Falácia Ad Hominem: Em que consiste e exemplos

A falácia ad hominem é um erro de raciocínio lógico em que alguém ataca o argumentador em vez de refutar seus argumentos. Em outras palavras, a pessoa tenta desacreditar o argumento de alguém atacando sua personalidade, caráter ou circunstâncias pessoais, em vez de abordar diretamente o argumento em si.

Um exemplo clássico de falácia ad hominem é quando alguém desqualifica o argumento de outra pessoa apenas por ela ser jovem ou inexperiente. Outro exemplo comum é quando alguém ignora um argumento válido simplesmente porque não gosta da pessoa que o está apresentando. Esses tipos de argumentos são falaciosos porque atacam a pessoa em vez de refutar seus argumentos de forma lógica e racional.

Definição e exemplo de falácia ad hominem para compreensão clara e objetiva.

A falácia ad hominem é um argumento que ataca a pessoa que está fazendo a afirmação, em vez de refutar diretamente o argumento em si. Em outras palavras, ao invés de discutir os pontos levantados pela pessoa, ataca-se sua personalidade, caráter ou motivações.

Um exemplo clássico de falácia ad hominem é quando alguém diz “Não devemos levar em consideração o que João disse sobre o assunto, pois ele é um mentiroso”. Neste caso, o argumento não refuta as afirmações de João, apenas ataca sua credibilidade como pessoa.

É importante ressaltar que a falácia ad hominem é um erro lógico, pois desvia o foco da discussão do conteúdo para a pessoa que o está apresentando. Para uma argumentação válida, é fundamental refutar os argumentos diretamente, sem recorrer a ataques pessoais.

Qual é a definição de argumento contra o homem em debate argumentativo?

O argumento contra o homem, também conhecido como falácia ad hominem, é uma estratégia utilizada em debates argumentativos para atacar a pessoa que está apresentando um argumento, em vez de refutar o próprio argumento. Nesse tipo de falácia, o foco é desqualificar o oponente, atacando suas características pessoais, em vez de analisar e contestar as ideias que ele está defendendo.

Em um debate saudável e construtivo, o foco deve estar nos argumentos e nas evidências apresentadas, não na pessoa que os apresenta. O argumento contra o homem é considerado uma falácia porque desvia a atenção do conteúdo do debate e não contribui para a resolução do conflito de ideias.

Um exemplo comum de argumento contra o homem é quando alguém diz: “Você não pode confiar no que essa pessoa está dizendo, ela é desonesta”. Nesse caso, em vez de contestar os argumentos apresentados, a pessoa está atacando a credibilidade do oponente.

Portanto, é importante reconhecer e evitar o uso de argumentos contra o homem em debates argumentativos, focando sempre na análise dos argumentos apresentados e não nas características pessoais dos debatedores.

Significado e exemplo da falácia ad Baculum: argumento baseado na ameaça de consequências negativas.

A falácia ad Baculum é um tipo de argumento que consiste em usar a ameaça de consequências negativas para convencer alguém a aceitar uma determinada afirmação. Neste tipo de falácia, a pessoa não está apresentando argumentos válidos para sustentar sua posição, mas sim recorrendo à intimidação ou coerção.

Um exemplo comum de falácia ad Baculum seria alguém dizendo “Se você não concordar comigo, você será demitido”. Neste caso, a pessoa está tentando convencer o interlocutor não com base em fatos ou argumentos válidos, mas sim com a ameaça de perder o emprego.

Relacionado:  Thomas Kuhn: biografia, conceito de paradigma, outras contribuições

Falácia Ad Hominem: Em que consiste e exemplos.

A falácia Ad Hominem consiste em atacar a pessoa que está fazendo um argumento, em vez de refutar seus argumentos. Neste tipo de falácia, a pessoa desvia a atenção do conteúdo do argumento para atacar o caráter, a aparência ou qualquer outra característica pessoal do indivíduo.

Um exemplo de falácia Ad Hominem seria alguém dizendo “Não podemos confiar no que ele diz porque ele é um mentiroso”. Neste caso, a pessoa está desqualificando o argumento com base em uma característica pessoal do indivíduo, em vez de refutar os argumentos apresentados.

Diferença entre argumento ad hominem e Ad Personam: entenda as distinções e aplicações corretas.

Para entender a diferença entre argumento ad hominem e Ad Personam, é importante compreender o significado de cada um. O ad hominem é uma falácia lógica em que o argumento se concentra na pessoa que está fazendo a afirmação, em vez de abordar o conteúdo da afirmação em si. Por outro lado, o Ad Personam é um ataque direto à pessoa em questão, desqualificando sua opinião com base em características pessoais ou profissionais. Em resumo, o ad hominem ataca o argumento do oponente, enquanto o Ad Personam ataca a própria pessoa.

Falácia Ad Hominem: Em que consiste e exemplos

A falácia ad hominem ocorre quando alguém ataca a pessoa que está fazendo uma afirmação, em vez de refutar diretamente a afirmação em si. Por exemplo, se alguém disser que o aquecimento global é um problema sério, e outra pessoa responder dizendo que o primeiro indivíduo não é cientista, isso seria um exemplo de ad hominem. O foco do argumento é desqualificar a pessoa em vez de discutir o mérito da afirmação.

É importante reconhecer a diferença entre críticas legítimas a um argumento e ataques pessoais infundados. Ao identificar e evitar a falácia ad hominem, podemos manter discussões construtivas e focadas nos argumentos apresentados, em vez de desviar a atenção para questões pessoais irrelevantes.

Falácia Ad Hominem: Em que consiste e exemplos

A falácia ad hominem ou o argumento ad hominem (contra a pessoa) descreve uma situação em que, em vez de atacar o argumento, a pessoa é atacada, mesmo que o ataque pessoal seja irrelevante com a finalidade de analisar o argumento que faz a pessoa.

Por esse motivo, o argumento ad hominem é chamado de várias maneiras: abuso pessoal, contra a pessoa, contra o homem, falácia abusiva, ataques pessoais, insultos, condenação da fonte e refutação por caricatura. Essa é uma das centenas de falácias que existem para manipular outras pessoas consciente ou inconscientemente.

Falácia Ad Hominem: Em que consiste e exemplos 1

O termo falácia descreve um tipo de erro presente em um argumento ou raciocínio. Vemos exemplos muito claros de falácias ad hominem todos os dias em declarações à imprensa ou em debates entre líderes políticos ou candidatos que ocupam posições de representação popular.

O argumento ad hominem é quase sempre um recurso usado para atacar desesperadamente outro quando não há argumento melhor ou mais decente. As falácias ad hominem têm duas variantes: a circunstância ad hominem e a ad hominem tu quoque.

Qual é a falácia ad hominem?

A falácia ad hominem é um termo latino cujo significado é “contra o homem”. Como o termo literário expressa, implica comentar um oponente ou contra ele e desacreditá-lo para anular seus argumentos.

Por qualquer motivo, consciente ou inconscientemente, os argumentos do oponente são atacados atacando a pessoa, em vez de avaliar a validade ou não dos argumentos utilizados.

Geralmente, esses argumentos são confundidos com insultos pessoais, mas na realidade eles não são os mesmos. Estes têm uma natureza diferente, embora as diferenças sejam muito sutis.

Alguém que não está familiarizado com os princípios básicos da argumentação lógica pode concluir insultando, ou talvez mencionando algum aspecto desagradável de outra pessoa com quem está discutindo um tópico.

Mas há pessoas que conscientemente usam a falácia ad hominem como um artifício para combater uma discussão e enganar o público.

Falácia ad hominem na política

Esse tipo de falácia é comumente usado deliberadamente em atividades políticas. Candidatos ou líderes políticos usam a falácia ad hominem com a intenção de desacreditar seus oponentes ou derrubar seus argumentos.

Isso ocorre mesmo nos julgamentos orais e públicos que ocorrem nos tribunais, onde os advogados recorrem ao descrédito da testemunha para minar seu testemunho.

Ao fazer um comentário pessoal contra outra pessoa, você reduz sua credibilidade com outras pessoas ou, pelo menos, é o que tenta com esse tipo de falácia.

Ataques pessoais podem não ser suficientes para refutar o argumento de um indivíduo. No entanto, eles podem contribuir para minar a opinião, crítica ou argumento de alguém, se isso não for percebido a tempo.

Classificação

As falácias são geralmente divididas em duas classes: formal e informal. As falácias informais (indutivas) são muito frequentes na vida cotidiana, pois dependem do conteúdo (argumento) e da finalidade do raciocínio.

O objetivo desse tipo de falácia é convencer uma pessoa ou grupo com informações irrelevantes. Nelas você apela às emoções e não à lógica.

Os argumentos ad hominem pertencem às chamadas falácias informais e são classificados no subconjunto das falácias relevantes.

Além das falácias ad hominem, esse mesmo subgrupo inclui outras falácias, como o argumentum ad verecundia ou apelo à autoridade, a falácia ad populum (apelo à opinião popular) e a falácia do movimento, que apela a argumentos de moda ou Atraente por sua popularidade.

Variantes do argumento ad hominem

Ad hominem circunstancial

É usado para desacreditar a pessoa que apela ao seu passado e suas convicções ou circunstâncias. Apesar de ser um argumento de ataque mais sutil, ainda é um ataque pessoal.

Ad hominem tu quoque (você também)

É uma falácia ou sofisma pelo qual a pessoa é desacreditada ao confrontá-la com comentários ou ações que ele disse ou fez anteriormente.

Essa falácia apela à coerência que a pessoa deve ter a tempo, descartando completamente seu argumento adequadamente.

Função

Os antecedentes de um escritor desempenham um papel decisivo na qualificação de seu trabalho. Portanto, um livro escrito sobre um determinado assunto será percebido de maneira diferente, dependendo do histórico do autor.

Nesse sentido, deve-se entender que os traços e circunstâncias em que o escritor vive desempenham um papel fundamental na maneira como ele se expressa, em suas idéias e sentimentos, e até na maneira como ele constrói seus argumentos.

Relacionado:  Método hermenêutico: origem, características, etapas e exemplo

As considerações que podem ser feitas sobre o uso dessa falácia podem explicar melhor certos argumentos e os motivos subjacentes a eles.

No entanto, essas avaliações nunca serão suficientes para qualificar a opinião de uma pessoa, nem serão suficientes para descartá-las como falsas ou inválidas.

A falácia ad hominem geralmente sugere e até influencia a mente do público. E como já foi dito, sendo um defeito na trama, muitas vezes é difícil detectá-lo em nossas vidas diárias.

Pode ou não ser verdade.

Deve ficar claro que o ataque pessoal contra um oponente pode ou não ser verdadeiro. A verdade é que, apesar de seu defeito, ele tem um enorme poder de persuasão. Para combatê-lo, devemos apontar onde a falsa conexão do argumento é manipular o público.

O problema é que, quando o ad hominem é usado, a reputação da pessoa fica manchada, porque sempre haverá dúvidas sobre o argumento levantado.

Exemplos

Exemplo 1

“É impressionante que você apóie a dieta vegetariana com o argumento de que é mais saudável, mas como você gosta de comer um bom bife grelhado, certo?”

Em vez de dirigir o argumento contra a dieta vegetariana, a pessoa é atacada com um elemento de ordem pessoal atraente para seus gostos alimentares.

Exemplo 2

«Para o meu adversário, justifica-se aumentar o preço da gasolina. Claro, ele tem carro e motorista, todos pagamos impostos.

O aumento ou não da gasolina faz parte de uma política fiscal do governo para equilibrar as despesas do estado. Portanto, é irrelevante se o oponente compra ou não gasolina para fins financeiros.

Exemplo 3

R: “Todos os assassinos são criminosos, mas um ladrão não é necessariamente um assassino; portanto, ele não é um criminoso ».

B: “Então, além de ser um ladrão, você é um criminoso, aqui está o seu argumento fraco.”

“A” quer fazer a distinção entre ladrão e criminoso para avaliar o grau de perigo de cada um, mas “B” refuta isso atacando-o pessoalmente.

Exemplo 4

Carlos: “A Terra gira em torno do Sol, porque o Sol sempre nasce do oeste e sempre cai para o leste.”

Daniela: “Você não é astrônomo, por isso está errado sobre o movimento da Terra.”

Em vez de estabelecer se o argumento usado por Carlos é falso ao desmontar seu conteúdo com outro, Daniela o ataca apenas porque ele não é uma autoridade sobre o assunto, sem levar em conta que, para conhecer um determinado assunto, não é necessário ter uma profissão relacionada. com esse assunto.

Exemplo 5

“Você certamente defende o casamento igual, porque talvez você não tenha sido completamente honesto conosco nesta sala sobre sua própria sexualidade.”

O ataque vai diretamente contra a pessoa e sua orientação sexual, que pode ser LGBT ou não, para refutar seu argumento em favor desse tipo de casamento.

Referências

  1. Argumento ad hominem. Recuperado em 10 de março de 2018 de sophisme.com
  2. A natureza das falácias. Consultado em: language.lander.edu
  3. Ad Hominem (Abusivo). Consultado em logicallyfallacious.com
  4. Exemplos do Ad Hominem. Consultado em examples.yourdictionary.com
  5. Ad Hominem Consultado em literarydevices.net
  6. Falácia Ad Hominem. Consultado em iep.utm.edu

Deixe um comentário