6 tipos de psicoterapia com pouca ou nenhuma eficácia comprovada

A psicoterapia é uma forma de tratamento que visa promover a saúde mental e o bem-estar emocional dos pacientes. No entanto, nem todas as abordagens terapêuticas têm eficácia comprovada pela ciência. Existem diversos tipos de psicoterapia que apresentam pouca ou nenhuma evidência de sua eficácia, podendo não trazer os resultados desejados aos pacientes. Neste artigo, iremos explorar seis dessas abordagens terapêuticas que carecem de respaldo científico.

Conheça os diferentes tipos de psicoterapia disponíveis atualmente para tratamento de problemas emocionais.

Existem diversos tipos de psicoterapia disponíveis atualmente para o tratamento de problemas emocionais, no entanto, nem todas demonstraram eficácia comprovada. Alguns desses métodos podem até mesmo ser prejudiciais para os pacientes. É importante estar ciente dos diferentes tipos de psicoterapia e escolher aqueles que são respaldados por evidências científicas.

Entre os tipos de psicoterapia com pouca ou nenhuma eficácia comprovada, destacam-se a terapia da aura, a terapia do riso e a terapia da regressão a vidas passadas. Estas abordagens podem não apenas ser ineficazes, mas também representar um desperdício de tempo e recursos para quem busca ajuda para problemas emocionais.

Além disso, a terapia do abraço e a terapia dos cristais também estão entre os métodos que carecem de evidências científicas sólidas para respaldar sua eficácia. É fundamental que os pacientes estejam cientes dos riscos associados a essas práticas e busquem tratamentos que tenham base científica e sejam recomendados por profissionais qualificados.

Portanto, ao procurar por psicoterapia para tratar problemas emocionais, é essencial buscar por abordagens comprovadamente eficazes, como a terapia cognitivo-comportamental, a terapia psicodinâmica e a terapia de grupo. Estas são opções respaldadas por pesquisas científicas e recomendadas por especialistas na área da saúde mental.

Conheça as terapias psicológicas com fundamentação científica mais eficazes atualmente.

Atualmente, existem diversas terapias psicológicas com fundamentação científica que têm se mostrado eficazes no tratamento de diversos transtornos mentais. Entre as mais reconhecidas estão a Terapia Cognitivo-Comportamental, a Terapia Comportamental Dialética e a Terapia de Aceitação e Compromisso. Estas abordagens têm sido amplamente estudadas e comprovadas como eficazes para ajudar as pessoas a lidar com seus problemas emocionais e comportamentais.

No entanto, é importante ressaltar que nem todas as terapias psicológicas têm a mesma eficácia comprovada. Algumas abordagens, como a Terapia do Grito Primal e a Terapia da Areia, possuem pouca ou nenhuma evidência científica que comprove sua eficácia. Além disso, terapias alternativas como a Terapia com Cristais e a Terapia de Vidas Passadas também carecem de embasamento científico sólido.

Portanto, é essencial que as pessoas busquem por terapias psicológicas com fundamentação científica comprovada, a fim de garantir um tratamento eficaz e seguro para os seus problemas emocionais. Optar por abordagens reconhecidas e estudadas, como a Terapia Cognitivo-Comportamental e a Terapia de Aceitação e Compromisso, pode fazer toda a diferença no processo de recuperação.

Qual é a terapia mais eficaz para tratamento psicológico?

Existem muitos tipos de psicoterapia disponíveis, mas nem todos têm eficácia comprovada. Alguns tipos de terapia podem até ter resultados prejudiciais. É importante estar ciente disso ao escolher a melhor abordagem para o tratamento psicológico.

Um dos tipos de terapia mais eficazes e amplamente reconhecidos é a terapia cognitivo-comportamental (TCC). Esta abordagem visa identificar e modificar padrões de pensamentos distorcidos e comportamentos prejudiciais. Estudos mostraram consistentemente sua eficácia no tratamento de uma variedade de transtornos, como ansiedade, depressão e transtornos alimentares.

Por outro lado, existem algumas formas de terapia que têm pouca ou nenhuma eficácia comprovada. Por exemplo, a terapia de reminiscência e a terapia de regressão têm sido criticadas por falta de evidências sólidas que apoiem sua eficácia no tratamento de transtornos psicológicos.

Relacionado:  Perdão: devo ou não perdoar aqueles que me machucam?

Outra terapia que tem sido questionada é a terapia de constelação familiar, que envolve representar membros da família em um grupo. Embora possa ser útil para algumas pessoas em termos de insight e resolução de conflitos familiares, sua eficácia no tratamento de transtornos psicológicos ainda não foi comprovada.

É importante estar atento às evidências científicas ao escolher um tipo de terapia para o tratamento psicológico. A terapia cognitivo-comportamental continua sendo uma das abordagens mais eficazes e recomendadas por profissionais de saúde mental.

Quantas abordagens terapêuticas diferentes são oferecidas atualmente na área da psicologia clínica?

Atualmente, na área da psicologia clínica, existem diversas abordagens terapêuticas disponíveis para ajudar indivíduos a lidar com seus problemas emocionais e mentais. No entanto, nem todas essas abordagens são igualmente eficazes. Algumas psicoterapias têm sido alvo de críticas e questionamentos sobre sua eficácia, com poucas ou nenhuma evidência científica que comprove seus resultados.

6 Tipos de Psicoterapia com Pouca ou Nenhuma Eficácia Comprovada

1. Terapia de Grito: Esta abordagem terapêutica baseia-se na ideia de que expressar emoções através de gritos pode liberar a tensão emocional. No entanto, estudos mostram que os benefícios são apenas temporários e não duram a longo prazo.

2. Terapia de Dança: Alguns terapeutas acreditam que a dança pode ajudar os pacientes a se conectarem com suas emoções de forma mais profunda. No entanto, a eficácia dessa abordagem ainda é questionável e carece de evidências sólidas.

3. Terapia de Cristais: Esta forma de terapia envolve a utilização de cristais para equilibrar as energias do corpo e da mente. Apesar de sua popularidade, não há evidências científicas que comprovem sua eficácia no tratamento de problemas psicológicos.

4. Terapia do Abraço: Alguns terapeutas acreditam que o contato físico, como abraços, pode promover a cura emocional. No entanto, essa abordagem não possui respaldo científico e pode até mesmo causar desconforto aos pacientes.

5. Terapia de Regressão: Esta técnica visa acessar memórias reprimidas do passado para resolver traumas e conflitos emocionais. No entanto, não há evidências sólidas que suportem a eficácia dessa prática, e ela pode até mesmo levar a falsas memórias.

6. Terapia de Som: Alguns terapeutas utilizam sons e músicas para induzir estados de relaxamento e cura. Apesar de ser uma prática comum, a eficácia da terapia de som no tratamento de problemas psicológicos ainda não foi comprovada cientificamente.

A psicologia clínica avança constantemente, e é essencial buscar tratamentos que realmente tragam benefícios duradouros aos pacientes.

6 tipos de psicoterapia com pouca ou nenhuma eficácia comprovada

6 tipos de psicoterapia com pouca ou nenhuma eficácia comprovada 1

O mundo das psicoterapias e abordagens terapêuticas dos problemas psicológicos contém uma ampla variedade de propostas. Alguns deles provaram ser muito eficazes, mas outros existem mais como tradição ou como forma de expressar uma filosofia de vida do que como soluções que oferecerão resultados garantidos.

Por isso, é bom conhecer as terapias psicológicas com eficácia mais demonstrada e aquelas cuja utilidade clínica é mais questionada. A seguir, veremos os segundos: psicoterapias com pouca ou nenhuma eficácia comprovada .

Terapias psicológicas com pouca validade científica

Lembre-se de que o fato de essas terapias não serem bem apoiadas cientificamente não significa que elas não possam ser experiências agradáveis ​​ou motivadoras para algumas pessoas.

Esse fato é o que leva alguns pacientes a acreditar que se sentir bem nas sessões é indicativo dos avanços terapêuticos que são feitos, mas não é. A psicoterapia tem um objetivo definido pelo escopo de intervenção a que pertence: psicologia clínica e de saúde e, portanto, seus efeitos devem ser observados na maneira como são expressos distúrbios e problemas de um tipo psicológico em geral.

Dito isto, vamos ver alguns tipos de psicoterapia que têm menos validade empírica do que costumam aparecer . Essas terapias não parecem ordenadas de uma certa maneira.

1. Terapia de regressão

A terapia de regressão nasceu no século 19 com as teorias do neurologista francês Pierre Janet , uma figura que teve muita influência em Sigmund Freud . É por isso que se enquadra nas formas de terapia ligadas à psicanálise e à corrente psicodinâmica em geral.

Como a psicanálise freudiana, a terapia de regressão enfatiza muito a importância que as experiências passadas têm no estado mental do presente. No entanto, isso é caracterizado pela ideia de que aquelas memórias que foram armazenadas na memória e que condicionam o que a pessoa é aqui e agora são, de fato, falsas, distorções do que realmente aconteceu. .

O fenômeno da modificação espontânea das memórias é algo que as neurociências e as ciências cognitivas vêm checando há muito tempo e, no entanto, a partir da teoria na qual a terapia de regressão se baseia, supõe-se que essa deformação das memórias seja Deve aos conflitos do inconsciente .

Atualmente, não existem investigações ou metanálises abrangentes que demonstrem a eficácia da terapia de regressão.

2. Terapia Psicanalítica

Esse tipo de terapia tem sua origem nas idéias iniciais de Sigmund Freud e baseia-se na análise de conflitos inconscientes que se originam na infância, de acordo com as idéias desse neurologista. A terapia psicanalítica se concentra na busca pela compreensão dos impulsos instintivos que, segundo a teoria freudiana, são reprimidos pela consciência e armazenados no subconsciente que afeta o paciente.

O terapeuta psicanalista utiliza técnicas como a associação livre, com a qual tenta ajudar o paciente a expressar suas cognições (pensamentos, idéias, imagens) e emoções sem qualquer repressão, o que levaria o paciente à catarse emocional. Atualmente, essa forma de psicoterapia é usada cada vez menos na Europa, mas em alguns países, como a Argentina, ainda é muito popular.

Atualmente, considera-se que a psicanálise não possui evidências sólidas sobre sua eficácia , entre outras coisas pelas mesmas razões que vieram ao filósofo Karl Popper para criticar essa abordagem: se as sessões não produzem o efeito esperado, você sempre pode recorrer aos enganos do inconsciente do cliente.

No entanto, o impacto social que a psicanálise teve foi tal que foi reivindicado fora do campo da saúde como uma ferramenta para interpretar histórias, formas artísticas de expressão e fenômenos sociais em geral. Por exemplo, teve um grande impacto no feminismo radical.

Você pode aprofundar essa teoria terapêutica em nosso artigo: ” Sigmund Freud: vida e obra do famoso psicanalista “

3. Terapia Psicodinâmica

A terapia psicodinâmica deriva da psicanálise, mas deixa para trás a visão clássica. Ele se concentra em uma maior brevidade terapêutica e se concentra nos conflitos mais importantes da condição atual do paciente. Com o intuito de deixar para trás a abordagem psicanalítica clássica, ela inclui aspectos da abordagem analítica do eu ou das relações objetais da corrente kleiniana.

Alguns psicólogos, como Alfred Adler ou Ackerman, participaram do desenvolvimento dessa forma de terapia e, apesar das mudanças, o objetivo ainda é ajudar o paciente a obter informações sobre seus conflitos ocultos.

Existem várias diferenças entre terapia psicodinâmica e terapia psicanalítica. A terapia psicodinâmica é caracterizada por:

  • Faça sessões mais curtas: uma ou duas sessões semanais. Na terapia psicanalítica, existem três ou quatro.
  • Um papel ativo e direto do terapeuta.
  • O terapeuta aconselha e reforça não apenas em aspectos conflitantes, mas também naqueles que não o são.
  • Use uma variedade maior de técnicas: interpretativas, solidárias, educacionais …
Relacionado:  Sadismo sexual: sintomas e características desta parafilia

Como na terapia tradicional baseada na psicanálise, essa abordagem também não possui evidências empíricas suficientes para indicar sua utilidade clínica.

4. Terapia Humanista

A terapia humanista surgiu em meados do século XX e é influenciada pela fenomenologia e pelo existencialismo . Seus principais expoentes são Abraham Maslow e Carl Rogers, e ele adota uma abordagem holística da existência humana e presta atenção especial a fenômenos como criatividade, livre arbítrio e potencial humano. É apresentado como uma ferramenta que incentiva a auto-exploração e visualização de si mesmo como uma pessoa inteira.

Enquanto Abraham Maslow enfatiza uma hierarquia de necessidades e motivações, Carl Rogers foi quem criou a abordagem centrada na pessoa , mais focada na psicoterapia. Na terapia humanística, o terapeuta adota um papel ativo e tenta facilitar ao paciente (que é chamado de cliente) tomar consciência da real experiência e reestruturação de si mesmo, através do estabelecimento de uma sólida aliança terapêutica.

A terapia humanística tem sido usada para tratar uma ampla gama de problemas de saúde mental , incluindo depressão, ansiedade, problemas de relacionamento, distúrbios de personalidade e vários vícios. No entanto, não há evidências firmes sobre sua eficácia. No entanto, o pensamento positivo e a aplicação do “senso comum” à terapia levam muitas pessoas a acreditar que ser guiado por princípios vitais positivos e que podemos nos relacionar intuitivamente com a idéia de felicidade equivale a seguir uma terapia realmente eficaz.

  • Você pode estar interessado: ” Pirâmide de Maslow: a hierarquia das necessidades humanas “

5. Gestalt Therapy

A terapia da Gestalt se desenvolve sob a influência da filosofia humanista, mas, diferentemente da terapia de Carl Rogers, seu foco está nos pensamentos e sentimentos do aqui e agora, na autoconsciência. Os criadores deste modelo terapêutico são Fritz Perls e Laura Perls.

A terapia da gestalt é um tipo de terapia holística que entende que a mente é uma unidade auto-reguladora. Os terapeutas da Gestalt empregam técnicas experienciais e experimentais para tentar melhorar a autoconsciência, a liberdade e a autodireção do paciente. No entanto, nada tem a ver com a psicologia da Gestalt , surgida antes das propostas de Perls e focada no estudo científico da percepção e cognição.

Infelizmente, essa abordagem se baseia mais em princípios éticos e idéias abstratas sobre o que é “a mente” de uma pessoa feliz do que em um modelo cientificamente formulado de como os processos mentais e o comportamento funcionam. Suas propostas são baseadas em idéias intuitivas sobre o que significa “viver no presente” e ganhar consciência sobre o que está acontecendo, de modo que ele foge de qualquer tentativa de provar sua eficácia de maneira relativamente objetiva.

6. Análise Transacional

A análise transacional é um tipo de psicoterapia humanística que, apesar de ter se originado entre os anos 50 e 60, ainda é aplicada hoje. Ele foi batizado como um modelo de psiquiatria social, no qual a unidade de relacionamento social é a transação. É uma forma de terapia apresentada como uma ferramenta muito versátil e pode ser proposta em muitos contextos .

A análise transacional tenta trabalhar diretamente no aqui e agora, enquanto propõe iniciativas para tentar ajudar os pacientes a desenvolver ferramentas do dia-a-dia para encontrar soluções criativas e construtivas para seus problemas. Em teoria, o objetivo final é garantir que os pacientes recuperem autonomia absoluta ao longo de suas vidas, graças ao desenvolvimento de espontaneidade, consciência e intimidade.

No entanto, parte da teoria em que essa terapia se baseia usa conceitos extremamente abstratos ou diretamente esotéricos , portanto, não é de surpreender que sua validade e eficácia científicas tenham se mostrado muito precárias ou praticamente inexistentes.

Deixe um comentário