Os 3 padrões patológicos de dependência emocional

A dependência emocional é um padrão de comportamento que envolve uma necessidade excessiva de aprovação e validação externa, resultando em um relacionamento desequilibrado e disfuncional. Existem três padrões patológicos de dependência emocional que podem ser identificados: a dependência emocional passiva, a dependência emocional dominante e a dependência emocional ambivalente. Cada um desses padrões apresenta características específicas que podem impactar negativamente a vida emocional e relacional da pessoa envolvida. Neste contexto, é importante reconhecer esses padrões e buscar ajuda profissional para lidar de forma saudável com a dependência emocional.

Conheça os diferentes tipos de dependência emocional e como identificá-los em relacionamentos saudáveis.

A dependência emocional é um padrão de comportamento que pode afetar negativamente os relacionamentos e a saúde mental de uma pessoa. Existem diferentes tipos de dependência emocional, e é importante identificá-los para promover relacionamentos saudáveis. Neste artigo, vamos abordar os 3 padrões patológicos de dependência emocional.

Um dos tipos de dependência emocional é a dependência emocional passiva. Neste padrão, uma pessoa tende a se colocar em segundo plano, priorizando as necessidades e desejos do parceiro em detrimento dos seus próprios. Isso pode levar a um desequilíbrio no relacionamento, onde uma pessoa se torna excessivamente dependente da outra.

Outro tipo de dependência emocional é a dependência emocional agressiva. Neste padrão, uma pessoa pode se tornar controladora, possessiva e manipuladora em um relacionamento. Isso pode criar um ambiente tóxico e prejudicial para ambas as partes, resultando em conflitos constantes e desgaste emocional.

O terceiro tipo de dependência emocional é a dependência emocional ambivalente. Neste padrão, uma pessoa pode oscilar entre a busca desesperada por aprovação e afeto do parceiro e o desejo de independência e autonomia. Isso pode causar confusão e instabilidade no relacionamento, tornando difícil para ambas as partes se sentirem seguras e satisfeitas.

Para identificar esses padrões de dependência emocional em relacionamentos saudáveis, é importante prestar atenção em sinais como falta de autonomia, ciúmes excessivo, controle, manipulação e necessidade constante de validação. É fundamental buscar ajuda profissional, como terapia individual ou de casal, para aprender a lidar com esses padrões e promover relacionamentos mais equilibrados e saudáveis.

Tipos de dependência: conheça as diversas formas de dependência que existem.

Existem diferentes tipos de dependência que podem afetar as pessoas de diversas maneiras. A dependência emocional é uma delas, e se manifesta de diferentes formas, sendo os padrões patológicos de dependência emocional os mais comuns.

Os 3 padrões patológicos de dependência emocional são a dependência narcísica, a dependência ansiosa e a dependência evitante. Cada um desses padrões apresenta características específicas que podem ser identificadas e trabalhadas para promover um relacionamento mais saudável consigo mesmo e com os outros.

A dependência narcísica se caracteriza por uma busca constante por atenção e validação externa, onde a pessoa deposita sua autoestima na opinião dos outros. Já a dependência ansiosa é marcada pela necessidade de estar sempre presente e disponível para o outro, muitas vezes sacrificando suas próprias necessidades e desejos.

Por fim, a dependência evitante é aquela em que a pessoa busca manter uma distância emocional das outras pessoas, evitando se envolver emocionalmente para não se machucar. Esses padrões podem causar sofrimento e dificultar a construção de relacionamentos saudáveis e equilibrados.

É importante reconhecer esses padrões de dependência emocional e buscar ajuda profissional para aprender a lidar com eles de forma saudável. A terapia pode ser uma ferramenta poderosa para identificar e trabalhar esses padrões, promovendo o autoconhecimento e o desenvolvimento de relações mais saudáveis e satisfatórias.

Relacionado:  Como gostar de alguém? Gary Chapman nos dá 5 técnicas

A concepção de Freud sobre a dependência emocional e suas implicações na psicanálise.

A dependência emocional é um tema central na teoria psicanalítica de Sigmund Freud. De acordo com Freud, a dependência emocional é um padrão de comportamento no qual o indivíduo busca constantemente a aprovação e o apoio de outras pessoas para se sentir seguro e amado. Para Freud, a dependência emocional tem suas raízes na infância, quando a criança depende do cuidado e da atenção dos pais para satisfazer suas necessidades básicas e emocionais.

Freud identificou três padrões patológicos de dependência emocional que podem surgir na vida adulta: a dependência passiva, a dependência agressiva e a dependência narcisista. A dependência passiva é caracterizada por uma necessidade constante de ser cuidado e protegido por outras pessoas, enquanto a dependência agressiva envolve o controle e a manipulação dos outros para obter o que se deseja. Já a dependência narcisista é marcada pela busca incessante por admiração e elogios, muitas vezes às custas dos sentimentos alheios.

Na psicanálise, esses padrões de dependência emocional são vistos como formas de defesa do ego contra a ansiedade e o medo da rejeição. O analista busca identificar esses padrões e ajudar o paciente a compreender suas origens na infância e a desenvolver mecanismos mais saudáveis de lidar com suas emoções e relacionamentos. Por meio da análise dos conflitos inconscientes e das resistências do paciente, a psicanálise pode ajudar a pessoa a superar a dependência emocional e a alcançar maior autonomia e autoestima.

A abordagem da TCC na dependência emocional: estratégias eficazes para o tratamento.

A dependência emocional é um problema que afeta muitas pessoas, interferindo em suas relações interpessoais e causando sofrimento psicológico. Na terapia cognitivo-comportamental (TCC), são utilizadas diversas estratégias eficazes para tratar esse tipo de dependência.

Existem três padrões patológicos de dependência emocional que são comuns de serem identificados durante o processo terapêutico. O primeiro padrão é a busca constante de aprovação e validação externa, onde a pessoa busca incessantemente a aprovação dos outros para se sentir bem consigo mesma. O segundo padrão é a dificuldade em estabelecer limites saudáveis nas relações, o que pode levar a um excesso de sacrifício pessoal em prol do outro. O terceiro padrão é a tendência a idealizar o parceiro e a relação, ignorando os aspectos negativos e mantendo-se preso a um ciclo de dependência.

Na TCC, o terapeuta trabalha com o paciente para identificar e modificar esses padrões disfuncionais, promovendo uma maior autonomia emocional e uma melhora na autoestima. Estratégias como a reestruturação cognitiva, o treino de habilidades sociais e a exposição gradual a situações desafiadoras são algumas das técnicas utilizadas para promover a mudança.

É importante ressaltar que o tratamento da dependência emocional requer tempo e dedicação, mas os resultados obtidos através da TCC costumam ser duradouros e significativos. Com a ajuda de um terapeuta especializado e o comprometimento do paciente, é possível superar a dependência emocional e construir relações mais saudáveis e equilibradas.

Os 3 padrões patológicos de dependência emocional

Os 3 padrões patológicos de dependência emocional 1

Quando falamos de dependência emocional , entendemos aquelas pessoas que demonstram muito medo e ansiedade com a ideia de serem abandonadas e que, devido a esse medo, toleram e fazem qualquer coisa desde que o casal ou outras pessoas afetivas não as deixem. .

Relacionado:  Perspectivas êmicas e éticas: o que são e 6 diferenças entre elas

É esse o medo que é considerado dependente da pessoa que está disposta a fazer ou suportar quase tudo, desde que o relacionamento que eles estejam tendo não seja encerrado. No entanto, isso é muito mais complexa. A dependência emocional abrange diferentes tipos (submissos, esquivos e dominantes), que à primeira vista não parecem nem mesmo pessoas dependentes, mas o contrário.

Deixe ‘s ver como nos relacionamos de forma saudável e forma doentia , e as conseqüências deste último.

Ligação Patológica vs. ligação saudável

Os seres humanos inevitavelmente dependem um do outro; De fato, somos a espécie mais social entre todas. Na verdade, as pessoas que não mantêm vínculos com alguém as consideram raras ou até têm sérios problemas pessoais.

Portanto, devemos primeiro distinguir um elo saudável de um patológico . Você não pode ser absolutamente independente, mas não totalmente dependente de outra pessoa ou pessoas. Qualquer extremo seria um link saudável.

Para vincular e relacionar-se de maneira saudável, usamos dois métodos psicológicos: regulação e segurança.

1. Regulamento do I

Existem duas maneiras de regulá-lo: com auto-regulação e co-regulação .

A auto-regulação

Vamos utilizá-lo quando confrontado com uma situação que nos altera, puxamos os nossos recursos, interesses, habilidades, para retornar a um estado de calma (por exemplo jogging, meditação, pintura, ler, ouvir música, relaxar respiração, etc.).

Co-regulação

Usamos quando, nessas situações adversas, e para retornar a esse estado de calma, atraímos alguém de confiança (exemplo: converse com alguém, ligue para um amigo no telefone, vá ao seu parceiro para contar). É comum e normal que, quando estivermos com mau humor, queremos dizer a alguém para desabafar.

2. Segurança

Algumas pessoas se sentem mais seguro ou seguro quando ele está sozinho / ela mesma ou a empresa. Conhecemos pessoas que não se sentem seguras quando se sentem sozinhas, como aquelas que se sentem “vazias” se não tiverem parceiro, enquanto outras que temem relacionamentos. Tanto um extremo como o outro são um exemplo de vínculo prejudicial, pois alguns não confiam em se regular e o outro desconfia de outros .

3 maneiras de vincular de maneira não saudável, gerando dependência

Considerando o exposto, deduzimos que, com uma auto-regulação e o sentimento de segurança na solidão, é mais provável que nossos laços sejam saudáveis ​​e vice-versa : confiar nos outros para ficar à vontade consigo ou desconfiar deles levará a relacionamentos tóxicos.

No a fim do dia , a autonomia e privacidade são o que permitem a têm “relações horizontais” com os outros : Aproveito descanso, mas eu também sei que regularme, ou seja, eu não preciso ou sim alguém para regularme, mas nem eu me afasto. Administrá-los mal pode levar-nos a estabelecer vínculos prejudiciais em diferentes formas ou padrões de comportamento que ocorrem nos relacionamentos com pessoas importantes. Vamos falar sobre eles.

1. Empregador submisso

É o que é mais fácil e rapidamente reconhecido como dependência emocional. A emoção mais frequente da pessoa submissa é a ansiedade , justamente pelo medo de serem abandonados. Sua forma mais frequente de regulação é através de outras (isto é, co-regulação), possuindo muito pouca capacidade de auto-regulação. Eles sempre precisam de alguém para lidar com seus problemas.

Relacionado:  Por que tantas pessoas fofocam?

No fundo, eles sentem que não merecem ser amados porque pensam que não valem a pena, e é por isso que se esforçam tanto para fazer o que for preciso, para que a outra pessoa não os abandone. Precisamente, eles se comportam submissamente por causa do medo de que parem de amá-los. Eles acham difícil reconhecer suas próprias necessidades porque estão muito conscientes das necessidades dos outros.

Eles acham difícil dizer não aos outros, tolerar críticas ou receber dos outros. Portanto, muitas vezes sentem que os outros não se importam o suficiente com eles , que não lhes correspondem todos os esforços que fazem e podem até sentir que “atrapalham”.

  • Você pode estar interessado: ” Pessoas submissas: quais 10 características e atitudes as caracterizam? “

2. padrão dominante

A emoção que predomina em uma pessoa dominante é o medo, que eles expressam através da raiva e da raiva. Seu medo está sendo dominado ou rejeitado. Eles mesmos são considerados pessoas más e, como os submissos, não merecem ser amados.

Eles são regulados por outros, mas de uma maneira muito sutil , exercendo esse papel de controle sobre a outra pessoa. No entanto, muitas vezes eles podem se mostrar muito independentes (por exemplo: ameaçam deixar o relacionamento), mas nada mais é do que esconder um sentimento de perda (por exemplo: eles pedem perdão e imploram quando são deixados).

As pessoas dominantes também podem ser cuidadoras, mas tornar a pessoa que elas cuidam depende delas, criando essa necessidade na outra pessoa ou fazendo chantagem emocional. A diferença com os cuidadores submissos é que eles se importam em ser amados, enquanto os cuidadores dominantes se importam como uma maneira de se submeter e assumir o controle .

3. padrão de evitação

pessoas Esquiva fazer afastado, física e emocionalmente, das pessoas ao seu redor.

A emoção mais frequente nesse caso é a tristeza , que o que realmente expressa é um grande sentimento de solidão e que eles tentam mostrar como desinteresse. Na verdade, eles não estão cientes dessa tristeza, como suas próprias emoções, ignorando-os também é afastado.

Em adição, eles são muito desconfiados dos outros; O que eles mais temem é perder a independência ou a liberdade ou serem controlados se envolverem muito com outra pessoa emocionalmente. Portanto, sua forma de regulação é a auto-regulação, ignorando suas emoções e sentimentos . Isso pode levá-los a parecer muito pouco dependentes.

No entanto, o que realmente acontece é que eles se envolvem muito pouco nos relacionamentos com os outros (já que todos precisamos, até certo ponto, dos outros). Eles tendem a viver relacionamentos como uma obrigação cheia de responsabilidades, por isso raramente ficam totalmente engajados e realmente os incomodam em contato com os outros.

Referências bibliográficas:

  • Cabelo, F. (2018). Dependência emocional dos jovens: a nova escravidão do século XXI. In: F. Cabello, M. Cabello e F. del Río Olovera, ed., Advances in Clinical Sexology. 207-214.
  • Mansukhani, A. (2018). Padrões de ligação patológica: além da dependência emocional. In: F. Cabello, M. Cabello e F. del Río Olovera, ed., Advances in Clinical Sexology. 191-200.
  • López, F. (2009). Amores e desgosto. Madri: Nova Biblioteca.

Deixe um comentário