Cardenismo: Origens, Políticas, Eventos em Destaque

O cardenismo foi um movimento político e social liderado pelo presidente do México, Lázaro Cárdenas, que governou o país de 1934 a 1940. Este período foi marcado por uma série de reformas econômicas, políticas e sociais que visavam combater a desigualdade e promover o desenvolvimento do país. Neste contexto, destacam-se a nacionalização da indústria do petróleo, a reforma agrária, a criação de sindicatos e a implementação de programas de educação e saúde. Este movimento teve um impacto significativo na história do México e influenciou outras políticas progressistas na América Latina. Neste artigo, exploraremos as origens, políticas e eventos em destaque do cardenismo.

O legado do governo de Lázaro Cárdenas: conquistas, reformas e transformações políticas no México.

O governo de Lázaro Cárdenas foi marcado por importantes conquistas, reformas e transformações políticas no México. Durante seu mandato, que ocorreu entre 1934 e 1940, Cárdenas implementou uma série de medidas que visavam promover a justiça social e o desenvolvimento econômico do país.

Uma das principais conquistas do governo de Cárdenas foi a reforma agrária, que visava redistribuir as terras dos latifundiários para os camponeses. Essa medida ajudou a melhorar as condições de vida no campo e a fortalecer a economia rural do México. Além disso, Cárdenas promoveu a nacionalização da indústria do petróleo, o que contribuiu para aumentar a independência econômica do país.

Outra importante reforma realizada por Cárdenas foi a criação do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Educação, que buscava melhorar as condições de trabalho dos professores e promover a educação pública no México. Além disso, Cárdenas implementou políticas que visavam combater a corrupção e fortalecer a democracia no país.

No âmbito internacional, Cárdenas foi um defensor dos direitos humanos e da autodeterminação dos povos. Ele apoiou diversos movimentos de libertação nacional em países da América Latina e condenou a intervenção estrangeira em assuntos internos dos países.

Em resumo, o governo de Lázaro Cárdenas deixou um legado duradouro no México, marcado por conquistas importantes, reformas progressistas e transformações políticas significativas. Seu legado continua a inspirar políticos e ativistas até os dias de hoje.

Local da implementação do governo de Lázaro Cárdenas, conhecido como Cardenismo, na Cidade do México.

O governo de Lázaro Cárdenas, conhecido como Cardenismo, foi implementado na Cidade do México, capital do México. Cárdenas foi presidente do México de 1934 a 1940 e seu governo foi marcado por políticas progressistas e reformistas. Uma das principais características do Cardenismo foi a nacionalização da indústria do petróleo, que antes estava nas mãos de empresas estrangeiras.

Além disso, Cárdenas implementou políticas de reforma agrária, visando a redistribuição de terras para os camponeses. Ele também promoveu a educação pública e a criação de sindicatos para proteger os direitos dos trabalhadores. O Cardenismo foi um período de grande transformação no México, com um foco claro na justiça social e no bem-estar do povo.

Eventos em destaque durante o governo de Cárdenas incluem a expropriação do petróleo em 1938, que trouxe o controle da indústria para o Estado mexicano. Além disso, a criação do Partido da Revolução Mexicana (PRM) em 1938 marcou o fortalecimento do governo de Cárdenas e suas políticas progressistas.

O processo de reforma agrária no México: história, desafios e impactos sociais e econômicos.

O Cardenismo foi um movimento político e social que marcou a história do México no século XX. Uma das principais políticas implementadas durante o governo de Lázaro Cárdenas foi a reforma agrária, que teve como objetivo redistribuir a terra de forma mais equitativa entre os camponeses do país.

Relacionado:  Da Navegação Costeira à Ultramarina: Recursos

A história da reforma agrária no México remonta ao início do século XX, quando a concentração de terras nas mãos de poucos latifundiários era uma realidade que perpetuava a desigualdade social no país. Com o surgimento do Cardenismo, a reforma agrária ganhou força e se tornou uma das principais bandeiras do governo.

Os desafios enfrentados durante o processo de reforma agrária foram muitos, incluindo a resistência dos latifundiários, a falta de recursos financeiros e a burocracia estatal. No entanto, o governo de Cárdenas conseguiu superar esses obstáculos e avançar na implementação de políticas que beneficiaram os camponeses.

Os impactos sociais da reforma agrária foram significativos, pois permitiram que milhares de famílias camponesas tivessem acesso à terra e pudessem cultivá-la de forma sustentável. Além disso, a reforma contribuiu para a melhoria das condições de vida no campo e para a redução da pobreza no país.

Do ponto de vista econômico, a reforma agrária teve um papel importante na diversificação da economia mexicana, pois incentivou a produção de alimentos e matérias-primas no campo. Isso contribuiu para o fortalecimento do setor agrícola e para o desenvolvimento do país como um todo.

Em resumo, o processo de reforma agrária no México durante o Cardenismo foi um marco na história do país, que teve como objetivo promover a justiça social, combater a desigualdade e impulsionar o desenvolvimento econômico. Apesar dos desafios enfrentados, os impactos positivos dessa política ainda são sentidos até os dias de hoje.

Cardenismo: Origens, Políticas, Eventos em Destaque

Jacinto Canek (1730 – 1761), apelido conhecido por José Cecilio de los Santos (ou Jacinto Uc de los Santos, dependendo do historiador), era um líder indígena maia que promoveu uma revolta contra as autoridades espanholas da época. cidade de Cisteil, em 1761.

Numa época em que os nativos não desfrutavam de educação, a inteligência de Canek o levou a treinar com os monges que habitavam sua área. Isso deu a ele uma base de conhecimento muito importante ao analisar a vida de seu povo.

Cardenismo: Origens, Políticas, Eventos em Destaque 1

Obra “Suplicio de Jacinto Canek” de Fernando Castro Pacheco

Não foi a primeira rebelião liderada pelos povos indígenas mexicanos, que foram sistematicamente separados de sua cultura e costumes pelo poder colonial. Os espanhóis sempre tentaram subestimar essas revoltas, observando que estavam estrelando pequenas minorias de bêbados.

Canek conseguiu colocar o exército hispânico em problemas por vários dias, mas finalmente a grande diferença na mídia militar condenou a tentativa de fracasso. Foi considerado um antecedente do que aconteceria um século depois, com a chamada Guerra de Castas no Iucatão. O escritor yucateca Emilio Abreu Gómez novelou os fatos no livro Canek .

Biografia

Primeiros anos

O futuro líder indígena nasceu em Campeche em 1730. Seu verdadeiro nome era José Cecilio de los Santos, embora outros historiadores afirmem que era Jacinto Uc de los Santos. De descendência maia, sua família trabalhava para os franciscanos.

Relacionado:  Como era a sociedade de Teotihuacan?

Foram esses monges que lhe deram a oportunidade de estudar, algo proibido pelos nativos da época. Sua grande inteligência fez com que os monges o recebessem e começassem a formar ele.

Educação com os franciscanos

Jacinto aproveitou a oportunidade que lhe fora concedida e aprendeu vários assuntos com os frades. Entre eles, latim, teologia, história e gramática. Depois de alguns anos, seu professor teve que se mudar para Mérida e Canek foi com ele.

Foi precisamente o conhecimento adquirido e seus dons naturais que o fizeram começar a perceber o quanto seu povo vivia. Nada conformista, ele começou a perguntar e protestar em voz alta, o que lhe valeu um aviso sério dos monges.

Isso não silenciou os jovens maias, que continuaram com sua atitude. No final, os franciscanos decidem expulsá-lo do convento, considerando-o um índio rebelde.

Trabalho

Uma vez fora do convento, Jacinto foi trabalhar como padeiro. Por vários anos, ele manteve essa ocupação, que também o serviu para visitar parte das cidades do estado e continuar a conhecer em primeira mão a situação dos povos indígenas.

Há divisão entre historiadores, mas alguns afirmam que desde 1760 ele começou a preparar uma rebelião. Ele enviou cartas para procurar seguidores e indicou janeiro de 1762 como a data escolhida. A tentativa foi descoberta, então ele decidiu avançar na tentativa.

Foi durante esse período que ele ganhou o apelido de Jacinto Canek, tirado do último líder dos Itzaes, os últimos maias que resistiram à conquista. Vem da palavra Can-Ek, que significa “cobra negra”.

Rebelião de Cisteil

Contexto

A situação econômica, educacional e de direitos dos povos indígenas no tempo de Canek os condenou, sem remédio, a permanecer na parte mais pobre da sociedade.

Ao longo do século XVIII, suas tradições foram quase exterminadas e a maioria foi forçada a trabalhar nas propriedades em condições de quase escravidão.

Portanto, várias rebeliões já haviam ocorrido antes da liderada por Canek. Nas décadas seguintes, eles explodiram muito mais até chegarem à Guerra da Casta, um século depois.

Início da rebelião

A cidade de Cisteil, localizada perto de Sotuta, celebrou seu feriado religioso em 20 de novembro de 1761. Quando a cerimônia terminou, Jacinto Canek aproveitou a oportunidade para se dirigir aos vizinhos que estavam reunidos lá. Falando com eles em Maya, ele os discutiu com as seguintes palavras:

«Meus amados filhos, não sei o que esperas livrar do jugo pesado e da servidão laboriosa em que foste submetido aos espanhóis; Eu andei por toda a província e registrei todas as suas cidades e, considerando cuidadosamente a utilidade da sujeição à Espanha, não encontrei outra coisa senão uma servidão dolorosa e inexorável … O juiz tributário não está satisfeito, mesmo com o trabalho que prender nossos companheiros na cadeia, nem satisfazer a sede de nosso sangue nos flagelos contínuos com os quais macera e rasga nossos corpos ».

Canek os encorajou a se unir à rebelião, garantindo que ele tivesse poderes taumaturgistas. Ele também lhes disse que tinha vários feiticeiros a seu serviço e que a vitória foi profetizada no Chilam Balam.

Relacionado:  Segunda Jornada de Pizarro: Principais Características

Ele prometeu aos ouvintes que os mortos seriam ressuscitados em três dias. Finalmente, ele disse que tinha o apoio dos ingleses para sua insurreição.

Tomada da localidade e reação espanhola

A revolta foi um sucesso nas primeiras horas. Eles conseguiram facilmente tomar Cisteil. Seu único erro foi deixar escapar um frade, Miguel Ruela, que alertou as autoridades espanholas sobre o que estava acontecendo.

O frade voltou-se para o capitão do exército em Sotuta. Este, chamado Tiburcio Cosgaya, logo preparou um destacamento para ir a Cisteil. No entanto, Canek e seus homens já estavam preparados: eles emboscaram os espanhóis e vários soldados foram mortos.

Naquela época, os rebeldes pensavam que seu levante poderia ter sucesso. Canek é coroado rei dos maias e promete abolir impostos, distribuir a riqueza que os espanhóis ficaram e estabelecer uma administração liderada pelos nativos. A capital dessa nova nação maia seria em Mani.

Segunda batalha

A alegria dos rebeldes não durou muito. Uma semana após a revolta, os espanhóis organizam um grande destacamento composto por 2000 soldados.

O ataque a Cisteil é brutal e cerca de 500 maias morrem, por apenas 40 soldados. Apenas 300 homens, entre os quais Canek, conseguem escapar do local.

Os últimos dias de Jacinto Canek

Os sobreviventes da batalha de Cisteil tentam fugir para Sivac. Por sua parte, os espanhóis não estavam dispostos a deixá-los escapar. No próprio Sivac, Canek é capturado junto com o resto de seus seguidores. Todos são transferidos para Mérida.

A principal acusação enfrentada pelo líder indígena é a de rebelião. A este crime acrescentam o de sacrilégio e se proclamam rei. O julgamento sumário não dura muito e é condenado à morte.

Execução e aviso

Embora o resto de seus partidários presos também recebam sentenças (alguns morrem enforcados e outros são açoitados ou mutilados), o de Canek é particularmente cruel.

De acordo com as crônicas, ele deve morrer “esmagado, quebrado seu corpo e depois queimado e jogado suas cinzas ao vento”.

Sem chegar um mês desde a revolta, em 14 de dezembro de 1861, Jacinto Canek é executado conforme ditado pela sentença na Plaza Mayor de Mérida.

Se a maneira de executar Canek já era um aviso para futuros rebeldes, os espanhóis não se contentam com isso. Cisteil, onde a revolta começou, é incendiada e coberta de sal.

Referências

  1. Carmona Dávila, Doralicia. Durante um feriado religioso em Quisteil, Yucatan, perto de Sotuta, Jacinto Uc de los Santos «Canek», inicia uma rebelião de índios maias. Obtido de memoriapoliticademexico.org
  2. CONAPRED Canek, Jacinto – Biografias de povos indígenas e grupos étnicos. Obtido em conapred.org.mx
  3. Durango.net Jacinto Canek. Obtido de durango.net.mx
  4. A biografia Biografia de Jacinto Canek. Obtido em thebiography.us
  5. Concierge de Yucatan. Jacinto Canek, o herói maia. Obtido em yucatanconcierge.com
  6. Funcionários da History.com. Iucatão Obtido em history.com
  7. Patch, Robert. Revolta e Revolução Maia no século XVIII. Recuperado de books.google.es
  8. Yucatan Times. O padeiro que seria rei. Obtido em theyucatantimes.com

Deixe um comentário