Concha Urquiza: biografia, estilo, obras

Concha Urquiza (1910-1945) foi um escritor e poeta mexicano. Apesar de sua curta vida e trabalho limitado, ela foi considerada uma das mulheres mais extraordinárias de seu país.

O desenvolvimento literário de Urquiza começou quando ela era criança, quando teve a oportunidade de publicar seus versos em várias mídias impressas mexicanas. Na infância, ele anunciou: “Suas olheiras” e “Canção de ouro”. Seus versos foram caracterizados por serem expressivos e tradicionais em termos de composição.

Concha Urquiza: biografia, estilo, obras 1

Casca de Urquiza. Fonte: Sistema de Informação Cultural do México [CC0], via Wikimedia Commons

A breve existência de Urquiza não lhe permitiu ver nenhum livro publicado, mas após sua morte algumas edições de seus poemas foram anunciadas. Especialistas acreditam que ela era uma excelente escritora de talentos que não alcançou sua vida para projetar toda sua paixão pela arte de escrever.

Biografia

Nascimento e primeiros anos

María Concepción Urquiza del Valle nasceu em 24 de dezembro de 1910 na cidade de Morelia, Michoacán, dentro de uma família culta e conservadora. O nome do pai dela era Luis e ela morreu aos dois anos de idade, enquanto a mãe, também chamada Concepcion, teve que cuidar da filha e dos outros dois filhos: María Luisa e Luis.

Concha se mudou com a mãe e os irmãos para a capital do país logo após a morte do pai. Lá eles passaram os primeiros anos do ensino fundamental. Embora ela demonstrasse interesse em letras e poesia, a escritora decidiu não concluir seus estudos secundários logo após ingressar no ensino médio.

Primeiros passos literários

Sabe-se que o primeiro poema que Urquiza escreveu foi intitulado “Para seu amado” e que, com apenas doze anos de idade, trouxe à luz o verso “Suas olheiras” em 1922. No ano seguinte , nas páginas do As publicações da Revista de Revistas e Revista de Yucatán publicaram os poemas: “Conventual” e “Canto del oro”.

Concha recebeu boas críticas e a partir desse momento as portas foram abertas em outras mídias impressas. Ele se relacionou com importantes intelectuais e escritores da época, entre eles Arqueles Vela. Com esses personagens, ele aprendeu sobre movimentos de vanguarda, mas sem perder sua particularidade como poeta.

Outras experiências

Urquiza foi morar nos Estados Unidos aos dezoito anos de idade, depois de ter trabalhado em várias revistas e jornais em seu país natal, o México. Ele viveu em Nova York por cinco anos e, na época, fazia parte da equipe do produtor de cinema Metro-Goldwyn-Mayer.

Retorno ao México

A poetisa manifestou sua afinidade pelo comunismo em meados dos anos 30, mas posteriormente se entregou à vida espiritual do catolicismo. Este último afastou-a de suas idéias políticas após um transe de humor. Embora ele tenha entrado em um convento para se tornar freira, ele finalmente desistiu dessa ocorrência para se dedicar ao ensino.

Concha Urquiza: biografia, estilo, obras 2

Emblema do Partido Comunista Mexicano, ao qual Urquiza pertencia. Fonte: PRD MÉXICO [Domínio público], via Wikimedia Commons

Ela trabalhou como professora de história e lógica na Universidade de San Luis Potosí. Naqueles anos, Concha continuou escrevendo e mantendo contato com a sociedade cultural da cidade, junto com Rosario Oyarzun e outras jovens promessas de cartas e outras profissões.

Últimos anos e morte

Concha Urquiza passou os anos de sua curta vida escrevendo poesia, ensinando e em contato permanente com a cultura e a literatura. No último meio, ele trabalhou em Viñetas de la Literatura Michoacana, em 1944. Ele morreu inesperadamente em 20 de junho de 1945 após se afogar em um rio na Baja California.

Estilo

Apesar de estar em contato com movimentos como o modernismo e a vanguarda, Concha Urquiza manteve um estilo independente durante sua breve carreira literária. Seus poemas eram caracterizados por uma linguagem simples, precisa e expressiva, onde predominavam a rima e as métricas clássicas.

Trabalhos

A maioria dos poemas de Concha Urquiza foi lançada após sua morte. Seus versos foram compilados em várias edições, graças a Gabriel Méndez Plancarte, Antonio Castro Leal e Ricardo Garibay, responsáveis ​​pela administração do trabalho.

– “Suas olheiras” (1922).

– “Canção de ouro” (1923).

– “Conventual” (1923).

– Obras (1946). Compilação de seus poemas. Edição póstuma.

– Nostalgia de Deus (1985). Compilação Edição póstuma.

Fragmentos de alguns de seus poemas

“Estradas”

“Oh doce canção de viagem,

minha alegria e minha riqueza,

mais do que nas velas do vento

mais do que no sulco do mar.

Nos caminhos negros

nuvens carregadas de ansiedade,

pelos caminhos vermelhos

gabar-se de tempestade,

pelas vastas planícies,

solidão …

mas nunca viaja música

a mochila me enche de ouro.

… Estrada impaciente preta

prisão que voa para o mar;

fio de ouro o confronta

a música de uma música:

Qual estrada será triste

o que vai para seus doces lábios?

“David”

“Oh Bate-Seba, simbólico e veemente!

Com sede dupla meu coração doeu

quando a chama do seu corpo você

duplicar na onda transparente.

Perto do telhado e do marido ausente,

A quem a felicidade do seu amor resiste?

Não foi em vão a imagem que você me deu

Estimule os flancos e a mente.

Ai de mim, Bate-Seba, seu braço terno

perfurado com luz como ondas,

Ele estragou minha carne com dor eterna!

Que sangue horrendo espirrou minhas folhas!

Que escuridão e que medo de inverno

a luz de suas pupilas moles se afogou!

“Felicidade”

“Meu coração esquece

e agarrado pelos seus seios:

o que era vida

está nublado e escuro

e em um horizonte vago desaparece.

Em sua felicidade perdida,

Abandonou sua doçura ardente

de si mesmo no esquecimento,

o coração sente

Uma coisa feliz e transparente.

Angústia miserável

bater as asas e torcer o caminho;

Oh paz incomparável!

um dia delicioso

Não espere na sombra da sua loja … ”

“Nostalgia do presente”

“Eu suspiro pelas coisas mais presentes

e não para aqueles à distância:

pelo seu amor que me rodeia,

sua vida que me abraça

pela essência oculta

que por todos os meus átomos me intoxica …

Nostalgia dos mais presentes …, angústia

de não ser capaz de capturar a luz próxima;

imenso desejo pelo próprio abraço

que já está perfurando o interior … “

Referências

  1. Casca de Urquiza. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Moreno, V., Ramírez, E. e outros. (2019). (N / a): pesquise biografias. Recuperado de: buscabiografias.com.
  3. Casca de Urquiza. (2018). México: Enciclopédia da Literatura no México. Recuperado de: elem.mx.
  4. Sicilia, J. (2010). A paixão da Concha Urquiza. México: o dia da semana. Recuperado de: Jornada.com.mx.
  5. González, L. (2016). Concha Urquiza: uma vida no desconforto do mundo. (N / a): Revista vice-versa. Recuperado de: viceversa-mag.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies