O que é o Arjé? Recursos mais importantes

O arche ou arché é um conceito filosófico originado na Grécia antiga. Seu significado está ligado ao começo do universo ou à gênese de todas as coisas. O termo vem da língua grega e significa origem ou princípio.

De acordo com Aristóteles, isso era auto-suficiente, o que não precisa de mais nada para ser usado.

O que é o Arjé? Recursos mais importantes 1

O filósofo grego o descreveu como o elemento primordial ou fundamental de algo que, apesar de sua natureza intangível e improvável, oferecia as condições de existência dessa coisa.

Para o filósofo e matemático grego Thales de Mileto, o arco era água. Considera-se que essa foi a primeira explicação relevante do mundo físico.

História do conceito

Thales de Miletus concebeu o arco ou arco como o apeiron, isto é, aquilo que não tem limites e é indeterminado. Um de seus discípulos, Anaximenes, considerou que o ar ou o nevoeiro eram arcos.

Por outro lado, Pitágoras, outro filósofo e matemático grego, relacionou o conceito à matemática, vinculando-o a números.

Para a escola pitagórica, os números não eram abstrações (como atualmente é considerado), mas elementos reais.

Eles até os consideraram as coisas mais reais do mundo. Por isso, eles acreditavam que o arco era o princípio constitutivo de todas as coisas.

Em vez disso, mais tarde Heráclito o ligou novamente aos elementos naturais, mas em vez de ar ou água, ele propôs que o arché era o fogo devido à sua natureza dinâmica.

Mas ele acreditava que o princípio original era a palavra (logos), que só poderia ser comparada ao fogo.

Para este filósofo grego, o fogo era semelhante ao logos, pois o fogo “com moderação é aceso e com moderação é extinto”.

O monismo, outra corrente filosófica, acredita na existência de um único tipo de arché, enquanto o pluralismo, entre cujos representantes é o filósofo Empédocles, estabeleceu que não havia uma única causa ou substância primária, mas várias.

Relacionado:  A definição de filosofia de acordo com Aristóteles

Empédocles considerava a realidade cíclica. Assim, o filósofo Anaxágoras argumenta que o universo é composto de ar, água, fogo, terra e muitos outros elementos.

Além de admitir a pluralidade e a permanente mudança na natureza, esse pensador afirma que na natureza tudo é resultado da combinação de vários elementos ou princípios, que ele chamou de sementes.

O arco e o átomo

Foram os filósofos Leucipo de Mileto e seu discípulo Demócrito que primeiro ligaram o conceito de arque ao conceito de átomo.

Eles acreditavam na existência de átomos como partículas de natureza diversa que não podiam ser criadas ou destruídas. Essas partículas foram agrupadas e formaram matéria.

Demócrito, contemporâneo de Sócrates, achava que, embora tudo mude, deveria haver um elemento estável no universo, por isso propõe o arco.

Segundo Demócrito, o arco não possuía propriedades como nenhum outro elemento (sabor, cor etc.), mas possuía três dimensões: comprimento, altura e profundidade. É esse elemento que ele chama de átomo: algo indivisível, que não tem partes.

Referências

  1. Arche. Recuperado em 15 de dezembro de 2017 de merriam-webster.com
  2. Eu arche. Consultado em atlasdefilosofia.wikispaces.com
  3. O arco ou arqué de Demócrito são os átomos. Consultado em prezi.com
  4. Arché. Consultado em es.wikipedia.org
  5. Atomismo – Filosofia Grega. Consultado em e-torredebabel.com
  6. Os pré-socráticos e o arco ou princípio fundamental. Consultado de lospresocraticosyelarje.blogspot.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies