Tipos de dislexia: definição, sintomas e causas

A dislexia é um transtorno de aprendizagem que afeta a capacidade de uma pessoa ler, escrever e compreender adequadamente o que lê. Existem diferentes tipos de dislexia, cada um com suas próprias características, sintomas e causas. Neste artigo, abordaremos os principais tipos de dislexia, explicando suas definições, sintomas e possíveis causas para melhor compreensão dessa condição.

Conheça os diferentes tipos de dislexia e suas características específicas para diagnóstico e tratamento.

A dislexia é um transtorno de aprendizagem que afeta a capacidade de uma pessoa ler, escrever e soletrar. Existem diferentes tipos de dislexia, cada um com suas próprias características específicas que podem ajudar no diagnóstico e tratamento adequados.

Um dos tipos mais comuns de dislexia é a dislexia fonológica, que se caracteriza pela dificuldade em associar sons às letras e em identificar padrões sonoros na linguagem escrita. Outro tipo é a dislexia visual, em que a pessoa tem dificuldade em reconhecer palavras escritas, mesmo que possa soletrá-las corretamente.

Além disso, há também a dislexia superficial, em que a pessoa tem dificuldade em compreender a estrutura das palavras e em reconhecer palavras com base em sua forma visual. Por fim, a dislexia profunda é caracterizada por dificuldades mais abrangentes na leitura, escrita e compreensão da linguagem escrita.

O diagnóstico da dislexia geralmente envolve avaliações cognitivas, linguísticas e educacionais para identificar os tipos específicos de dificuldades da pessoa. O tratamento pode incluir terapias de leitura especializadas, suporte educacional individualizado e estratégias para melhorar as habilidades de leitura e escrita.

É importante que as pessoas com dislexia recebam apoio adequado e que suas necessidades individuais sejam atendidas para que possam superar os desafios associados ao transtorno. Com o diagnóstico e tratamento corretos, é possível melhorar significativamente as habilidades de leitura e escrita das pessoas com dislexia.

Conheça os 18 sintomas característicos da dislexia e saiba identificá-los facilmente.

A dislexia é um transtorno de aprendizagem que afeta a habilidade de ler, escrever e soletrar. É importante saber identificar os sintomas característicos dessa condição para que a pessoa possa receber o suporte necessário. Abaixo estão listados 18 sintomas comuns da dislexia:

  1. Dificuldade em associar sons às letras.
  2. Problemas de memória de curto prazo.
  3. Troca de letras semelhantes, como “b” e “d”.
  4. Confusão com sequências de letras, como “p” e “q”.
  5. Dificuldade em seguir instruções verbais.
  6. Desempenho abaixo da média em leitura e escrita.
  7. Lentidão na leitura em voz alta.
  8. Erros frequentes de ortografia.
  9. Dificuldade em compreender textos escritos.
  10. Desorganização ao escrever.
  11. Problemas de pronúncia.
  12. Desinteresse por atividades que envolvem leitura e escrita.
  13. Dificuldade em aprender uma língua estrangeira.
  14. Confusão com direções, como direita e esquerda.
  15. Problemas de coordenação motora.
  16. Desafios em aprender a sequência alfabética.
  17. Dificuldade em reconhecer palavras comuns.
  18. Desempenho inconsistente em tarefas de leitura e escrita.

Se você identificar alguns desses sintomas em si mesmo ou em alguém que conhece, é importante buscar uma avaliação profissional para um diagnóstico preciso. Com o suporte adequado, é possível desenvolver estratégias para lidar com os desafios causados pela dislexia e alcançar o sucesso acadêmico e profissional.

Entenda os diferentes níveis de dislexia e suas características específicas para diagnóstico preciso.

A dislexia é um transtorno de aprendizagem que afeta a capacidade de uma pessoa ler, escrever e soletrar corretamente. Existem diferentes níveis de dislexia, cada um com características específicas que podem ajudar no diagnóstico preciso.

Relacionado:  O comportamento anti-social visto da Psicanálise

Os três principais tipos de dislexia são a dislexia fonológica, a dislexia superficial e a dislexia mista. A dislexia fonológica é caracterizada pela dificuldade em associar sons às letras, dificultando a leitura e a escrita. Já a dislexia superficial está relacionada à dificuldade em reconhecer palavras inteiras, levando a erros de decodificação. Por fim, a dislexia mista combina características das duas formas anteriores, tornando o diagnóstico mais desafiador.

Para identificar corretamente o tipo de dislexia, é importante observar os sintomas específicos de cada um. Na dislexia fonológica, é comum encontrar dificuldade em rimar palavras, problemas com a segmentação de sons e erros frequentes de soletração. Já na dislexia superficial, os sintomas incluem dificuldade em reconhecer palavras comuns, confusão entre letras parecidas e lentidão na leitura. Na dislexia mista, os sintomas são uma combinação dos dois tipos anteriores, tornando o diagnóstico mais complexo.

As causas da dislexia ainda não são totalmente compreendidas, mas sabe-se que fatores genéticos e ambientais podem desempenhar um papel importante. Além disso, problemas no desenvolvimento do cérebro, dificuldades na conexão entre áreas responsáveis pela linguagem e dificuldades na memória de curto prazo podem contribuir para o surgimento da dislexia.

Com a identificação correta do tipo de dislexia, é possível oferecer intervenções personalizadas que atendam às necessidades individuais de cada pessoa afetada por esse transtorno de aprendizagem.

Características principais da dislexia: o que você precisa saber sobre esse transtorno?

A dislexia é um transtorno específico da aprendizagem que afeta a capacidade de uma pessoa em ler, escrever e soletrar corretamente. É importante compreender as características principais da dislexia para identificar e ajudar pessoas que possam estar enfrentando esse desafio.

Um dos sintomas mais comuns da dislexia é a dificuldade em decodificar palavras, o que pode resultar em leitura lenta e imprecisa. Além disso, pessoas com dislexia podem ter dificuldade em associar sons e letras, o que afeta a habilidade de soletrar corretamente.

Outra característica importante da dislexia é a dificuldade em compreender e lembrar de informações lidas. Isso pode levar a problemas de compreensão de textos, dificultando o aprendizado e a retenção de conhecimento.

As causas da dislexia ainda não são completamente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos e neurobiológicos desempenham um papel importante no desenvolvimento desse transtorno. É importante ressaltar que a dislexia não está relacionada à inteligência, uma vez que muitas pessoas com dislexia possuem habilidades cognitivas acima da média em outras áreas.

É fundamental reconhecer as características principais da dislexia para proporcionar o suporte adequado às pessoas que enfrentam esse desafio.

Tipos de dislexia: definição, sintomas e causas

Tipos de dislexia: definição, sintomas e causas 1

A dislexia é o distúrbio mais prevalente no que diz respeito aos distúrbios de aprendizagem. É especialmente detectada na fase escolar e afeta os processos de leitura, que acabam impactando e dificultando os processos de escrita.

Neste artigo, conheceremos os três tipos de dislexia de acordo com o caminho de leitura afetado e os dois tipos de dislexia de acordo com sua origem. Analisaremos as características de cada um deles e veremos as diferenças que eles apresentam, bem como seus sintomas.

Tipos de dislexia

A dislexia é um distúrbio de aprendizagem caracterizado pela dificuldade de ler corretamente . Essa dificuldade se traduz em sintomas como trocar cartas ao ler, confundi-las e / ou omitir palavras durante a leitura. Além disso, também pode (e geralmente) levar a dificuldades na escrita.

Relacionado:  Terapia Psicológica Adjuvante: definição, características e técnicas

É um distúrbio muito prevalente entre crianças e adolescentes (especialmente em crianças). Especificamente, constitui 80% dos casos de distúrbios de aprendizagem. Estima-se que sua prevalência esteja entre 2 e 8% das crianças em idade escolar.

No entanto, encontramos diferentes tipos de dislexia . Podemos classificá-los de acordo com diferentes parâmetros. Vamos nos concentrar em dois: de acordo com o caminho de leitura afetado e de acordo com a origem. Mas primeiro, vamos ver o que se entende por meio da leitura da teoria da via dupla.

Teoria da via dupla

Quando aprendemos a ler, podemos fazê-lo através de várias formas de leitura: o caminho direto ou visual e o caminho indireto ou fonológico. Essas duas maneiras são os conceitos apresentados pela teoria do duplo modo de leitura.

Para entender os diferentes tipos de dislexia que existem de acordo com a via afetada, precisamos primeiro entender como cada uma das possíveis vias de leitura funciona, pois, dependendo de uma ou outra via ser afetada, o tipo de dislexia será uma ou outra. .

1. Maneira visual

A via visual também é chamada de via direta ou via lexical . Quando usamos esse caminho, observamos a representação gráfica das palavras e a relacionamos com o significado delas. Como o nome indica, é um caminho centrado na vista e nos faz ler as palavras “globalmente”, sem soletrar letra por letra.

Dessa maneira, passamos das palavras (através de uma gestáltica e percepção global delas) para o significado do termo e, posteriormente, para sua pronúncia (lemos).

2. Via fonológica

Essa segunda rota também é chamada de rota indireta ou seqüencial ; Quando o usamos na leitura, focamos nos sons das letras para transformá-las em palavras, através de um processo de conversão grafema-fonema.

Ou seja, contamos com o uso de uma codificação fonêmica, ortografia letra por letra, som por som, você precisa formar a palavra. É por isso que também é chamado de seqüencial ou indireto.

Diferentemente da via visual, o mecanismo da via fonológica passa pelo acesso à palavra, decodificando-a, fonema a grafema, pronunciando-a e finalmente acessando seu significado.

De acordo com a rota afetada

O primeiro parâmetro ou critério que usaremos para classificar os diferentes tipos de dislexia é de acordo com a rota afetada. Assim, como anunciamos, dependendo se a via lexical, fonológica ou ambas são afetadas, encontramos três tipos de dislexia:

1. Dislexia lexical

O primeiro dos tipos de dislexia é a dislexia lexical, onde a via afetada é a via lexical . Devemos sempre pensar que o nome da dislexia corresponde à via afetada. Esse tipo de dislexia também é chamado de dislexia superficial.

Um sujeito que o apresentar terá dificuldade em ler palavras irregulares; isto é, palavras “atípicas”, com regras especiais de escrita, que se afastam do modelo usual (como verbos irregulares).

Essa dislexia também é chamada de dislexia perceptivo-visual, uma vez que a via visual é afetada. O que acontece nesse tipo de dislexia é que a pessoa, incapaz de ler globalmente, por ter a via visual afetada, precisa ler letra por letra, decodificando o fonema-grafema.

Outros sintomas associados

Além disso, a dislexia lexical geralmente aparece aos 7 ou 8 anos (ao contrário de outros que aparecem mais tarde). Também é acompanhado por déficits nas habilidades psicomotoras e na memória imediata (o que nos permite lembrar de eventos que acabaram de ocorrer). A pessoa confunde as letras ao ler, manifesta problemas de compreensão de leitura e possui uma escrita alterada (escreve com investimentos).

Relacionado:  Toxicofobia (medo de envenenamento): sintomas, causas e tratamento

Finalmente, outro sintoma característico é a alteração nas habilidades perceptivo-visuais quando se trata de resolver problemas visuais ou localizar objetos.

2. Dislexia fonológica

O segundo dos tipos de dislexia de acordo com a via afetada é a dislexia fonológica, na qual a via fonológica (não lexical, indireta ou seqüencial) é afetada. As principais dificuldades são, neste caso, a leitura de pseudopalavras (ou seja, palavras que não existem, inventadas).

Isso é explicado da seguinte maneira: a pessoa que sofre, incapaz de ler letra por letra acessando o significado das palavras, por ter a via fonológica afetada, deve usar a rota visual ou direta. E, como ele não pode decodificar o fonema-grafema, ele terá dificuldade em ler palavras que realmente não existem, uma vez que ele deve lê-las globalmente e como elas não existem (e não estão acostumadas a elas), surgirá a dificuldade de processá-las.

Outros sintomas associados

Esse tipo de dislexia também é chamado de dislexia auditivo-linguística. Geralmente aparece depois do anterior, em crianças entre 9 e 12 anos. As alterações associadas estão relacionadas à memória auditiva imediata. Além disso, a pessoa confunde palavras com um som semelhante e pula letras ao ler (as omite).

Por outro lado, assim como na dislexia visual, o sujeito apresenta alterações na escrita, cometendo erros sintáticos, além de pouca compreensão da leitura.

3. Dislexia profunda

O último tipo de dislexia é a dislexia profunda, a mais grave . Também é chamado de dislexia mista, pois as duas vias são afetadas; o visual e o fonológico. Especificamente, porém, a mais afetada é a via fonológica (que não pode ser usada de forma alguma); em vez disso, a via visual é parcialmente preservada, e é por isso que o sujeito é o único que pode usar (em parte).

Nesse caso, o sujeito tem dificuldade em ler todas as palavras, sejam regulares, irregulares ou pseudopalavras. É por isso que a compreensão de leitura neste caso é zero.

De acordo com a origem

O segundo critério que usaremos para classificar os diferentes tipos de dislexia é de acordo com sua origem . Assim, encontramos dois tipos de dislexia, os conhecemos abaixo.

1. Dislexia evolutiva

Essa dislexia também é chamada de dislexia do desenvolvimento . Sua origem é desconhecida, mas está relacionada a alterações genéticas e atraso maturacional. Afeta desde o nascimento; No entanto, você pode obviamente começar a detectar quando o menino ou menina começa a aprender a ler. É mais comum que o seguinte tipo de dislexia (dislexia adquirida).

2. Dislexia adquirida

Nesse caso, a dislexia adquirida tem sua origem em uma lesão cerebral que afeta uma ou mais áreas do cérebro envolvidas nos processos de alfabetização. Dependendo da idade da criança no momento da lesão, da plasticidade cerebral , do estímulo cognitivo que ela recebe mais tarde e de outras variáveis, a dislexia que aparecerá será mais ou menos grave e mais ou menos temporária.

Referências bibliográficas:

  • Associação Americana de Psiquiatria – APA- (2014). DSM-5 Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Madri: Pan-Americana.

  • Associação Andaluza de Dislexia (Asandis). (2010). Guia geral sobre dislexia.

  • Tamayo, S. (2017). Dislexia e dificuldades em adquirir alfabetização. Revista pessoal de ensino, currículo e formação de professores, 21 (1): 423-432.

Deixe um comentário