Luis Miguel Sánchez Cerro: biografia e governo

Luis Miguel Sánchez Cerro (1889-1933) era um militar e político nascido no Peru em 1889. Após vários anos de carreira militar, chegou à presidência do país através de um golpe de estado em 1930. Nessa ocasião, foi forçado a deixar o cargo. em março do ano seguinte, devido à situação econômica e à resposta social.

Nesse mesmo ano, Sánchez Cerro participou das eleições presidenciais. Embora seus rivais tenham denunciado que a fraude havia sido cometida e ignorado o resultado, os militares recuperaram a presidência do país, desta vez constitucionalmente.

Luis Miguel Sánchez Cerro: biografia e governo 1

Fonte: Toño Zapata, Biblioteca Nacional do Peru – WikiCommons sob a licença CC BY-SA 3.0

O mandato de Sánchez Cerro tinha duas faces totalmente opostas. Por um lado, implementou um regime repressivo contra a oposição política, eliminando liberdades públicas suficientes. Por outro, gozava de certa popularidade e promulgou uma série de medidas que favoreciam as classes populares. Muitos historiadores o qualificam como um seguidor do fascismo.

O presidente falhou em terminar seu mandato. Em 1933, um partidário da APRA, um partido da oposição, assassinou Sánchez Cerro em Lima. Uma das conseqüências imediatas foi o fim do conflito que o Peru havia começado com a Colômbia por questões territoriais.

Biografia

Luis Miguel Sánchez Cerro nasceu em 12 de agosto de 1889 na cidade peruana de Piura, em uma família de classe média.

Sua fisionomia do mestiço, ou cholo, foi uma das razões pelas quais ele ganhou popularidade entre grandes setores da população, embora algumas teorias argumentem que ele era afro-peruano.

Esta última hipótese vem de uma lenda urbana que afirmava que ele nasceu em La Mangacheria, um bairro povoado por descendentes de escravos.

Junte-se ao exército

Aos dezessete, em 1906, o jovem Luis Miguel partiu para Lima para ingressar na Escola Militar Chorrillos. Em 1910, ele se formou como tenente de infantaria.

Seu primeiro destino foi Sullana, em um regimento que protegia a fronteira com o Equador. Naquela época, as relações entre os dois países eram muito tensas e a guerra não era descartada. Finalmente, isso não ocorreu e Sánchez Cerro foi transferido, primeiro, para Sicuani, em 1911, e, no ano seguinte, para Lima.

Em 1914, ele fez parte do golpe de estado que terminou com a presidência de Guillermo Billinghurst. Durante o levantamento, ele sofreu ferimentos graves, perdendo dois dedos da mão direita. Isso lhe valeu o apelido “el mocho”.

Depois disso, Sánchez foi promovido a capitão, embora ligado ao Estado Maior. Especialistas dizem que os controles desconfiavam dele e não queriam colocá-lo no comando das tropas. Em 1915, ele viveu alguns meses nos Estados Unidos, servindo como vice militar.

De volta ao Peru, ele passou por vários destinos militares: Arequipa, Carabaya e, finalmente, a guarnição de Loreto. Lá, perto da fronteira com o Equador, destacou-se por interromper, quase sem ajuda, o avanço de 50 soldados equatorianos.

Primeira conspiração contra Leguía

Sánchez Cerro foi promovido a major e destinado a Arequipa e, mais tarde, a Sicuani em 1921. Foi nessa época que ele foi descoberto participando de atividades de conspiração contra o governo de Leguía. Isso fez com que ele fosse separado de seu regimento e enviado como juiz militar para Cuzco.

Na cidade, Sanchez estrelou uma decisão contra o governo, que foi facilmente reprimida. Os militares passaram algum tempo na prisão e, ao sair, sofreram expulsão do exército.

Sánchez Cerro passou muitas penalidades econômicas durante esse período. Para sobreviver, ele se dedicou à venda de carvão vegetal.

No entanto, o presidente Leguía concordou em retornar ao exército, desde que desistisse de suas tentativas de derrubá-lo. Assim, em 1924, Sanchez retornou como assistente no Ministério da Guerra e, mais tarde, foi nomeado chefe de um batalhão de sapadores que se revoltaram em Pampas com a missão de disciplinar a unidade.

Sánchez dirigiu-se a Pampas sozinho, sem reforços. Contra o prognóstico, ele alcançou a meta estabelecida. No entanto, suspeitas políticas fizeram com que ele fosse separado do comando do batalhão.

Na Europa

Depois de rejeitar o cargo de chefe da província em Cajatambo, Sanchez foi enviado à Europa em agosto de 1825, em uma missão de estudo militar. Até 1929, ele estava na França e na Itália, onde entrou em contato com o fascismo.

Em janeiro de 1929, ele voltou ao Peru e, segundo os historiadores, começou imediatamente a preparar uma nova revolta contra o governo Leguía, que estava no poder há quase dez anos.

Por alguns meses, Sanchez se comportou como um funcionário leal ao governo, aceitando várias promoções e destinos diferentes. No entanto, o golpe que terminaria com o presidente logo começou.

Golpe contra Leguía

O golpe começou em 22 de agosto de 1930. Naquele dia, sob o comando da guarnição de Arequipa, Sánchez Cerro se levantou contra o governo de Augusto Leguía. Em pouco tempo, a revolta ganhou apoio em grande parte do país, incluindo a capital, Lima.

Leguía tentou formar um gabinete militar para salvar a situação, mas a guarnição de Lima solicitou sua renúncia no início da manhã do dia 25. O presidente aceitou e renunciou ao comando.

A princípio, o poder permaneceu nas mãos de uma Junta Militar, até que, no dia 27, Gómez Cerro chegou a Lima de avião. Então, ele formou um novo Conselho Militar do Governo, com ele na presidência.

Presidente do Conselho de Governo

A Junta presidida por Sánchez permaneceu no comando do país até 1º de março de 1931. A mudança de governo não estabilizou o país, mergulhou em uma crise econômica nascida após a Grande Depressão de 1929 . Os preços subiram continuamente e o número de desempregados não parou de crescer.

Isso fez com que vários setores sociais começassem a se manifestar. Os partidos de esquerda pediram que os trabalhadores se mobilizassem e o governo reagiu reprimindo-os severamente. Em uma das manifestações, houve um grande número de mortes nas mãos da polícia.

Em Ayacucho, o confronto enfrentou a polícia e os nativos, enquanto os estudantes também saíram para protestar nas ruas, ocupando a Universidade de San Marcos.

Renúncia

A todos os itens acima, tivemos que acrescentar as tentativas de alcançar o poder de outros líderes militares que participavam do golpe contra Leguía. Em fevereiro de 1931, uma revolta policial e militar eclodiu em Callao, embora tenha sido derrotada.

Sánchez Cerro, apesar de todas as suas tentativas de manter o poder, teve que renunciar após o levante popular em Arequipa. Assim, os militares deixaram a presidência em 1º de março de 1931.

Os Conselhos criados abaixo, assim como seus presidentes, não conseguiram tranquilizar a situação. Finalmente, a pressão do povo impôs David Samanez Ocampo como presidente de um Conselho Nacional do Governo. Isso pacificou o país e Samanez aproveitou a oportunidade para convocar eleições para 11 de outubro de 1931.

Eleições presidenciais de 1931

O vencedor das eleições foi Luis Miguel Sánchez Cerro, que jurou o cargo em setembro do mesmo ano.

Os grandes derrotados foram os candidatos à APRA. Eles acusaram Sánchez de fraude eleitoral, embora com poucas evidências. Diante disso, os apristas ignoraram o resultado e foram à oposição.

Para competir nas eleições, Sánchez criou um partido político: a União Revolucionária. Isso, considerado ideologia fascista por muitos historiadores, ganhou a maioria no Parlamento.

Presidente Constitucional da República (1931-1933)

O governo Sánchez Cerro assumiu o cargo em 8 de dezembro de 1931. Uma de suas primeiras decisões foi começar o trabalho para redigir uma nova Constituição. Isto foi promulgado em 9 de abril de 1933.

A oposição dos apristas e a natureza repressiva do governo fizeram da instabilidade a principal característica daquele período.

Tentativa

Os sangrentos eventos que ocorreram no Peru em 1932 fizeram com que fosse chamado de “Ano da Barbarismo”. A grave crise política e econômica mergulhou o país em instabilidade.

Diante disso, o Congresso aprovou a Lei de Emergência, um conjunto de medidas legislativas que davam ao governo poderes especiais para reprimir os oponentes.

Entre os eventos que marcaram aquele ano, um está diretamente relacionado ao Presidente Sánchez Cerro. Em 6 de agosto, um jovem membro da APRA tentou matar o político com um tiro. Apesar da grave lesão pulmonar, o líder se recuperou em apenas um mês.

Guerra com a Colômbia

A situação delicada pela qual o país estava passando piorou ainda mais quando um incidente com a Colômbia causou o estado de guerra entre os dois países.

Os peruanos mobilizaram suas tropas e houve várias batalhas isoladas. A guerra total parecia inevitável. Somente a morte de Sánchez Cerro impediu o conflito.

Assassinato

O presidente estava em Lima, revisando as tropas destinadas a lutar contra o exército colombiano, em 30 de abril de 1933, pela manhã. Quando ele terminou, ele saiu do local usando seu veículo conversível. Naquela época, Abelardo Mendoza, um militante da APRA, atirou nele várias vezes.

Embora Sánchez Cerro tenha conseguido chegar vivo ao hospital, às 13h10, após duas horas de agonia, sua morte foi certificada.

Características de seu governo

As características dos governos de Sánchez Cerro estavam ligadas à personalidade do próprio presidente. Devido à sua origem popular e mestiça, conseguiu ser bastante popular entre uma parte da população. No entanto, sua natureza autoritária o levou a perder apoio.

Além disso, ele nunca estabilizou o país. Durante seus estágios como presidente, as crises políticas, sociais e econômicas foram constantes.

Terceiro militarismo

Luis Miguel Sánchez Cerro foi o primeiro dos presidentes do período chamado Terceiro Militarismo. Esta etapa da história peruana é caracterizada por violência política e repressão.

Os partidos mais importantes foram a APRA e a União Revolucionária, criada pelo próprio Sánchez Cerro para concorrer às eleições de 1931.

Repressão

A repressão contra os oponentes, principalmente apristas e comunistas, marcou o mandato presidencial de Sánchez Cerro. Além disso, ele suspendeu a imigração do Japão.

O presidente promulgou a chamada Lei de Emergência, um instrumento legal para reprimir os cidadãos. Já ao aprovar a lei no Parlamento, onze parlamentares da APRA estavam fora de controle.

Crise econômica

Embora a crise econômica já tivesse começado antes do golpe de Estado de Sánchez Cerro, suas medidas nunca poderiam aliviá-la. O Peru, como o resto do mundo, foi afetado pela rachadura dos 29 anos e viu como as matérias-primas exportadas perdiam parte de seu valor.

Embora Sánchez Cerro tenha contatado a Missão Kemmerer, a moeda nacional perdeu boa parte de seu valor e as receitas tributárias caíram consideravelmente. Diante disso, o desemprego cresceu aos trancos e barrancos.

Instabilidade

A instabilidade política era uma constante em todo o governo de Sánchez Cerro. O Partido Comunista e a APRA convocaram numerosas greves e os revolucionários conseguiram. O presidente sofreu uma tentativa de assassinato e os navios ancorados em Callao se rebelaram.

A Revolução de Trujillo, reprimida violentamente, ocorreu em julho de 1932. Mais tarde, em julho do ano seguinte, houve uma revolta em Cajamarca, com o mesmo resultado.

Conflito com a Colômbia

Em 1º de setembro de 1932, um grupo de peruanos residentes em Letícia, território cedido pelo Peru à Colômbia pelo Tratado de Salomón-Lozano de 1922, se levantou contra as autoridades colombianas locais. Em pouco tempo, eles controlaram a cidade inteira.

Ambos os governos ficaram surpresos com este evento. A Colômbia protestou pelo que aconteceu e o Peru reagiu apoiando seus cidadãos. Além disso, os peruanos queriam recuperar a área cedida pelo governo de Leguía.

Os dois países iniciaram uma série de esforços diplomáticos, mas, ao mesmo tempo, preparados para a guerra. Embora não seja generalizado, houve alguns confrontos armados na fronteira.

Sánchez Cerro ordenou mobilizar 30.000 soldados e alocá-los para a fronteira. Na frente das tropas colocou Oscar R. Benavides, que já havia derrotado os colombianos em 1911.

Apenas quando parecia que o conflito total era inevitável, o assassinato de Sánchez Cerro mudou a situação e a guerra nunca eclodiu.

Obras do governo

Apesar de toda a instabilidade e autoritarismo, o governo Sánchez Cerro pôde realizar algumas obras importantes.

Constituição de 1933

A Constituição de 1933 foi a principal herança legislativa deixada por Sánchez Cerro. A nova Carta Magna foi promulgada em 9 de abril de 1933 e, segundo especialistas, era bastante moderada e combinava sistemas presidencial e parlamentar.

Entre os artigos mais importantes estava a limitação dos mandatos presidenciais a 6 anos e a proibição de reeleição imediata.

As câmaras legislativas tinham o poder de derrubar o governo e até demitir o presidente.

Por outro lado, concedia certa autonomia administrativa aos municípios, embora mantivesse o centralismo.

Socialmente, a Constituição declarou a liberdade de religião, incorporou o habeas corpus e estabeleceu a pena de morte para alguns crimes.

Economia

Como observado acima, a crise mundial de 1929 afetou gravemente o Peru. Em janeiro de 1932, segundo o próprio ministro da Fazenda, a situação era terrível: a moeda quase não valia nada, o desemprego era muito alto e o comércio e a indústria estavam sufocados.

O governo tentou aliviar a situação proibindo a conversão da moeda, aplicando novos impostos diretos e unificando os de renda.

Além disso, a Missão Kemmerer recomendou a criação de algumas instituições. O governo prestou atenção aos especialistas e fundou os bancos de mineração e industrial, a fim de impulsionar a produção de produtos importados.

Social

O governo tentou conter a migração das áreas rurais para as cidades. Para isso, ele desenvolveu uma série de projetos para as pessoas verem suas necessidades atendidas.

Entre essas medidas, o governo iniciou projetos de colonização na selva e estendeu a legislação em favor dos povos indígenas.

Em outros aspectos, o governo Sánchez Cerro concedeu aos trabalhadores um dia de descanso pago em 1º de maio. Além disso, estabeleceu um horário de verão para os trabalhadores, o direito a férias dos trabalhadores e a restaurantes populares foram construídos.

Infraestruturas

Durante este período, houve uma melhoria na saúde, infraestrutura policial e militar. Por outro lado, muitas estradas de comunicação foram construídas e a estrada central foi pavimentada.

Política educacional e cultural

Em janeiro de 1933, o Congresso dos Americanistas declarou Cuzco como a “Capital Arqueológica da América”.

No campo educacional, foram criadas cerca de 90 escolas modernas, com capacidade para mil alunos cada. Além disso, escolas práticas e especializadas foram abertas em todo o país.

No entanto, as atividades políticas realizadas pelos estudantes e professores da Universidade Nacional de San Marcos fizeram com que o governo a encerrasse em 1932. O recesso duraria até 1935.

Referências

  1. Do Peru. Luis Miguel Sánchez Cerro. Obtido de deperu.com
  2. Biografias e vidas. Luis Sánchez Cerro. Obtido de biografiasyvidas.com
  3. Arquivo Histórico de El Comercio. Luis Sánchez Cerro: lembranças de um assassinato de 80 anos atrás. Obtido em elcomercio.pe
  4. Javier Pulgar-Vidal, John Preston Moore. Peru Obtido em britannica.com
  5. A Biografia Biografia de Luis Sánchez Cerro (1889-1933). Obtido em thebiography.us
  6. Revolvy Luis Miguel Sánchez Cerro. Obtido em revolvy.com

  7. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Sánchez Cerro, Luis Manuel (1889–1933). Obtido em encyclopedia.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies