A Síndrome de Alienação Parental: invenção ou realidade?

A Síndrome de Alienação Parental é um termo que surgiu na década de 1980 para descrever uma situação em que uma criança manifesta um forte alinhamento com um dos pais e rejeição ao outro, sem justificativa aparente. No entanto, desde então, a síndrome tem sido alvo de debates e controvérsias dentro da comunidade acadêmica e jurídica, levantando questionamentos sobre sua validade como diagnóstico psicológico. Diante desse cenário, surge a dúvida: a Síndrome de Alienação Parental é uma invenção ou uma realidade? Este texto busca explorar essa questão e analisar os argumentos de ambos os lados.

Origem da síndrome da alienação parental: quem a criou e como identificar sintomas.

A Síndrome de Alienação Parental tem sido um tema controverso e debatido nos últimos anos. Criada pelo psiquiatra Richard Gardner na década de 1980, a síndrome da alienação parental descreve um fenômeno no qual um dos genitores manipula a criança para que ela rejeite o outro genitor, geralmente durante um processo de divórcio ou separação.

Para identificar sintomas de alienação parental, é importante observar o comportamento da criança em relação ao genitor alienado. Alguns sinais comuns incluem a criança se recusar a passar tempo com o genitor, falar mal dele sem motivo aparente, demonstrar raiva ou hostilidade sem justificativa, entre outros. É fundamental prestar atenção a esses sinais e buscar ajuda profissional se necessário.

Apesar de toda a controvérsia em torno da Síndrome de Alienação Parental, é importante reconhecer que a manipulação de uma criança contra um dos genitores é prejudicial para o desenvolvimento emocional e psicológico da mesma. Portanto, é essencial que os profissionais da área da saúde e do direito estejam atentos a esse fenômeno e atuem de forma a proteger o bem-estar da criança.

Entenda o significado da Síndrome da alienação parental e seus impactos na família.

A Síndrome da Alienação Parental (SAP) é um termo utilizado para descrever um conjunto de comportamentos que ocorrem principalmente em casos de separação ou divórcio, onde um dos genitores exerce pressão psicológica sobre a criança para que ela rejeite o outro genitor. Essa pressão pode ser direta, através de críticas e desqualificações, ou indireta, como impedir o contato da criança com o genitor alienado.

Os impactos da SAP na família são bastante significativos. A criança pode desenvolver sentimentos de raiva, confusão e culpa em relação ao genitor alienado, o que pode afetar negativamente seu desenvolvimento emocional e social. Além disso, a relação entre os pais pode se tornar ainda mais conflituosa, prejudicando o bem-estar de todos os envolvidos.

É importante ressaltar que a SAP não é reconhecida como uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e nem pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). No entanto, diversos estudos e profissionais da área de psicologia e direito da família reconhecem a existência e gravidade desse fenômeno.

Portanto, é essencial que os pais e profissionais envolvidos em casos de separação ou divórcio estejam atentos aos sinais de alienação parental e busquem ajuda especializada para lidar com essa questão de forma adequada e respeitosa. A preservação do vínculo entre a criança e ambos os genitores é fundamental para o seu desenvolvimento saudável e para a construção de relações familiares positivas e amorosas.

Origem da alienação parental: descubra quando esse fenômeno começou a ser identificado.

A Síndrome de Alienação Parental é um fenômeno que começou a ser identificado na década de 1980 pelo psiquiatra Richard Gardner. A alienação parental ocorre quando um dos genitores manipula a criança para que ela rejeite o outro genitor, causando danos emocionais e psicológicos no menor.

Relacionado:  Síndrome de demissão: sintomas, causas e tratamento

Gardner observou que, em muitos casos de divórcio litigioso, a criança passava a ter uma visão distorcida do genitor não guardião, devido às influências negativas do genitor guardião. Essa manipulação pode levar a criança a desenvolver sentimentos de raiva, medo e repúdio em relação ao genitor alienado.

A Síndrome de Alienação Parental tem sido alvo de debate entre profissionais da área jurídica e psicológica. Alguns questionam se a alienação parental é de fato uma síndrome ou apenas um conceito criado por Gardner. No entanto, estudos e casos clínicos têm demonstrado que a alienação parental é um fenômeno real e prejudicial para o desenvolvimento da criança.

Alienação parental: exemplos e definição do fenômeno que afeta relações familiares.

A alienação parental é um fenômeno que ocorre quando um dos genitores, ou até mesmo ambos, tentam manipular a criança para que ela sinta aversão ou ódio em relação ao outro genitor. Isso pode acontecer de diversas formas, como difamação, proibição de contato, indução de falsas memórias, entre outras estratégias.

Um exemplo comum de alienação parental é quando um dos pais fala mal do outro na frente da criança, fazendo com que ela desenvolva uma imagem distorcida e negativa daquele genitor. Outro exemplo é quando um dos pais impede o contato da criança com o outro genitor, criando barreiras e dificultando a relação entre eles.

A alienação parental é um problema sério que afeta não só os pais envolvidos, mas principalmente a criança, que acaba sendo utilizada como instrumento de vingança ou manipulação. Esse tipo de comportamento pode gerar traumas e problemas emocionais na criança, além de prejudicar o desenvolvimento saudável das relações familiares.

A Síndrome de Alienação Parental, proposta pelo psiquiatra Richard Gardner, é um termo utilizado para descrever o quadro em que a criança passa a rejeitar um dos pais de forma injustificada, influenciada pelo genitor alienador. Alguns especialistas questionam a existência dessa síndrome, argumentando que ela pode ser usada de forma equivocada para justificar condutas abusivas ou negligentes por parte de um dos pais.

É importante estar atento a sinais de alienação parental e buscar ajuda profissional para lidar com essa situação delicada e prejudicial para todos os envolvidos.

A Síndrome de Alienação Parental: invenção ou realidade?

A Síndrome de Alienação Parental: invenção ou realidade? 1

Desde que Richard Gardner, em 1985, descreveu pela primeira vez o termo de alienação parental, as controvérsias e críticas derivadas desse construto têm sido muito diversas. Os detratores do conceito foram baseados em diferentes tipos de argumentos para invalidar sua existência nas últimas décadas, que autores como Suárez e Nodal (2017) analisaram em uma revisão recente, a fim de esclarecer um pouco esse fenômeno complexo.

Então … o conceito da Síndrome de Alienação Parental é baseado? Vamos ver

Síndrome de alienação parental

A definição original de Gardner do SAP refere-se à “alteração que geralmente aparece no contexto de um divórcio, na qual a criança despreza e critica um de seus pais, quando essa avaliação negativa é injustificada ou exagerada (em Vilalta Suarez, 2011) ”.

O SAP implica que um pai ou mãe influencia perniciosamente a criança, para que ela rejeite a outra mãe nos casos em que não há evidência de qualquer tipo de abuso por parte da mãe alienada em relação à criança. Especificamente, os seguintes itens são incluídos como sinais definidores do SAP (Vilalta Suárez, 2011):

  • Existência de uma campanha de denigração .
  • Racionalizações frívolas ou absurdas de rejeição aos pais.
  • Falta de ambivalência afetiva em relação às figuras parentais.
  • A aparência do “fenômeno do pensador independente” argumenta que a decisão de rejeição é exclusiva da criança.
  • Suporte automático para o pai “amado” em qualquer situação.
  • Ausência de culpa na criança pela expressão de rejeição.
  • Aparência na história da criança de cenários emprestados, dos quais a criança não viveu ou não consegue se lembrar.
  • A extensão da rejeição à família ou ao ambiente do pai ou mãe rejeitado.

De acordo com os autores mencionados, no Guia Prático de Medidas de Proteção Integral contra a Violência de Gênero, elaborado por um grupo de especialistas sobre o assunto e pelo Conselho Geral do Judiciário em 2016, a impossibilidade de validar a existência do SAP

Essa categorização é baseada no fato de que essa entidade psicológica não está incluída nos sistemas de classificação dos atuais transtornos mentais de referência , como o DSM-V. Isso é especialmente relevante, pois este documento se torna um guia fundamental no campo da psicologia forense e pode, por sua vez, condicionar a concepção que os profissionais da área de psicologia clínica têm sobre o construto SAP.

  • Você pode estar interessado: ” Os 8 tipos de conflitos familiares e como gerenciá-los “

Análise crítica sobre validação SAP

No trabalho realizado por Suárez e Nodal (2017), são apresentados diferentes argumentos que põem em causa as justificativas oferecidas pelos detratores do SAP e pelos autores do Guia mencionado quando se trata de invalidar sua existência.

Primeiro, parece que a própria nomenclatura da SAP, definindo-a como síndrome, gerou muito debate , no sentido de se sua conceituação deve ser legitimada como um fenômeno patológico, um distúrbio mental ou uma doença.

1. Patologização de um fenômeno relacional

Segundo a Associação Americana de Psiquiatria (APA), uma síndrome é definida por um conjunto de sinais e / ou sintomas que, com base em sua frequente simultaneidade, podem sugerir uma patogênese (DSM-IV-TR, 2014). Embora seja verdade que o elemento “síndrome” possa ser insuficientemente justificado cientificamente no SAP, não se pode negar a existência do fenômeno situacional descrito pela alienação parental. Isso pode ser considerado independente da existência de consenso suficiente para garantir a nosologia da síndrome.

Relacionado ao exposto, o SAP não foi incluído como tal em nenhuma das versões do DSM, embora o debate para incluí-lo ou não entre o grupo de especialistas responsáveis ​​pelo desenvolvimento oficial do manual atual estivesse muito presente.

2. O argumento circular

Nesse sentido, os autores do artigo alegam que o fato de o SAP não ter sido finalmente incluído no sistema de classificação não implica necessariamente que sua existência deva ser negada . Veja os exemplos usados ​​como “a síndrome da mulher agredida” ou homossexualidade, que foi definida como um distúrbio mental até 1973. Ambos justificam o fato de que, embora não haja etiqueta diagnóstica específica para um problema psicológico durante um determinado período de tempo Isso pode ser igualmente relevante e de atenção prioritária na prática profissional clínica.

Relacionado:  Os principais 8 psicólogos em Pinto

Assim, se finalmente o SAP ou AP (alienação parental) for contemplado em uma futura revisão do DSM, isso implicaria que somente a partir desse momento ele poderia ser definido como uma patologia mental e não antes?

3. Alegada falta de interesse da Psicologia

Outro dos argumentos que Suarez e Nodal (2017) questionam refere-se à crença de que o SAP não foi (e não é) um objeto de interesse da comunidade científica psicológica. Inúmeros trabalhos estão listados no texto que mostram exatamente o contrário, embora seja verdade que eles também incluam estudos de meta-análise que descrevam a dificuldade de validar empiricamente o SAP . Portanto, não se pode dizer que não haja interesse da comunidade científica da área clínica e forense em investigar e delimitar o SAP (ou AP) de maneira mais objetiva.

Além do acima exposto, parece que, dentro do escopo da jurisdição, não pode ser encontrada nenhuma decisão do Supremo Tribunal ou do Tribunal de Direitos Humanos de Estrasburgo que questione intrinsecamente a existência do SAP.

SAP e DSM-V

Como mencionado anteriormente, o SAP não é reconhecido como uma entidade nosológica no DSM-V. No entanto, na seção correspondente a “Problemas que podem ser objeto de atendimento clínico”, uma entidade chamada “Problemas de relacionamento entre pais e filhos” parece ser considerada.

Considerando seus critérios diagnósticos, isso pode ser ajustado ao definido no SAP: problema psicológico, relativo à educação familiar e que causa prejuízo funcional nos níveis comportamental, emocional e cognitivo. Portanto, embora seja concebido como um problema de relacionamento e não como um transtorno mental, parece que o SAP ou AP pode ser descrito de uma maneira que permita sua detecção através de indicadores definidores específicos em casos reais, a avaliação de É necessário exigir uma intervenção em nível psicológico e / ou forense e, finalmente, que permita no futuro a continuação de investigações que determinem com mais precisão as implicações que o SAP apresenta.

Referências bibliográficas:

  • American Psychiatric Association., Kupfer, DJ, Regier, DA, Arango López, C., Ayuso-Mateos, JL, Vieta Pascual, E., e Bagney Lifante, A. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5ª ed.). Madri [etc.]: Editorial Panamericana Médica.
  • Escudero, Antonio, Aguilar, Lola e Cruz, Julia de la. (2008). A lógica da Síndrome de Alienação Parental de Gardner (SAP): “terapia de ameaças”. Journal of the Spanish Association of Neuropsychiatry, 28 (2), 285-307. Recuperado em 26 de janeiro de 2018, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0211-57352008000200004&lng=es&tlng=en.
  • Suárez, RJV e Nodal, MW (2017). Sobre o mito da síndrome de alienação parental (SAP) e o DSM-5. Papéis do psicólogo, 38 (3), 224-231.
  • Vilalta Suárez, RJ (2011). Descrição da Síndrome de Alienação Parental em uma amostra forense. Psicothema, 23 (4).

Deixe um comentário