Álvaro Menen Desleal: Biografia, Obras e Poemas

Álvaro Menen Desleal foi o pseudônimo usado pelo ilustre jornalista salvadorenho cujo nome verdadeiro era Álvaro Menéndez Leal. Ele nasceu em Santa Ana em 13 de março de 1931.

Em sua vida, ele foi contador de histórias, dramaturgo, poeta e narrador de notícias. Ele estudou jornalismo no México, onde era adido cultural de El Salvador.

Álvaro Menen Desleal: Biografia, Obras e Poemas 1

Ele era membro do Círculo Literário da Universidade Salvadorenha. Sua notável carreira transcendeu as fronteiras de seu país e suas obras são conhecidas em todo o mundo.

Ele começou na literatura em uma idade muito jovem. Em 1952, ele escreveu e publicou na imprensa um poema considerado subversivo, que lhe valeu a expulsão da escola militar General Gerardo Barrios, onde ele estava no terceiro ano.

Em agosto de 1953, ele foi preso sob a acusação de conspiração contra o tenente coronel Oscar Osorio, que era então membro do Conselho do Governo de El Salvador.

Mas o exposto não foi suficiente para interromper sua carreira. Em 1956, ele fundou o primeiro noticiário de televisão em El Salvador, chamado Tele-Periódico.

Este programa teve duas horas de grande audiência e um suplemento cultural de domingo que circulava anexado a um jornal impresso no México.

Álvaro Menéndez Leal morreu em San Salvador, em 6 de abril de 2000, aos 68 anos de idade após sofrer de câncer de pâncreas.

Obras literárias

  • A chave (1962). Eu conto
  • Histórias curtas e maravilhosas (1963). Eu conto
  • O estranho habitante (1964). Eu conto
  • As ginastas (1964). Peça teatral
  • O circo e outras peças falsas (1965). Peça teatral
  • Luz Negra (1965). Peça teatral
  • Casa da cidade de todos (1968). Ensaio
  • Uma corda de nylon e ouro (1969). Eu conto
  • Três peças falsas (1969). Peça teatral
  • Revolução no país que construiu um castelo de fadas (1971). Eu conto
  • A ilustre família Android (1972). Eu conto
  • Fazendo amor no abrigo atômico (1974). Eu conto
  • Os Vícios de Papai (1978). Eu conto
  • A bicicleta ao pé do muro: um ato, sem solução de continuidade (1991). Peça teatral
Relacionado:  Quais são os gêneros de romantismo?

Poemas

  • Arco-íris
  • Me dê sua mão, Antipode.
  • Estou com pressa.
  • A verdade é essa.
  • Ouça: esta é a minha voz.
  • Receitas para um velho burguês para ser feliz.
  • Romance de San Andrés.
  • Pegue e dê.
  • Oração que ajuda a condenar um tirano.

Deste último, é valioso resgatar um pequeno extrato que indica o quão crítico era a tirania:

«Senhor,
quando você morrer, porque, como o tiranossauro, por maior e mais feroz que seja, por mais amargo e bem armado que seja, ele deve morrer, e será como um pequeno vulcão de ossos sobre os quais os outros animais da floresta Mije com impunidade.

Em nome do Pai, o Filho e o Espírito Santo;
na de poetas presos em seus ossos;
na das viúvas que mordem os travesseiros
e na de todos os mortos levantando os punhos,
obrigado eu te dou, Senhor.
Amém.

Prêmios obtidos

  • Prêmio Nacional de Cultura, em 1962.
  • 1º prêmio dos Jogos Comemorativos Hispano-Americanos Florais de Quezaltenango (Guatemala) com a peça Luz Negra , em 1965.
  • 2º prêmio no Concurso Nacional de Cultura com o ensaio Ciudad casa de todos , em 1967.
  • 1º prêmio no Concurso Cultural Nacional com seu livro de histórias Uma corda de ouro e nylon , em 1968.
  • 1º prêmio do Concurso Centro-Americano «Miguel Ángel Asturias», contador de histórias, com a obra Revolução no país que construiu um castelo de fadas , em 1971.
  • 1º prêmio no Concurso Nacional de Literatura da Universidade de El Salvador pela peça A bicicleta ao pé do muro: um ato, sem solução de continuidade , em 1991.

Referências

  1. Injusto, Á. M. (1964). O habitante estranho: (México, 03:00). Califórnia: Ministério da Educação, Direção Geral de Publicações.
  2. Injusto, Á. M. (1997). A ilustre família android. San Salvador: Departamento de Publicações e Impressão, Conselho Nacional de Cultura e Arte.
  3. Eladio Cortés, MB-M. (2003). Enciclopédia do teatro latino-americano. Greenwood: Greenwood Publishing Group.
  4. Gusils, JR (2012). Índice de escritores latino-americanos. México: UNAM.
  5. Lockhart, DB (2004). Escritores de ficção científica latino-americanos: um guia de A-to-Z. Greenwood: Greenwood Publishing Group.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies