28 Pensamentos de Simón Rodríguez Inspiradores

Trago-lhe 28 pensamentos de Simón Rodríguez (Simón Narciso de Jesus Carreño Rodríguez) ou Samuel Robinson, como ele era conhecido no exílio.Ele é o pai das idéias de independência e liberdade na América, desde que ele foi professor de Simón Bolívar; a quem ele incutiu uma educação geral baseada em idéias de igualdade e independência para os cidadãos e o continente.

Seu treinamento é baseado na admiração de autores como: Montesquieu, Rousseau, Voltaire, Locke e Saint-Simon. Ele rejeitou todos os tipos de dominação monárquica; sua influência intelectual foi decisiva para iniciar as guerras de independência e criar um continente republicano e independente.

28 Pensamentos de Simón Rodríguez Inspiradores 1

1 – Não é um sonho ou delírio, mas a filosofia ou o local onde isso é feito será imaginário, como o que o ministro das Relações Exteriores Tomás Moro imaginou; s ou utopia será de fato a América.

2- Onde vamos procurar modelos?A América espanhola é original.O original deve ser suas instituições e seu governo e originais para se fundarem.Ou nós inventamos ou erramos.

3- Adquirir luzes sociais significa retificar idéias instiladas ou malformadas.lidando com a realidade em uma conjugação inseparável de Pense e aja sob o conhecimento dos princípios de independência e generalização absoluta.

virtudes sociais 4 Adquirir meios moderados com auto – amor, uma conjugação inseparável do sentimento e pensamento, no terreno moral elevado “Pense em tudo por tudo para que tudo que você pensa” perseguindo simultaneamente o benefício de toda a sociedade e de cada indivíduo.

5 – O professor das crianças deve ser sábio, esclarecido, filósofo e comunicativo, porque seu trabalho é treinar homens para a sociedade.

6 – A ignorância é a causa de todos os males que o homem faz e faz aos outros; e isso é inevitável, porque a moniciência não se encaixa em um homem: ela pode se encaixar, em certa medida, em uma sociedade (pelo maior e pelo menos um se diferencia do outro). Um homem não é culpado porque ignora – pouco é o que ele pode saber – mas ele será se ele estiver encarregado de fazer o que não sabe.

7- A etapa colonial espanhola, impôs sua cultura, sua religião, suas leis, produziu a cultura da dominação, da exploração da exclusão social, na América de língua espanhola.

8- Na Europa há transformações político-econômicas, o estágio socioeconômico feudal, a era do capitalismo, as primeiras indústrias, a formação da burguesia nacional, a acumulação de capital, a ciência como computador da vida terrena e da religião como um computador do espiritual.

9- Acostume a criança a ser sincera, fiel, prestativa, contida, benéfica, grata, consistente, generosa, gentil, diligente, cuidadosa, arrumada; Respeitar a reputação e cumprir o que promete. E deixe as habilidades às suas custas; Ele saberá como procurar professores quando jovem.

Relacionado:  Ética profissional: características, importância, código, exemplos

10- O título de professor não deve ser dado, exceto quem sabe ensinar, este é quem ensina a aprender; não para quem ordena aprender ou indica o que deve ser aprendido, nem para quem aconselha a aprender. O professor que sabe dar as primeiras instruções continua a ensinar praticamente tudo o que é aprendido mais tarde, porque ele ensinou a aprender.

11- Somente na esperança de fazer as pessoas pensarem na educação das pessoas, a educação geral pode ser defendida. E deve ser defendido por isso; porque chegou a hora de ensinar as pessoas a viver, para que possam fazer bem o que têm de fazer de errado.

12- O homem não é ignorante porque é pobre, mas o contrário.

13- Instruir não é educar; nem a instrução pode ser equivalente à educação, mesmo que a instrução seja educada.

14- Ensine, e eles terão quem sabe; Eduque e você terá quem o fizer.

15- Ensine as crianças a fazerem perguntas, de modo que, perguntando o motivo do que são instruídas a fazer; acostume-se a obedecer à razão, não à autoridade como limitada, e não como estúpida.

16- Ensinar é fazer entender; é usar o entendimento; Não faça a memória funcionar.

17- Ninguém faz o que não conhece bem; portanto, a República nunca será feita com pessoas ignorantes, qualquer que seja o plano adotado.

18- A força de trabalho fundamental é a dos escravos e índios, que ajudaram no trabalho agrícola, na construção de fortes, cidades, igrejas e vilas.

19- Um homem não é culpado porque ignora (pouco o que se sabe), mas ele será, se estiver encarregado de saber o que não sabe.

20- As luzes adquiridas na arte de viver revelam que as sociedades podem existir sem reis e sem congressos.

21- Cabe aos professores que as crianças saibam o valor do trabalho, para que saibam apreciar o valor das coisas.

22- Não há interesse em que o final da ação não tenha sido encontrado. O que não é sentido não é entendido, e o que não é entendido não interessa. Chamar, capturar e fixar atenção são as três partes da arte de ensinar. E nem todos os professores se destacam nos três.

23- Nas colônias americanas, a Espanha estabelece uma economia extrativa de pedras preciosas, espécies e alimentos. Há uma economia de portos.

24- Os filósofos da Europa, convencidos da inutilidade de sua doutrina. No mundo antigo, eles desejam poder voar para o novo …

25- Na América do Sul as repúblicas são estabelecidas, mas não fundadas.

26- Para quem não sabe, alguém o engana. Para quem não tem, alguém compra.

27 – Para usufruir dos bens da liberdade, a imprensa não deve ter outros limites que não os impostos pelo respeito à sociedade devida.

Referências

  1. Nós inventamos ou erramos (2004) Simón Rodríguez. Biblioteca básica de autores venezuelanos. Mote Ávila Editores. Venezuela
  2. Pensamento e ação (2015) Simón Rodríguez. Recuperado de: aimaboffil.wordpress.com.
  3. Puiggros, A (2005) De Simón Rodríguez a Paulo Freire: educação para a integração latino-americana. Editorial: Edições Colihue.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies