Entrevista com Fernando Callejo: psicologia para ajudar músicos

Entrevista com Fernando Callejo: psicologia para ajudar músicos 1

Historicamente, o uso da música é uma das características que nos diferencia de outras espécies animais.

Esta não é uma característica superficial sobre nossa psicologia, precisamente; Experimentamos as propriedades do misical através de processos mentais básicos no funcionamento do cérebro, a ponto de podermos usar ritmos e melodias como complemento da psicoterapia.

Neste artigo, entrevistamos Fernando Callejo, CEO e cofundador do centro de assistência psicológica de Madrid UPAD Psychology and Coaching , onde trabalha com estudantes de música e músicos profissionais que buscam atenção psicológica e soluções para blocos criativos, além de pacientes que Eles se beneficiam da musicoterapia.

Entrevista com Fernando Callejo: a música como forma de expressão

Em seu centro de psicologia, Fernando Callejo trabalha com um relacionamento constante com a música e as artes cênicas. O musical está em formas de intervenção psicológica, como a musicoterapia, e também no foco das necessidades de alguns clientes e pacientes dedicados à música e à criatividade.

Nesta entrevista, Fernando nos conta sobre sua experiência em Psicologia e Coaching da UPAD como psicólogo e coach.

O uso da música e o que chamaríamos de artes cênicas hoje em dia é uma das atividades sociais mais antigas da história da humanidade. O que sabemos sobre sua origem?

A verdade é que existem muitas teorias sobre a origem da música, uma vez que os primeiros instrumentos musicais encontrados em sítios arqueológicos correspondem à pré-história.

Muitos filósofos, historiadores e musicólogos comentam que a música, como tal, ocorre com o canto, então eles acreditam que ela foi descoberta em um momento semelhante ao surgimento da linguagem. Outros estudos indicam que a expressão musical apareceu no Egito Antigo e na Mesopotâmia.

Quanto às artes cênicas, parece que a origem está situada no teatro grego, mas, como na música, é difícil especificar uma origem de ambas.

Que coisas sabemos graças ao campo de pesquisa em Psicologia da Música?

O estudo da música abriu muitos campos no que diz respeito à ciência. Hoje encontramos musicólogos, psicólogos e musicoterapeutas realizando, entre outras pesquisas, a influência da música nas emoções ou como a música pode aliviar os efeitos negativos do câncer.

No campo da deficiência física e intelectual, também estão sendo vistos grandes avanços, porque, como eu disse no começo, a música pode servir como uma forma de expressão.

O que é mais fascinante na maneira como o cérebro humano processa a música?

Quando trabalho com músicos profissionais, por um lado, o que mais me impressiona é a capacidade de criatividade para compor letras e melodias que expressam o que sentem e, por outro lado, as conversas etéreas que temos quando falamos sobre como transmitir o que eles criam. Honestamente, é melhor analisar a linguagem dessas pessoas privilegiadas.

Outra das qualidades da música é que ela está além das palavras. Isso é uma desvantagem quando se trata de dar a importância que merece no sistema educacional?

Nem um pouco, ou pelo menos acho que não. No final, a música é uma forma de expressão para muitas pessoas que não conseguem encontrar palavras para explicar o que sentem. A musicoterapia nos ensina isso.

Há tanta diversidade no mundo que seria bom se as escolas começassem a trabalhar, de maneira obrigatória, outras formas de linguagem como mais uma disciplina. Um exemplo pode ser a linguagem de sinais.

O problema que encontramos em nosso sistema educacional em relação à música é que não é levado a sério, não tem a importância que deveria ter. Há pessoas que não gostam de matemática, história ou ciências, mas que não se importam com música? É algo universal e, como tal, devemos tratá-lo.

Entrevista com Fernando Callejo: psicologia para ajudar músicos 2

Do mesmo modo que a passagem dos séculos mudou nossa cultura, certamente nossa maneira de viver a música mudou nos últimos séculos, ou mesmo nas últimas décadas. Onde essas mudanças são mais visíveis?

Eu acho que a mudança está na acessibilidade. Hoje em dia é mais fácil alcançar diferentes tipos de música. Isso torna as pessoas mais livres para escolher o que está conosco. Outra coisa é analisar para onde estão indo os gostos e as modas musicais … parece que hoje em dia “qualquer um” pode fazer música.

Mas vamos lá, respondendo à pergunta que eu acho que a chave é que está se tornando mais fácil acessar todos os tipos de música … comercial, rock, clássica etc.

E quanto às aplicações terapêuticas da música, como é usada para melhorar o bem-estar dos clientes?

Na UPAD, trabalhamos com muitos músicos, tanto em nível terapêutico quanto em seu desenvolvimento pessoal e profissional.

Conhecemos pessoas que têm muito a transmitir, mas que são apanhadas ou maltratadas pelo sabotador ou porque o mundo ao seu redor as paralisa.

Eles tendem a mostrar certas inseguranças (que diminuem sua autoconfiança) diante de novos projetos, como enfrentar a composição de um novo álbum ou o fato de como eles desejam desenvolver uma turnê. Muitos outros vêm ao nosso centro de psicólogos em Madri para preparar audições ou concertos que têm muito peso para enfrentar os seguintes desafios profissionais.

Nosso objetivo é atingir altos níveis de desempenho (o que eu faço), satisfação (o que penso) e bem-estar (o que sinto), trabalhando cinco habilidades psicológicas que consideramos básicas ao trabalhar com qualquer pessoa.

Que tipo de público vai para a UPAD Psychology and Coaching para trabalhar no campo musical?

Nós realmente encontramos todos os tipos de perfis, de crianças e adolescentes estudando em um conservatório a músicos com carreiras profissionais comprovadas.

No primeiro caso, são futuros músicos que estão desenvolvendo suas habilidades e que frequentemente enfrentam situações nas quais o sentimento avaliado, como uma audição ou um teste para entrar em um grupo de câmara, lhes causa dificuldade em Lidar com isso.

Nesses casos, tentamos trabalhar com base em sua personalidade e autoconfiança por meio de estratégias como a definição de objetivos (SMART) para a motivação ou o relaxamento progressivo de Jacobson para controlar a ativação.

No caso de serem músicos profissionais, sejam oboístas de um quarteto, violinistas de um grupo de câmara, violonistas de um grupo de rock ou cantores e compositores, desenvolvemos um plano de ação que visa promover sua criatividade e trabalhar em sua confiança, entre outros, com o objetivo de que eles próprios projetem seu futuro como sempre sonharam. Nós sempre ensinamos a eles que a diferença entre um sonho e uma meta é um encontro. Onde eles vêem problemas, vemos desafios.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies