O que é glicogenólise?

A glicogenólise , também chamado glicogenólise, é o processo através do qual se degrada de glicogénio no corpo, a fim de produzir a glicose de uma maneira rápida.

O glicogênio é caracterizado por ser um elemento localizado no citosol, que é o líquido que faz parte das células. Através do glicogênio, o corpo é capaz de reservar energia da glicose.

O que é glicogenólise? 1

O glicogênio está localizado em quase todas as células animais, e dentro do corpo está localizado no fígado e nos músculos esqueléticos (aqueles que estão ligados ao esqueleto). O glicogênio localizado nos músculos é mais abundante do que o localizado no fígado.

Quando há muito consumo de glicose, ele se acumula no corpo abaixo da figura do glicogênio.

Dessa forma, é gerada uma reserva de energia que pode ser mobilizada de acordo com as necessidades do organismo.

Então, quando o corpo realiza uma atividade fisicamente exigente, como uma rotina intensa de exercícios, ocorre o processo de glicogenólise, para transportar a glicose para os músculos o mais rápido possível.

O processo de glicogenólise também é ativado quando o corpo está em jejum, porque também precisará de energia enviada rápida e diretamente para os músculos e a corrente sanguínea, através da função do fígado.

Como mencionado anteriormente, o glicogênio está presente em quase todo o mundo animal. No entanto, um processo de liberação de energia também é gerado no mundo das plantas.

Esse processo das plantas não é gerado pelo glicogênio, mas pelo amido, responsável por reservar energia e liberá-la, quando necessário, na forma de glicose.

Como é gerada a glicogenólise?

Três enzimas participam do processo de glicogenólise (proteínas produzidas por células cujas funções têm a ver com a regulação de reações químicas no corpo).

O procedimento de glicogenólise começa com o glicogênio, um elemento que constitui a forma mais importante de armazenamento de carboidratos em organismos animais.

Relacionado:  Automatismo cardíaco: anatomia, como é produzido

A primeira enzima envolvida é chamada glicogênio fosforilase, que gera glicose-1-fosfato através do glicogênio.

Através de uma ação de fosforilação, ou seja, a introdução de um grupo fosfato na molécula, a enzima glicogênio fosforilase é responsável por separar as glicoses da estrutura linear, até atingir o ponto em que atinge quatro resíduos de glicose

Neste momento do processo, a segunda enzima, que é a enzima de ramificação, participa. Essa enzima quebra outras ligações que fazem parte do glicogênio e gera uma molécula de glicose livre.

Então, como conseqüência do processo de glicogenólise, duas moléculas são geradas: uma de glicose-1-fosfato e outra de glicose livre.

A glicose-1-fosfato sofre mutação em glicose-6-fosfato, pela ação de uma enzima chamada fosfoglucomutase.

Dependendo das necessidades do corpo, a glicose-6-fosfato pode ser convertida em duas moléculas de adenosina trifosfato (ATP) através da glicólise.

Também pode ser convertido em glicose, através da ação da enzima glicose-6-fosfatase que pode ser encontrada no fígado; Uma vez convertido em glicose, pode ser usado em processos de outras células.

As moléculas de glicose-6-fosfato encontradas no fígado podem realizar esse processo de conversão em glicose através da glicose-6-fosfatase.

No entanto, se essas moléculas são encontradas nos músculos, não é possível fazer essa conversão, porque a enzima glicose-6-fosfatase é encontrada apenas no fígado, não nos músculos.

Hormônios reguladores da glicogenólise

Quando há baixos níveis de glicose no sangue, existem dois hormônios que atuam no corpo, estimulando o aparecimento da enzima glicogênio fosforilase, que é a primeira a atuar no glicogênio.

Esses dois hormônios são chamados de glucagon e adrenalina. O hormônio glucagon atua no fígado e a adrenalina nos músculos esqueléticos.

Relacionado:  Rota da pirâmide: vias, estrutura e lesões

Ambos realizam reações diferentes que estimulam a degradação do glicogênio através da geração da enzima fosforilase do glicogênio.

Importância da glicogenólise

Através do processo de glicogenólise, o corpo é capaz de obter glicose que atinge o fígado e os músculos.

No fígado

Quando a glicogenólise é produzida no fígado, a glicose é liberada no sangue, um processo associado à manutenção de um valor aceito de glicemia (nível de açúcar no sangue).

Esse processo também é muito importante na transferência de glicose para o cérebro, pois a glicose só é capaz de chegar lá pela corrente sanguínea. A fonte de energia do cérebro é a glicose que recebe do sangue.

O fornecimento de energia ao cérebro na forma de glicose aumentará a capacidade de concentração e, se funcionar com mais eficiência, haverá menos fadiga e mais foco na atividade que está sendo realizada.

Nos músculos

No caso da glicogenólise gerada no campo muscular, isso é de vital importância, pois permite que os músculos recebam energia quando o corpo está realizando uma atividade intensa, por exemplo, uma rotina muito exigente de exercícios físicos.

Então, a glicogenólise é o processo pelo qual é possível liberar energia rapidamente quando os músculos precisam. É a maneira de usar essa energia reservada no corpo na forma de glicogênio.

A possibilidade de ter um reservatório de energia é essencial para o corpo e só pode ser alcançada através do glicogênio, que armazena glicose nas células e a mantém acessível no momento em que o corpo exige.

Um reservatório de baixa energia se traduz diretamente em um baixo desempenho das funcionalidades do organismo.

Se um músculo não recebe energia suficiente durante um período de exercício intenso, pode ficar fatigado e gravemente ferido.

Relacionado:  Osso etmoidal: características, partes, funções

Por esse motivo, recomenda-se que os atletas adotem uma dieta rica em carboidratos, para que as reservas de glicose, abaixo da figura do glicogênio, sejam abundantes e possam atender às demandas de exercícios constantes e de alta intensidade.

Referências

  1. “Glicogenólise” em Enciclonet. Recuperado em 11 de setembro de 2017 de Enciclonet: enciclonet.com.
  2. “Metabolismo do glicogênio” na Universidade da Cantábria. Retirado em 11 de setembro de 2017 da Universidade da Cantábria: unican.es.
  3. Rodríguez, V. e Magro, E. “Bases de comida humana” (2008) no Google Livros. Recuperado em 11 de setembro de 2017 do Google Livros: books.google.co.ve.
  4. “Glicogenólise” na Biblioteca Virtual em Saúde de Cuba. Recuperado em 11 de setembro de 2017 da Biblioteca Virtual em Saúde de Cuba: bvscuba.sld.cu.
  5. “Glicogenólise” na Clínica Universidad de Navarra. Retirado em 11 de setembro de 2017 da Clínica Universidad de Navarra: cun.es.
  6. “Glicogênio fosforilase” na Clínica Universidad de Navarra. Retirado em 11 de setembro de 2017 da Clínica Universidad de Navarra: cun.es.
  7. Hugalde, E. “O que é glicogênio?” Em Vix. Recuperado em 11 de setembro de 2017 de Vix: vix.com.
  8. Halfmann, P. “O que é glicogênio?” (14 de fevereiro de 2012) em Tennis Conditioning. Retirado em 11 de setembro de 2017 de Tennis Conditioning: tennis-conditioning.com.
  9. Romano, J. “Glicogênio, o principal combustível do atleta” (8 de maio de 2014) em Clarín. Retirado em 11 de setembro de 2017 de Clarín: clarin.com.
  10. Herrerías, J., Díaz, A. e Jiménez, M. “Tratado de hepatologia” (1996) no Google Livros. Recuperado em 11 de setembro de 2017 do Google Livros: books.google.co.ve.

Deixe um comentário