A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan

A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan é uma abordagem psicológica que se concentra nas relações interpessoais e na influência do ambiente social no desenvolvimento da personalidade. Sullivan acreditava que as interações sociais desempenham um papel fundamental na formação da identidade e no bem-estar psicológico das pessoas. Sua teoria enfatiza a importância da comunicação, da empatia e da compreensão mútua nas relações interpessoais, bem como a influência dos padrões de interação aprendidos na infância e na adolescência. Ao compreender e melhorar nossos relacionamentos com os outros, Sullivan acreditava que poderíamos alcançar um maior autoconhecimento e bem-estar emocional.

O que é a teoria de Sullivan e qual sua importância na psicologia?

A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan é uma abordagem na psicologia que enfatiza a importância das relações interpessoais na formação da personalidade e no desenvolvimento psicológico. Sullivan acreditava que os indivíduos são moldados por suas interações com os outros e que a qualidade dessas interações influencia diretamente sua saúde mental.

Para Sullivan, a pessoa é um ser social que se desenvolve a partir das experiências de relacionamento com os outros. Ele destacou a importância da comunicação e da empatia nas relações interpessoais, argumentando que a capacidade de se relacionar de forma saudável e satisfatória com os outros é essencial para o bem-estar psicológico.

Uma das principais contribuições da teoria de Sullivan é sua ênfase na compreensão do indivíduo no contexto de suas relações sociais. Ele desenvolveu o conceito de “personalidade paratélica”, que se refere à capacidade do indivíduo de se adaptar e se ajustar às demandas das interações sociais. Sullivan também introduziu o conceito de “ansiedade interpessoal”, que descreve a ansiedade causada por expectativas negativas em relação aos outros.

A teoria de Sullivan teve um impacto significativo na psicologia, influenciando áreas como psicoterapia, psicologia clínica e psicologia social. Sua abordagem inovadora e holística para entender o indivíduo como um ser social complexo ajudou a abrir novos caminhos de pesquisa e prática na psicologia contemporânea.

Sua ênfase na compreensão do indivíduo no contexto de suas interações sociais trouxe contribuições significativas para a psicologia, influenciando diversas áreas e práticas dentro do campo.

Relacionado:  As pessoas que transmitem energia positiva compartilham essas 9 características

Conceito da relação interpessoal: entendendo a teoria por trás das interações entre indivíduos.

A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan é fundamental para compreender as relações entre os indivíduos. Sullivan acreditava que as interações sociais são essenciais para o desenvolvimento humano e que essas relações moldam nossa personalidade e comportamento ao longo da vida.

Segundo Sullivan, as relações interpessoais são marcadas por complexidade e dinamismo, envolvendo trocas constantes de experiências e emoções entre as pessoas. Ele enfatizou a importância da comunicação e da empatia na construção de laços saudáveis e significativos.

Para Sullivan, a qualidade das relações interpessoais influencia diretamente a saúde mental e emocional dos indivíduos. Ele destacou a importância de se criar vínculos afetivos e confiança mútua para garantir um desenvolvimento saudável e equilibrado.

Em suma, a teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan nos ajuda a compreender a complexidade das interações humanas e a importância de cultivar relacionamentos saudáveis e significativos. Ao valorizarmos a comunicação, a empatia e a construção de vínculos afetivos, podemos fortalecer nossa saúde emocional e promover um convívio mais harmonioso com os outros.

A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan

A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan 1

A teoria interpessoal de Harry Stack Sullivan sobre o desenvolvimento da personalidade é uma das mais conhecidas no campo da psicanálise.

Neste artigo, descreveremos os principais conceitos e postulados deste modelo, cujo foco nas relações interpessoais teve uma influência significativa nos desenvolvimentos subsequentes em psicoterapia.

A teoria interpessoal de HS Sullivan

Harry Stack Sullivan (1892-1949) publicou em 1953 a obra “A teoria interpessoal da psiquiatria”; nisso, ele desenvolveu seu modelo de personalidade , que se enquadra no paradigma da psicanálise. Mais especificamente, podemos classificar Sullivan no neofreudismo, juntamente com autores como Carl Jung , Karen Horney , Erik Fromm ou Erik Erikson.

Sullivan defendeu uma concepção de psiquiatria segundo a qual essa ciência deveria ter como objeto de estudo as interações entre seres humanos. Dessa maneira, destacou a relevância fundamental dos relacionamentos interpessoais (reais e imaginários) na configuração da personalidade e, consequentemente, também da psicopatologia.

Para este autor, a personalidade pode ser definida como um padrão de comportamento relacionado a situações de interação com outras pessoas. Seria uma entidade estável e complexa, determinada tanto pelas necessidades fisiológicas e interpessoais inatas quanto pelo aprendizado através de experiências iniciais e do processo de socialização.

Relacionado:  Ter calafrios pode estar relacionado a um traço de personalidade

Nesse sentido, a personalidade seria formada progressivamente com base no contato com o ambiente social e na capacidade de atender às necessidades, bem como na tensão que causam, tanto do ponto de vista biológico quanto do psicológico. As falhas nesse tipo de aprendizado e a falta de adaptação psicológica levariam à patologia.

A teoria da personalidade de HS Sullivan, e em particular seu foco nas interações sociais, levou ao surgimento da escola psicanalítica interpessoal . Essa corrente também difere da variante freudiana em seu interesse pela individualidade e na importância que atribui à relação mútua entre terapeuta e paciente.

  • Você pode estar interessado: ” Os 9 tipos de psicanálise (principais teorias e autores) “

Fatores estáveis ​​que formam a personalidade

Segundo Sullivan, o construto que conhecemos como “personalidade” é composto por três aspectos estáveis: os dinamismos e necessidades , o Sistema do Eu e as personificações .

Todos eles se desenvolvem a partir da interação com outras pessoas e como resolvemos nossos impulsos fisiológicos e sociais.

1. Necessidades e dinamismos

A psicanálise interpessoal define dois grandes conjuntos de necessidades humanas : as de auto-satisfação e segurança. Os primeiros estão associados à fisiologia e incluem comida, excreção, atividade ou sono; As necessidades de segurança têm uma natureza mais psicológica, como evitar a ansiedade e manter a auto-estima.

Os dinamismos são padrões de comportamento complexos e mais ou menos estáveis ​​que têm a função de satisfazer uma certa necessidade básica – ou, nas palavras de Sullivan, de “transformar a energia física do organismo”. Existem dois tipos de dinamismos: aqueles relacionados a partes específicas do corpo e os associados a experiências de medo e ansiedade.

2. O Sistema Auto

O sistema do ego se desenvolve ao longo da infância à medida que experimentamos a ansiedade e a aliviamos através de outras pessoas. É uma estrutura psíquica que cumpre a função de gerenciar a ansiedade, ou seja, lidar com as necessidades de segurança . Com a idade, ele também adota a função de proteger a auto-estima e a imagem social.

Relacionado:  Por que as pessoas que julgam constantemente falam de ressentimento

3. As personificações

Sullivan usa o termo “personificação” para se referir às maneiras pelas quais as crianças interpretam o mundo: atribuindo a indivíduos e grupos características de outras pessoas, com base em experiências de interação e crenças e fantasias pessoais. As personificações serão de grande importância nas relações sociais ao longo da vida .

Modos de experiência: o desenvolvimento da mente

Seguindo as abordagens de Sullivan, a personalidade é formada pela transferência do interpessoal para o intrapsíquico. Dessa maneira, se as necessidades de uma pessoa durante a infância forem satisfatoriamente atendidas, ela obterá uma sensação de autoconfiança e segurança; caso contrário, desenvolverá uma tendência a sentir insegurança e ansiedade.

As maneiras pelas quais experimentamos nosso ambiente físico e social mudam de acordo com a idade, o grau de domínio da linguagem e a correta satisfação das necessidades. Nesse sentido, Sullivan descreveu três modos de experiência: prototáxico, paratático e sintático. Cada um deles está subordinado àqueles que aparecem mais tarde.

1. Experiência prototáxica

Os bebês experimentam a vida como uma sucessão de estados organísmicos não relacionados entre si. Não há concepção de causalidade ou um verdadeiro senso de tempo. Progressivamente, você se tornará consciente das partes do corpo que interagem com o exterior , nas quais há sentimentos de tensão e alívio.

2. Experiência paratática

Durante a infância, nos diferenciamos do meio ambiente e obtemos conhecimento sobre maneiras de atender às nossas necessidades; Isso permite o aparecimento de símbolos pessoais através dos quais estabelecemos relações entre eventos e sensações, como as causais.

Sullivan falou de “distorção paratática” para se referir ao surgimento de experiências desse tipo em estágios mais avançados da vida. Consistem essencialmente em se relacionar com os outros de maneira equivalente à de pessoas significativas no passado; Isso se manifestaria na transferência, por exemplo.

3. Experiência sintática

Quando o desenvolvimento da personalidade ocorre de maneira saudável, aparece o pensamento sintático, que possui caráter seqüencial e lógico e é constantemente modificado de acordo com novas experiências. Além disso, os símbolos são validados por consenso com outras pessoas, o que confere um sentido social ao comportamento.

Deixe um comentário