Sinecologia: quais estudos, exemplos, aplicações

Sinecologia: quais estudos, exemplos, aplicações

A sinecología ou ecologia comunitária estuda a estrutura de comunidades e as interações que ocorrem entre espécies. Ele leva em conta a interação das espécies entre si e com o ambiente físico.

Esta disciplina estuda as principais interações ecológicas entre espécies, processos relevantes como as trocas de matéria e energia através do ecossistema e sucessão ecológica.

Os estudos sinecológicos são aplicáveis ​​na restauração ecológica de áreas perturbadas pela ação humana. Para isso, o conhecimento sobre a sucessão secundária que ocorre naturalmente nesses ecossistemas é levado em consideração.

Da mesma forma, a sinecologia constitui a base ecológica da epidemiologia, uma disciplina central em saúde pública. A base sinecológica é especialmente relevante no estudo do desenvolvimento de doenças infecto-contagiosas.

O que estuda a sinecologia?

Existem duas abordagens básicas para essa ciência, uma é a sinecologia descritiva e a outra é a sinecologia funcional. Além disso, a sinecologia quantitativa apóia o primeiro, processando os dados sobre a densidade de organismos, frequência, quantidade de matéria transferida ou energia, entre outros.

Esses dados são processados ​​por meio de estatísticas para tentar descobrir tendências e extrair conclusões relevantes delas. Em termos práticos, ambas as abordagens trabalham juntas, começando pela descrição da comunidade e depois definindo sua operação.

– Sinecologia descritiva

A sinecologia descritiva aborda a descrição da composição e estrutura da comunidade, ou seja, que espécie a compõe e que lugar ocupa nela. Este último refere-se à estrutura da comunidade, estabelecendo a abundância, densidade, frequência e distribuição de cada organismo.

Por meio da sinecologia descritiva, são conhecidas a distribuição das espécies nas comunidades e o quão abundantes elas são, o que permite saber se uma espécie está ameaçada e ser capaz de projetar programas de conservação.

– Sinecologia funcional

Por seu lado, a sinecologia funcional vai além do descritivo e aborda a dinâmica da comunidade, em termos de seu funcionamento como sistema. Para isso, estabelece as relações entre as espécies e o ambiente físico, incluindo como elemento relevante o layout das redes alimentares.

Este último é essencial para entender as complexas relações de troca de matéria e energia entre espécies.

Relacionado:  Resistência ambiental: fatores e exemplos

Para obter conhecimento desse fluxo de matéria e energia, a sinecologia presta atenção especial às interações ecológicas que ocorrem na comunidade. As principais interações são:

Concorrência

Essa interação é estabelecida entre indivíduos da mesma espécie e entre espécies, exigindo o mesmo fator ambiental. Esses fatores podem ser espaço, água, luz, comida, parceiro ou qualquer outro.

Predador-presa

Nesse caso, é uma relação de cadeia alimentar, onde uma espécie representa a comida de outra, como o leopardo e a gazela.

Mutualismo

É um relacionamento cooperativo, no qual duas espécies se beneficiam mutuamente, por exemplo, uma planta que oferece refúgio a uma espécie de formiga. Por sua vez, esta espécie de formiga protege a planta de espécies herbívoras.

Comensalismo

Nesse caso, apenas uma das espécies envolvidas na interação se beneficia. Enquanto as outras espécies não se beneficiam nem são prejudicadas, como é o caso das plantas epífitas (que usam árvores como suporte).

Amensalismo

Nesse tipo de interação, um organismo é prejudicado pela ação de outro, sem que este seja alterado de forma alguma. Por exemplo, quando uma planta secreta substâncias no solo que impedem o crescimento de outras espécies (alelopatia).

Exemplos

Estudo sinecológico das pradarias no curso inferior do rio Imperial (Cautin, Chile)

Este estudo sinecológico se concentrou nas pradarias do curso inferior do rio Imperial, na Nona Região do Chile. Esses prados foram formados pela ação humana através do cultivo e do excesso de pastagem.

Durante o estudo, os pesquisadores descreveram os estágios da sucessão, desde ervas anuais até ervas perenes. Da mesma forma, eles determinaram os principais fatores que influenciam a distribuição das plantas, que eram a salinidade e a umidade do solo.

Eles também conseguiram detectar o efeito do excesso de pastagem, gerando compactação do solo e uma diminuição no fósforo disponível. Toda essa informação sinecológica gerada é a base dos programas de gerenciamento e recuperação na área.

Relacionado:  O que é homeostase ecológica? Características principais

Análise sinecológica da floresta mesofílica de Omiltemi, Guerrero (México)

Um exemplo do uso da sinecologia para conhecer a composição e dinâmica das florestas é o estudo da floresta de mesófilos das montanhas mexicanas. Esta é uma formação vegetal única no mundo devido à peculiaridade de seu caráter misto.

Essas florestas combinam a flora da América do Norte (Holártico) com a flora dos neotrópicos da América Central e do Sul. Estudos sinecológicos revelaram as espécies presentes e seus padrões de distribuição de acordo com suas afinidades ambientais.

Nesse sentido, estabeleceu-se que espécies holárticas como Pinus ayacahuite , Quercus uxoris e Carpinus caroliniana são estabelecidas em áreas expostas. Enquanto espécies tropicais como Zanthoxylum melanostictum e Trichilia hirta , estão localizadas em áreas mais úmidas.

Aplicações de sinecologia

Sucessão ecológica: base para a restauração do ecossistema

A sucessão ecológica é uma sequência de mudanças nas comunidades vegetais ao longo do tempo. Esse processo possui dois níveis, a sequência primária quando os organismos colonizam uma área originalmente sem vegetação e a sequência secundária.

A sucessão secundária ocorre quando um ecossistema é perturbado, seja por um evento natural ou pela ação humana, e uma vez que o distúrbio cessa, a recuperação do ecossistema começa.

Quando um ecossistema é alterado pela ação humana, são feitas tentativas para mitigar o problema e a solução ecológica é restaurá-lo. Em outras palavras, tentar restaurar o ecossistema à sua condição original, conhecida como restauração ecológica.

Para conseguir isso em ecossistemas complexos, como uma floresta tropical, é necessário aplicar métodos de reflorestamento que imitam a sucessão ecológica. A maioria das tentativas de reflorestar áreas sem levar em consideração a sinecologia da área e, principalmente, a sucessão de plantas fracassa.

Portanto, estudar a sucessão ecológica das comunidades na recuperação natural da floresta permite estabelecer um programa de restauração bem-sucedido.

epidemiologia

O conhecimento da dinâmica estabelecida entre um parasita e seu hospedeiro é produto de estudos sinecológicos. Por sua vez, esse conhecimento é a base da epidemiologia ao lidar com o desenvolvimento de uma doença infecciosa no tempo e no espaço.

Relacionado:  5 fatores que atentam contra a qualidade ambiental

A epidemiologia requer conhecimento da interação entre o parasita, por exemplo, uma bactéria ou vírus, e o hospedeiro, por exemplo, o ser humano.

Por exemplo, alguns coronavírus que afetam populações de animais selvagens, como morcegos, sofrem mutações e afetam os seres humanos. Por sua vez, esses vírus conseguem entrar em contato com seres humanos devido a alterações causadas pelos próprios seres humanos.

Além disso, a perturbação dos habitats em que os animais selvagens entram em contato com as populações humanas. É o caso de algumas regiões da Ásia em que animais vivos selvagens e domésticos são vendidos em mercados públicos.

Coronavírus

A epidemia do vírus que causa a síndrome respiratória aguda grave (SARS) tem sua origem nos morcegos. Da mesma forma, a fonte da nova cepa de coronavírus que causa pneumonia em Wuhan, na China, chamada 2019-nCov, é suspeita de ser o grande morcego- ferradura chinês ( Rhinolophus ferrumequinum ).

Uma vez em seres humanos, os vírus exibem suas próprias características epidemiológicas, infectando populações cada vez maiores. Cada vírus tem uma taxa de infecção, incubação e mortalidade definida. A base do estudo de todos esses aspectos por epidemiologia é a ecologia ou sinecologia populacional.

Referências

  1. Calow, P. (Ed.) (1998). A enciclopédia de ecologia e gestão ambiental.
  2. Margalef, R. (1974). Ecologia. Edições Omega.
  3. Meave, J., Soto, MA, Calvo-Irabien, LM, Paz-Hernández, H. e Valencia-Avalos. S. (1992). Análise sinecológica da floresta mesofílica de Omiltemi, Guerrero. Boletim da Sociedade Botânica do México.
  4. Odum, EP e Warrett, GW (2006). Fundamentos da ecologia. Quinta edição. Thomson.
  5. Ramirez, C., San Martin, C., Ramirez, JC e San Martin, J. (1992). Estudo sinecológico das pradarias no curso inferior do rio imperial (Cautin, Chile). Ciência e Pesquisa Agrária (Chile).
  6. Raven, P., Evert, RF e Eichhorn, SE (1999). Biologia das plantas.
  7. Walker, LR e Del Moral, R. (2003). Sucessão Primária e Reabilitação de Ecossistemas. Cambridge University Press.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies