Fulgencio Batista: Biografia e Características de seu Governo

Fulgencio Batista (1901-1973) foi um soldado cubano e líder político que governou seu país duas vezes. Seu primeiro período foi de 1933 a 1944, com bastante eficiência, e depois de 1952 a 1959 como ditador e tirano; ele aprisionou seus oponentes, usou estratégias terroristas e roubou dinheiro do Estado para seu próprio benefício.

Graças à sua primeira candidatura populista, ele chegou ao poder exigindo uma nova constituição, que ele aplicou durante seu primeiro mandato. Além disso, ele participou da Segunda Guerra Mundial, apoiando os Estados Unidos, intervindo na conquista aliada.

Fulgencio Batista: Biografia e Características de seu Governo 1

Por Harris & Ewing [Domínio público], via Wikimedia Commons

Caso contrário, quando alcançou sua segunda candidatura, aboliu a mesma constituição que exigira em seu mandato anterior, suspendeu as liberdades políticas e o direito de greve por civis cubanos. Ele foi finalmente derrubado após a insurgência de Fidel Castro.

Fulgencio Batista entrou na história como o último presidente do país antes da Revolução Cubana.

Biografia

Primeiros anos

Fulgencio Batista y Zaldívar nasceu em 16 de janeiro de 1901 na cidade de Veguita, Cuba. Seus pais foram Belisario Batista Palermo e Carmela Zaldívar González, que lutaram na Guerra da Independência de Cuba.

Seus pais continuavam na pobreza, então o jovem Batista teve que trabalhar desde tenra idade. Sua mãe o reconheceu como Rubén e lhe deu seu sobrenome, Zaldívar; seu pai nunca quis registrá-lo como Batista, trazendo-lhe consequências futuras para seu mandato presidencial.

Batista começou seus primeiros estudos em uma escola pública no município de Banes e depois frequentou aulas noturnas em uma escola americana Quaker.

Ele saiu de casa aos quatorze anos, após a morte de sua mãe. Por um tempo, ele ganhou a vida como trabalhador nos campos de cana, ferrovias e cais. Além disso, atuou como mecânico, alfaiate e vendedor ambulante de carvão e frutas.

Em 1921, ele se juntou ao exército como privado, em Havana. Sua permanência no exército foi curta, pois se dedicou ao ensino de estenografia até ingressar na Guarda Rural.

Ele se tornou secretário de um coronel e, em 1933, ocupou o posto de sargento, levando a “conspiração de sargento” a aspirar à promoção.

Golpe de 1933

A revolta dos sargentos funcionou como parte do golpe que finalmente derrubou o governo de Gerardo Machado. Machado foi sucedido por Carlos Manuel de Céspedes e Quesada, que não possuía associação política e foi imediatamente substituído.

Foi estabelecida uma breve presidência formada por cinco membros, que deveria incluir um representante de cada facção anti-machado chamada “Pentarquia de 1933”. Embora Batista não fosse membro desse grupo, ele estava no comando das Forças Armadas de Cuba.

Depois de alguns dias, o representante estudantil, Ramón Grau San Martín, assumiu a presidência de Cuba e Batista tornou-se Chefe do Estado Maior do Exército com o posto de coronel. A maioria do corpo dos oficiais foi forçada a se retirar e, de fato, especulou-se que muitos deles foram mortos.

Grau permaneceu no cargo de presidente por mais de cem dias até Batista, aliado do Summer Summer Welles, obrigá-lo a assumir a presidência em janeiro de 1934. Grau foi substituído pelo político Carlos Mendieta por onze meses, sendo reconhecido pelos Estados. Unidos.

Primeiro mandato presidencial

Em 1938, Batista ordenou uma nova constituição e concorreu à presidência de Cuba. Finalmente, em 1940, ele foi eleito presidente derrotando Grau nas eleições presidenciais, graças ao fato de seu partido ter maioria no Congresso.

Enquanto Batista apoiava o capitalismo e seguia fielmente a política americana, ele era apoiado pelo ex-Partido Comunista de Cuba. O apoio foi devido à participação de Batista em favor dos sindicatos, com os quais os comunistas mantinham fortes laços.

De fato, os comunistas atacaram as facções anti-Batista, rotulando Grau e os seus de “fascistas” e “reacionários”. Durante seu mandato presidencial, importantes reformas sociais foram realizadas e regulamentos econômicos e políticos foram estabelecidos.

Naquela época, Cuba participou da Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados, em 9 de dezembro de 1941, declarando guerra aos japoneses dois dias após o ataque a Pearl Harbor. Então, em 11 de dezembro, o governo Batista declarou guerra à Alemanha e à Itália.

Batista após a presidência

Em 1944, o sucessor escolhido por Batista, Carlos Saladrigas Zayas, foi derrotado por Grau. Batista dedicou os últimos meses de seu mandato a prejudicar a administração de Grau.

Após a posse de Grau como presidente, Batista emigrou para os Estados Unidos. Lá, ele se divorciou de sua esposa, Elisa Godínez, para se casar com Marta Fernández Batista em 1945; Dois de seus quatro filhos nasceram nos Estados Unidos.

Por oito anos, Batista passou um tempo entre a cidade de Nova York e uma casa em Daytona Beach, Flórida. Em 1948, ele foi eleito para o Senado cubano; Ao retornar a Cuba, ele decidiu participar da candidatura presidencial graças à permissão de Grau.

Quando ele assumiu o poder, ele fundou o Partido de Ação Progressista para levar a capital dos EUA a Cuba. Ele nunca conseguiu recuperar totalmente o apoio popular, embora os sindicatos continuassem fiéis a ele até o fim.

Segundo mandato presidencial

Finalmente, em 1952, Batista concorreu novamente à presidência de Cuba. O ex-presidente cubano ficou em terceiro lugar, atrás de Roberto Agramonde, que estava em segundo lugar, e Carlos Hevia, em primeiro lugar.

Em 10 de março de 1952, três meses antes das eleições presidenciais, Batista ordenou um golpe de estado com o apoio do Exército cubano, a fim de tomar o poder pela força. Ele derrubou o presidente Carlos Prío Socarrás, cancelou as eleições e assumiu o poder como presidente transitório de Cuba.

Em 27 de março do mesmo ano, o governo dos Estados Unidos reconheceu seu governo. Por sua vez, Batista fez um aumento salarial para as Forças Armadas e a polícia, erradicou o direito de greve, suspendeu as garantias constitucionais e restabeleceu a pena de morte.

Começos da Revolução Cubana

Em 26 de julho de 1953, um grupo de revolucionários atacou o quartel de Moncada em Santiago, Cuba. As forças de Batista rapidamente atacaram o grupo; alguns foram presos e outro fugiu do país. Com o golpe de Batista, a carreira política que o líder do ataque, Fidel Castro, havia desviado.

Após o assalto ao quartel de Moncada, Batista tomou a decisão de suspender as garantias constitucionais e adotou táticas policiais para assustar a população com violência brutal.

Em 1954, Batista realizou uma eleição na qual concorreu à presidência. A oposição foi dividida em abstencionistas e eleitorais. O primeiro decidiu boicotar as eleições de Baptista e os eleitorais buscaram certos direitos para participar.

Batista usou fraude e intimidação, fazendo com que o candidato Grau, líder da facção eleitoral, se retirasse da candidatura. Assim, Batista foi eleito presidente.

No final de 1955, a inquietação estudantil e as manifestações contra o regime de Batista tornaram-se cada vez mais fortes. Para Batista, todos os jovens eram vistos como revolucionários que precisavam ser oprimidos.

A um passo do triunfo da Revolução Cubana

A polícia secreta de Batista reuniu um grupo de jovens com a intenção de coletar informações sobre o exército de Fidel Castro. O resultado foi a tortura de um grupo de inocentes e o assassinato de suspeitos nas mãos da polícia de Batista.

Batista queria alertar os jovens que pensavam em se juntar à insurgência de Castro, deixando centenas de cadáveres despedaçados nas ruas. No entanto, o comportamento brutal falhou e aumentou o apoio aos revolucionários.

Em 1958, organizações nacionais, bem como várias guildas do país, apoiaram a insurgência de Castro. Originalmente, ele tinha o apoio dos pobres, mas também ganhou o apoio da classe média.

Por outro lado, os Estados Unidos forneceram a Batista aviões, tanques e a mais recente tecnologia para usar contra a insurgência, mas em 1958, os americanos deixaram de vender armas ao governo cubano. Dias subseqüentes, os Estados Unidos impuseram um embargo de armas, enfraquecendo o governo Batista.

As eleições de 1958 foram adiadas mais alguns meses, quando Castro e os revolucionários pediram uma greve geral, colocando várias bombas em áreas civis.

Vários candidatos participaram, entre eles Grau San Martín, que novamente retirou sua candidatura no mesmo dia das eleições. Batista deu a Rivero Agüero o vencedor.

Fim do mandato e últimos anos

A queda do governo Batista se espalhou por Havana e o New York Times fez uma revisão sobre o número de pessoas que saíram às ruas eufóricas, tocando as buzinas. Em 8 de janeiro de 1959, Castro e seu exército entraram vitoriosos em Havana.

Batista foi rejeitado pelos Estados Unidos e México pelo exílio; no entanto, o ditador de Portugal, Antonio Salazar, permitiu-lhe estabelecer a condição de não participar na política.

Morte

Batista morou na Madeira e depois no Estoril, nos arredores de Lisboa. Em 6 de agosto de 1973, ele morreu de um ataque cardíaco na Espanha, dois dias antes de uma equipe de assassinos cubanos de Castro procurá-lo para matá-lo.

Características de seu governo

Repressão contra o povo

O presidente americano, John Kennedy, considerou o governo Fulgencio Batista uma das ditaduras mais sangrentas e repressivas da América Latina. Batista, após seu segundo mandato presidencial, chegou ao poder após aplicar estratégias de força, apoiadas por vários partidos políticos.

Rapidamente, ele estabeleceu um regime tirano tomando decisões radicais e atacando o povo cubano: reprimiu as revoltas, prendeu seus oponentes (incluindo Fidel Castro e seus seguidores) e matou muitos inocentes que ele acreditava serem suspeitos.

Além disso, ele aplicou uma psicologia do terror contra todos os que se uniram à insurgência, deixando todos os cadáveres de apoiadores revolucionários lavados pelas ruas da capital.

Dizem que cerca de 20.000 cubanos foram assassinados em sete anos durante o governo de Fulgencio Batista.

Economia durante seu governo

Quando Batista chegou ao poder, em seu segundo mandato, ele herdou um país relativamente próspero em comparação com outros países da América Latina. Embora um terço da população vivesse na pobreza, Cuba era um dos cinco países mais desenvolvidos da região.

Em 1950, o produto interno bruto per capita de Cuba era quase igual ao da Itália, embora permanecesse apenas um sexto em comparação ao dos Estados Unidos. Embora a corrupção e a desigualdade de Batista tenham crescido enormemente, os salários dos trabalhadores industriais estavam aumentando.

O salário agrícola em Cuba era mais alto do que algumas nações do continente europeu; no entanto, a família cubana média só tinha renda de US $ 6 por semana e entre 15% e 20% da população estava desempregada.

Relação com o crime organizado

Na década de 1950, Havana era “um playground hedonista para a elite mundial”, conforme descrito por vários historiadores. Isso produziu ganhos consideráveis ​​em jogos, prostituição e drogas para a máfia americana.

Essas receitas não estavam apenas ligadas aos americanos, mas também a funcionários do governo corruptos e amigos eleitos de Batista. Estima-se que antes de 1950, a cidade de Havana tivesse aproximadamente 270 bordéis.

Além disso, o consumo e a distribuição de maconha e cocaína eram abundantes, como em nenhum outro país da América Latina.

Na tentativa de capitalizar esses negócios, Batista estabeleceu relações duradouras e estáveis ​​com o crime organizado, particularmente com os bandidos americanos Meyer Lansky e Lucky Luciano.

Sob seu mandato, Havana foi considerada como “Las Vegas da América Latina”. Batista concedeu concessões para a construção de novos hotéis e cassinos, com a condição de que parte do lucro seja destinada ao presidente cubano.

Batista e o governo dos Estados Unidos

O governo dos Estados Unidos usou sua influência para promover os interesses das empresas privadas americanas para aumentar seus lucros, graças ao que chamou de “economia insular”.

Durante o governo Batista e já perto do final da década de 1950, os Estados Unidos possuíam 90% das minas cubanas, 80% dos serviços públicos, 50% de suas ferrovias, 40% da produção de açúcar e 25% dos seus depósitos bancários.

Como símbolo do bom relacionamento com Batista, uma companhia telefônica americana apresentou a ele um “telefone de ouro” como expressão de gratidão pelo aumento excessivo nas tarifas telefônicas. Os Estados Unidos puderam aproveitar suas estadias na ilha e também Batista.

Referências

  1. Fulgencio Batista, Wikipedia em inglês, (s). Retirado de Wikipedia.org
  2. Fungencio Batista, Os Editores da Enciclopédia Britânica, (sd). Retirado de britannica.com
  3. Batista, Jerry A Sierra, (sd). Retirado de historyofcuba.com
  4. Biografia de Fulgencio Batista: ascensão de um ditador, Christopher Mister, (2017). Retirado de thoughtco.com
  5. Revolução Cubana: As regras de Fulgencio Batista, Os Editores da Enciclopédia Britânica, (sd). Retirado de britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies