Aileen Carol Wuorno: história de um assassino de 7 homens

Aileen Carol Wuorno (1956-2002) era um serial killer americano, acusado de matar sete homens em eventos isolados. A mulher argumentou em sua defesa que cometeu os crimes em legítima defesa. Em seu julgamento, ele disse que todas as suas vítimas a estupraram ou tentaram fazê-lo.

Os pesquisadores dizem que Wuorno não teve uma vida fácil e desde tenra idade foi forçado a recorrer à prostituição para sobreviver. Ela foi abandonada pelos pais e sofreu todos os tipos de abuso e violência. Assim, uma personalidade agressiva estava se formando e arrastando toda uma série de crimes que finalmente a transformaram em um símbolo de horror.

Aileen Carol Wuorno: história de um assassino de 7 homens 1

Sua história se tornou um filme em 2003. Ela e seu advogado venderam os direitos de sua vida antes do julgamento terminar e ela foi condenada. O filme se chamava Monster e estrelava Charlize Theron. Por seu papel no filme, a atriz ganhou o prêmio Oscar de melhor atriz.

Sua infância e adolescência

Aileen Carol Wuorno, cujo primeiro nome era Aileen Carol Pitman, nasceu em 29 de fevereiro de 1956, em Rochester, Michigan, Estados Unidos. Seus pais eram Diane Wuorno Melini e Leo Arthur Pittman, dois adolescentes que se casaram aos 15 anos. O casamento durou menos de dois anos e eles se separaram antes do nascimento de Aileen.

A tragédia chegou à vida de Aileen em uma idade muito jovem. Pittman era um pedófilo alcoólatra, que também passou algum tempo em hospitais psiquiátricos no Kansas e Michigan. Ele se enforcou em 1969, quando cumpria pena de prisão.

Após o divórcio, sua mãe não conseguiu cuidar dela e de seu irmão Keith, que tinha apenas um ano de idade. Então, em 1960, ele os deixou sob os cuidados de seus pais, Lauri e Britta Wuomos, que adotaram legalmente os filhos.

Com apenas 4 anos, Aileen havia sido abandonada por sua mãe. Isso seria o começo de uma vida cheia de abuso, violência e abuso. Sua avó era alcoólatra e também muito violenta. O avô, enquanto isso, começou a abusar física e sexualmente desde que ela era pequena.

Quando ele tinha apenas 12 anos, Aileen e seu irmão descobriram que Lauri e Britta não eram seus pais biológicos, como eles acreditavam, mas seus avós. Mais tarde, o assassino confessou que, com essa idade, ela já havia feito sexo com várias pessoas, incluindo seu próprio irmão.

Gravidez

Na tenra idade de 14 anos, ela ficou grávida. O pai do bebê era desconhecido. Em 23 de março de 1971, a jovem deu à luz em uma maternidade localizada em Detroit e deu à criança a adoção. Ela foi expulsa de sua casa e repudiada pela comunidade.

Aileen e seu irmão finalmente deixaram a casa dos avós. E isso seria o começo de uma vida como andarilho, que mais tarde a levaria ao pior estágio de sua vida. Primeiro, ela começou a viver dentro de um carro abandonado e depois foi levada para um abrigo para mães solteiras.

Nesse mesmo ano, em 1971, sua avó morreu. O motivo foi uma insuficiência hepática como resultado do abuso de álcool. Ficou sabendo que Diane, mãe de Aileen, acusou Lauri (o avô) de matá-la. Sendo ainda menores, a custódia dos adolescentes passou para as mãos do Tribunal.

Seus primeiros crimes

Enquanto ainda frequentava a escola, a jovem começou a trabalhar como prostituta. Logo ele começou a usar o nome de Sandra Kretsch na rua; Ter um pseudônimo é bastante comum entre prostitutas, que geralmente não revelam seus dados verdadeiros para seus clientes.

Aileen começou a viajar pelo país e, em 1974, foi presa no Colorado por desordem pública, por dirigir embriagada e atirar com uma arma de um carro em movimento. Também foi apresentada uma taxa adicional por falta de comparência no tribunal. Essa seria a primeira de muitas prisões que ele teria em sua vida.

Depois de retornar ao Michigan em 1976, ela foi presa no condado de Antrim por bater na cabeça de um barman com uma bola de bilhar. Poucos dias depois, seu irmão Keith morreu como resultado de um câncer na garganta, então ela recebeu US $ 10.000 do seu seguro de vida. Depois de coletar o dinheiro, ele pagou as muitas multas devidas, comprou um carro e pagou por outros luxos até que finalmente ficou sem recursos financeiros.

Casamento

No final de 1976, ele viajou para a Flórida e lá conheceu um importante empresário. Foi Lewis Fell, presidente do Yacht Club, que tinha 76 anos. Independentemente da diferença de 50 anos que tiveram, o casal se casou em 1976. A vida de Aileen poderia ter mudado naquele momento.

Mas a jovem ainda estava constantemente envolvida em confrontos. Ela não apenas foi presa por agressão, como também bateu no marido. Por causa disso, Fell solicitou uma ordem de restrição contra ele, além da anulação do casamento. O sindicato durou apenas seis semanas.

Outras prisões

A partir desse momento, seus crimes se tornaram muito mais graves. Em 1981, ela foi presa por assalto à mão armada em uma loja em Edgewater, Flórida. Ele foi libertado em junho de 1983. Sua próxima prisão ocorreu em 1984, desta vez por cheques falsificados.

Nos anos seguintes, o criminoso foi preso por várias razões: dirigir sem carteira, roubo de carro, resistir à prisão, obstrução da justiça e ameaçar um homem com uma arma a roubá-lo.

No final de 1986, Aileen conheceu Tyria Moore em um bar. Moore, que tinha 28 anos, deixou seu emprego como empregada de motel e deixou seu novo amante mantê-la. O relacionamento entre as duas mulheres foi tempestuoso desde o início, mas era um relacionamento co-dependente.

Mais prisões e reclamações

Algum tempo depois, a paixão entre eles desapareceu, mas eles continuaram sendo amigos inseparáveis. As aventuras do casal de criminosos se multiplicaram e Aileen passou a usar vários nomes falsos.

Em 1987, eles foram presos em Daytona Beach por agredir um homem com uma garrafa de cerveja. Em dezembro do mesmo ano, ela foi denunciada pela polícia de trânsito por dirigir com uma licença vencida na rodovia interestadual.

Suas vítimas

Aileen Wuorno carregava dentro de si um ódio e agressividade que logo se tornariam uma arma letal. O criminoso combinou sua inclinação ao crime, com seu amor por Tyria e seu ódio por homens por lançá-lo ao mundo.

Em uma ocasião, Aileen confessou seus planos de levar o bar de motociclistas e os membros de gangues que o criminoso costumava visitar com os homens. O homem não deu muita importância, pois estava acostumado com a embriaguez.

Naquela época, começaram a chamá-la de “A Mulher Aranha”, devido ao seu gosto por usar roupas de couro preto. Wuorno trabalhou esporadicamente em bares e paradas de caminhões. E ele costumava viajar com uma arma na bolsa.

Primeira vítima

Em 13 de dezembro de 1989, a primeira vítima apareceu. Era um eletricista de 51 anos chamado Richard Mallory. Ele gostava de álcool e mulheres. Mas Mallory também tinha antecedentes criminais.

Ele era um ex-presidiário e um estuprador em série. Mais tarde, Aileen alegou tê-lo matado em legítima defesa. O corpo de Mallory teve três tiros no peito e foi encontrado na floresta perto de Daytona Bech. Naquela época, as pistas não levavam a suspeitos e o caso foi arquivado.

Segundo e terceiro organismos

Seis meses depois, em 1º de junho de 1990, um segundo corpo foi encontrado. Um homem nu foi encontrado morto perto de Tampa. A vítima teve seis tiros disparados com uma pistola de 22 calibres, como no caso de Richard Mallory.

A polícia identificou o homem como David Spears, 43. Naquele momento, outro corpo foi encontrado nas mesmas circunstâncias. Desta vez, a vítima, identificada como Charles Carskaddo, teve nove tiros disparados com a mesma arma.

Quarta-sétima vítima

Um mês depois, Wuorno tirou a vida de outra pessoa. A quarta vítima foi Peter Siems, 65 anos. Algumas testemunhas disseram à polícia que viram duas mulheres a bordo do carro de Siems.

Em novembro daquele ano, o número de homens mortos da mesma forma era de sete.

Prisão e morte

A polícia foi pressionada a resolver o caso, para que os retratos falados dos dois assassinos fossem publicados. Três semanas depois, várias ligações alertaram a polícia sobre os suspeitos, que foram identificados como Tyria Moore e Lee Blahovec (que era um dos pseudônimos de Aileen Wuorno).

Para conseguir dinheiro, Aileen vendeu os pertences de suas vítimas. Assim, no início de dezembro de 1990, ele vendeu uma câmera e um detector de radar de propriedade de Richard Mallory. E depois ele vendeu uma caixa de ferramentas de outra de suas vítimas.

Prisão e julgamento

Em janeiro de 1991, ela foi finalmente presa. Tyria Moore chegou a um acordo com a polícia, no qual concordava em testemunhar contra Aileen em troca de imunidade. Moore não foi acusado de nenhum crime e se tornou uma peça-chave no julgamento que mais tarde enfrentaria seu exame.

Em 16 de janeiro de 1991, Aileen se declarou culpada pelos assassinatos. Mas ele alegou que todos eles se defenderam porque aqueles homens tentaram estuprá-la. No julgamento, ele também explicou seu modus operandi.

Modus operandi

Ele disse que era carona.Em seguida, ele convenceu a vítima a fazer sexo e mandou levá-la para um lugar remoto. Uma vez lá, ele a matou, levou todos os seus pertences e fugiu no carro da vítima. Às vezes, ele fingia ter problemas com o próprio carro e conseguir a ajuda de alguém fazia o mesmo. Ele lhes ofereceu sexo e depois os matou.

Pena de morte

Em 27 de fevereiro de 1992, Aileen Wuorno foi considerado culpado de homicídio culposo em primeiro grau e o júri recomendou a pena de morte. Em 30 de janeiro, o assassino foi condenado à morte executado por injeção letal. Embora tenha sido processada apenas uma vez pelo assassinato de Richard Mallor, ela foi condenada por mais seis assassinatos. No total, o assassino foi condenado a seis sentenças de morte.

Em 2001, ele anunciou que não solicitaria outro recurso contra sua sentença de morte. Posteriormente, ele apresentou uma petição para exercer seu direito de demitir seu advogado e, assim, interromper os recursos em processo. Ele disse que matou aqueles homens e os roubou a sangue frio. E que ele também seria capaz de fazê-lo novamente.

Aileen foi avaliada por três psiquiatras e todos julgaram que ela estava em condições de ser executada. A prisioneira entendeu que ela iria morrer e os crimes pelos quais seria executada. E essa era a prova de que eu não estava doente mental.

Execução

Foi finalmente executado em 9 de outubro de 2002 às 9:47 da manhã. A injeção letal que lhe foi dada incluiu pentotal de sódio, brometo e cloreto de potássio. O procedimento foi realizado na prisão estadual da Flórida.

Wuorno se tornou a segunda mulher executada no estado da Flórida desde que a pena de morte foi restaurada em 1976. Sabe-se que a primeira era uma mulher chamada Judy Buenano. A execução ocorreu em 1998 e o motivo da sentença foi o envenenamento do marido.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies