Invasões em inglês: antecedentes, causas e conseqüências

As invasões inglesas foram duas tentativas de conquistar o vice-reinado do Rio da Prata, então nas mãos da coroa espanhola. Ambas as expedições, que ocorreram em 1806 e 1807, respectivamente, terminaram em fracasso. As duas ações militares foram incluídas no quadro dos conflitos que estavam acontecendo na Europa.

As guerras napoleônicas estavam enfrentando a França contra a maioria dos países do continente, incluindo o Império Britânico. Devido a várias circunstâncias, a Espanha apoiou os franceses, indo à guerra contra a Inglaterra. Nesse contexto, os fatores econômicos foram muito influentes.

Invasões em inglês: antecedentes, causas e conseqüências 1

A Revolução Industrial levou a Inglaterra a começar a produzir muito mais, por isso era essencial encontrar novos mercados. A independência dos Estados Unidos afetou sua posição global e, portanto, seu olhar foi direcionado para a América Latina.

Dessa forma, não apenas encontraria novas áreas para se expandir economicamente, mas também enfraqueceria um de seus grandes rivais: a Espanha.

O resultado negativo para o inglês das duas tentativas trouxe consequências importantes. Entre eles, uma mudança no pensamento dos crioulos que habitavam o vice-reinado.

Eles tiveram que se defender da fraqueza espanhola e isso criou uma consciência considerada antecedente dos subsequentes movimentos de independência.

Antecedentes

A primeira década do século 19 na Europa foi marcada pelas guerras entre a França liderada por Napoleão e o resto das potências continentais. Esse conflito também se estendeu à América do Sul, na época pertencente à coroa espanhola.

Tratado de Utrecht

O antecedente mais distante das invasões inglesas foi o Tratado de Utrecht, assinado em abril de 1713. Por meio desse acordo, que encerrou a Guerra de Sucessão Espanhola, as áreas de influência no mundo foram distribuídas.

Um dos artigos do tratado concedia à Inglaterra o direito de enviar um navio mercante todos os anos para os domínios espanhóis na América.

Os britânicos começaram a conduzir esse comércio da Companhia dos Mares do Sul. Uma das rotas mais importantes terminou em Buenos Aires, que se tornou um dos mercados mais poderosos da região.

A capital argentina hoje era o destino de muitos navios que levavam escravos. Além disso, os europeus forneceram muitos produtos na área, alterando-os para seus próprios fabricantes.

A Guerra dos Sete Anos colocou o inglês e o espanhol em lados opostos e causou a primeira expedição militar britânica à região do Rioplatense. Em 1763, uma coalizão anglo-portuguesa tentou conquistar o Rio da Prata, mas foi rejeitada pelos espanhóis.

Conflito na Europa

Um novo conflito na Europa eclodiu no início do século XIX. Napoleão Bonaparte lançou sua campanha de conquista em todo o continente, enfrentando os poderes monárquicos da época.

Um dos objetivos perseguidos pelos franceses era a invasão da Inglaterra. Com esse objetivo, ele planejou um ataque do Canal da Mancha.

No entanto, os ingleses reagiram e surpreenderam a frota francesa em Trafalgar. Lá, em uma famosa batalha, um grande número de navios franceses e seus aliados espanhóis afundaram.

A conseqüência foi o domínio britânico do Atlântico em detrimento da coroa espanhola. Eles imediatamente pensaram em tirar proveito dessa circunstância enviando uma expedição ao fim da Boa Esperança. Sua reivindicação era dominar a colônia holandesa na área.

Relacionado:  Diego Noboa: biografia

Uma vez alcançada, e diante da fraqueza espanhola, a frota inglesa seguiu em direção ao Rio da Prata, buscando sua conquista.

Primeira invasão inglesa

Rumores de um possível ataque britânico já corriam pelas ruas de Buenos Aires no final de 1805. Naquela época, a cidade era um dos portos mais ricos de todo o continente, mas a revolta indígena liderada por Tupac Amaru II fez com que não Foi devidamente protegido.

Dada a possibilidade de os ingleses chegarem, os administradores da cidade solicitaram reforços, mas a única resposta foi que eles entregassem armas ao povo para se defender. No entanto, o vice-rei não queria armar os crioulos, que já estavam começando a mostrar ambições de independência.

Ataque inglês

Finalmente, um esquadrão inglês dotado de 1600 soldados chegou à baía de Montevidéu em junho de 1806. A cidade possuía fortificações impressionantes que o tornavam um objetivo muito complicado. Diante disso, o comodoro Popham – que liderava a expedição – decidiu seguir o caminho de Buenos Aires.

No final daquele mês, em 25 de junho, marinheiros britânicos desembarcaram em Quilmes, perto da capital de Buenos Aires.

«O vice-rei inepto Sobremonte»

Ao conhecer a chegada dos britânicos, o vice-rei do Rio da Prata, o marquês de Sobremonte, decidiu fugir de Buenos Aires para Córdoba.

Além disso, ele tirou as reservas do Tesouro, e a população passou a chamá-lo de “o vice-rei inepto Sobremonte”, apelido com o qual entrou na história.

Antes da deserção do presidente, foram os vizinhos que tomaram a iniciativa. Eles forçaram o vice-rei a passar o comando do governo militar para Santiago de Liniers. Apesar da recusa inicial, o marquês teve que ceder e partiu para Montevidéu com o dinheiro do Tesouro.

Com a única resistência de seus cidadãos armados, a conquista de Buenos Aires não apresentou muitas dificuldades para os britânicos.

Assim, em 27 de junho, os líderes do vice-reinado entregaram a cidade aos invasores. Eles exibiram a bandeira do Reino Unido, que permaneceu lá por mais 46 dias.

Contra-ataque

Precisamente, a capital do Uruguai hoje teve um papel fundamental na reconquista de Buenos Aires. Quando a última cidade caiu nas mãos dos ingleses, os habitantes de Montevidéu começaram a planejar como expulsar os invasores.

Sem a ajuda das autoridades espanholas, eles se organizaram para enviar uma expedição de reconquista. Santiago de Liniers, que havia reunido um exército de 1500 homens, juntou-se às forças de Montevidéu.

O próprio Liniers chegou ao norte de Buenos Aires com suas tropas em 4 de agosto. Enquanto isso, o exército que buscava a reconquista estava crescendo em homens. Alguns dias depois, em 12 de agosto, o ataque à cidade começou.

Os britânicos plantaram seus rostos, mas recuaram até ter que se refugiar no forte. Liniers cercou a fortaleza e exigiu sua rendição. Dada a superioridade dos atacantes, os britânicos tiveram que aceitar.

Segunda invasão inglesa

Após a primeira tentativa fracassada de invasão, os dois lados se prepararam para uma segunda tentativa iminente. Os britânicos decidiram enviar mais duas frotas, o que reforçou o contingente que já estava na área. Com esses reforços, o exército alcançou 12.000 homens.

Relacionado:  Arquitetura cultural de Nazca: características e exemplos

Por sua parte, Liniers passou a distribuir armas para sua população. Em um documento datado de 6 de setembro de 1806, ele solicitou que milícias organizadas fossem criadas diante de um novo ataque.

Ataque de Montevidéu

Nesta ocasião, a ofensiva européia começou em Montevidéu. Um poderoso ataque naval procurou ceder a resistência da cidade que, a princípio, levou os britânicos a se retirarem para Maldonado, na esperança de mais reforços.

Em 15 de janeiro de 1807, houve uma nova tentativa. Cerca de 100 navios ingleses ancoraram na frente da cidade, enquanto as tropas desembarcavam nas proximidades. Isso fez com que Montevidéu fosse sitiada por mar e terra, sofrendo bombardeios por duas semanas.

As tentativas de defesa da cidade foram em vão e, novamente, o marquês de Sobremonte estrelou outro episódio que enervou a população ao se aposentar da luta.

Buenos Aires tentou enviar ajuda, mas os soldados não chegaram a tempo. Em 3 de fevereiro, os invasores conseguiram abrir uma brecha nas muralhas, entrando na cidade. O governador Ruiz Huidobro foi forçado a assinar a rendição.

bons ares

Quando as notícias do outono de Montevidéu chegaram a Buenos Aires, a prefeitura se reuniu para organizar a resistência. A primeira coisa que eles fizeram foi demitir Sobremonte como vice-rei e nomear Liniers.

Enquanto isso, os britânicos solicitaram mais reforços para o ataque definitivo a Buenos Aires. Quando os novos contingentes chegaram à América, o exército inglês dobrou suas tropas.

O primeiro movimento foi realizado no final de junho de 1807. As tropas britânicas desembarcaram perto de Buenos Aires e começaram a se mover em direção à cidade. Liniers, comandando um exército, o encontrou.

A batalha foi muito confusa e passou por várias etapas. Finalmente, apesar de estarem prestes a ser derrotados, os defensores conseguiram derrotar os atacantes. A rendição britânica foi assinada em 6 de julho de 1807.

Victoria River Plate

Embora a princípio parecesse que Buenos Aires se contentaria com a retirada dos britânicos dos arredores da cidade, eles foram obrigados a libertar Montevidéu.

Desse modo, o domínio britânico sobre a capital uruguaia terminou, aposentando-se definitivamente em setembro do mesmo ano.

Causas

Revolução Industrial

A Inglaterra experimentou uma grande mudança no paradigma econômico ao longo do século 18 que teve implicações em todas as esferas sociais. O surgimento de máquinas e melhores técnicas de produção causaram um grande aumento na produção e uma maior necessidade de matérias-primas.

Uma conseqüência direta disso foi a necessidade de procurar novos mercados, levando em consideração que, além disso, o país perdeu sua colônia americana, os Estados Unidos.

Por outro lado, a guerra com a França durou quase 20 anos, com as conseqüentes conseqüências econômicas. Napoleão impôs um bloqueio comercial, que afetou a chegada de matérias-primas às ilhas.

Tudo isso forçou o Reino Unido a procurar expandir seus territórios coloniais, olhando para a América. Além disso, era uma boa maneira de enfraquecer outro inimigo tradicional: a Espanha.

Guerras Napoleônicas

A tentativa de Napoleão de dominar o continente europeu causou a reação dos poderes monárquicos do continente. Entre eles estava a Inglaterra, cuja invasão era um dos grandes objetivos dos franceses.

Relacionado:  As 5 alfândegas renascentistas mais destacadas

Dada a dificuldade da intervenção militar – agravada pela derrota da frota franco-espanhola em Trafalgar -, Napoleão optou pela guerra econômica. Assim, por meio do Decreto de Berlim de 1806, ele declarou um bloqueio comercial ao Reino Unido.

Isso, como discutido anteriormente, levou os britânicos a encontrar uma maneira de manter sua economia olhando para outros lugares fora da Europa.

Consequências

Organização crioula

Uma das consequências mais importantes das invasões inglesas foi propiciar um primeiro passo na conscientização dos crioulos . Eles foram forçados a organizar a defesa do Rio da Prata por conta própria, uma vez que a Espanha não pôde enviar ajuda.

De fato, algo tão incomum quanto os cidadãos demitiram e substituíram um vice-rei por causa de seu pequeno comportamento honroso.

Dessa maneira, os crioulos começaram a participar de decisões políticas e militares. Costuma-se ressaltar que as milícias formadas para a defesa de Buenos Aires são o antecedente mais direto do que seria o braço armado durante a Revolução.

Por outro lado, quando os britânicos começaram a publicar o jornal La Estrella del Sur, em Montevidéu , pela primeira vez os habitantes tiveram a oportunidade de entrar em contato com um mundo e idéias que não conheciam.

Rivalidade entre Buenos Aires e Montevidéu

Curiosamente, apesar de terem se ajudado durante as invasões, o conflito significou um aumento na rivalidade tradicional entre as duas cidades.

Por um lado, Montevidéu havia sido convertida pelos invasores em um porto bastante próspero e favorecido os comerciantes. Quando foram expulsos, parece que eles deixaram para trás uma grande quantidade de mercadorias e Buenos Aires, como cidade líder, impôs um imposto de 52% sobre esses itens.

Isso causou o protesto dos comerciantes de Montevidéu, que foram considerados prejudicados pela decisão.

Outro fato anedótico contribuiu para essa tensão. O povo de Buenos Aires tomou como uma queixa o fato de Montevidéu ser proclamada como «Muito fiel e reconquistadora».

No final, essas divergências estavam criando um ambiente de diferenciação. Os sentimentos nacionais começaram a se acentuar, o que repercutiu na busca pela independência.

Relações com a Inglaterra

A Grã-Bretanha sofreu duas grandes derrotas na tentativa de conquistar o Rio da Prata. Isso o levou a adotar outra estratégia para aproveitar as oportunidades econômicas oferecidas pela área.

Desde o seu fracasso, ele começou a usar a diplomacia para ganhar influência. Este novo método deu-lhe bons resultados, especialmente com a Banda Oriental.

Dessa forma, ele conseguiu tirar proveito dos movimentos de independência, apoiando-os em alguns momentos para obter benefícios em sua política comercial.

Referências

  1. O guia de 2000. Por que as invasões inglesas ocorreram? Obtido em laguia2000.com
  2. Sempre história. Invasões inglesas ao Rio da Prata. (1806/1807). Papel do Cabildo. Cronologia dos fatos. Obtido em siemprehistoria.com.ar
  3. Perriere, Hernán. As invasões inglesas: quando Buenos Aires era uma colônia britânica. Obtido em laizquierdadiario.com
  4. Conservapedia Segunda invasão britânica de Buenos Aires (1807). Obtido em conservapedia.com
  5. Bridger, Gordon. Grã-Bretanha e a Fabricação da Argentina. Obtido em britishempire.co.uk
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Vice-reinado do Rio da Prata. Obtido em britannica.com
  7. Enciclopédia do Novo Mundo. Rio da Prata. Obtido em newworldencyclopedia.org

Deixe um comentário