Randy Gardner: o homem que passou 11 dias sem dormir

Randy Gardner (1946) era um jovem americano que ganhou fama nos anos 1960, quando decidiu quebrar o recorde mundial por horas sem dormir. Por mais de 11 dias, ele permaneceu acordado sem usar estimulantes de qualquer tipo; Nem café.

Existem muitas maneiras diferentes de chegar à fama. Uma pessoa pode se tornar conhecida por seu talento para cantar ou por suas habilidades como ator, por sua inteligência ou por sua capacidade de resolver problemas. No entanto, uma das maneiras mais peculiares de se tornar conhecido é a escolhida por este homem.

Randy Gardner: o homem que passou 11 dias sem dormir 1

Fonte: cuiosity.com

Embora várias pessoas tenham conseguido ficar sem dormir por vários dias antes dele, e embora seu feito tenha sido superado várias vezes depois, Randy Gardner teve o mérito de ter sido a pessoa que passou por esse processo enquanto Foi estudado por uma equipe de cientistas.

A façanha de Gardner nos permitiu conhecer muito mais profundamente os efeitos causados ​​pela falta de sono em nosso cérebro. Hoje contamos a história dele.

Biografia e história do desafio

Em 1963, Randy Gardner era um jovem estudante de San Diego que havia proposto um desafio incomum: quebrar o Guinness Record por horas sem dormir.

A idéia surgiu de uma experiência semelhante vivida em 1959 por um apresentador de rádio chamado Peter Tripp, que conseguiu ficar acordado por 8 dias usando sua música, café e anfetaminas, muito populares na época.

No mesmo ano, o recorde de Tripp foi superado por outro apresentador de rádio, que conseguiu ficar acordado por 260 horas. Essa marca parecia imbatível, mas Gardner estava determinado a superá-la. No entanto, para tornar o desafio ainda maior, sua intenção era alcançá-lo sem o uso de qualquer substância estimulante.

Relacionado:  Miguel León-Portilla: biografia, filosofia, prêmios, obras, frases

As razões pelas quais ele tomou essa decisão foram várias. Por um lado, as duas emissoras experimentaram alucinações e paranóia, sem dúvida causadas por uma mistura de fadiga e os medicamentos que estavam tomando. Por outro lado, Randy Gardner queria mostrar que estar em uma situação extrema de falta de sono não tinha sérias conseqüências para a saúde.

Assim, o jovem estudante pediu ajuda a um pesquisador de Stanford, Dr. William C. Dement, que estava estudando o sono e seus efeitos no cérebro humano. Ao mesmo tempo, outros pesquisadores foram responsáveis ​​por monitorar sua saúde física, e alguns de seus colegas de classe o ajudaram a ficar acordado e registraram tudo o que estava acontecendo.

Com tudo pronto, Randy Gardner iniciou seu experimento em 28 de dezembro de 1963. Depois de acordar às 6 da manhã, ele propôs o desafio de permanecer acordado até o início do dia 8 do mês seguinte.

O que aconteceu durante o experimento

O primeiro dia do desafio de Gardner foi como qualquer outro. O jovem sentiu-se enérgico e motivado pelo desafio que enfrentou. No entanto, a partir do segundo dia, ele começou a ter alguns problemas menores, que se tornariam mais graves à medida que o teste avançava.

Assim, a partir da manhã do dia 29, Randy sentiu como se sua cabeça estivesse “nublada”, de modo que lhe era difícil pensar rapidamente e raciocinar corretamente. Essa sensação foi mantida durante todo o teste. Além disso, a partir do terceiro dia, ele comentou que sua visão ficou embaçada e, portanto, cada vez mais dependia do toque para se controlar corretamente ao redor.

A partir do quarto dia, Gardner começou a ter sérios problemas para acompanhar conversas normais e se concentrar em uma única tarefa. Além disso, o jovem disse aos investigadores e seus amigos que ele foi visitado por algum tipo de demônio que pousava em seus olhos para adormecer. Nesse ponto, paranóia e ligeiras alucinações começaram.

Relacionado:  Andrea Palma: biografia e filmes principais

Houve muitos efeitos estranhos que a falta de sono causou no cérebro do jovem estudante. Em vários pontos do estudo, Gardner estava convencido de que ele era realmente um famoso jogador de futebol americano; e no quinto dia, ele comentou como as paredes de sua casa desapareceram, dando lugar a um caminho que o levava através de uma floresta.

Estudos sobre sua saúde mental

No entanto, durante os 11 dias do desafio, o jovem era vigiado por seus companheiros o tempo todo e era frequentemente submetido a testes psicológicos e neurológicos para verificar seu estado mental. Apesar do cansaço óbvio que ele demonstrou e dos efeitos estranhos que sentiu, os estudos concluíram que a saúde do cérebro ainda estava em perfeitas condições.

Assim, mesmo em meio à paranóia, falta de memória e concentração, dificuldade em lembrar o que estava fazendo e alucinações preocupantes, os pesquisadores concordaram que a única coisa que lhe aconteceu foi que ele estava cansado. Não houve efeitos prejudiciais em seu cérebro, nem parecia que ele teria sequelas a longo prazo.

William Dement, o investigador encarregado de conduzir o estudo de caso, afirmou que suas habilidades cognitivas pareciam permanecer intactas. De fato, em um relatório sobre o experimento, é mencionado como uma curiosidade que Gardner conseguiu vencer o pinball durante o décimo dia em que ficou acordado.

O fim do experimento

Quando ele finalmente chegou, em 8 de janeiro, o jovem americano passou por uma rodada final de testes para verificar o estado de sua saúde física e mental. Vendo que tudo estava correto, Randy Gardner fez um discurso público no qual demonstrou que podia falar sem complicações e sem ser notado nada de estranho além do óbvio cansaço.

Relacionado:  Myra Estrin Levine: biografia, teorias e outras contribuições

Depois, o jovem finalmente dormiu, tendo estabelecido o novo recorde Guinnes em 264 horas e 25 minutos sem descansar. Depois de dois dias em que dormiu muito mais do que o habitual, novos estudos em seu cérebro revelaram que ele não havia sofrido alterações ou danos de qualquer espécie.

Assim, a estranha experiência de Randy Gardner serviu para reforçar a teoria de que a privação extrema do sono não tem outras consequências além de grande fadiga. No entanto, o problema ainda não está fechado, pois alguns estudos posteriores sugerem que não dormir pode ser muito perigoso.

De qualquer forma, embora ainda não tenhamos certeza do que acontece depois de muito tempo sem descansar, a conclusão é óbvia: é melhor não tentar imitar o feito de Gardner em casa.

Referências

  1. “O experimento do jovem que ficou sem dormir por 11 dias … e 25 minutos” na: BBC. Retirado em: 24 de setembro de 2019 da BBC: bbc.com.
  2. “Randy Gardner” em: Wikipedia. Retirado em: 24 de setembro de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  3. “Os delírios e paranóia do aluno que passou 11 dias sem dormir” em: PlayGround. Retirado em: 24 de setembro de 2019 de PlayGround: playgroundmag.net.
  4. “Randy Gardner: o homem que ficou mais tempo sem dormir” em: Xataca Ciencia. Retirado em: 24 de setembro de 2019 de Xataca Ciencia: xatacaciencia.com.
  5. “Randy Gardner” em: Wikipedia. Retirado em: 24 de setembro de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies