10 exemplos de ligações covalentes não polares

As ligações covalentes não polares são aquelas em que os átomos compartilham seus elétrons de forma igual, resultando em uma distribuição uniforme de carga. Nesse tipo de ligação, a diferença de eletronegatividade entre os átomos envolvidos é muito pequena ou inexistente. Abaixo estão listados 10 exemplos de compostos que apresentam ligações covalentes não polares, sendo importantes tanto na química orgânica quanto na inorgânica.

Entenda a ligação covalente não polar: conceito e características principais em química orgânica.

As ligações covalentes não polares são um tipo de ligação química em que os elétrons são compartilhados igualmente entre os átomos envolvidos. Isso ocorre quando os átomos têm eletronegatividades semelhantes, resultando em uma distribuição uniforme de carga ao longo da molécula. Na química orgânica, essas ligações desempenham um papel fundamental na formação de compostos orgânicos estáveis e importantes para a vida.

As principais características das ligações covalentes não polares incluem a compartilha de elétrons de forma igualitária entre os átomos, a formação de moléculas simétricas e a ausência de dipolos elétricos. Isso significa que não há separação de cargas ao longo da molécula, tornando-a eletricamente neutra.

A seguir, apresentamos 10 exemplos de ligações covalentes não polares:

  1. Ligação C-C: presente em compostos como o metano (CH4), em que os átomos de carbono compartilham igualmente os elétrons.
  2. Ligação C-H: encontrada em moléculas como o etano (C2H6), em que o carbono e o hidrogênio compartilham seus elétrons de forma não polar.
  3. Ligação O=O: presente na molécula de oxigênio molecular (O2), em que os átomos de oxigênio compartilham os elétrons de maneira igualitária.
  4. Ligação N-N: encontrada no nitrogênio molecular (N2), em que os átomos de nitrogênio compartilham os elétrons de forma não polar.
  5. Ligação S-S: presente em compostos como o dissulfeto de carbono (CS2), em que os átomos de enxofre compartilham seus elétrons de maneira igualitária.
  6. Ligação H-H: encontrada no hidrogênio molecular (H2), em que os átomos de hidrogênio compartilham os elétrons de forma não polar.
  7. Ligação F-F: presente na molécula de flúor molecular (F2), em que os átomos de flúor compartilham os elétrons de maneira igualitária.
  8. Ligação Cl-Cl: encontrada no cloro molecular (Cl2), em que os átomos de cloro compartilham os elétrons de forma não polar.
  9. Ligação Br-Br: presente na molécula de bromo molecular (Br2), em que os átomos de bromo compartilham os elétrons de maneira igualitária.
  10. Ligação I-I: encontrada no iodo molecular (I2), em que os átomos de iodo compartilham os elétrons de forma não polar.

Esses exemplos ilustram a natureza simétrica e neutra das ligações covalentes não polares, fundamentais para a estabilidade e funcionamento de muitos compostos orgânicos. É importante compreender essas ligações para entender os princípios básicos da química orgânica e suas aplicações na vida cotidiana.

Descubra os 4 tipos de ligação covalente neste breve guia educativo.

As ligações covalentes são formadas quando dois átomos compartilham elétrons para alcançar estabilidade. Existem quatro tipos de ligações covalentes: simples, dupla, tripla e coordenada.

A ligação covalente simples ocorre quando dois átomos compartilham um par de elétrons. Um exemplo disso é a molécula de água, onde o oxigênio compartilha elétrons com dois átomos de hidrogênio.

A ligação covalente dupla ocorre quando dois átomos compartilham dois pares de elétrons. Um exemplo disso é a molécula de oxigênio, onde dois átomos de oxigênio compartilham dois pares de elétrons.

A ligação covalente tripla ocorre quando dois átomos compartilham três pares de elétrons. Um exemplo disso é a molécula de nitrogênio, onde dois átomos de nitrogênio compartilham três pares de elétrons.

Relacionado:  Soluto: Recursos e exemplos

A ligação covalente coordenada ocorre quando um átomo fornece ambos os elétrons compartilhados. Um exemplo disso é a formação do íon amônio, NH4+, onde o átomo de nitrogênio fornece os quatro elétrons compartilhados.

Agora, vamos apresentar 10 exemplos de ligações covalentes não polares:

1. Molécula de oxigênio (O2)
2. Molécula de gás nitrogênio (N2)
3. Molécula de hidrogênio (H2)
4. Molécula de flúor (F2)
5. Molécula de cloro (Cl2)
6. Molécula de bromo (Br2)
7. Molécula de iodo (I2)
8. Molécula de monóxido de carbono (CO)
9. Molécula de dióxido de carbono (CO2)
10. Molécula de metano (CH4)

Esses são apenas alguns exemplos de ligações covalentes não polares, onde os átomos compartilham elétrons de forma igual para formar moléculas estáveis.

Exemplos de ligações covalentes apolares: entenda como ocorrem e suas características principais.

As ligações covalentes apolares ocorrem quando dois átomos compartilham pares de elétrons de forma igual, resultando em uma ligação onde não há diferença de eletronegatividade significativa entre os átomos envolvidos. Isso faz com que a distribuição de carga na molécula seja uniforme e, portanto, não há formação de polos elétricos.

Um exemplo clássico de ligação covalente apolar é a ligação entre dois átomos de hidrogênio (H2). Nesse caso, os átomos compartilham um par de elétrons de forma igual, resultando em uma molécula estável e sem carga líquida. Outro exemplo comum é a ligação entre dois átomos de oxigênio (O2), onde os átomos compartilham dois pares de elétrons.

Além disso, outras moléculas como o nitrogênio (N2), o cloro (Cl2) e o flúor (F2) também apresentam ligações covalentes apolares, onde os átomos compartilham pares de elétrons de forma igual.

É importante ressaltar que as ligações covalentes apolares são essenciais para a formação de moléculas estáveis, como é o caso das substâncias mencionadas acima. Essas ligações são fundamentais para manter a integridade das moléculas e garantir a estabilidade do composto.

Em resumo, as ligações covalentes apolares ocorrem quando há compartilhamento igualitário de elétrons entre os átomos envolvidos, resultando em moléculas estáveis e sem carga líquida. Essas ligações são fundamentais para a formação de diversas substâncias químicas essenciais para a vida.

Tipos de conexões não covalentes: conheça as diferentes interações moleculares presentes na natureza.

Existem diferentes tipos de conexões não covalentes que ocorrem na natureza, permitindo a interação entre moléculas. Essas interações são fundamentais para diversas funções biológicas e químicas. Entre os principais tipos de ligações não covalentes estão as ligações iônicas, pontes de hidrogênio, interações dipolo-dipolo e forças de dispersão de London.

As ligações iônicas ocorrem quando átomos de diferentes elementos com eletronegatividades muito diferentes interagem, resultando na transferência de elétrons. Um exemplo comum é a ligação entre sódio e cloro, formando o sal (NaCl).

As pontes de hidrogênio são interações entre moléculas que possuem hidrogênio ligado a átomos altamente eletronegativos, como oxigênio, nitrogênio ou flúor. Um exemplo é a ligação entre as moléculas de água.

As interações dipolo-dipolo ocorrem entre moléculas que possuem dipolos permanentes, ou seja, regiões de cargas positivas e negativas. Um exemplo é a interação entre moléculas de cloreto de hidrogênio (HCl).

As forças de dispersão de London são interações temporárias que ocorrem entre todas as moléculas, independentemente de serem polares ou apolares. Essas forças são responsáveis pela formação de substâncias como o mercúrio, que é líquido à temperatura ambiente.

Agora, vamos apresentar 10 exemplos de ligações covalentes não polares:

Relacionado:  O que são as tríades Döbereiner?

1. Hidrogênio (H2): as moléculas de hidrogênio são formadas por dois átomos de hidrogênio que compartilham uma ligação covalente não polar.

2. Oxigênio (O2): o oxigênio molecular é formado por duas moléculas de oxigênio ligadas por uma ligação covalente não polar.

3. Nitrogênio (N2): as moléculas de nitrogênio são compostas por dois átomos de nitrogênio unidos por uma ligação covalente não polar.

4. Metano (CH4): o metano é formado por um átomo de carbono e quatro átomos de hidrogênio ligados por ligações covalentes não polares.

5. Dióxido de carbono (CO2): o dióxido de carbono é composto por um átomo de carbono e dois átomos de oxigênio ligados por ligações covalentes não polares.

6. Benzeno (C6H6): o benzeno é uma molécula composta por seis átomos de carbono e seis átomos de hidrogênio ligados por ligações covalentes não polares.

7. Metanol (CH3OH): o metanol é formado por um átomo de carbono, três átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio ligados por ligações covalentes não polares.

8. Etileno (C2H4): o etileno é composto por dois átomos de carbono e quatro átomos de hidrogênio ligados por ligações covalentes não polares.

9. Propano (C3H8): o propano é uma molécula formada por três átomos de carbono e oito átomos de hidrogênio ligados por ligações covalentes não polares.

10. Ácido fórmico (HCOOH): o ácido fórmico é composto por um átomo de carbono, um átomo de oxigênio, dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio ligados por ligações covalentes não polares.

Esses são apenas alguns exemplos de ligações covalentes não polares que ocorrem na natureza, demonstrando a diversidade e importância dessas interações moleculares para a química e a biologia.

10 exemplos de ligações covalentes não polares

Os exemplos de ligações covalentes não polares incluem dióxido de carbono, etano e hidrogénio. As ligações covalentes são um tipo de ligação que se forma entre átomos, preenchendo sua última camada de valência e formando ligações altamente estáveis.

Em uma ligação covalente, é necessário que a eletronegatividade entre a natureza dos átomos não seja muito grande, pois, se isso ocorrer, uma ligação iônica seria formada.

10 exemplos de ligações covalentes não polares 1

Por esse motivo, ligações covalentes ocorrem entre átomos de natureza não metálica, uma vez que um metal com um não metal terá uma diferença elétrica notavelmente grande e uma ligação iônica ocorrerá.

Tipos de ligações covalentes

Foi dito que é necessário que não haja eletronegatividade significativa entre um átomo e outro, mas existem átomos que têm uma carga leve e que alteram a maneira pela qual as ligações são distribuídas.

As ligações covalentes podem ser divididas em dois tipos: polares e não polares.

Polar

As ligações polares se referem às moléculas cuja carga é distribuída em dois pólos, positivo e negativo.

Não polar

Ligações não polares são aquelas nas quais as moléculas têm suas cargas distribuídas igualmente; isto é, dois átomos iguais são unidos, com a mesma eletronegatividade. Isso implica que o momento dielétrico é igual a zero.

Os 10 exemplos de ligações covalentes não polares

1- Etano

Em geral, ligações simples de hidrocarbonetos são o melhor exemplo para representar ligações covalentes não polares.

Sua estrutura é formada por dois átomos de carbono com três hidrogênios acompanhados em cada um.

O carbono tem uma ligação covalente com o outro carbono. Devido à falta de eletronegatividade entre estes, resulta uma ligação não polar.

2- Dióxido de carbono

O dióxido de carbono (CO2) é um dos gases mais abundantes na Terra devido à produção humana.

Relacionado:  Piperidina: estrutura, síntese, derivados, reações

Isso é estruturalmente conformado com um átomo de carbono no meio e dois átomos de oxigênio nos lados; Cada um deles faz uma ligação dupla com o átomo de carbono.

A distribuição de cargas e pesos é a mesma, portanto, um arranjo linear é formado e o momento das cargas é igual a zero.

3- Hidrogênio

O hidrogênio em sua forma gasosa é encontrado na natureza como um elo entre dois átomos de hidrogênio.

O hidrogênio é a exceção à regra do octeto devido à sua massa atômica, que é a mais baixa. A ligação é formada apenas na forma: HH.

4- Etileno

O etileno é um hidrocarboneto semelhante ao etano, mas, em vez de ter três hidrogênios ligados a cada carbono, possui dois.

Para preencher os elétrons de valência, uma ligação dupla é formada entre cada carbono. O etileno tem diferentes aplicações industriais, principalmente na indústria automobilística.

5- Tolueno

O tolueno é composto por um anel aromático e uma cadeia CH3.

Embora o anel represente uma massa muito grande em relação à cadeia CH3, uma ligação covalente não polar é formada devido à falta de eletronegatividade.

6- Tetracloreto de carbono

O tetracloreto de carbono (CCl4) é uma molécula com um átomo de carbono no centro e quatro cloro em cada direção do espaço.

Embora o cloro seja um composto altamente negativo, estar em todas as direções torna o momento dipolar igual a zero, portanto é um composto não polar.

7- Isobutano

O isobutano é um hidrocarboneto altamente ramificado, mas devido à configuração eletrônica nas ligações de carbono, existe uma ligação não polar.

8- Hexano

Hexano é um arranjo geométrico na forma de um hexágono. Possui ligações de carbono e hidrogênio e seu momento dipolar é zero.

9- Ciclopentano

Como o hexano, é um arranjo geométrico na forma de um pentágono, é fechado e seu momento dipolar é igual a zero.

10- Nitrogênio

O nitrogênio é um dos compostos mais abundantes na atmosfera, com aproximadamente 70% de composição no ar.

É apresentada na forma de uma molécula de nitrogênio com uma igual, formando uma ligação covalente que, tendo a mesma carga, é não polar.

Referências

  1. Chakhalian, J., Freeland, JW, Habermeier, H. -., Cristiani, G., Khaliullin, G., Veenendaal, M. v., & Keimer, B. (2007). Reconstrução orbital e ligação covalente na interface óxido. Science, 318 (5853), 1114-1117. doi: 10.1126 / science.1149338
  2. Bagus, P., Nelin, C., Hrovat, D., & Ilton, E. (2017). Ligação covalente em óxidos de metais pesados. Journal of Chemical Physics, 146 (13) doi: 10,1063 / 1,4979018
  3. Chen, B., Ivanov, I., Klein, ML, & Parrinello, M. (2003). Ligação de hidrogênio na água. Physical Review Letters, 91 (21), 215503/4. doi: 10.1103 / PhysRevLett. 91.215503
  4. M, DP, SANTAMARÍA, A., EDDINGS, EG, & MONDRAGÓN, F. (2007). efeito da adição de etano e hidrogênio na química do material precursor de hollin gerado na chama de difusão reversa do etileno. Energia, (38)
  5. Mulligan, JP (2010).Emissões de dióxido de carbono . Nova York: Nova Science Publishers.
  6. Quesnel, JS, Kayser, LV, Fabrikant, A. e Arndtsen, BA (2015). Síntese de cloretos ácidos pela clorocarbonilação catalisada por paládio de brometos de arila. Chemistry – A European Journal, 21 (26), 9550-9555. doi: 10.1002 / quimico 201500476
  7. Castaño, M., Molina, R. e Moreno, S. (2013). OXIDAÇÃO CATALÍTICA DE TOLUENO E 2-PROPANOL EM ÓXIDOS MISTURADOS DE mn yCo OBTIDOS POR COPRECIPITAÇÃO. Revista Colombiana de Química, 42 (1), 38.
  8. Luttrell, WE (2015). nitrogênio Jornal de Saúde e Segurança Química, 22 (2), 32-34. doi: 10.1016 / j.jchas. 2015.01.013

Deixe um comentário