Hipófise: características, funções, patologias

A hipófise ou hipófise é uma glândula endócrina que secreta hormônios responsáveis ​​pela regulação da homeostase do corpo. É responsável por regular a função de outras glândulas do sistema endócrino e seu funcionamento é condicionado pelo hipotálamo , uma região do cérebro .

É uma glândula complexa localizada em um espaço ósseo conhecido como efenoides da cadeira óssea turca. Este espaço está localizado na base do crânio, especificamente na fossa medial do cérebro, que conecta o hipotálamo ao pedúnculo hipofisário ou pedúnculo hipofisário.

Hipófise: características, funções, patologias 1

Hipófise (ponto amarelo)

A glândula pituitária é uma glândula endócrina que permite que as respostas hormonais do corpo sejam bem coordenadas entre si. Ou seja, é uma glândula responsável por manter um estado de harmonia entre o corpo e o ambiente da pessoa.

Funções e recursos

A hipófise é uma das regiões através das quais as ordens para produzir certos hormônios são transmitidas rapidamente quando certos estímulos são detectados no ambiente. Por exemplo, quando uma pessoa detecta visualmente a presença de um animal perigoso, o estímulo visual percebido gera uma resposta imediata na glândula pituitária.

Esse fato permite uma resposta rápida do organismo, produzida antes que a informação percebida atinja as regiões superiores da área do cérebro, responsáveis ​​por analisar e converter o sinal em pensamentos abstratos.

Esta função desempenhada pela glândula pituitária é realizada através da intervenção de uma região específica do cérebro conhecida como hipotálamo. Essa estrutura cerebral processa as informações visuais e, ao detectar dados relacionados ao perigo, transmite um sinal que passa rapidamente para a glândula pituitária.

Hipófise: características, funções, patologias 2

Hipotálamo

Dessa forma, a resposta realizada pela hipófise permite adaptar o funcionamento do organismo de maneira rápida e eficiente. Em algumas ocasiões, essa resposta pode ser desnecessária, por exemplo, quando uma pessoa faz uma piada e a assusta.

Nesses tipos de situações, a hipófise atua antes do córtex cerebral na detecção do estímulo percebido. Por esse motivo, a resposta ao medo aparece antes que a pessoa perceba que a situação não é perigosa, mas que é uma simples piada de um parceiro.

No entanto, a hipófise não se limita a liberar hormônios em resposta a estados emocionais específicos, mas também é responsável por liberar um grande número de hormônios vitais para o bom funcionamento e desenvolvimento do corpo.

Anatomia

A hipófise é uma glândula complexa que se aloja em um espaço ósseo chamado cadeira esfenoidal óssea turca. Esta região está localizada na base do crânio, ocupando uma área conhecida como fossa cerebral média.

A fossa cerebral média é a região do organismo que conecta o hipotálamo à haste da hipófise. Tem uma forma oval e um diâmetro ântero-posterior de 8 milímetros, transversal de 12 milímetros e vertical de 6 milímetros.

Em geral, a glândula pituitária de uma pessoa adulta pesa cerca de 500 miligramas. Esse peso pode ser um pouco maior nas mulheres, especialmente nas que deram à luz várias vezes.

Relacionado:  Neuropsicologia: definição, história e características

Anatomicamente, a hipófise pode ser dividida em três regiões principais: o lobo anterior ou adenohipófise, a hipófise média ou intermediária e o lobo posterior ou neurohipófise.

Adenohipófise

A adenohipófise é o lobo anterior da hipófise, ou seja, a região mais superficial dessa estrutura; Tem origem ectodérmica, pois é proveniente da bolsa Rathke.

A adenohipófise é formada por cordões epiteliais anastomosados, cercados por uma rede de sinusidades.

Essa região da hipófise é responsável por secretar seis tipos diferentes de hormônios: o hormônio adrenocotricotrópico, betaenforfin, hormônio estimulante da tireóide, hormônio folículo estimulante, hormônio luteinizante e hormônio do crescimento.

A hipossecreção (secreção muito baixa) dos hormônios adenohipófise geralmente causa nanismo devido à atrofia das gônadas e de outras glândulas relacionadas ao crescimento. Por outro lado, a hipersecreção (secreção muito alta) dos hormônios adenohipófise geralmente gera gigantismo em crianças e acormegalia em adultos.

No que diz respeito à sua atividade celular, a hipófise tem cinco tipos diferentes de células: células somatotrópicas, células maotrópicas, células corticotrópicas, células gonadotrópicas e células tireotrópicas.

  • Somatótropos : são células que contêm grandes grânulos acidofílicos, têm uma cor alaranjada intensa e estão localizadas principalmente na parte distal da adenohipófise. Essas células são responsáveis ​​por secretar hormônio do crescimento.
  • Mamotrópica : são células que estão em aglomerados e parecem separadas individualmente. Eles têm um tamanho pequeno com grânulos de prolactina. A liberação desses grânulos é regulada pelo peptídeo intestinal vasoativo e pelo hormônio liberador de tireotropina.
  • Corticotrópicos : são células basofílicas e redondas que contêm retículo endoplasmático rugoso e mitocôndrias abundantes. Eles são responsáveis ​​pela secreção de gonodotrofinas LH e FSH.
  • Tirotrópico : são células basofílicas próximas aos cordões. Eles são diferenciados do resto das células adenohipófis por apresentar pequenos grânulos de tireotropina. Sua atividade é responsável por estimular a liberação de prolactina.
  • Cromófobos : essas células não mancham, pois contém pouco citoplasma. Eles são encontrados no meio dos cordões que formam as células cromofílicas e possuem grandes quantidades de poliiribossomos.
  • Folículo em forma de estrela : essas células constituem uma grande população localizada na parte distal, possuem longas extensões com as quais as articulações herméticas são formadas e são caracterizadas por não conter grânulos.

Hipófise média

A hipófise média é uma região estreita da hipófise que atua como um limite entre o lobo anterior e o lobo posterior. Tem um tamanho pequeno (aproximadamente 2% do tamanho total da glândula pituitária) e vem da bolsa de Rathke.

A hipófise média é caracterizada por apresentar uma função diferente daquela das outras regiões da hipófise. É formado por células reticulares e células estelares, um colóide e um epitélio de células cúbicas que o circundam.

Da mesma forma, a glândula pituitária média contém outras células com formas ovais, que apresentam grânulos na parte superior. Essas células são responsáveis ​​por secretar o hormônio estimulador de melanócitos.

A hipófise média está localizada acima dos capilares, permitindo um trânsito mais rápido e eficaz do hormônio para a corrente sanguínea.

Relacionado:  Neurônio multpolar: funções, tipos, anatomia

Neuro-hipófise

Hipófise: características, funções, patologias 3

Finalmente, a neuro-hipófise constitui o lobo posterior da hipófise. Diferentemente das outras duas partes da glândula pituitária, ela não tem origem ectodérmica, pois é formada por um crescimento descendente do hipotálamo.

A neuro-hipófise pode ser dividida em três partes: a eminência média, o infundíbulo e a pars nervosa. Esta última é a região mais funcional da neuro-hipófise.

As células neuro-hipófise são células gliais de suporte Por esse motivo, a neuro-hipófise não é uma glândula secretora, pois seu funcionamento é limitado ao armazenamento dos produtos de secreção do hipotálamo.

Hormônios hipofisários

Hipófise: características, funções, patologias 4

Gonadotrofinas (ovários e testículos), hormônio do crescimento (ossos), hormônio estimulador de melanócitos (pele), prolactina (glândulas mamárias), adrenocorticotropina (córtex adrenal), hormônio estimulador da tireóide (glândula tireóide), oxitocina (glândulas mamárias), oxitocina (útero), hormônio antidiurético (rins).

A principal função da glândula pituitária é liberar hormônios diferentes, que modificam o funcionamento do corpo. Nesse sentido, a hipófise libera um grande número de hormônios diferentes.

Os mais importantes são: hormônio do crescimento, prolactina, hormônio estimulante da tireóide, hormônio estimulante do córtex adrenal, hormônio luteinizante e hormônio folículo estimulante.

Hormônio do crescimento

O hormônio do crescimento, também conhecido como hormônio somatrotropina, é um hormônio peptídico. Sua principal função é estimular o crescimento, a reprodução e a regeneração celular.

Os efeitos desse hormônio no corpo podem ser descritos em geral como anabolizantes. As principais funções desse hormônio são:

  1. Aumentar a retenção de cálcio e a mineralização óssea.
  2. Aumentar a massa muscular.
  3. Promover lipólise
  4. Aumentar a biossíntese de proteínas.
  5. Estimular o crescimento de órgãos (exceto o cérebro).
  6. Regular a homeostase corporal.
  7. Reduza o consumo de glicose no fígado.
  8. Promover a gliconeogênese no fígado.
  9. Contribuir para a manutenção e função das ilhotas pancreáticas.
  10. Estimular o sistema imunológico.

Prolactina

A prolactina é um hormônio peptídico secretado pelas células lactotrópicas da hipófise. Sua principal função é estimular a produção de leite nas glândulas mamárias e sintetizar progesterona no corpo lúteo.

Hormônio Estimulante da Tireóide

O hormônio estimulador da tireóide, também conhecido como tireotropina, é um hormônio que regula os hormônios da tireóide. Os principais efeitos desse hormônio são:

  1. Aumenta a secreção de tiroxina e triiodotironina pelas glândulas tireóides.
  2. Aumenta a proteólise da tireoglobulina intrafolicular.
  3. Aumente a atividade da bomba de iodo.
  4. Aumentar a iodação da tirosina.
  5. Aumenta o tamanho e a função secretora das células da tireóide.
  6. Aumente o número de células da glândula.

Hormônio estimulador do córtex adrenal

O hormônio estimulador do córtex adrenal é um hormônio polipeptídico que estimula as glândulas supra-renais. Exerce a sua ação no córtex adrenal e estimula a esteroidogênese, o crescimento do córtex adrenal e a secreção de corticosteróides.

Hormônio luteinizante

O hormônio luteinizante, também conhecido como hormônio luteostimulador ou iutropina, é um hormônio gonadotrópico produzido pelo lobo anterior da glândula pituitária.

Esse hormônio é responsável por estimular a ovulação feminina e a produção de testosterona masculina, por isso é um elemento de importância vital para o desenvolvimento e funcionamento sexual das pessoas.

Relacionado:  Ectoderm: Partes, Derivadas e Alterações

Hormônio Folículo Estimulante

Finalmente, o hormônio folículo estimulante ou hormônio folículo estimulante é um hormônio gonadotropina sintetizado por células gonadotrópicas na parte interna da glândula pituitária.

Esse hormônio é responsável pela regulação do desenvolvimento, crescimento, maturação puberal e processos reprodutivos do corpo. Da mesma forma, nas mulheres gera a maturação dos oócitos e nos homens a produção de espermatozóides.

Doenças relacionadas à hipófise

Alterações na glândula adrenal podem causar um grande número de patologias. De todos eles, o mais conhecido de todos é a síndrome de Cushing . Essa patologia foi detectada no início do século XX, quando o neurocirurgião Harvey Cushing detectou os efeitos do mau funcionamento da hipófise.

Nesse sentido, foi demonstrado que uma excreção excessiva de adrenocotricotropina altera o metabolismo e o crescimento das pessoas por meio de uma série de sintomas incluídos na síndrome de Cushing.

Essa síndrome é caracterizada por causar fraqueza nos membros e fragilidade nos ossos; Afeta diferentes sistemas e órgãos do corpo e é caracterizada principalmente por uma hipersecreção de cortisol. Os principais sintomas da síndrome são:

  1. Rosto redondo e congestivo (rosto de lua cheia).
  2. Acumulação de gordura no pescoço e pescoço (pescoço de búfalo).
  3. Obesidade central (abdômen obeso e membros finos).
  4. Estrias no abdômen, coxas e seios.
  5. Dor nas costas frequente
  6. Aumento de pelos pubianos em mulheres.

Outras patologias

Além da síndrome de Cushing, anormalidades no funcionamento da hipófise podem causar outras condições importantes no corpo. Aqueles que foram detectados hoje são:

  1. Acromegalia, produzida por uma superprodução do hormônio do crescimento.
  2. Gigantismo, produzido por uma superprodução de hormônio do crescimento.
  3. Deficiência de hormônio do crescimento, devido a uma baixa produção de hormônio do crescimento.
  4. Síndrome de secreção inadequada do hormônio antidiurético causada por uma baixa produção de vasopressina.
  5. Diabetes insípido produzido por uma baixa produção de vasopressina.
  6. Síndrome de Sheehan devido à baixa produção de qualquer hormônio da hipófise.

Referências

  1. Afifi, AK (2006). Neuroanatomia funcional. México: McGraw-Hill / Interamerican.
  2. Bear, MF; Connors, BW e Paradiso, MA (2008). Neurociência A varredura do cérebro. Barcelona: Wolters Kluwer / Lippincott Williams e Wilkins Espanha.
  3. Bear, MF; Connors, BW e Paradiso, MA (2016). Neurociência Explorando o cérebro. (Quarta edição). Filadélfia: Wolters Kluwer.
  4. Carlson, NR (2014). Fisiologia do Comportamento (11ª Edição). Madri: Pearson Education.
  5. Bartholomew, Edwin F.; Martini, Frederic; Judi Lindsley Nath (2009). Fundamentos de anatomia e fisiologia . Rio Saddle Superior, NJ: Pearson Education Inc. pp. 616-617.
  6. Knepel W, Homolka L, Vlaskovska M, Nutto D. (1984). Estimulação da liberação de adrenocorticotropina / beta-endorfina pelo fator de liberação de corticotropina ovina sintética in vitro. Realce por vários análogos da vasopressina. Neuroendocrinologia 38 (5): 344-50.
  7. Mancall, Elliott L.; Brock, David G., eds. (2011). «Fossa craniana». Anatomia Clínica de Gray . Elsevier Ciências da Saúde. p. 154

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies