Rita Pérez Jiménez: biografia, importância, agradecimentos

Rita Pérez Jiménez (1779-1861) foi uma das mulheres mais importantes da independência do México, sendo parte importante de inúmeras batalhas desde o início da revolução. Ela foi homenageada em Jalisco por seu papel na luta com os rebeldes da Coroa, da qual seu marido, Pedro Moreno, foi um dos principais protagonistas.

Ele sacrificou muitas coisas pelos ideais libertários de sua família. Ela perdeu o marido na luta pela independência, vários de seus filhos ou seu cunhado. Uma de suas filhas foi sequestrada com apenas dois anos. Ela também era prisioneira dos monarquistas.

Rita Pérez Jiménez: biografia, importância, agradecimentos 1

Fonte: [Domínio público], via Wikimedia Commons.

Ele conseguiu viver para testemunhar a independência do México, mas não desfrutou dos bens que possuía antes de ingressar na luta. Ele também não recebeu maior assistência dos governos locais.

No forte de Hat, forte onde estavam os revolucionários, ele estava encarregado da comida dos membros dos exércitos rebeldes. Ele também cuidou da saúde de muitos, porque curou as feridas dos combatentes.

Ele foi considerado uma das peças mais importantes do movimento de independência na área de Jalisco. Por esse motivo, um século após sua morte, ele recebeu o reconhecimento que merecia quando seu nome foi acrescentado no salão onde os deputados do estado de Jalisco se reúnem.

No século 21, seu trabalho ainda é reconhecido.Em 2010, foi decretado que os restos mortais de Rita Pérez deveriam repousar na Rotunda de Ilustres Jaliscienses. O monumento em Guadalajara celebra todos os personagens que tiveram contribuições importantes para a história de Jalisco.

Biografia

Seu nome completo era Maria Rita de Trinidad Pérez Jiménez, sendo mais conhecida simplesmente como Rita Pérez Jiménez, embora alguns se lembrem dela com o nome de casada (de Moreno), por seu casamento como o renomado revolucionário Pedro Moreno.

Relacionado:  Eugenio Landesio: biografia, obras

Ele nasceu em Cañada del Cura, uma cidade que hoje se chama Cañada de los Pérez. Sua data de nascimento foi 23 de maio de 1779 e ele veio ao mundo graças à união de seus pais: José María Pérez e Rafaela Jiménez.

Rita fazia parte de uma família de bom status econômico, sendo proprietários de terras reconhecidos na área. Casou-se com Pedro Moreno quando ainda não completara 20 anos e, durante os primeiros anos, viveu sem grandes choques em Lagos. Qualquer mudança quando Moreno decidiu se juntar à luta dos insurgentes em favor da liberdade do México.

O casal teve vários filhos. Todos se mudaram para o forte do Chapéu e todos sofreram as dificuldades e o cerco das tropas monarquistas.

Figura da independência

Pedro Moreno se tornou um dos personagens mais importantes de Jalisco ao integrar o movimento pela independência quando ele decidiu se juntar à luta em 1812. Em sua decisão, ele arrastou toda a sua família com ele. Rita Pérez decidiu seguir o marido e, junto com os filhos, se mudaram para o forte do Chapéu.

Embora Rita Pérez não tenha lutado tecnicamente, porque nunca foi a batalhas ou disparou uma arma, ela teve um papel muito importante. Ele era responsável por administrar tudo relacionado ao forte do chapéu. Ele cuidou da comida, curou os feridos em batalha e distribuiu roupas e bens.

Seus filhos protagonistas

A pior dor que Rita Pérez pôde sofrer durante a guerra foi perder seus filhos. Guadalupe, uma das filhas de Rita e Pedro, foi sequestrada pelos espanhóis quando estava sob os cuidados do padre Ignacio Bravo. Os espanhóis ofereceram à família que devolvesse a filha em troca da libertação de alguns prisioneiros do exército espanhol.

Relacionado:  Buda (Siddharta Gautama): biografia, ensinamentos e influências

Pedro Moreno rejeitou o acordo e sempre teve o apoio de sua esposa. Durante anos, acreditava-se que Guadalupe havia sido morto em retaliação, mas a verdade é que ela havia sido colocada sob a proteção de uma família espanhola. Mãe e filha se encontraram novamente anos depois, quando Rita Pérez foi libertada e o México alcançou a independência.

A pior sorte ocorreria em 1817, um dos filhos do casal, que morreu enquanto lutava contra o exército espanhol. Luis, que era o nome dele, tinha apenas quinze anos na época. O casal perderia mais três filhos durante a briga.

Escassez no forte

Durante muito tempo, os habitantes do forte do Chapéu sofreram dificuldades pela falta de recursos básicos no forte. Os espanhóis sempre ofereceram perdão aos que abandonaram a luta, mas Rita Pérez permaneceu fiel aos seus ideais com a família.

Diante do desespero com a escassez, os líderes insurgentes deram a ordem de evacuar o local, mas Rita permaneceu no local porque se sentia incapaz de mover seus filhos sem ser descoberta pelas tropas inimigas.

Prisão

Finalmente, os monarquistas tomaram o controle do forte do Chapéu e Rita e seus filhos foram convertidos em prisioneiros da coroa espanhola. Eles estavam em várias prisões e dois de seus filhos não foram capazes de resistir ao cativeiro.

Prudencia e Severiano morreram de má alimentação e dificuldades sofridas na prisão. Rita também viu sua gravidez interrompida.

Ela conseguiu se comunicar com o marido através de cartas. Foi oferecida a Pedro Moreno a opção de libertar sua família se ele se rendesse, mas ele nunca concordou em abandonar a luta revolucionária. Na prisão, Rita Pérez foi informada sobre a captura e sentença de morte de seu marido.

Relacionado:  Sergey Diáguilev: biografia, vida pessoal, personagem

Liberdade

No final, ela obteve liberdade, embora seu marido tivesse sido assassinado alguns anos antes. A decisão foi de responsabilidade de Juan Ruiz, representante do rei naquela área do México. Eles não receberam nenhuma de suas propriedades que haviam sido tomadas anos antes.

Ele testemunhou a consolidação da independência, fato que muitos dos insurgentes que ele conheceu e serviu não testemunharam. Ele nunca reivindicou reconhecimento por sua luta, nem por suas contribuições para a liberdade da nação.

Ele viveu sem grandes choques até 1861, quando morreu em 27 de agosto, com 82 anos. Naquela época, ele deixou três dos nove filhos que teve durante a guerra.

Agradecimentos

Durante muito tempo, o trabalho de Rita Pérez “ficou embaixo da mesa”, e foi apenas um século depois de sua morte que o reconhecimento começou a honrá-la. Apesar disso, ainda hoje pouco se fala sobre seu papel na revolução.

Na sala onde os deputados de Jalisco legislam, são escritos os nomes de várias figuras históricas da entidade. O nome de Rita Pérez foi adicionado ao muro de honra em janeiro de 1969.

Mais tarde, ele foi nomeado Benemérita do estado e seus restos mortais foram mobilizados para o monumento dos ilustres jaliscienses. Nesse local, há uma estátua de bronze em homenagem ao marido Pedro Moreno.

Referências

  1. Cruz Lira, Lina Mercedes. Vizinhos da casa povoada. Edições Culagos, 2014.
  2. García López, Ana Bélen. As heroínas silenciadas na independência hispânica-americana. Megustaescribe, 2016.
  3. Hernández Padilla, Remberto. San Juan De Los Lagos Enfrentando Sua História. Editorial Egida, 2001.
  4. Ensino, Tópicos91-96. Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Educação, 1968, p. 39
  5. Palácio, Celia del. Viciados em insurgência. Ponto de Leitura, 2010.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies