Amado Nervo: biografia, estilo, obras, frases

Amado Ruiz de Nervo Ordaz (1870-1919) foi um escritor e poeta mexicano. Seu trabalho foi enquadrado na corrente do modernismo, destacando-se por ser fino, elegante e altamente criativo. Sua poesia, em particular, evidenciou muitas vezes a personalidade melancólica do autor.

O trabalho de Nervo foi influenciado pelo poeta nicaragüense Rubén Darío; A princípio, possuía nuances religiosas e elegância especial em linguagem e sonoridade. Então, sua poesia foi transformada devido a suas relações com os poetas espanhóis e franceses.

Amado Nervo: biografia, estilo, obras, frases 1

Amado Nervo. Fonte: taringa [domínio público], via Wikimedia Commons

No nível pessoal, a felicidade nem sempre estava do lado do escritor. Durante sua vida, ele passou por vários episódios difíceis: a perda de vários entes queridos fez dele um ser triste e nostálgico. Era inevitável que seu sentimento e humor se refletissem em suas letras por causa da melancolia que ele sofria.

Biografia

Nascimento e família

Amado Nervo nasceu em 2 de agosto de 1870 em Nayarit, Tepic, no núcleo de uma família de classe média, mas com sérios problemas econômicos. Seus pais eram Amado Nervo e Maldonado e Juana Ordaz y Núñez. Quando o futuro poeta tinha apenas nove anos, ele ficou órfão como pai.

Nervo Education

Amado Nervo realizou seus primeiros anos de estudo no Colégio San Luís Gonzaga, na cidade de Jacona, no estado de Michoacán. Mais tarde, em Zamora de Hidalgo, ele treinou em filosofia e ciência. Além disso, durante um ano, no seminário daquela cidade, ele estudou direito.

Mudança de rumo

Desde a morte do pai de Nervo, a situação econômica de sua família não era boa. Isso o levou a abandonar sua preparação acadêmica em 1891. Por causa disso, ele voltou para sua cidade natal e depois foi para Mazatlan, onde atuou como assistente de um advogado, enquanto começava a escrever em um jornal local.

Novas oportunidades na Cidade do México

Em 1894, Amado Nervo já havia se estabelecido na Cidade do México, determinado a dar continuidade à carreira jornalística iniciada em Mazatlan. Naquela época, ele começou a escrever para a Blue Magazine, que era uma vitrine para o movimento modernista e um ponto de encontro para as idéias de muitos poetas.

O trabalho de Nervo começou a dar-lhe reconhecimento entre os intelectuais da época. Isso lhe permitiu entrar em contato com escritores mexicanos como o poeta Luis Gonzaga Urbina e outros de estatura internacional, incluindo Ramón de Campoamor e Rubén Darío.

Nervo no mundo e primeiras publicações

O trabalho jornalístico de Amado se estendeu aos jornais El Mundo, El Nacional e El Universal; Mas foi no El Mundo onde ele se tornou parte do conselho. Lá ele estava encarregado do conteúdo humorístico encantado The Comic World; posteriormente, o suplemento tornou-se independente.

Amado Nervo: biografia, estilo, obras, frases 2

Fachada do El Universal, jornal mexicano onde Nervo trabalhava. Fonte: LDAB [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

O escritor mexicano conseguiu alcançar a fama quando o bachiller veio à luz em 1895. Três anos depois, ele o ratificou com os poemas Black and Mystic Pearls . Ele também fez parte da criação e direção da Revista Moderna, entre 1898 e 1900.

Fique em Paris

Amado Nervo, como jornalista, trabalhou como correspondente em Paris para o El Imparcial, na ocasião da Exposição Universal de 1900. Durante esse período, conheceu escritores como Oscar Wilde, Jean Moréas e Leopoldo Lugones, e também consolidou amizade com o poeta Rubén Darío.

Amado Nervo: biografia, estilo, obras, frases 3

Oscar Wilde, um dos grandes escritores que Amado Nervo conheceu em Paris. Fonte: Napoleon Sarony [Domínio público], via Wikimedia Commons

O tempo que o escritor passou na Europa o levou a se apoiar na filosofia do Parnaso, que rejeitou o romântico para dar lugar aos puros. Daquele tempo são seus escritos: Poemas, O êxodo e as flores da estrada, e As vozes . Nesse momento, ele também aproveitou a oportunidade para visitar várias cidades europeias.

Vida sentimental do Amado

A estadia de Amado Nervo em Paris, além de conectá-lo com importantes intelectuais, também o fez com o amor de sua vida: Ana Cecilia Luisa Dailliez. Eles começaram seu relacionamento em 1901, que durou até 1912, ano em que ela morreu. A tristeza o levou a escrever O amado estacionário. Ana deixou uma filha: Margarita.

Nervo como diplomata

Em 1905, Amado Nervo retornou ao seu país, onde teve a oportunidade de ensinar espanhol na Escola Preparatória Nacional. Então ele foi nomeado secretário da embaixada de seu país na Espanha. Ele continuou sua carreira literária e escreveu obras como Joana de Asbaje e Em voz baixa.

Últimos anos e morte

Os últimos anos da vida de Amado Nervo se passaram entre sua carreira diplomática e literária. No entanto, devido à Revolução Mexicana, esse trabalho foi interrompido por um tempo até retomar em 1918, quando o Uruguai e a Argentina estavam destinados.

Amado Nervo: biografia, estilo, obras, frases 4

Sepulcro de Amado Nervo, na Rotunda de Ilustres, México. Fonte: Thelmadatter [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Não demorou muito para que a vida do escritor terminasse. Nervo morreu em 24 de maio de 1919, no Uruguai, devido a doença renal, quando tinha apenas quarenta e oito anos. Seus restos mortais repousam na Rotunda de Pessoas Ilustres em seu México natal.

Estilo

O estilo literário de Amado Nervo foi caracterizado por pertencer ao movimento modernista. No entanto, muitos de seus escritos se opunham a essa corrente, porque estavam mais alinhados com suas experiências e sentimentos pessoais, onde a tristeza e a nostalgia eram da maior importância.

A linguagem usada pelo escritor mexicano em sua literatura foi cultivada, bem trabalhada e refinada. Nervo era um escritor perfeccionista, em seu trabalho você pode observar seu cuidado com a forma do verso, bem como a relevância das estrofes.

Evolução e tema

O trabalho de Amado Nervo foi inicialmente guiado por seus interesses religiosos e caracterizou-se por ser místico. No entanto, após sua viagem a Paris e seu contato com outros escritores, eles permitiram que ele evoluísse para um tema mais voltado para o homem, de interesse universal e com maior amplitude.

Trabalhos

Poesia

– Pérolas negras (1898).

– Místicos (1898).

– Poemas (1901). Edição publicada em Paris.

– Irmã Água (1901).

– O êxodo e as flores da estrada (1902).

– Lira heróica (1902).

– as vozes (1904).

– Os jardins interiores (1905).

– Em voz baixa (1909).

Serenidade (1912).

– Em paz (1915).

– Elevação (1916).

– Plenitude (1918).

– O lago de lótus (1919).

– O arqueiro divino (1920).

– O amado imóvel (1920).

– Poemas completos (1935).

– Manhã do poeta (1938).

– A última lua (1943).

Breve descrição de alguns de seus poemas mais representativos

Pérolas Negras (1898)

São considerados os primeiros poemas de Amado Nervo. A maioria dos versículos contidos no livro foi publicada inicialmente nos diferentes jornais em que o escritor trabalhava. Este trabalho teve um tema semelhante ao misticismo, um manuscrito que veio à luz também em 1898.

Amado Nervo: biografia, estilo, obras, frases 5

Escudo da Escola Preparatória Nacional, onde Nervo ensinava. Fonte: UNAM [domínio público], via Wikimedia Commons

Foi um trabalho curto, composto por mais de setenta poemas de orientação religiosa. Foi também um reflexo das experiências pessoais do poeta, em relação à perda de parentes; sentimentos de tristeza e solidão deram origem a uma conversa entre o poeta e uma divindade espiritual.

Fragmento do poema “V”

“Você vê o sol desligando sua luz pura

nas ondas do piélago âmbar?

Foi assim que meu esplendor afundou minha felicidade

Para não renascer no meu caminho.

Olhe para a lua: rasgando o véu

Da escuridão, o brilho começa.

Então ele subiu acima do meu céu

A estrela fúnebre da tristeza.

Você vê o farol na rocha comida

que o mar agitado com sua espuma

tapete?

É assim que a fé irradia sobre a minha vida,

solitário, puro, oculto:

Como o rosto de um anjo na sombra!

Místicos (1898)

Foi uma das primeiras obras poéticas do autor, por isso ele se concentrou em suas experiências juvenis e em sua paixão pelos religiosos. O conteúdo do trabalho é autobiográfico, sua experiência no seminário foi notória, enquanto havia alguns poemas orientados para o sensual e o erótico.

Fragmento

“Oh Senhor! Deus dos exércitos,

Pai eterno, rei eterno,

para este mundo que você criou

com a virtude do seu poder,

porque você disse: a luz seja,

Sua luz já era sua palavra;

porque você coexistiu com a Palavra,

porque com você a Palavra é

desde as idades dos séculos

e sem amanhã e ontem … “

Os jardins internos (1905)

Este trabalho de Amado Nervo consistiu em um conjunto de poemas, conteúdo autobiográfico e algumas características antecipadas sobre um relacionamento amoroso não especificado. Talvez ele tenha sido uma inspiração para sua situação real com Margarita, a filha de sua amada Ana.

O tema dos poemas gira em torno do amor por uma mulher chamada Damiana. O autor orientou o trabalho para superar a decepção do amor; A linguagem usada por Amado Nervo era culta e lírica. Nele, o escritor não negligenciou suas influências e interesses religiosos.

Poemas incluídos nestes poemas

– “Meu verso.”

– “Noite”.

– “triste”

– “ingênuo”.

– “A canção da flor de maio”.

– “imprecisão”.

– “Quem é Damiana?”

– “Essa garota doce e séria …”.

– “Você vem com o amanhecer”.

– “Expiração”.

– “Damiana vai se casar.”

– “São os sonhos que acontecem.”

– “O retorno”.

Fragmento de “Quem é Damiana?”

“A mulher no meu coração

juventude poderia ter sido

–Se Deus quisesse–

meu

na paisagem interior

de um paraíso de amor

e poesia;

o herói ou vila

‘meu aldeão’ ou ‘minha princesa’

teria sido chamado, que

É, no meu livro, Damiana.

Em voz baixa (1909)

Este livro de Nervo foi uma dedicação à sua mãe Juana Ordaz, que morreu perto da data de publicação do livro. A obra era uma espécie de confissão do próprio autor sobre seus desejos para uma mulher nos textos que se tornaram seus aliados em seu caminho literário.

A linguagem usada pelo poeta no livro é sutil e implícita, o que talvez deu origem ao nome da obra. Talvez a intenção de Amado fosse fortalecer os laços com os leitores, especialmente as mulheres, em uma sociedade que estava nas mãos da figura masculina.

Serenidade (1912)

Foi um trabalho publicado sob uma editora de Madri. Neste livro de poesia, Amado Nervo refletiu a serenidade e a paz interior que encontrou em sua vida, expressando desesperança. No entanto, ele tinha em mente a possibilidade de amar diante da perda.

A estruturação que o poeta deu ao livro era mais para sua organização pessoal do que para o próprio leitor. Além disso, ele listou-os e deu-lhes um título. A intenção do escritor era a reflexão e a evolução do ser, todas enquadradas no simbolismo e no modernismo.

Fragmento

“Além da impaciência

dos mares revoltados,

a indiferença silenciosa

dos membros da íris

e a existência plácida

Dos monstros não sonhados.

… Além do rio insano

da vida, do bullir

Apaixonado, o Oceano Pacífico …

com sua severa onda cinza,

com suas imensas costas inertes

que não chicoteia o vôo

um pouco de brisa … ”

Em paz (1915)

Foi um poema em que Amado Nervo expressou, com uma linguagem clara e muito pessoal, sua gratificante posição perante a vida, como conseqüência de sua evolução e maturidade diante de diferentes experiências. A escrita foi posteriormente incluída em sua obra Elevation, em 1916.

O poema era um reflexo da aprendizagem pessoal do poeta, que foi ratificada em uma narrativa em primeira pessoa. A mensagem final era de responsabilidade do ser humano com a vida, as experiências vividas e o caminho que ele tinha que percorrer.

Fragmento

“Muito perto do meu pôr do sol, eu te abençoo, vida,

porque você nunca me deu nenhuma esperança,

nem obras injustas, nem penalidade imerecida;

porque eu vejo o fim do meu caminho difícil

que eu era o arquiteto do meu próprio destino …

Sem dúvida, achei longas as noites de minhas dores;

mas você não me prometeu apenas boas noites;

e, em vez disso, tive um sereno sagrado …

Eu amei, fui amado, o sol acariciou meu rosto.

Vida, você não me deve nada!

Vida, estamos em paz! ”

Elevação (1916)

Neste trabalho, o autor mexicano deixou de lado a religiosidade e também as paixões da juventude. Seus temas foram mais para temas filosóficos e reflexivos. Amado Nervo conseguiu expor com este título tranquilidade e paz, um espírito calmo e sereno.

Os principais temas relacionados ao amor e à paz. Nervo também desenvolveu os poemas com versos livres, como com rimas consoantes e consoantes. Ao mesmo tempo, ele usou muitas metáforas. Ele deu aos leitores poemas fáceis de entender.

Fragmento

Mãe misteriosa de toda a gênese, mãe

portentoso, mudo e fiel das excelentes almas;

ninho incomensurável de todos os sóis e mundos;

em que tremem os estragos de todas as causas!

área em que voam as asas do azul dos sonhos:

Deixe meus alunos serem um espelho para copiar seus orbes;

deixe seu silêncio ser sutil comunhão da minha vida;

que seus arcos sejam uma picada divina da minha mente;

seja a tua verdade remota, por trás da sepultura, a minha herança ”.

O Amado Imóvel (1920)

Foi uma das obras poéticas mais conhecidas de Amado Nervo, devido ao seu conteúdo doloroso e doloroso. Isso refletia o sofrimento deixado pela morte repentina do amor de sua vida: Ana Cecilia Luisa Dailliez, após uma febre tifóide.

Os poemas foram feitos pelo escritor como uma maneira de aliviar a dor, então ele a manteve como algo íntimo. No entanto, um ano após sua morte, a obra foi publicada e a expressividade e os sentimentos do poeta transcenderam.

Fragmento

“Ele me beijou muito; como se tivesse medo

p>saindo muito cedo … Seu amor era

inquieto, nervoso.

Não entendi tanta pressa febril.

Minha rude intenção

nunca vi longe …

Ela sentiu!

Ela sentiu que o termo era curto,

que a vela ferida pelo chicote

do vento, ele já estava esperando … e em sua ansiedade

Eu queria deixar sua alma em cada abraço

colocar seus beijos uma eternidade ”.

Novelas

– Pascual Aguilera (em duas edições: 1892 e 1899).

– o solteiro (1895).

– O doador de almas (1899).

– O diabo altruísta (1916).

Breve descrição de alguns de seus romances mais representativos

O solteiro (1895)

Acabou sendo um dos romances mais reconhecidos de Amado Nervo, curto e naturalista. O trabalho foi composto por nuances autobiográficas, que se juntaram à religião, erotismo, amor e evolução humana.

Argumento da história

O romance conta a história de Felipe, um jovem com uma personalidade melancólica e uma inclinação religiosa, que tomou a decisão de estudar teologia. No entanto, a natureza disciplinar da corrida diminuiu sua saúde.

Felipe vai para a fazenda de seu tio Don Jerónimo, onde cresceu após a morte de sua mãe. Lá, ele encontra amor em Assunção, seu amigo desde a infância, e ele o confessa. A história muda quando o solteiro, Felipe, decide “se salvar” por meio da castração.

O romance foi estruturado em quatro partes: um preâmbulo, “Nos braços do ideal”, “Tentação” e “Origens”. Também o autor, em sua afinidade com os religiosos, deu origem à história com um versículo do Evangelho de São Mateus, que se referia a se livrar de um membro do corpo se ele cair em tentação.

O Doador de Almas (1899)

Foi o terceiro romance de Amado Nervo, cuja publicação foi dada no suplemento El Mundo Cónico. O conteúdo da história se desenvolveu dentro do humorístico, filosófico e fantasioso; Foi um trabalho relacionado ao vínculo entre o homem e sua alma.

Fragmento

“Ah! Estou triste e um pouco sonhadora, tenho a melancolia do pôr-do-sol de domingo, total ausência de afetos, nem afeto: meu reino por afeto, meu gato, aquele emblema taciturno do celibato me cansou. Minha cozinheira, a sra. Corpus, não inventa mais e enriquece seus ensopados. Os livros me cansam … Quero ter um desejo …?

Contos

– Almas que passam (1906).

– Eles (data desconhecida).

– Plenitude (1918).

– Contos misteriosos (1921).

– As varandas (1922).

Breve descrição de algumas de suas histórias mais representativas

Contos Misteriosos (1921)

Este trabalho foi uma coleção póstuma de uma série de histórias do autor mexicano. As histórias foram enquadradas dentro do imaginário. Além disso, predominaram três fases: a do romance e da paixão, a dos elementos modernos e a mais filosófica e religiosa.

Alguns dos títulos que formaram a série de histórias foram:

– “O lindo yaqui.”

– “Quem não quer ser amado.”

– “O horóscopo”.

– “Don Diego à noite.”

– “Morto e ressuscitado.”

– “Mayusculismo”.

– “História de um franco que não circulava”.

– “Uma Marselha.”

– “Buquineando”.

– “O sinal interno”.

– “O país onde a chuva estava forte”.

– “A cobra que morde o rabo”.

– “O anjo caído”.

Fragmento de “O belo yaqui”

“Um dia, meu amigo notou um indiano, grande e esbelto, cujo rosto estava cheio de lama.

– Por que essa mulher é tão suja? –Ele perguntou ao intérprete.

O intérprete respondeu:

–Porque ela é bonita; Ele deixou o namorado em sua terra natal e não quer que os ‘estrangeiros’ a vejam.

A indiana, enquanto isso, imóvel, teimosamente baixou os olhos.

-A ver! “Meu amigo disse:” lave seu rosto. Traga água!

Sua boca é curta, vermelha como a pera espinhosa; as bochechas foscas de um delicioso cravo; o nariz sensual e semi-aberto; e acima de tudo que seus olhos brilhavam e tristes … ”

Ensaio

– O êxodo e as flores da estrada (1902).

– Joana de Asbaje (1910). Biografia de Sor Juana Inés de la Cruz.

– Minhas filosofias (1912).

Teatro

– Consuelo (1899, estreou no Teatro Principal da Cidade do México).

Frases

– “Ame como puder, ame quem puder, ame tudo que puder. Não se preocupe com o propósito do seu amor.

– “O verdadeiro amor faz milagres, porque já é o maior milagre.”

– “Quem pede lógica para a vida esquece que é um sonho. Sonhos não têm lógica. Vamos esperar para acordar.

– “Almas superiores não têm medo de mais de uma coisa: cometer uma injustiça.”

– “Há algo tão necessário quanto o pão diário, e é a paz de todos os dias. A paz sem a qual o pão é amargo ”.

– “O sinal mais óbvio de que a verdade foi encontrada é a paz interior.”

– “Se você tem orgulho, deve amar a solidão; os orgulhosos sempre ficam sozinhos. ”

– “A alma é um vaso que é preenchido apenas com a eternidade.”

– “Eu vivi porque sonhei muito”.

– “Se viver sozinho está sonhando, vamos fazer o bem sonhando.”

Referências

  1. Amado Nervo. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Tamaro, E. (2004-2019). Amado Nervo. (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  3. Moreno, V., Ramírez, M. e outros. (2019). Amado Nervo. (N / a): pesquise biografias. Recuperado de: buscabiografias.com.
  4. Mejías, A. (S. f.). Amado Nervo. Espanha: Biblioteca Virtual Cervantes. Recuperado de: cervantesvirtual.com.
  5. Amado Nervo: biografia, características, poemas e muito mais. (2019). (N / a): caracteres históricos. Recuperado de: charactershistoricos.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies