7 características das colônias na América

As colônias na América foram estabelecidas por diversas potências europeias ao longo dos séculos, resultando em uma grande diversidade de características em cada uma delas. No entanto, há algumas características que são comuns a muitas dessas colônias, como a exploração de recursos naturais, a imposição de autoridade colonial, a presença de populações nativas, o estabelecimento de sistemas de produção agrícola e a introdução de novas culturas e tecnologias. Neste texto, vamos destacar 7 características das colônias na América que ajudam a compreender a complexidade desse período histórico.

Principais características das colônias: o que as diferenciava dos países de origem?

As colônias na América possuíam algumas características distintas que as diferenciavam dos países de origem. Essas características eram essenciais para entender a dinâmica e a estrutura social desses territórios colonizados. Abaixo, listamos 7 características principais das colônias na América.

1. Diversidade étnica e cultural: As colônias na América eram marcadas pela presença de diferentes grupos étnicos e culturais, resultantes do processo de colonização e miscigenação. Essa diversidade era uma das principais marcas das colônias, contrastando com a homogeneidade dos países de origem.

2. Exploração econômica: As colônias na América eram exploradas economicamente pelos países colonizadores, que buscavam extrair recursos naturais e mão de obra barata para enriquecer suas metrópoles. Essa relação de exploração econômica era uma das principais diferenças em relação aos países de origem.

3. Estrutura social hierarquizada: Nas colônias, existia uma estrutura social hierarquizada, onde os colonizadores detinham o poder e os privilégios, enquanto os povos nativos e os escravos eram subjugados e explorados. Essa hierarquia social era uma característica marcante das colônias.

4. Dependência política e administrativa: As colônias na América dependiam politicamente e administrativamente dos países colonizadores, que exerciam controle sobre as decisões e as políticas locais. Essa dependência era uma das principais diferenças em relação aos países de origem, que tinham autonomia política.

5. Intercâmbio cultural: Apesar das diferenças étnicas e culturais, as colônias na América também eram marcadas por um intenso intercâmbio cultural, onde diferentes tradições e costumes se misturavam e se transformavam. Esse processo de intercâmbio cultural era uma característica única das colônias.

6. Conflitos e resistências: Nas colônias, surgiam frequentemente conflitos e resistências por parte dos povos nativos e dos escravos, que lutavam contra a exploração e a opressão dos colonizadores. Esses conflitos eram uma realidade constante nas colônias, diferenciando-se dos países de origem.

7. Desenvolvimento de identidades próprias: Ao longo do tempo, as colônias na América desenvolveram identidades próprias, resultantes da interação entre os diferentes grupos étnicos e culturais e das experiências vividas nesses territórios. Essas identidades únicas eram uma das principais características das colônias, que as diferenciavam dos países de origem.

Características principais da colonização da América: aspectos históricos, culturais e econômicos.

A colonização da América foi um processo complexo que teve impactos significativos na história, cultura e economia da região. Existem sete características principais que definem as colônias na América, cada uma contribuindo para a forma como o continente foi moldado ao longo dos séculos.

Uma das características mais marcantes da colonização da América foi a exploração e conquista de novas terras pelos europeus. A busca por ouro, prata e outros recursos naturais levou os colonizadores a estabelecerem colônias em todo o continente, muitas vezes às custas das populações nativas.

Relacionado:  Juan José Paso: biografia e vida política

Outra característica importante foi a introdução de novas culturas e tecnologias nas colônias. Os europeus trouxeram consigo novas formas de governo, religião e agricultura, que influenciaram profundamente a sociedade e a cultura das populações locais.

Além disso, as colônias na América foram fundamentais para a expansão do comércio global. As rotas comerciais estabelecidas pelos colonizadores ligavam as Américas, Europa, África e Ásia, facilitando o intercâmbio de mercadorias e ideias entre os continentes.

Um aspecto importante da colonização da América foi a formação de sociedades multiculturais e multirraciais. As colônias eram compostas por europeus, africanos, indígenas e pessoas de outras origens, criando uma mistura única de culturas e tradições.

As colônias na América também tiveram um impacto significativo na economia global. A produção em larga escala de produtos como açúcar, tabaco e algodão nas colônias contribuiu para o crescimento do comércio internacional e para o surgimento de novas potências econômicas.

Por fim, as colônias na América foram palco de conflitos e lutas por independência. As tensões entre colonos e metrópoles europeias levaram à eclosão de guerras e revoluções que resultaram na independência de muitos países americanos.

Suas características únicas continuam a influenciar o continente até os dias atuais.

Características principais das 13 colônias americanas durante o período colonial.

Durante o período colonial, as 13 colônias americanas apresentavam características distintas que influenciaram sua história e desenvolvimento. Vamos destacar sete características principais dessas colônias.

1. Diversidade econômica: As colônias tinham economias variadas, com destaque para a produção de tabaco, algodão, açúcar e outros produtos agrícolas.

2. Sistema de plantação: Muitas colônias baseavam sua economia no sistema de plantação, com grandes propriedades utilizadas para a produção em larga escala.

3. Sistema de governo: As colônias tinham governos locais e algumas possuíam assembleias representativas, contribuindo para o desenvolvimento de noções de autonomia e autogoverno.

4. Religião: A religião desempenhava um papel importante na vida das colônias, com algumas sendo fundadas com base em princípios religiosos específicos, como a liberdade de culto.

5. Relações com os povos nativos: As colônias mantinham diferentes relações com os povos nativos, que variavam de alianças comerciais e casamentos mistos a conflitos e guerras.

6. Sistema de trabalho: O trabalho escravo era comum em algumas colônias, enquanto outras dependiam do trabalho contratado de servos brancos e trabalhadores livres.

7. Crescente descontentamento: Ao longo do tempo, as colônias desenvolveram um crescente descontentamento em relação ao domínio britânico, o que eventualmente levou à Revolução Americana.

Essas características ajudam a entender a diversidade e complexidade das 13 colônias americanas durante o período colonial, mostrando como esses aspectos moldaram sua história e legado.

Quais atributos influenciaram na formação das colônias ao redor do mundo?

As colônias na América foram formadas levando em consideração diversos atributos que influenciaram diretamente em seu desenvolvimento e características. Abaixo, destacamos 7 dessas características que foram determinantes para a formação dessas colônias:

1. Localização geográfica: A localização geográfica das colônias na América desempenhou um papel fundamental em sua formação, influenciando no clima, recursos naturais disponíveis e acesso a rotas comerciais.

2. Recursos naturais: A abundância de recursos naturais nas colônias, como ouro, prata, terras férteis e madeira, atraiu colonizadores em busca de riquezas e oportunidades de exploração.

3. Povos nativos: A presença dos povos nativos da América influenciou nas relações entre colonizadores e nativos, bem como na cultura e na economia das colônias.

Relacionado:  Que civilização desenvolveu a escrita alfabética?

4. Estrutura política: A estrutura política das potências colonizadoras, como Espanha, Portugal, Inglaterra e França, influenciou nas leis, governança e administração das colônias.

5. Religião: A religião também desempenhou um papel importante na formação das colônias na América, influenciando nas práticas culturais, nas relações sociais e nas instituições de ensino.

6. Economia: A economia das colônias foi influenciada pela exploração de recursos naturais, pelo comércio de mercadorias e pela mão de obra escrava, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social das colônias.

7. Influência cultural: A influência cultural das potências colonizadoras, dos povos nativos e de outras culturas presentes na América contribuiu para a diversidade cultural e para a formação de identidades únicas em cada colônia.

7 características das colônias na América

7 características das colônias na América

Algumas das características das colônias na América eram imposição religiosa, controle da metrópole européia, exploração de matérias- primas, urbanização planejada, novas contribuições tecnológicas e sincretismo.

O período colonial na América começou a partir do momento em que Cristóvão Colombo pôs os pés em Guanahaní em 1492 até o século 19, quando começou a independência das possessões americanas continentais.

Ao longo desses quase quatro séculos de colonialismo, os europeus realizaram iniciativas sangrentas e antiéticas, mas também deixaram um legado que continua e serviu para que os povos americanos prosperassem.

Características das colônias na América

Imposição de crenças religiosas

Os territórios conquistados pelos espanhóis passaram por um processo de cristianização, pois consideravam que os povos indígenas eram seres humanos com almas. 

De fato, era uma obrigação papal imposta por Alexandre VI em sua farsa  Inter Caetera. Por esse motivo, a coroa espanhola enviou muitos missionários para converter os nativos e que eles rejeitaram suas crenças pagãs.

Isso gerou muita controvérsia e foi objeto de muitos conflitos. O resultado foi que aqueles que se recusaram a se converter ao cristianismo foram escolhidos, perseguidos, perseguidos e até sentenciados à morte.

Com o tempo, os religiosos europeus tornaram-se mais conscientes dos problemas indígenas, educando-os, exercitando caridade com eles e até defendendo-os contra as injustiças dos conquistadores.

Urbanização planejada

Ao contrário dos colonos ingleses ou franceses, os espanhóis promoveram o desenvolvimento de seus bens territoriais, por exemplo, quando se trata de construir não apenas mercados, hospitais ou até universidades, mas cidades inteiras que hoje são Patrimônio da Humanidade (Cartagena das Índias). ou Sucre, por exemplo).

Por exemplo, o primeiro hospital do continente foi fundado por Hernán Cortés na Cidade do México 1521, sendo chamado Hospital de Jesús e mantendo sua atividade até hoje.

Quando a Universidade de Harvard foi fundada em 1636, até 13 universidades já estavam em operação nas colônias espanholas em cidades como Cidade do México, Lima, Córdoba, Bogotá, Quito ou Sucre.

Exploração de matéria-prima

Os recursos naturais das terras americanas foram explorados pelos espanhóis desde sua chegada ao continente, ajudando-os a se tornarem o império mais poderoso da época.

A coroa espanhola deu aos conquistadores e exploradores a necessidade de encontrar territórios ricos em metais preciosos e enviá-los para a península. Em alguns casos, eles foram obtidos através da troca de recursos com os nativos; em outros, foi simplesmente roubado.

O uso desses recursos foi destinado ao financiamento de guerras no continente europeu e ao fornecimento de arsenal a seus exércitos.

Relacionado:  Quem é o pai da sociologia?

Escravidão e encomienda

Normalmente, a exploração de matérias-primas implica a escravidão dos nativos. Durante a colonização da América, essas práticas foram realizadas por muito tempo pelos ingleses, portugueses e espanhóis.

No entanto, no caso da colonização espanhola, por ser contrária à escravidão, estabeleceu a encomienda nos territórios conquistados, baseada na submissão dos nativos americanos à coroa, mas preservando seus direitos como seres humanos.

Esse direito não era de propriedade dos negros, que foram trazidos do território americano da África para ajudar como trabalho escravo.

Introdução de novas tecnologias

Os europeus eram muito superiores aos povos indígenas da América, a principal razão é que a conquista foi fácil. Os índios não usavam ferro, não tinham armas de fogo, seu conhecimento de cartografia era muito básico, mal tinham desenvolvido gado ou não possuíam animais de carga, como cavalos ou burros.

Tudo isso eles conseguiram desenvolver graças à chegada dos espanhóis, que introduziram vacas e ovelhas, cultivaram a videira, a laranja, o limão ou as maçãs, trabalharam em materiais como linho ou cânhamo ou mostraram novas técnicas de artesanato.

A engenharia civil foi outra revolução, pois os nativos desconheciam o arco e não tinham canais, calçadas ou estradas. Técnicas hidráulicas como reservatórios, irrigação ou aquedutos foram outro dos desenvolvimentos mais notáveis.

O relógio, a impressora, a roda d’água, o moinho, os artigos de couro ou a roda e a polia são algumas das invenções históricas que os espanhóis introduziram nas colônias.

A figura do vice-rei

A coroa espanhola, a fim de gerenciar melhor os territórios conquistados, os dividiu em vice-reis, com a figura do vice-rei na cabeça. 

Essa pessoa designada para governar o povo era fiel à coroa espanhola, possuindo algumas das características como divindade ou superioridade total sobre qualquer pessoa de seu vice-rei.

O vice-rei administrava todos os aspectos governamentais e econômicos, sempre com o poder da coroa espanhola, ciente de tudo o que acontecia nos territórios americanos.

Foi o vice-rei que presidiu as audiências, sempre o acompanhando por outras oito pessoas, que, caso um vice-rei não cumprisse suas funções, poderiam assumir o mandato por um certo tempo.

Divisão e estratificação por cor da pele

Como conseqüência do cruzamento entre brancos e indígenas, os europeus estabeleceram uma divisão na qual atribuíam uma posição a você. Isso foi chamado de “castas” e elas foram determinadas pela cor da pele produzida pelo cruzamento entre diferentes raças.

Por exemplo, o filho entre uma espanhola e uma indígena era um mestiço. Se os pais não cuidavam dele, essa pessoa era condenada a viver com a vergonha de ser dessa cor.

Referências

  1.  “História da América Latina: introdução à era colonial” Thought Co. 18 de junho de 2017. Recuperado em 12 de setembro de 2017.
  2. «A colonização espanhola» Classes História. Recuperado em 12 de setembro de 2017.
  3. «A Colônia, um tempo de“ classificações ”e castas» Prensa Libre. 17 de setembro de 2016. Recuperado em 12 de setembro de 2017.
  4. “A estrutura política da colônia” MSC Peru. Recuperado em 12 de setembro de 2017.
  5. «A miscigenação, as castas» Blog da Escola Secundária. 6 de outubro de 2015. Recuperado em 12 de setembro de 2017.

Deixe um comentário