A economia colonial no século XVII (vice-reinado)

No século XVII, durante o vice-reinado, a economia colonial teve um papel fundamental no desenvolvimento e na expansão dos impérios coloniais europeus. Nesse período, as colônias eram exploradas principalmente para obtenção de matérias-primas e mão de obra barata, que eram enviadas para a metrópole a fim de promover o enriquecimento dos colonizadores. A exploração econômica das colônias gerou um sistema de produção baseado na monocultura, no trabalho escravo e no comércio de mercadorias entre a metrópole e as colônias, resultando em uma grande desigualdade social e econômica. Neste contexto, a economia colonial no século XVII foi marcada pela exploração e pelo enriquecimento das potências colonizadoras às custas da exploração e da miséria dos povos colonizados.

Principal produto da economia colonial até o século XVII: Qual era?

A economia colonial no século XVII, durante o vice-reinado, era fortemente baseada na produção e exportação de um único produto: o açúcar. As plantações de cana-de-açúcar eram o pilar da economia colonial, principalmente nas regiões tropicais e subtropicais da América Latina, Caribe e sul dos Estados Unidos.

As grandes plantações de cana-de-açúcar eram cultivadas por mão de obra escrava, trazida da África para suprir a demanda por trabalho nas plantações. Esse sistema de produção em larga escala permitiu que as potências coloniais, como Portugal, Espanha, Inglaterra, França e Holanda, obtivessem lucros significativos com a exportação de açúcar para a Europa e outras colônias.

Além do açúcar, outros produtos agrícolas também desempenharam um papel importante na economia colonial, como o tabaco, o café e o algodão. No entanto, o açúcar foi o principal produto de exportação e fonte de riqueza para as colônias durante o século XVII.

A exploração desse recurso natural foi fundamental para o desenvolvimento econômico das colônias e a acumulação de riquezas das potências coloniais. A economia colonial no século XVII girava em torno da produção e comércio do açúcar, que impulsionou o crescimento e a expansão das colônias ao redor do mundo.

Conheça os vice-reinos e suas características durante a história colonial.

A economia colonial no século XVII foi fortemente influenciada pelos vice-reinos, que eram divisões administrativas do Império Espanhol e Português na América. Cada vice-reino era responsável por coordenar a exploração dos recursos naturais, a produção agrícola e a organização do comércio dentro de suas fronteiras.

No Vice-Reino do Peru, por exemplo, a economia estava centrada na mineração de prata, que era exportada para a Espanha. Já no Vice-Reino da Nova Espanha, a produção agrícola era mais relevante, com destaque para o cultivo de milho, trigo e cana-de-açúcar.

Outra característica importante dos vice-reinos era a presença de uma elite colonial que controlava grande parte da riqueza e do poder político. Essa elite era formada por latifundiários, comerciantes e autoridades locais, que se beneficiavam da exploração dos povos nativos e do trabalho escravo africano.

Apesar das diferenças entre os vice-reinos, todos compartilhavam a mesma lógica econômica colonial, baseada na extração de recursos naturais e na exploração da mão de obra local. Essa exploração gerava riqueza para a metrópole, mas deixava a população local em condições precárias e dependentes do mercado externo.

Em resumo, os vice-reinos foram peças-chave na economia colonial do século XVII, contribuindo para a acumulação de riqueza das potências coloniais e para a manutenção de um sistema desigual e opressivo nas colônias americanas.

Relacionado:  Importância dos títulos na sociedade: 10 razões

Economia durante a colonização: principais características e influências no desenvolvimento econômico da época.

A economia colonial no século XVII foi marcada por diversas características que influenciaram diretamente o desenvolvimento econômico da época. A principal atividade econômica era a exploração do ouro e da prata, trazendo grande riqueza para as metrópoles europeias.

Além da mineração, a produção agrícola também foi uma importante fonte de riqueza para as colônias. O cultivo de cana-de-açúcar, tabaco, algodão e café eram atividades comuns, que garantiam o abastecimento das metrópoles e o enriquecimento dos colonos.

Outro aspecto relevante da economia colonial era o sistema de monocultura, onde uma única cultura era cultivada em larga escala, gerando dependência econômica e fragilidade na produção. Isso acabou contribuindo para a falta de diversificação da economia e para a vulnerabilidade das colônias.

Apesar das riquezas geradas pela exploração dos recursos naturais, a economia colonial também foi marcada por relações desiguais entre metrópoles e colônias. O mercantilismo prevalecia, com as colônias sendo exploradas em benefício das metrópoles, o que limitava o desenvolvimento das colônias.

Em resumo, a economia colonial no século XVII foi caracterizada pela exploração dos recursos naturais, pela monocultura, pela dependência econômica e pelas relações desiguais entre metrópoles e colônias. Esses elementos influenciaram diretamente o desenvolvimento econômico da época, moldando as bases da economia colonial.

Economias complementares no Brasil colonial nos séculos XVI e XVII: quais eram?

A economia colonial no século XVII, no vice-reinado, era baseada principalmente na produção de cana-de-açúcar e na exploração de metais preciosos, como o ouro e a prata. No entanto, além dessas atividades principais, havia também economias complementares que desempenhavam um papel importante na sustentação do sistema colonial brasileiro.

Uma das economias complementares mais significativas era a produção de alimentos, como o milho, o feijão e a mandioca. Esses produtos eram essenciais para alimentar a população local e os escravos que trabalhavam nas plantações de cana-de-açúcar e nas minas de ouro. Além disso, a criação de gado também era uma atividade importante, fornecendo carne e couro para o mercado interno e externo.

Outra economia complementar importante era a produção de tabaco, que era exportado para a Europa e garantia uma fonte adicional de renda para os colonizadores. Além disso, a produção de algodão e de fibras vegetais também desempenhava um papel significativo na economia colonial, fornecendo matéria-prima para a indústria têxtil europeia.

No entanto, nem todas as economias complementares eram tão lucrativas quanto as atividades principais. Muitos pequenos produtores rurais enfrentavam dificuldades para competir com os grandes latifundiários e acabavam endividados. Além disso, a falta de infraestrutura e de apoio do governo dificultava o desenvolvimento de outras atividades econômicas.

Em resumo, as economias complementares no Brasil colonial nos séculos XVI e XVII incluíam a produção de alimentos, a criação de gado, a produção de tabaco, de algodão e de fibras vegetais. Essas atividades desempenhavam um papel importante na sustentação do sistema colonial, mas enfrentavam desafios e dificuldades próprios da época.

A economia colonial no século XVII (vice-reinado)

A economia colonial no século XVII foi sustentada de acordo com idéias mercantilistas na extração de metais preciosos e trocas comerciais. O comércio estava sujeito a dois princípios básicos: monopólio e exclusivismo comercial.

Até que o monopólio universal fosse revogado, a América espanhola só podia negociar com os territórios espanhóis da Europa. Por esse motivo, foi criada em 1503 a chamada Casa de Contratação Indiana, em Sevilha, que era a entidade encarregada de supervisionar o cumprimento do monopólio.

Relacionado:  Bandeira da Micronésia: história e significado

A economia colonial no século XVII (vice-reinado) 1

Fonte: Marloncar3220 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Além disso, um tribunal do consulado trabalhou em cada vice-reinado. Ele exerceu o controle de todo o movimento comercial e intercedeu em tudo o que lhe dizia respeito.

Vice-reinado da Nova Espanha

No aspecto econômico, a mineração e o comércio obtiveram uma relevância especial no vice – reinado da Nova Espanha .

Mineração

A descoberta de inúmeras pedreiras de mineração atraiu a atenção da Coroa, que estava interessada em explorá-las. Essas minas foram apoiadas pela população local, que buscou melhorias em sua qualidade de vida.

Dessas minas foram extraídos diferentes materiais, como prata, ouro e cobre. Cidades mineiras foram criadas em torno das minas. Isso levou ao levantamento de novas fazendas de gado e agricultura dedicadas ao seu suprimento.

Juntamente com a construção de estradas para que o que foi obtido das minas pudesse sair, tudo isso gerou um importante impulso econômico.

A Coroa atribuiu um imposto, chamado Fifth Royal, com o qual foram retirados 20% do material extraído. Foi baseado em uma sucessão de touros emitidos em 1494 pelo papa Alexandre VI, que indicava que toda a terra a ser conquistada na América pertencia à Espanha.

A mineração tinha privilégios sobre outras seções produtivas. Esses privilégios eram baseados no discurso econômico predominante da época, onde a riqueza era considerada baseada nos metais preciosos que estavam disponíveis.

As principais minas que foram exploradas na Nova Espanha foram Pachuca, Zacatecas, Guanajuato e Fresnillo.

Comércio

O regulamento comercial estava nas mãos da Hiring House, cuja base ficava em Sevilha, na Espanha. As políticas protecionistas e o monopólio exigidos pela capital impediram um desenvolvimento ótimo no componente econômico do vice-reinado.

O comércio direto com outras áreas do império era proibido. Todas essas disposições protecionistas levaram ao aumento de atividades ilegais, como contrabando ou pirataria.

Essas ações foram promovidas tanto por nações estrangeiras que buscavam novos mercados, quanto por comerciantes locais que buscavam pular as medidas restritivas e tarifárias impostas pela Coroa.

Vice-reinado do Peru

No século XVI, uma política comercial monopolista e um conjunto de entidades de controle estatal foram estabelecidos para poder exportar da maneira mais eficiente a maior quantidade de metais extraídos para a península espanhola.

Mineração

No vice – reinado do Peru, a atividade de mineração e um dos pilares econômicos prevaleceram, pelo menos durante o século XVI e grande parte do século XVII.Embora não tenha sido a única atividade econômica que os colonizadores introduziram, foi a atividade que estabeleceu as mudanças mais sociais, econômicas e até políticas.

As melhores minas, por seu desempenho e qualidade, eram de propriedade da coroa espanhola. Por outro lado, pequenas minas foram exploradas por indivíduos particulares, com o dever de pagar a Quinta Real como um imposto. Isso correspondia a 20% da riqueza obtida.

As principais pedreiras de mineração foram: Potosí, Huancavelica, Castrovirreyna, Cajabamba, Cerro de Pasco, Carabaya, Hualgayoc e Cayllama, todas localizadas no atual Peru.

Relacionado:  Escudo Villavicencio: História e Significado

Embora a mineração naquela época fosse uma atividade arriscada e desorganizada, foi um auge que mais de 40% dos depósitos que atualmente operam no Peru, na época do vice-reinado, já haviam sido descobertos e explorados.

Comércio

No vice-reinado, o comércio era baseado no monopólio, devido ao caráter mercantilista e exclusivista que prevalecia na economia.

Todo esse apogeu comercial fez do vice-reinado do Peru o eixo do movimento comercial e o porto de Callao na mais importante de toda a América espanhola. Por isso, não é de surpreender que, na época, ele tenha sido vítima de ataques de corsários, piratas e espionagem.

Barcos carregados de mercadorias, protegidos por outros navios da marinha espanhola, partiam anualmente. Quem foi ao Peru era galeão e chegou pela primeira vez ao porto de Cartagena das Índias. De lá, eles viajaram para o porto de Portobelo.

Uma grande feira foi realizada em Portobelo, com a presença de comerciantes em Lima. Estes chegaram a este lugar através da chamada Marinha do Mar do Sul.

Depois que as vendas e compras foram feitas em Portobelo, os comerciantes de Lima novamente embarcaram na Marinha do Mar do Sul para chegar a Callao.

Desse porto, eles despacharam as mercadorias por terra para as cidades do interior do vice-reinado, como Cuzco, Arequipa, Buenos Aires, Charcas, Montevidéu e Santiago.

Vice-reinado do Rio da Prata

O vice-reinado do Rio da Prata surgiu em 1776, conforme estabelecido pelas reformas de Bourbon.

Nesse vice-reinado, a economia continuou com o modelo de exportação extrativa. Como a própria metrópole espanhola e o restante dos vice-reis, ela estava longe de ser a protoindustrialização, que surgiu no século XVIII, e sua subsequente evolução.

Mineração

A mineração não era a atividade principal, como aconteceu no restante do vice-reinado. A atividade de mineração estava limitada apenas a um conjunto de depósitos que foram explorados na atual Bolívia.

No entanto, grandes quantidades de prata e ouro foram exportadas do porto de Buenos Aires, proveniente principalmente do Alto Peru.

Comércio

O nome desse vice-reinado, Rio da Prata, provém do produto econômico mais importante para sua economia, a prata. No entanto, isso foi extraído principalmente das minas localizadas no Alto Peru.

Essa atividade econômica representou o desenvolvimento do tráfego terrestre. Isso geralmente circulava ao longo do Caminho Real, do Alto Peru até o porto de Buenos Aires. Esse tráfego também gerou a criação de cavalos, mulas e burros.

O comércio, focado na exportação de prata e ouro, cereais, gado e derivados, era fortemente regulamentado pela metrópole. Isso ajudou a disseminação de atividades de contrabando.

Alguns espanhóis tinham atividade comercial em suas mãos, que por sua vez se apropriavam de grande parte do poder político.

Pecuária

Uma atividade econômica importante foi a pecuária, estabelecida principalmente em Buenos Aires, cuja importância na área é preservada até hoje.

Referências

  1. Aulas de história (2019). O vice-reinado da Nova Espanha. Retirado de: gruposhistoria.com.
  2. Wikipedia (2019). Vice-reinado do Peru. Retirado de: es.wikipedia.org.
  3. Aulas de história (2019). O vice-reinado do Rio da Prata. Retirado de: gruposhistoria.com.
  4. História do Peru (2019). Economia no vice-reinado. Retirado de: historiaperuana.pe.
  5. Wikipedia (2019). Vice-reinado do Rio da Prata. Retirado de: es.wikipedia.org.

Deixe um comentário