao cerebelo, a parte do cérebro responsável pelo controle motor e equilíbrio. Beber álcool em excesso pode levar a uma diminuição da atividade do cerebelo, resultando em dificuldades para manter a postura e realizar movimentos precisos. Isso explica por que muitas pessoas apresentam dificuldades de equilíbrio e coordenação após consumir bebidas alcoólicas.

Portanto, é importante conscientizar os jovens sobre os riscos do consumo de álcool durante a adolescência. Modificar o cérebro em uma fase tão crucial do desenvolvimento pode ter impactos duradouros na vida adulta. O equilíbrio corporal é apenas um dos muitos aspectos que podem ser afetados pelo álcool, e é fundamental buscar formas saudáveis de lidar com as pressões e desafios da juventude, sem recorrer a substâncias prejudiciais como o álcool.

Os efeitos positivos do álcool na felicidade das pessoas: uma explicação científica.

Beber álcool durante a adolescência pode ter consequências significativas no desenvolvimento do cérebro. Estudos científicos mostram que o consumo excessivo de álcool nesta fase da vida pode causar danos permanentes, afetando a memória, o raciocínio e o controle emocional.

No entanto, é importante ressaltar que o álcool, quando consumido de forma moderada por adultos responsáveis, pode trazer alguns efeitos positivos para a felicidade das pessoas. Pesquisas indicam que o álcool pode atuar como um relaxante natural, ajudando a reduzir a ansiedade e o estresse do dia a dia.

Além disso, o consumo moderado de álcool pode estimular a liberação de substâncias no cérebro, como a dopamina, conhecida como o neurotransmissor do prazer. Isso pode resultar em uma sensação de bem-estar e relaxamento, contribuindo para uma maior sensação de felicidade.

No entanto, é importante ressaltar que o álcool não deve ser utilizado como uma forma de lidar com problemas emocionais ou como uma solução para a infelicidade. O consumo excessivo de álcool pode levar a dependência, problemas de saúde e até mesmo agravar quadros de depressão.

Portanto, é fundamental que as pessoas consumam álcool de forma consciente e responsável, respeitando os limites e evitando o abuso. A moderação é a chave para desfrutar dos potenciais efeitos positivos do álcool na felicidade, sem comprometer a saúde e o bem-estar.

Beber álcool durante a adolescência modifica o cérebro

Beber álcool durante a adolescência modifica o cérebro 1

Vivemos em uma sociedade em que o consumo de álcool entre jovens se tornou popular e em que faz parte de um grande número de tradições e eventos. Usado como um elemento para causar desinibição física e mental e socializar, com o tempo a idade de início do consumo de álcool vem diminuindo.

Atualmente, a idade média em que essas substâncias começam a ser ingeridas é de cerca de treze anos . Embora os efeitos imediatos da intoxicação sejam conhecidos, o que não é tão conhecido é que o consumo habitual de álcool, mesmo sem cair na dependência, causa mudanças na estrutura cerebral dos adolescentes .

Essas mudanças são especialmente visíveis e têm maior efeito quando o consumo ocorre em indivíduos no processo de desenvolvimento. Em outras palavras, podemos considerar que o consumo de álcool na adolescência causa alterações cerebrais .

Álcool e adolescência: má combinação

O álcool é uma das drogas legais mais populares no mundo, frequentemente usada em todos os tipos de contextos pela grande maioria da população. É uma substância que se enquadra na categoria de psicolépticos ou depressores, porque seu principal efeito é causar uma diminuição na atividade do sistema nervoso.

Embora pareça paradoxal, em pequenas doses esse efeito depressivo produz um aumento na sensação de euforia e bem-estar , pois inibe antes de todos os territórios subcorticais e alguns dos processos inibitórios que normalmente usamos para regular nosso comportamento. É por isso que facilita a socialização e, portanto, a grande maioria das pessoas consome álcool de forma recreativa .

Em altas doses de álcool, entretanto, surgem efeitos depressivos mais apropriados, com alteração do nível de consciência, lentidão mental e física e perda de parte das funções de raciocínio e executivas em geral.

Dados os efeitos reforçadores que surgem com o consumo de pequenas quantidades de álcool, é comum os adolescentes, que buscam sua identidade por meio de experimentação e se relacionarem com pessoas afastadas da autoridade e de figuras familiares, que decidem recorrer a a bebida como um meio de socialização e desinibição de seus impulsos.

No entanto, além do risco de envenenamento grave (no qual pode ocorrer coma etílico e até morte devido a parada cardiorrespiratória) e dependência que já pode causar álcool em qualquer idade, deve-se levar em consideração que o cérebro O adolescente ainda está em período de desenvolvimento , para que o consumo de substâncias com propriedades psicoativas possa causar sérias alterações estruturais e funcionais em seu cérebro.

Alterações na estrutura do cérebro

As últimas pesquisas realizadas refletem que o consumo de álcool em tenra idade, em que o cérebro ainda não se desenvolveu completamente , produz mudanças relevantes a longo prazo na estrutura e configuração dos neurônios.

Especificamente, os efeitos mais claros ocorrem em partes do cérebro ligadas à aprendizagem, memória e funções executivas . Em experimentos com roedores, foi demonstrado que indivíduos que durante o estágio de desenvolvimento consumiram com relativa frequência na idade adulta têm muito mais dificuldade nas tarefas de memória, antecipação e planejamento. Esses efeitos ocorrem principalmente devido ao envolvimento do hipocampo , do sistema límbico e do lobo frontal .

Efeitos no hipocampo

O álcool faz com que o hipocampo não se desenvolva tanto quanto o de indivíduos que não consumiram. As células dessa localização cerebral parecem imaturas e pouco desenvolvidas em comparação com adultos que não consumiram álcool com frequência.

Também foi observado que o empoderamento a longo prazo, um dos processos pelos quais, ao fortalecer sinapses (os espaços através dos quais os neurônios se comunicam), reforçamos o aprendizado e é especialmente ativo durante a infância e a adolescência , é especialmente ativo. Embora isso possa parecer positivo, essa ativação atinge um nível que acaba em colapso e não produz mais aprendizado .

Com base na imaturidade das células observadas, especula-se que o efeito do álcool, substância do tipo depressivo, provavelmente altere o processo de maturação. Nesse sentido, também foi comprovado que a formação de novos neurônios e conexões entre eles diminui e até para .

A afetação dessa área induz graves dificuldades no reconhecimento e na memória de curto prazo , com a memória de longo prazo geralmente preservada. Mais do que esquecer as informações retidas, os problemas mais importantes estariam no nível da capacidade de “registrar” e armazenar novas informações.

Relacionado:  Quiasma óptico: o que é e quais são suas funções?

Afetação frontal

Além do hipocampo, outra das áreas com maiores alterações na presença de consumo de álcool na adolescência é o lobo frontal, a parte do cérebro mais ligada ao controle de impulsos, planejamento e funções executivas gerais , afetando também algumas facetas de personalidade

O consumo contínuo de álcool a longo prazo causa alterações nessa área, resultando em um alto nível de degeneração e morte neuronal, especialmente na área pré-frontal. Essas alterações surgem em pessoas de qualquer idade que praticam abuso de álcool por longos períodos, mas, no entanto, ficou provado que, no desenvolvimento de cérebros como os de adolescentes, o nível de morte neuronal é muito maior do que em outros estágios .

Isso pode fazer com que os adolescentes agora tenham problemas de controle de impulso no futuro, diminuindo sua capacidade de inibição, que a longo prazo adotará uma atitude mais agressiva e impulsiva. Também é frequente que indivíduos que frequentam álcool nas fases iniciais tenham menor capacidade de concentração e planejamento do que o esperado. Por fim, a longo prazo, a capacidade de estabelecer metas e a auto-motivação diminuem, sendo mais provável a queda nos estados depressivos e de ansiedade.

Efeitos no sistema de recompensa cerebral

Foi demonstrado que, durante a adolescência, os receptores de dopamina são especialmente ativados e apresentam alguma hipersensibilidade a esse neurotransmissor , sendo esta uma das razões pelas quais os adolescentes em geral tendem a buscar novas experiências que os estimulem.

Nesse sentido, outro dos elementos que os vários estudos demonstraram é que há uma maior frequência de dependência de substâncias entre os sujeitos que começaram a beber antes dos quatorze anos, em comparação com aqueles que tiveram suas primeiras experiências com álcool de os vinte (um momento em que o cérebro já está totalmente desenvolvido ou quase completo do processo de desenvolvimento).

Esse fato pode estar ligado, juntamente com a alteração dos mecanismos de inibição característicos do envolvimento frontal, a uma alteração nas vias que regulam as emoções e o sentimento de recompensa . Tanto a ação sobre o GABA quanto a inibição dos receptores de glutamato NMDA produzidos pelo álcool induzem um aumento da atividade dopaminérgica no estriado, que por já estar hipersensibilizado pelo processo de desenvolvimento, pode facilitar a fixação de comportamentos que os estimular ainda mais, como o consumo de álcool ou outras substâncias.

  • Você pode estar interessado: ” A causa do comportamento imprudente e impulsivo pelo consumo de álcool é encontrada na mutação de um gene “

Referências bibliográficas:

  • Calvo, HB (2009). Álcool e neuropsicologia. Revista de Neuropsicologia, Neuropsiquiatria e Neurociências, vol.9, Nº2: pp. 53-76.
  • Risher, ML; Fleming, RL; WC Risherm; Miller, KM; Klein, RC; Wills, T.; Acheson, SK; Moore, SD; Wilson, WA; Eroglu, C. & Swartzwelder, HS (2015). Exposição intermitente ao álcool por adolescentes: persistência de abnosrmalidades estruturais e funcionais do hipocampo na idade adulta. Alcoolismo: Pesquisa Clínica e Experimental; 39 (6): 989-97.
  • Stephens, DN e Duka, T. (2008). Consequências cognitivas e emocionais do consumo excessivo de álcool: papel da amígdala e do córtex pré-frontal. Transações Filosóficas da Sociedade Real de Ciências Biológicas, 363, 3169-3179.

Deixe um comentário