Primeiro civilismo no Peru: histórico, governo e fim

O Primeiro Civilismo no Peru foi um período marcado por uma série de reformas políticas e econômicas implementadas pelo presidente José Luis Bustamante y Rivero, que governou o país entre 1945 e 1948. Durante esse governo, o país passou por um momento de estabilidade política e econômica, com medidas que visavam modernizar a infraestrutura, promover a industrialização e fortalecer a democracia.

No entanto, o governo de Bustamante y Rivero também enfrentou desafios, como a oposição de grupos conservadores e militares, que viam com desconfiança as reformas propostas pelo presidente. Além disso, a crise econômica mundial pós-Segunda Guerra Mundial e a pressão dos Estados Unidos para que o Peru adotasse uma postura anticomunista também contribuíram para a instabilidade política do período.

O Primeiro Civilismo chegou ao fim em 1948, com um golpe de Estado liderado pelo general Manuel A. Odría, que instaurou um regime autoritário no país. Apesar disso, as reformas implementadas durante o governo de Bustamante y Rivero deixaram um legado importante para o desenvolvimento do Peru, influenciando as políticas públicas do país nas décadas seguintes.

Qual sistema político foi estabelecido no Peru como forma de governo?

O Primeiro Civilismo foi um período importante na história política do Peru, que marcou a transição do governo militar para um sistema democrático. Durante esse período, foi estabelecido o sistema político conhecido como república parlamentar, no qual o poder executivo era exercido por um presidente eleito pelo povo, enquanto o legislativo era composto por um congresso bicameral.

O governo civilista foi liderado pelo presidente José Balta, que assumiu o cargo em 1868. Ele implementou uma série de reformas políticas e econômicas, visando modernizar o país e promover o desenvolvimento. No entanto, o governo civilista enfrentou diversos desafios, incluindo conflitos internos e pressões externas.

O fim do Primeiro Civilismo ocorreu em 1872, quando o presidente Balta foi deposto por um golpe militar liderado pelo general Tomás Gutiérrez. Este evento marcou o retorno de um governo militar no Peru, encerrando temporariamente a experiência democrática iniciada pelo civilismo.

O desfecho do movimento peruano: uma análise dos fatores que levaram ao fim.

O Primeiro civilismo no Peru foi um período marcado pela ascensão de líderes civis ao poder, após décadas de regimes militares. O governo civil, liderado por Fernando Belaúnde Terry, foi caracterizado por uma série de reformas e projetos de desenvolvimento, mas também enfrentou desafios e oposição.

No entanto, o desfecho do movimento peruano foi marcado por uma série de fatores que contribuíram para o seu fim. Um dos principais fatores foi a crise econômica que atingiu o país, resultando em inflação, desemprego e instabilidade financeira. Além disso, o governo de Belaúnde Terry enfrentou críticas por sua gestão e políticas, o que minou sua popularidade e apoio.

Outro fator importante foi a oposição política e social que o governo enfrentou. Grupos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais se mobilizaram contra as políticas do governo, exigindo mudanças e reformas mais radicais. A repressão a esses movimentos e a falta de diálogo também contribuíram para o desgaste do governo civil.

Diante desses desafios, o Primeiro civilismo no Peru chegou ao fim com a queda de Belaúnde Terry e a volta de regimes militares ao poder. O desfecho do movimento peruano serve como um exemplo das dificuldades e contradições enfrentadas pelos governos civis em contextos de instabilidade política e econômica.

Civilização do Peru: Descubra a rica história e cultura desse incrível país sul-americano.

A civilização do Peru é uma das mais antigas e fascinantes da América do Sul. Com uma rica história e cultura, o país é lar de diversas civilizações pré-colombianas que deixaram um legado incrível para as gerações futuras. Uma das primeiras civilizações a se desenvolver no Peru foi o Primeiro Civilismo, que teve um papel fundamental na formação do país.

O Primeiro Civilismo foi uma cultura pré-incaica que se desenvolveu na região central do Peru, por volta do ano 1200 a.C. Esta civilização era conhecida por suas habilidades em agricultura, arquitetura e arte. Eles construíram impressionantes cidades e templos, como a famosa cidade de Caral, que é considerada a mais antiga das Américas.

Relacionado:  8 Contribuições Importantes da Idade Média para a Humanidade

O governo do Primeiro Civilismo era organizado de forma hierárquica, com um líder supremo conhecido como o “Senhor dos Quipus”. Este líder tinha poder absoluto sobre o povo e era responsável por tomar todas as decisões importantes. A sociedade era dividida em classes, com os nobres no topo e os camponeses na base da pirâmide social.

No entanto, o Primeiro Civilismo não durou para sempre. Por volta do ano 200 a.C., a civilização entrou em declínio devido a conflitos internos e pressões externas. As cidades foram abandonadas, as terras ficaram desertas e a cultura desapareceu aos poucos. O fim do Primeiro Civilismo marcou o início de uma nova era no Peru, com o surgimento de novas civilizações e culturas que iriam moldar a história do país.

Apesar de ter tido um fim trágico, o Primeiro Civilismo deixou um legado duradouro para o Peru. Suas conquistas em agricultura, arquitetura e arte continuam a inspirar os peruanos até os dias de hoje. Ao explorar a história desta civilização antiga, podemos descobrir mais sobre as origens e a identidade do povo peruano, enriquecendo nossa compreensão da rica cultura deste incrível país sul-americano.

Fim da ditadura no Peru: entenda os acontecimentos que marcaram o fim do regime.

O fim da ditadura no Peru foi marcado por uma série de acontecimentos que culminaram na restauração da democracia no país. Após anos de regime autoritário, o povo peruano finalmente conquistou sua liberdade e democracia.

Uma das principais etapas desse processo foi o Primeiro civilismo no Peru, que marcou o retorno dos civis ao poder após décadas de governo militar. O civilismo foi um período de transição que permitiu a reorganização política do país e a realização de eleições livres e justas.

Durante o governo civilista, foram implementadas diversas reformas políticas e econômicas que visavam fortalecer as instituições democráticas e promover o desenvolvimento do Peru. No entanto, o civilismo também enfrentou desafios e conflitos internos que contribuíram para o seu fim.

O fim do Primeiro civilismo no Peru foi marcado por turbulências políticas e sociais, que culminaram em um novo período de instabilidade no país. Apesar dos avanços conquistados durante o governo civilista, a transição para a democracia plena foi marcada por conflitos e incertezas.

Em resumo, o Primeiro civilismo no Peru foi um marco importante na história do país, que contribuiu para o fim da ditadura e o restabelecimento da democracia. Apesar dos desafios enfrentados, o civilismo representou um passo crucial na consolidação dos valores democráticos no Peru.

Primeiro civilismo no Peru: histórico, governo e fim

O primeiro civilismo no Peru foi o período durante o qual, pela primeira vez, um civil ocupou a presidência peruana. Esta etapa começou em 1872, quando Manuel Pardo y Lavalle venceu as eleições e se tornou presidente.

Desde a independência, todos os presidentes eram militares, no que foi chamado de Primeiro Militarismo. Os governos daquele estágio basearam a economia peruana na venda de guano, mas não puderam impedir o país de entrar em uma grande crise econômica.

Primeiro civilismo no Peru: histórico, governo e fim 1

Manuel Pardo e Lavalle em 1872 – Fonte: Diario El Comercio [Domínio público]

Por outro lado, uma oligarquia comercial que monopolizou o poder econômico começou a aparecer. Nos anos 70 do século XIX, membros desse setor criaram o Partido Civil para tentar obter, também, poder político.

Em 1872, Manuel Pardo se tornou o primeiro presidente não militar do Peru. O civilismo também conseguiu vencer nas eleições seguintes, realizadas em 1876. No entanto, o início da Guerra do Pacífico provocou uma série de eventos que devolveram o poder às forças armadas.

Antecedentes

Os militares haviam monopolizado todos os governos do Peru durante as primeiras quatro décadas de existência da república.

Essa etapa, denominada Primeiro Militarismo, caracterizou, além do caudilismo militar, a falta de desenvolvimento do mercado interno e a corrupção.

Relacionado:  Qual foi a Cosiata ou a Revolução dos Morrocoyes?

Além disso, não foram desenvolvidas políticas de promoção da indústria, de modo que a economia dependia quase inteiramente da venda de guano e da participação de empresas européias.

Governo do Coronel José Balta

O último governo chefiado por um exército antes do Primeiro Civilismo foi o de José Balta. Embora ainda fizesse parte do Primeiro Militarismo, a novidade era que Balta não fazia parte dos militares que lutaram durante a guerra de independência.

Balta tentou modernizar parte da estrutura do estado. Para isso, ele desenvolveu uma política para melhorar as comunicações que integrariam todos os territórios do país. A falta de recursos financeiros significava que ele precisava pedir um empréstimo à Casa Dreyfus, que controlava o comércio de guano com a Europa.

Com o dinheiro obtido, ele ordenou a construção de várias linhas ferroviárias. No curto prazo, os gastos provocaram um aumento significativo da dívida, agravando a situação econômica no Peru.

Civilism

Embora a riqueza gerada pelo guano não tenha atingido a maioria da cidade, ela permitiu a criação de uma oligarquia formada pelos proprietários de empresas mercantis, bem como pelos banqueiros e proprietários de fazendas. Foram eles que se organizaram para desafiar os militares ao governo do país.

Partido Civil

O primeiro movimento da oligarquia foi a criação do Partido Civil. Isso ocorreu em 24 de abril de 1871, quando quase duzentas pessoas participaram de uma reunião para promover a candidatura de Manuel Pardo y Lavalle, ex-prefeito de Lima, à presidência do país. O primeiro nome da organização era “Sociedade da Independência Eleitoral”.

A alta burguesia comercial, industrial e rural que impulsionou a candidatura de Pardo pretendia que seu poder econômico também se traduzisse em poder político. Logo eles receberam o apoio de intelectuais e representantes das profissões liberais do país.

Da mesma forma, a criação do Partido Civil também teve um componente de mudança geracional. Seus fundadores, na maioria das vezes, não haviam participado da luta pela independência; portanto, sua visão de como o país deveria ser organizado era diferente. Para eles, o militarismo atrasou o desenvolvimento do Estado.

Eleições de 1872

O Partido Civil apresentou-se às eleições com propostas que pretendiam democratizar o país. Entre as medidas propostas estavam o apoio à educação em todos os níveis, o desenvolvimento de políticas que equilibram as finanças nacionais, a democratização do exército e a assinatura de alianças com outros países.

Além disso, um dos pontos mais importantes no contexto peruano foi a promessa de nacionalizar o salitre.

A candidatura de Pardo foi um sucesso. A votação, com um sistema duplo que elegeu primeiro os eleitores e depois o presidente, ocorreu entre 15 de outubro de 1871 e abril de 1872. O resultado foi uma clara vitória do Partido Civil sobre seus rivais, Manuel Toribio e José Rufino.

Tentativa de golpe

A possível chegada de um civil ao governo não era do agrado de um setor militar. A reação foi uma tentativa de golpe de estado que começou em 22 de julho de 1872. Naquele dia, os quatro irmãos Gutierrez, todos militares, se rebelaram contra o governo antes que a transferência de poderes ocorresse.

Os líderes do golpe capturaram o presidente Balta e ignoraram a vitória de Pardo nas eleições. Isto, dada a situação, refugiou-se em uma fragata.

Tomás Gutiérrez, que era até então ministro da Defesa, proclamou-se o chefe supremo do país.

Foi a reação popular que terminou a tentativa de golpe. Um dos irmãos morreu quando uma multidão o atacou em Lima e Tomás, ao receber a notícia, decidiu fugir para o quartel de Santa Catalina. Por outro lado, um terceiro irmão deu ordens para matar Balta, que permaneceu preso.

A execução de Balta exacerbou ainda mais o clima da população. Isso aumentou contra o golpe entre 22 e 27 de julho e conseguiu parar o golpe.

Relacionado:  Fernando VII da Espanha: Biografia

Governo de Manuel Pardo y Lavalle (1872-1876)

Uma vez que o golpe de estado foi interrompido, Pardo retornou à capital e foi recebido por uma grande multidão. Em 2 de agosto, ele jurou o cargo de Presidente da República.

O novo presidente achava que o país deveria expandir sua base econômica além do guano e, além disso, foi proposto interromper o desperdício comprometido com a renda obtida até o momento.

O primeiro objetivo de Prado era tentar melhorar a economia. Para isso, seu governo lançou um plano com a intenção de realizar uma reforma fiscal, descentralizar a administração, atrair investimentos do exterior e melhorar a gestão dos recursos naturais.

Além disso, o plano também teve medidas para modernizar a educação e finalizar as obras das ferrovias.

Economia

Na prática, o plano de reforma econômica resultou na criação de uma lagoa de Salitre, que estabeleceu o preço das compras. No entanto, as empresas do setor não colaboraram e o governo expropriou essa indústria em 1875.

Nesse mesmo ano, o prazo acordado no contrato Dreyfus terminou. O governo tentou encontrar outra casa comercial para a distribuição de guano. O resultado foi a criação do Guano peruano e a assinatura de um acordo com a casa Raphael e Hijos.

Por meio dessas e de outras medidas, como a redução do orçamento militar, o governo conseguiu reduzir um pouco a dívida. No entanto, ainda era muito grande e a cidade mal notou qualquer melhoria.

Política interna

Pardo criou um novo órgão de segurança, a Guarda Nacional. O objetivo era evitar novos golpes.

Por outro lado, o governo encontrou o surgimento de organizações da oposição. O mais importante foi encabeçado por Nicolás de Piérola. Em 1874, Pardo tentou prendê-lo, mas Piérola conseguiu escapar de barco.

Em janeiro de 1875, as tropas do governo derrotaram os partidários de Piérola em Paucarpata e ele foi forçado ao exílio no Chile.

Política interna

Desde o início dos anos 1970, o Peru e a Bolívia assistiam aos movimentos chilenos na fronteira norte. Havia parte dos depósitos de salitre e reservas de guano.

Dada a ameaça que ambos os países sentiam, seus governos negociaram uma aliança que culminou na assinatura de um tratado de defesa mútua.

Fim do governo

As eleições seguintes foram marcadas para 1876. O Partido Civil elegeu José Simeón Tejeda como candidato, mas sua morte antes de iniciar a campanha o forçou a procurar um substituto.

Dentro do partido, havia várias correntes que não conseguiram chegar a um acordo. Antes deste bloqueio, foi proposto apresentar o general Mariano Ignacio Prado, um herói da guerra contra a Espanha de 1866.

O rival de Prado nas eleições foi Lizardo Montero, que se apresentou como independente. O vencedor foi o candidato civil.

Fim do primeiro civilismo

O novo Presidente assumiu o cargo em 2 de agosto de 1876. No ano seguinte, foram realizadas eleições legislativas, concluídas com uma importante vitória do Partido Civil.

Um duro golpe no jogo ocorreu em 1878, quando seu líder, Manuel Pardo e Lavalle, foi morto. No entanto, o governo manteve um apoio importante entre a população e tudo sugeria que venceria as eleições de 1880 novamente.

O início da Guerra do Pacífico, em 1879, foi o evento que transformou o cenário político nacional.

Retorno do militarismo

O fim da guerra, em 1883, mergulhou o Peru em uma grave crise política, econômica e social. Então, o chamado estágio de Reconstrução Nacional começou, com os governos dirigidos, novamente, pelos militares.

Referências

  1. Educared Civilismo, obtido em educared.fundaciontelefonica.com.pe
  2. Pasta pedagógica. O primeiro civilismo de Manuel Pardo e Lavalle (1872 – 1876). Obtido em historiadelperu.carpetapedagogica.com
  3. História do Peru Manuel Pardo e Lavalle. Obtido em historiaperuana.pe
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Civilist Obtido em britannica.com
  5. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Partido civilista. Obtido em encyclopedia.com
  6. Prabook Manuel Pardo e Lavalle. Obtido de prabook.com
  7. Revolvy Partido civilista. Obtido em revolvy.com

Deixe um comentário