Transtorno explosivo intermitente: causas e sintomas

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI) é um distúrbio psiquiátrico caracterizado por episódios recorrentes de explosões de raiva desproporcionais à situação. As causas desse transtorno ainda são desconhecidas, mas acredita-se que fatores genéticos, biológicos e ambientais possam desempenhar um papel no seu desenvolvimento. Os sintomas incluem explosões incontroláveis de raiva, comportamento agressivo, irritabilidade, impulsividade e dificuldade em controlar as emoções. O diagnóstico e tratamento precoces são essenciais para melhorar a qualidade de vida dos indivíduos afetados pelo TEI.

Quais são as possíveis causas do transtorno explosivo intermitente?

O transtorno explosivo intermitente é caracterizado por explosões de raiva desproporcionais em relação à situação. Essas explosões podem ocorrer sem motivo aparente e causar danos físicos e emocionais a si mesmo e aos outros. Mas afinal, o que pode causar esse comportamento explosivo?

Existem várias possíveis causas para o transtorno explosivo intermitente, sendo que a principal é a combinação de fatores genéticos, ambientais e biológicos. Estudos sugerem que a genética pode desempenhar um papel importante, uma vez que o transtorno tende a ocorrer em famílias com histórico de problemas de controle de impulsos. Além disso, desequilíbrios químicos no cérebro, como baixos níveis de serotonina, podem contribuir para a irritabilidade e explosões de raiva.

Outros fatores que podem desencadear o transtorno explosivo intermitente incluem experiências traumáticas na infância, como abuso físico, emocional ou sexual, bem como situações de estresse crônico. O uso de substâncias como álcool e drogas também pode piorar os sintomas do transtorno, tornando as explosões de raiva mais frequentes e intensas.

É importante buscar ajuda profissional caso você ou alguém que você conheça apresente sintomas desse transtorno, como explosões de raiva descontroladas e impulsividade.

Principais causas do TEI: fatores desencadeantes e desencadeadores da doença.

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI) é uma condição caracterizada por explosões de raiva desproporcionais em relação à situação. Existem diversas causas que podem desencadear esse transtorno, tanto fatores desencadeantes quanto desencadeadores da doença.

Entre os fatores desencadeantes do TEI, podemos citar o estresse crônico, o histórico de abuso ou trauma na infância, a predisposição genética, o uso de substâncias psicoativas e até mesmo alterações no funcionamento do cérebro. Esses elementos podem contribuir para a manifestação dos sintomas explosivos do transtorno.

Já os fatores desencadeadores do TEI incluem situações de frustração, irritação, humilhação, rejeição, entre outros eventos que possam desencadear a explosão de raiva característica do transtorno. É importante ressaltar que nem todas as pessoas expostas a esses fatores desenvolverão o TEI, mas a combinação de predisposição genética e ambiental pode aumentar o risco.

Identificar esses elementos é fundamental para o diagnóstico e tratamento adequado da doença.

Identificando sinais de transtorno explosivo intermitente: saiba se você pode estar sofrendo com ele.

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI) é caracterizado por episódios de impulsividade agressiva desproporcional em relação à situação. Muitas vezes, a pessoa que sofre com TEI pode apresentar explosões de raiva, violência física ou verbal sem motivo aparente. Sinais de TEI incluem ataques de fúria, brigas frequentes, quebra de objetos, ameaças e comportamento impulsivo.

Relacionado:  Enurese (urinar por cima): causas, sintomas e tratamento

Além disso, os sintomas do TEI podem incluir irritabilidade crônica, dificuldade em controlar a raiva, sentimentos de tensão e ansiedade antes de um episódio explosivo, arrependimento após a explosão e até mesmo sintomas físicos como aumento da frequência cardíaca e sudorese.

As causas do TEI podem estar relacionadas a fatores genéticos, neurobiológicos e ambientais. Pessoas com histórico familiar de TEI ou que foram expostas a ambientes violentos têm maior probabilidade de desenvolver o transtorno.

Se você identificar esses sinais e sintomas em si mesmo ou em alguém próximo, é importante buscar ajuda profissional. O tratamento para o TEI pode incluir terapia cognitivo-comportamental, medicamentos e estratégias de controle da raiva.

Principais causas do surto de raiva: entenda o que desencadeia essa emoção intensa.

O Transtorno Explosivo Intermitente é caracterizado por explosões de raiva desproporcionais às situações em que a pessoa está inserida. Essas explosões podem ser desencadeadas por diversos fatores, sendo as principais causas do surto de raiva: estresse acumulado, frustrações constantes, traumas emocionais e problemas de saúde mental.

O estresse acumulado é um dos principais gatilhos para o surgimento do Transtorno Explosivo Intermitente. Quando uma pessoa enfrenta situações estressantes de forma contínua, sem conseguir encontrar maneiras saudáveis de lidar com o estresse, a raiva pode se acumular e se manifestar de forma explosiva.

As frustrações constantes também contribuem para o surgimento do Transtorno Explosivo Intermitente. Pessoas que se sentem constantemente frustradas, seja no âmbito profissional, pessoal ou emocional, podem desenvolver um padrão de explosões de raiva como forma de expressar sua insatisfação com a vida.

Os traumas emocionais, por sua vez, podem desencadear reações de raiva intensas em pessoas que sofrem de Transtorno Explosivo Intermitente. Situações traumáticas do passado, como abusos, perdas ou experiências negativas, podem gerar um acúmulo de emoções negativas que se manifestam em explosões de raiva.

Por fim, os problemas de saúde mental, como a depressão e a ansiedade, também podem estar relacionados ao surgimento do Transtorno Explosivo Intermitente. Alterações químicas no cérebro e desequilíbrios hormonais podem influenciar diretamente no controle das emoções, levando a explosões de raiva desproporcionais.

Transtorno explosivo intermitente: causas e sintomas

Transtorno explosivo intermitente: causas e sintomas 1

Nosso estado emocional é uma área de nossa vida psicológica que, em muitas ocasiões, é revelada como algo além de nosso controle. Isso tem consequências positivas, outras negativas e algumas que têm a ver com riscos quando certos tipos de transtornos mentais ocorrem .

Relacionado:  Como saber se tenho transtorno de personalidade borderline?

Por exemplo, graças a sentimentos e emoções, podemos viver intensamente todos os tipos de momentos, aprender rapidamente sobre as consequências positivas e negativas de nossas ações e até alcançar uma melhor comunicação com os outros, mas, às vezes, algumas alterações biológicas podem fazer que nossas reações emocionais são excessivas ou até deslocadas.

O distúrbio intermitente explosivo (TEI) é um exemplo claro disso , embora nesses casos a pessoa diagnosticada com esse tipo de distúrbio veja sua qualidade de vida significativamente limitada por esse distúrbio mental.

  • Você pode estar interessado: ” Os 16 transtornos mentais mais comuns “

O que é distúrbio explosivo intermitente?

Juntamente com a piromania, a tricotilomania , o jogo e muitos outros distúrbios, o distúrbio explosivo intermitente faz parte do que é conhecido no manual de diagnóstico do DSM-V como distúrbios do controle de impulsos. Em resumo, caracteriza-se por se expressar através de explosões repentinas e relativamente breves de violência , desencadeadas por situações minimamente frustrantes ou estressantes, e que não podem ser explicadas pelo uso de substâncias ou ferimentos.

As pessoas com TEI têm um limiar muito baixo de frustração e qualquer inconveniente, por insignificante que possa parecer, faz com que fiquem com raiva repentinamente, mesmo que segundos antes estejam de bom humor e rindo. Durante esses breves episódios de raiva, que geralmente não duram mais de uma hora, a pessoa perde parcial ou totalmente o controle sobre seu comportamento e pode frequentemente agredir física ou verbalmente as pessoas próximas.

Depois que o surto de raiva passa, as pessoas com distúrbios explosivos intermitentes tendem a perceber por si mesmas que o que fizeram foi prejudicial para os outros, e geralmente se sentem culpadas.

Sintomas

Os sintomas do distúrbio explosivo intermitente variam um pouco de acordo com o manual de diagnóstico usado como referência, mas, fundamentalmente, baseiam-se no aparecimento de breves rajadas de raiva, expressas por violência física ou verbal , que são desproporcionais em relação à magnitude da suas causas e levar a uma perda de controle.

Como a fúria aparece sem premeditação, é freqüentemente expressa pela interrupção de um humor positivo, e a violência não tem um propósito instrumental. A pessoa que apresenta os sintomas do distúrbio explosivo intermitente não aspira a atingir objetivos por meio de agressões, mas sim o resultado de seu humor alterado, que não pode ser atribuído ao uso de substâncias ou à existência de outros distúrbios. ou partes do seu sistema nervoso deformadas ou danificadas.

Assim, as pessoas com TEI podem se enfurecer em questão de segundos, interpretando que alguém está assistindo demais ou vendo que um produto que eles pediram em uma loja foi usado, ou quebrando um objeto sem querer. Os surtos de raiva pode ocorrer em situações muito diferentes, mas eles todos têm uma coisa em comum: eles não seriam objecto de intensa raiva para a grande maioria da população.

Relacionado:  Os 5 melhores psicólogos em Cártama

Como em todos os distúrbios, apenas certos profissionais de saúde mental podem diagnosticar distúrbios explosivos intermitentes, quase sempre usando um manual do DSM.

Outros distúrbios semelhantes

O TEI está intimamente relacionado ao transtorno bipolar , que é considerado um estágio inicial. No transtorno bipolar, momentos de mania e euforia podem assemelhar-se à explosão de emoções intensas que ocorrem no distúrbio explosivo intermitente.

No entanto, a diferença entre os dois tipos de alterações é basicamente que, no distúrbio explosivo intermitente, as explosões de fúria podem aparecer a qualquer momento , enquanto no transtorno bipolar elas estão ligadas aos episódios de mania ou depressão, momentos em que que o humor já estava alterado antes.

No que se refere ao transtorno de personalidade antissocial , em que também são comuns os surtos de violência, nesses casos cumpre uma função instrumental, de forma que um objetivo específico possa ser identificado, enquanto no TEI não há objetivo claro além de expressar comportamentalmente o estado de agitação e frustração em que a pessoa está.

Tratamento de distúrbio explosivo intermitente

Como é um distúrbio mental que não pode ser vinculado a drogas ou lesões, mas tem a ver com a maneira como as redes de neurônios interagem entre si e com estímulos ambientais, o TEI não pode estar tentando intervir em um único fator. especificamente , como se estivesse curando uma ferida. Portanto, nesses casos, a intervenção geralmente é uma combinação de terapia cognitivo-comportamental e administração de drogas psicotrópicas (geralmente estabilizadores de humor e / ou antidepressivos).

A psicoterapia geralmente é muito útil para saber como reconhecer as primeiras manifestações de surtos de raiva, executar planos para aumentar o nível de controle sobre o comportamento e impedir que outros sejam prejudicados, e desenvolver estratégias de enfrentamento contra sentimentos de culpa e sentimento de tristeza . Dessa forma, os pacientes aprendem a seguir certos protocolos quando começam a perceber os primeiros sintomas de uma crise induzida por distúrbios explosivos intermitentes e aprendem a regular seu comportamento e idéias sobre o que está acontecendo, para reduzir tanto o desconforto. neles como nos outros.

Referências bibliográficas:

  • Beck, AT e Freeman, A. (1995).Terapia cognitiva de transtornos de personalidade. Barcelona: Paidós.
  • Goodman, HH (Ed.).(1987). Psiquiatria Geral México: O Manual Moderno. (Orig. 1984).
  • Jaspers, K. (1946/1993). Psicopatologia Geral México: FCE.

Deixe um comentário