Anarcocapitalismo: história, princípios e autores

O anarco – capitalismo ou o anarquismo de livre mercado é uma filosofia política individualista que vê o Estado como uma entidade desnecessário e deve ser abolida, a fim de decretar a liberdade dos indivíduos. Isso seria feito através de um sistema econômico que promova a propriedade privada e o livre mercado como elementos moralmente admissíveis.

Esse termo nasce como uma filosofia política que está agregando cada vez mais seguidores devido aos trancos e barrancos que apresenta em seu desenvolvimento.

Anarcocapitalismo: história, princípios e autores 1

Dado que as novas massas têm fome de inovação em todos os aspectos de suas vidas, esse movimento está emergindo como uma solução potencial para os problemas econômicos, sociais e políticos que a humanidade está enfrentando.

Para entender um pouco mais o termo, é necessário aprofundar o significado da palavra; O anarquocapitalismo nasce como um produto de duas doutrinas aparentemente contraditórias, mas na realidade elas mantêm aspectos em comum.

O primeiro é o liberalismo econômico, cujo princípio é a proteção da propriedade privada. O segundo é o anarquismo, posição que busca oferecer uma alternativa aos parâmetros organizacionais do Estado, promovendo uma organização social mais livre.

História do anarquocapitalismo

Antes de o termo “anarquocapitalismo” ter sido cunhado pela primeira vez, muitas sociedades já haviam demonstrado, pouco ou muito, a eficiência de um modelo organizacional sem o Estado e que praticava o livre comércio.

Dado que as raízes do anarquocapitalismo são meramente teorias das ciências sociais (anarquismo, capitalismo, liberalismo), não é prudente decretar que os exemplos históricos de anarquocapitalismo que serão explicados abaixo são 100% anarquocapitalistas.

Apesar disso, deve-se notar que seus fundamentos estão intrinsecamente relacionados ao conceito de anarquocapitalismo e, portanto, fazem parte de sua história.

Irlanda celta

Essa sociedade, que ocorreu entre 650 e 1650, é o primeiro precedente do anarcocapitalismo de que temos conhecimento.

Não havia um Estado próprio que criou as leis ou um tribunal que as impôs; Essa característica os torna compatíveis com o atual modelo anarquocapitalista que busca usar a lei de maneira mais libertária e eqüitativa.

Relacionado:  Fisiocracia: Origem, Características e Representantes

Esse modelo de lei anarquocapitalista atual seria incentivado pela privatização de serviços públicos, como tribunais, polícia, entre outros. Sendo os indivíduos que pagam por esse serviço, considera-se que os processos serão mais transparentes e eficazes.

Murray Rothbard (que será discutido mais adiante) investiga esse tópico e a Celtic Ireland em seu livro “Por uma nova liberdade”.

Rhode Island

Entre 1636 e 1648, essa área dos Estados Unidos foi o berço das sociedades, que na época eram catalogadas como anarquistas. Entre as semelhanças latentes que existem com o anarco-capitalismo atual está a falta de um estado que regule os cidadãos.

Também a criação de um modelo de organização social livre, onde os representantes de cada família se reuniam a cada 15 dias para discutir e decidir, por consenso mútuo, questões sobre paz, abundância e vigilância.

Tudo isso, conforme descrito por Roger Williams, fundador da Providence em Rhode Island.

O oeste norte-americano

Embora existam outros exemplos antigos que provam a eficácia de uma sociedade potencialmente anarcocapitalista; É apresentado ao oeste americano, entre 1830 e 1900, como o último precedente histórico desse termo no artigo. Isso se deve ao modelo social bem-sucedido que eles administraram, longe de ser selvagem como muitos acreditam.

No oeste americano, havia assentamentos civis muito antes da chegada do governo dos EUA. Eles também definiram o direito de propriedade de acordo com os costumes locais, e as empresas de mineração e pecuária da região estabeleceram suas próprias concessões.

O precedente direto do anarquocapitalismo é, sem dúvida, o liberalismo clássico, do qual subtrai os princípios básicos do livre comércio e da defesa da propriedade privada; isso por parte do modelo econômico capitalista.

Mas com relação à posição anarquista da organização social, os princípios do anarquocapitalismo foram prenunciados desde o século 19 nos Estados Unidos, onde filósofos políticos como Lysander Spooner e Bejamin Tucker aparecem promulgando o individualismo anarquista.

Relacionado:  Economia positiva: características e exemplos

Gustave de Molinari, com seus vários ensaios, contribuiu para o reforço da idéia de uma sociedade em que o Estado tinha ações limitadas, sem dúvida um prelúdio à abolição do Estado proposta pelos anarquocapitalistas.

A Escola Austríaca de Economia também obtém a metodologia pela qual o anarquocapitalismo emerge como uma filosofia política.

Obras de Murray Rothbard

O termo “anarquocapitalismo” não foi cunhado até o aparecimento das obras de Murray Rothbard (1926-1995), um economista americano que combinava as influências do liberalismo clássico, anarquistas individualistas e a escola austríaca, sabia como delimitar os princípios dessa filosofia. política

Tantas – e tão importantes – foram suas contribuições, que hoje são consideradas o pai do anarquocapitalismo moderno.

Princípios do anarquocapitalismo

A lei e a ordem

Entre os princípios fundamentais do anarquocapitalismo como filosofia política está a idéia de fornecer serviços de proteção aos cidadãos de uma maneira mais libertária.

Isso permitiria, em teoria, que as pessoas optassem por empresas que oferecem serviços privados de polícia ou defesa, que competiriam no mercado para oferecer melhores serviços e atrair mais clientes.

Empresa contratual

Esse princípio revela que dentro de uma sociedade que adota o anarquocapitalismo como modelo político, não existirão relações que não sejam baseadas em ações voluntárias.

Os contratos voluntários servirão como uma estrutura legal para as operações e evitarão conflitos ou atos de violência.

Política de Não Agressão

Para os anarquocapitalistas, a não agressão é um princípio que se aplica a dois flancos; o primeiro é o pessoal, onde o uso da violência não pode prejudicar o outro, e o segundo é o material, onde as ações contra os bens materiais são vetadas.

Direitos de propriedade

No anarquocapitalismo, existe o direito à propriedade privada que é entendida não apenas como propriedade de si mesmo, isto é, liberdade, mas também de todos os recursos ou bens sem dono anterior que um indivíduo tenha trabalhado.

Relacionado:  Sociedade em nome coletivo: características, requisitos, exemplos

Também existe propriedade comum, típica do sentimento anarquista, mas isso é praticado apenas sob o princípio da sociedade contratual.

Autores do anarquocapitalismo e seus pontos de vista

Murray Rothbard

Sem dúvida, o autor mais proeminente com obras como A Ética da Liberdade ou Por uma Nova Liberdade . Seu ponto de vista é baseado em um anarquocapitalismo mais pacífico e em troca voluntária, longe do capitalismo de estado que deturpa o livre mercado.

David Firedman

Por seu lado, este autor discorda do ponto de vista de Rothbard e não concebe o anarquapapitalismo moralmente ético, mas sim pragmático.

Assim, a maioria das pessoas se beneficiaria sem prestar atenção às questões morais, porque não haverá código legal como proposto por Rothbard, mas o próprio mercado elevará as leis.

Hans-Hermann Hoppe

Esse outro famoso autor do anarquocapitalismo compartilha semelhanças em sua opinião com a de Rothbard. Para ele, é necessário usar uma série de argumentos éticos que dão lugar à criação da propriedade anarquista privada.

Morris e Linda Tannehill

No The Market for Liberty, esse par de autores revela seu apoio à idéia anarquocapitalista de um sistema judicial privado. Revelando em seu trabalho uma série de exemplos viáveis ​​que reforçam sua tese.

Referências

  1. Liberalismo clássico versus anarquocapitalismo por Jesús Huerta de Soto (02/02/2014). Recuperado de jesushuertadesoto.com
  2. Anarcocapitalismo de Adrew Morriss (15 de agosto de 2008). Recuperado do Libertarianism.org
  3. Cultura realmente livre Comunidades anarquistas, movimentos radicais e práticas públicas. Editora: Lee Tusman (2008). Recuperado do Google.books.co.ve
  4. Perguntas frequentes sobre anarcocapitalismo. (13 de abril de 2015). Recuperado de ozarkia.net
  5. Propriedade comum no anarco-capitalismo por Randall G. Holcombe. A REVISTA DE ESTUDOS LIBERTÁRIOS (30/07/2014). Instituto Mises. Recuperado de mises.org

Deixe um comentário