Sopé andino: localização, realidade social, importância

Sopé andino: localização, realidade social, importância

O sopé dos Andes são formações geológicas menores, com aparência de deserto, derivadas de um sistema montanhoso que, em alguns casos, atinge o mar e forma grandes abismos.

O sopé existe nas extensões de todos os sistemas montanhosos do mundo, mas, quando se trata dos Andes, é conhecido como sopé andino.

Embora seja possível encontrar contrafortes andinos no Chile, Argentina, Bolívia, Equador, Colômbia e Peru, é neste último país onde os maiores são registrados.

No sul do continente, aqueles que se estendem para oeste e leste são parecidos com um deserto e atingem o mar na forma de falésias.

Da Bolívia e ao norte, o sopé que deságua no Oceano Pacífico também é desértico e quase todo povoado.

Os que fluem para o leste se conectam com a floresta amazônica e, mais ao norte, com os vales, sendo estratégicos para conectar áreas geográficas muito diversas.

Localização do sopé dos Andes

O desenvolvimento das regiões latino-americanas tem muito a ver com a conformação de seu relevo.

Em termos gerais, o sopé andino foi pouco desenvolvido, apesar de abrigar recursos muito valiosos, como no caso do Peru e dos grandes santuários arqueológicos.

O desenvolvimento político, econômico, social, cultural e ambiental da América do Sul está diretamente relacionado à exploração que foi realizada no sopé dos Andes em todos os períodos da história.

As características dos principais contrafortes andinos do Peru, Colômbia e Equador serão destacadas abaixo.

Sopé andino no Peru

O relevo peruano é composto por montanhas, colinas, planaltos, planícies, vales, depressões, penínsulas, pontos, baías e ilhas e contrafortes que saem da cordilheira dos Andes.

O sopé oriental do Peru sai do eixo orográfico andino, que atravessa o país e separa as montanhas da selva.

Relacionado:  Os 7 recursos naturais de Oaxaca

Essas colinas desempenharam um papel fundamental no desenvolvimento dessas duas regiões, devido à grande quantidade de recursos disponíveis e, além disso, porque permitiram a passagem de uma área para outra.

Desde o período inca, o sopé andino era estratégico porque os caciques controlavam a passagem de mercadorias das montanhas para a Amazônia e vice-versa.

Estabelecimentos humanos foram estabelecidos no sopé andino do Peru, a maioria dos quais com condições de vida muito precárias. Também foram localizadas antenas de comunicação que prestam serviços, especialmente para a cidade de Lima.

Entre o sopé dos Andes ocidentais e o Oceano Pacífico, encontra-se o deserto de Nazca, que abriga um dos achados arqueológicos mais importantes do século XX.

Entre os principais contrafortes ocidentais andinos do Peru estão: San Cristóbal, no distrito de Rímac; e San Cosme e El Pino, no distrito de El Agustino.

Destaca-se também o sopé de Lagarto, no bairro de Villa El Salvador; Marcavilca e Morro Solar, no distrito de Chorrillos; e Huaquerones, no distrito de Ate Vitarte.

Sopé andino na Colômbia

Esses contrafortes colombianos passam por várias formas de relevo, graças aos três ramos das montanhas nos quais o sistema andino está dividido.

As três cadeias de montanhas – oeste, central e oriental – têm contrafortes que ligam a montanha à selva, os vales à costa e os vales aos vales.

Os principais são os Serranías de la Macarena, reconhecidos pela exuberância de seus rios; e a Sierra Nevada de Santa Marta, um centro indígena com grande biodiversidade.

O sopé é usado igualmente para a localização de antenas de comunicação, que permitem que vários serviços sejam prestados às cidades. Na Colômbia, essas áreas são habitadas principalmente por grupos indígenas e camponeses.

Relacionado:  Serra Madre del Sur: localização, relevo, clima, flora

Ao contrário do Peru, onde as condições sociais do sopé andino ocidental são muito difíceis para a população, na Colômbia eles se desenvolveram como importantes centros de conservação ambiental.

Sopé andino no Equador

No Equador, o sopé andino reúne ecossistemas completos de fauna e flora, especialmente apreciados por cientistas interessados ​​em espécies estranhas e ameaçadas de extinção.

Eles se estendem principalmente para vales e florestas, onde existem assentamentos indígenas e camponeses dedicados à agricultura.

Realidade social no sopé dos Andes

Em todos os países que cruzam o sistema montanhoso andino, o sopé serviu de porto comercial para o transporte de produtos de uma região para outra.

Nos tempos pré-hispânicos, o poder dos caciques dependia do controle dessas áreas geográficas.

Inicialmente, essas áreas eram ricas em recursos, mas não alcançavam seu próprio desenvolvimento, mas serviram por anos como fonte de subsistência para as regiões vizinhas.

Essa realidade produziu uma divisão social marcante, porque as cidades que se desenvolveram graças ao sopé, como os portos de comércio, não retornaram o desenvolvimento na forma de oportunidades.

Dessa forma, os assentamentos humanos que se desenvolvem no sopé dos Andes têm baixa qualidade de vida e muitos problemas nas esferas econômica e política.

Como os contrafortes andinos são fronteiras culturais e ecológicas entre quem vive nas montanhas, na selva e nos vales, eles se tornam áreas de alta complexidade social.

Importância do sopé andino

O sopé andino representou a arma política mais importante para os líderes nos vários períodos da história da América do Sul, devido à sua posição estratégica e grande riqueza de recursos naturais.

Na esfera econômica, tornaram-se verdadeiros portos comerciais por onde os produtos da costa eram transportados, como peixes e alguns objetos que chegavam em barcos da Ásia e da Europa.

Relacionado:  Clima tropical: características, localização, tipos e fauna

Frutas, minerais, artesanato e madeiras foram trazidos para a costa a partir dos vales ou da selva. Da mesma forma, da montanha e do sopé, alguns produtos agrícolas, como batata e milho, foram para a floresta e a costa.

Quanto ao cultural, houve um amplo intercâmbio refletido em instrumentos musicais, danças, rituais, remédios e tradições orais.

Na esfera ambiental, o sopé andino tornou-se um centro de grande diversidade de ecossistemas andinos exóticos.

Em relação à tecnologia, elas foram fundamentais para a localização estratégica e eficiente das antenas de comunicação para a prestação de serviços como televisão, rádio e Internet.

Referências

  1. Lara, C. (2010). A complexidade social no sopé dos Andes orientais durante o final do período pré-inca. Cadernos de Pesquisa em Antropologia , (9).
  2. Corbalán, M. (2008). Periferia e marginalidade na construção arqueológica: sociedades pré-hispânicas tardias no sopé oriental dos cumes de Calchaquí (noroeste da Argentina). Maguaré , (22).
  3. Chacaltana Cortez, Sofia; Christopher Dayton; Monica Barrionuevo. “Sistemas de armazenamento na costa e na Serra de Colesuyo, Andes Centrais”, em Perspectivas Comparativas sobre a Arqueologia da América do Sul Costeira, Alexander Martín; Enrique López-Hurtado; Robyn E. Cutright eds., Publicações Latino-Americanas de Arqueologia da Universidade de Pittsburgh.
  4. Drennan, Robert. 1991, “Trajetórias de chefia pré-hispânica na Mesoamérica, América Central e norte da América do Sul”, em: Timothy Earle (ed.) Chiefdoms: poder, economia e ideologia, Escola de Pesquisa Americana / Série de Seminários Avançados, Cambridge, pp. .263-287.
  5. Langebaek, Carl. 1992, Notícias de caciques muito antigos. Origem e desenvolvimento de sociedades complexas no nordeste da Colômbia e no norte da Venezuela, Universidad de los Andes, Bogotá.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies