Charles Manson: a história do líder de uma seita assassina

Charles Manson foi um dos criminosos mais infames da história, conhecido por ser o líder de uma seita assassina que cometeu uma série de assassinatos brutais na década de 1960. Sua influência sobre seus seguidores era tão poderosa que ele conseguiu convencê-los a cometer atos de violência extrema em seu nome. Nesta história, exploraremos a vida de Manson, sua ascensão como líder de uma seita e os terríveis crimes que ele e seus seguidores cometeram. A história de Charles Manson é um exemplo sombrio do poder da manipulação e da influência de um líder carismático sobre seus seguidores.

Motivações por trás dos assassinatos cometidos pela Família Manson intrigam especialistas e sociedade.

Charles Manson é conhecido como o líder de uma seita assassina que chocou o mundo com seus terríveis crimes. As motivações por trás dos assassinatos cometidos pela Família Manson continuam intrigando especialistas e a sociedade em geral.

Muitos estudiosos e psicólogos tentaram entender o que levou Manson e seus seguidores a cometerem atos tão brutais. Alguns apontam para a influência de drogas, a manipulação psicológica de Manson e a busca por poder e controle sobre seus seguidores como possíveis fatores motivadores.

Além disso, a busca por uma suposta revolução racial e a crença em um apocalipse iminente também são apontadas como possíveis motivações por trás dos assassinatos cometidos pela Família Manson. A mente perturbada de Manson e sua capacidade de exercer domínio sobre seus seguidores são aspectos que contribuíram para a tragédia que se desenrolou.

Qual era a mensagem de Manson?

A história de Charles Manson é marcada por sua liderança em uma seita assassina que cometeu uma série de assassinatos brutais nos anos 60. Mas, afinal, qual era a mensagem que Manson estava tentando transmitir?

Manson pregava uma filosofia distorcida que misturava ideias de apocalipse iminente, racismo e violência. Sua mensagem central era a de que uma guerra racial estava prestes a acontecer e que ele e seus seguidores seriam os únicos a sobreviver. Ele acreditava que, ao cometer assassinatos aleatórios, poderia iniciar essa guerra e se tornar o líder de uma nova ordem mundial.

Apesar de suas ideias delirantes e perturbadoras, Manson conseguia atrair seguidores vulneráveis e manipuláveis, que acreditavam cegamente em sua liderança. Ele exercia um controle psicológico sobre seus seguidores, levando-os a cometer atos terríveis em nome de sua visão distorcida do mundo.

No final das contas, a mensagem de Manson era uma mistura de paranoia, violência e manipulação. Sua seita assassina deixou um legado de horror e tragédia que ainda ecoa até os dias de hoje.

Como terminou a vida de Charles Manson, líder de culto e assassino notório?

Charles Manson, famoso líder de uma seita assassina, teve um fim solitário e triste. Após passar mais de quatro décadas na prisão, Manson faleceu em novembro de 2017, aos 83 anos de idade. Ele morreu devido a complicações de saúde decorrentes de um câncer colorretal. Apesar de ter sido condenado à prisão perpétua por sua participação nos terríveis assassinatos cometidos por seus seguidores, Manson nunca expressou arrependimento por seus atos. Sua morte marcou o fim de uma era sombria na história dos Estados Unidos, onde ele era considerado uma figura sinistra e perturbadora.

Relacionado:  Os 7 tipos de violência de gênero (e características)

Qual foi a pessoa que fez a denúncia de Charles Manson?

Em 1969, a polícia recebeu uma denúncia de um jovem chamado Paul Watkins, que era um dos seguidores de Charles Manson. Watkins era parte da famosa seita conhecida como “A Família”, liderada por Manson. Ele decidiu colaborar com as autoridades após presenciar os terríveis assassinatos cometidos pelo grupo. A denúncia de Watkins foi crucial para a captura e condenação de Manson e seus seguidores.

Charles Manson: a história do líder de uma seita assassina

Charles Manson: a história do líder de uma seita assassina 1

Ao longo da história, muitos assassinos são lembrados por seus atos macabros e pela brutalidade dos crimes, mas há poucos que têm o carisma e a influência de Charles Manson .

Esse homem, mais conhecido por ser o fundador e líder da seita conhecida como “A Família Manson”, levou seus seguidores a cometer uma série de crimes com a idéia de que suas ações acelerariam uma guerra racial que ocorreria a qualquer momento. Entre suas vítimas está a atriz Sharon Tate , que também era a esposa do conhecido diretor de cinema Roman Polanski.

Hoje, apesar de preso, Charles Manson ainda tem muitos seguidores. Sua popularidade é tanta que a cantora Marilyn Manson foi inspirada por ele para obter seu nome artístico, que é a união entre os nomes de Marilyn Monroe e Charles Manson.

  • Este artigo pode lhe interessar: ” Psicopatia: o que acontece na mente do psicopata? “

Uma vida marcada por crime e crime

Charles Manson nasceu em 12 de novembro de 1934, em Cincinnati, Ohio (Estados Unidos), e sua mãe tinha apenas 16 anos quando deu à luz. Sua vida sempre foi marcada por crime e roubo , e ele não teve uma infância fácil. Seu pai era alcoólatra e, segundo o próprio Manson, um dia deu uma garçonete sem filhos em troca de uma caneca de cerveja. Foi seu tio que teve que recuperá-lo alguns dias depois.

A mãe e o irmão de Manson têm antecedentes criminais e foram condenados a 5 anos de prisão por assaltar uma estação de serviço em Charleston (Virgínia) em 1939. Isso fez com que Manson acabasse em um lar para crianças sem teto. Mais tarde, Manson tentaria voltar para casa, mas sua mãe o rejeitou.

Manson começou a cometer um crime muito jovem e , aos 13 anos, ocorreu sua primeira prisão por atracar em um supermercado ; mas ele era um garoto habilidoso e, após 4 dias, escapou das instalações correcionais. Após várias prisões e vazamentos por roubo de veículos, em 1967 ele voltou à prisão por falsificação de cheques. Na prisão, Manson começou a estudar esoterismo e filosofia oriental . Naquela época, Manson já se casara e se divorciara duas vezes. Ele teve dois filhos com duas mulheres diferentes.

A família Manson: uma seita assassina

Manson foi libertado da prisão em 1967 e se mudou para São Francisco, onde praticamente viveu como mendigo até conhecer Mary Brunner, uma garota de 23 anos que trabalhava como assistente de biblioteca na Universidade de Berkeley. Seu poder de sedução e manipulação era tal que ele foi morar com ela. A personalidade de Manson despertou elogios entre seus futuros seguidores , que se referiram a ele como “o mágico”. Talvez por isso, alguns meses depois de se mudarem para a casa de Brunner, os dois dividiram um apartamento (apartamento de Brunner) com 18 mulheres .

Naqueles anos, a cidade de São Francisco era a base do movimento “Hippie”, e Manson rapidamente se estabeleceu como um guru que, graças ao seu poder de persuasão, logo teria seu primeiro grupo de seguidores. Eles receberam o nome de “A Família Manson”. É importante notar que a maioria desses seguidores eram mulheres. Nesse mesmo ano, Brunner ficou grávida de Manson, que seria seu terceiro filho.

No ano seguinte, Charles Manson instalou seu esconderijo no Spahn Ranch, no vale da Califórnia. A família Manson não pagou aluguel porque ele ordenou que seus seguidores tivessem um relacionamento íntimo com o proprietário , quase cego.

Os assassinatos da família Manson

Esse grupo aparentemente inofensivo de pessoas entraria na história pelo assassinato de várias pessoas sob as ordens de Charles Manson. Embora Manson não tenha manchado as mãos com sangue , suas idéias foram a razão pela qual La Familia decidiu tirar a vida de suas vítimas.

Manson acreditava que uma guerra racial estava se aproximando , enquanto ele tocava uma música dos Beatles, “Helter Skelter”. Esse era o nome da música e também sua profecia. Manson pensou que os homens negros se revelariam contra os brancos e venceria a batalha. Mas como os negros não podiam reter o poder, porque os considerava inferiores, Manson seria o líder mundial .

Com o tempo, Charles Manson ficou impaciente. Como ele viu que os negros não se mexiam, ele decidiu avançar na guerra racial cometendo uma série de assassinatos em que eles deixavam evidências na cena do crime para culpar os “Panteras Negras”

O assassinato mais importante cometido por La Familia Manson é o da atriz e modelo Sharon Tate, de apenas 26 anos, que também estava grávida. Ele só tinha duas semanas para ter seu filho com o diretor de cinema Roman Polanski.

Curiosamente, naquele dia, eu estava jantando com um grupo de amigos quando eles decidiram ir para a mansão. Foi lá que o crime foi cometido. Quatro membros da “Família” assaltaram a casa e perpetraram um terrível assassinato múltiplo . Os assassinos foram: Charles Watson, Patricia Krenwinkel, Susan Atkins e Linda Kasabian.

Como os eventos aconteceram

Poucos meses antes desse assassinato múltiplo, Bobby Beausoleil, membro da La Familia, assassinou o músico Gary Hinman depois de tentar lhe dar o dinheiro que herdara. No local, os membros da seita escreveram na parede, com o próprio sangue da vítima, “Porquinho político”, e desenharam a perna de uma pantera, um símbolo do movimento Panteras Negras .

Relacionado:  Violência nos relacionamentos entre casais de adolescentes

Beausoleil foi preso alguns meses depois. Isso levou Manson a dizer à La Familia que chegara a hora de agir. E, embora não se saiba com certeza, parece que este ordenou o assassinato de Terry Melcher, um produtor musical com quem Manson teve contato graças à sua breve relação com uma bateria dos Beach Boys. Manson queria provar que tinha talento musical, mas Melcher não lhe deu a oportunidade.

Então os quatro assassinos foram para a suposta casa de Melcher , mas ele não morava mais lá, mas era o novo lar de Roman Polanski e Sharon Tate. Na casa estava Tate com alguns amigos (Polanski estava em Londres gravando um filme). Nesse lugar, eles terminaram a vida de quatro pessoas, e especialmente triste foi o assassinato de Sharon Tate, que depois de pedir para ser seqüestrado e morto após o nascimento de seu filho, foi morto por Susan Atkin, que o esfaqueou várias facadas. Atkins, com uma toalha ensopada com o sangue de Tate, escreveu a palavra “Porco” em uma porta da casa.

Alguns dias depois, Manson ordenou o assassinato de Leno e Rosemary LaBianca. Quando eles chegaram na casa do casal, Manson os piou e Leslie Van Houten foi responsável por matá-los.

Você pode aprender mais sobre a história de Charles Manson neste vídeo:

Um assassino carismático

Charles Manson é sem dúvida um dos assassinos mais notórios. Atualmente, ele está cumprindo uma sentença, mas ainda tem muitos seguidores . Além disso, Manson inspirou diferentes séries ou filmes por causa de sua história e personalidade.

S em poucas pessoas no mundo que são capazes de doutrinar as pessoas comuns e transformá -los em assassinos . Seu carisma e suas habilidades de manipulação e persuasão são uma realidade. Sua popularidade tem sido tal que ele até lançou um álbum com suas músicas, enquanto estava na prisão.

Por outro lado, também é notório que, mesmo depois de condenado e de ter sido divulgada uma visão sobre ele explicada do ponto de vista da polícia e da justiça, Charles Manson continuou a gerar admiração, especialmente entre os jovens.

Lembre-se de que parte desse fenômeno pode ser atribuída simplesmente ao fato de ser conhecido por milhões de pessoas, mas isso não significa que seja perturbador até que ponto podemos idolatrar pessoas que quebram todas as normas sociais mínimas para garantir a convivência. Existem certos contextos que podem ser interpretados como justificativas para a conduta criminosa , valorizando-a positivamente e motivo de devoção ou mesmo de se apaixonar.

Você pode ouvir a música deles neste conteúdo audiovisual:

Deixe um comentário