Apendicectomia: descrição, cuidados e complicações

A apendicectomia consiste em uma intervenção cirúrgica que visa a remoção do apêndice cecal inflamado. Este procedimento é realizado como uma emergência antes da apendicite, levando em consideração o risco que esta doença representa. É a cirurgia mais frequente hoje.

O conhecimento e o desenvolvimento da apendicectomia como técnica cirúrgica ocorreram entre os séculos XVIII e XIX. A primeira cirurgia de apêndice registrada aconteceu em 1735, realizada por Amyan, cirurgião militar. É entre meados e final do século XIX, quando são documentados a técnica e os procedimentos de diagnóstico da apendicite.

Apendicectomia: descrição, cuidados e complicações 1

O apêndice é uma estrutura localizada no ceco, uma porção do intestino grosso. A função dos órgãos tem sido relacionada à atividade imunológica, mas não é uma estrutura vital. Apendicite é a inflamação do apêndice devido a mecanismos de obstrução, principalmente. Essa condição, embora comum, é potencialmente grave.

A apendicite apresenta sintomas que orientam seu diagnóstico, como dor abdominal, perda de apetite, náusea, vômito e, ocasionalmente, febre. A dor começa classicamente na hemiabdomen superior e depois irradia e localiza na fossa ilíaca direita. Dependendo do tempo de evolução, o apêndice pode perfurar e produzir peritonite.

Além do exame clínico, a abordagem diagnóstica da apendicite inclui exames laboratoriais, radiologia e ultra-som. Uma contagem normal de glóbulos brancos ou evidência de imagem confirmará o diagnóstico de apendicite.

Uma vez feito o diagnóstico de apendicite, a apendicectomia é o tratamento de escolha. Ocasionalmente, a remoção preventiva do apêndice saudável pode ocorrer durante uma laparatomia. A apendicectomia profilática é realizada, antes do conhecimento do paciente, para evitar cirurgias futuras.

A apendicectomia aberta ou tradicional é a mais utilizada e consiste na abordagem cirúrgica através de uma incisão na parede abdominal. A cirurgia laparoscópica é uma técnica instrumental que representa uma opção para realizar apendicectomia.

Descrição da técnica

A única justificativa para uma apendicectomia é o diagnóstico inequívoco de apendicite. Considerando as implicações que a cirurgia tem para um paciente, deve haver uma base diagnóstica prévia adequada. Interrogatório, exame clínico preciso e exames laboratoriais e de imagem são ferramentas fundamentais.

Existem dois procedimentos para realizar uma apendicectomia: uma técnica tradicional ou apendicectomia aberta; e a abordagem laparoscópica.

Apendicectomia aberta

O procedimento tradicional e mais frequente utilizado é a apendicectomia aberta. Pode ser realizada com o paciente sob anestesia geral ou peridural, de acordo com a complexidade da cirurgia. Essa técnica consiste em várias fases:

Limpeza da área de operação e colocação de campos estéreis

Consiste em adaptar o paciente ao ato cirúrgico. A área operatória é o quadrante inferior direito do abdome, localização topográfica do apêndice.

Primeiro, com a área operativa raspada, é realizada a limpeza rigorosa com anti-sépticos. Uma vez limpa, a área é delimitada com a colocação de material estéril, campos e folhas.

Diarresis por aviões

A diferença é a separação dos tecidos através de incisões e cortes. Para localizar o apêndice no abdômen, a diérese deve ser realizada nos diferentes planos de fora para dentro: pele, aponeurose muscular, músculo e peritônio. Este procedimento é realizado com o uso de bisturi, pinça, tesoura e separadores especiais.

– A incisão inicial dependerá da fase clínica da apendicite, do tempo de evolução e da decisão do cirurgião. As incisões mais comumente usadas são a oblíqua de McBourney, a oblíqua paramedial de Lanz e a pararectal infraumbilical direita. O pararretal é geralmente usado quando há suspeita de complicações, sendo o mais fácil de expandir, se necessário.

– A técnica McBourney mais usada fornece uma visão geral do procedimento cirúrgico. É feita uma incisão oblíqua na pele, apenas no terço externo de uma linha traçada do umbigo para a crista ilíaca direita. Para realizá-lo, um bisturi convencional e um eletrocautério são utilizados para corte e cauterização.

– Depois que a pele é separada, a aponeurose muscular é exposta, que será cortada e separada com o uso de tesouras e pinças. O músculo oblíquo se separa de acordo com a direção das fibras, sem fazer cortes. Quando o plano muscular é separado, são observadas a fáscia transversa e o peritônio, cuja seção deixará a cavidade abdominal exposta.

Exposição e extração do apêndice

– A primeira inspeção da cavidade abdominal mostrará se há algum líquido anormal, pus ou sangue. A parte do cólon, a cega, está localizada para encontrar o apêndice cecal manual ou instrumentalmente. Quando o apêndice é exposto, sua aparência é revisada – incluindo sua ligação ao cólon – e a das estruturas vizinhas.

– A posição do apêndice em relação ao cego é inferior e ligeiramente posterior. As variantes posicionais podem ser laterais, pélvicas e retrocecais, assumindo diferentes graus de complexidade na técnica. A busca por um apêndice posterior ou retrocecal é mais trabalhosa.

– A extração do apêndice consiste em várias fases. A primeira fase consiste em localizar a artéria apendicular localizada em sua estrutura de suporte (o mesoapêndice) e ligá-la. A segunda fase envolve a dupla ligação, proximal e distal, da base apendicular. Finalmente, o corte será feito com um bisturi embutido em iodo entre as duas ligaduras.

– Quando o tecido do coto e a base apendicular estão muito danificados, o cirurgião opta por sua invaginação. Invaginar o coto consiste em introduzir essa estrutura no tecido saudável do cego e fechá-lo por meio de suturas não absorvíveis. É uma técnica usada em casos de apendicite perfurada ou gangrenosa.

Revisão e limpeza da cavidade abdominal

Uma revisão completa da cavidade abdominal é necessária antes do final da intervenção. Verificação de ligaduras, sangramento ativo, existência de equipamento médico cirúrgico e exame de órgãos fazem parte desta revisão. A operação culmina com a lavagem e aspiração da cavidade abdominal usando solução salina.

Síntese ou sutura por planos

O fechamento da área operacional constitui a restituição estrutural dos planos separados na diérese. A síntese dos tecidos será feita com fio ou grampos de sutura, apropriados ao tecido.

A sutura será do plano mais profundo ao superficial: peritônio, aponeurose, músculo, fáscia muscular, tecido celular subcutâneo e pele.

Apendicectomia laparoscópica

Apendicectomia: descrição, cuidados e complicações 2

A laparoscopia é uma técnica minimamente invasiva, baseada no uso de câmera de vídeo e instrumentos especiais para a abordagem cirúrgica abdominal. O uso da laparoscopia na apendicectomia depende da disponibilidade de equipamento e pessoal especializado e da ausência de contra-indicações.

A indicação de apendicectomia laparoscópica está relacionada às condições médicas do paciente. Instabilidade hemodinâmica, peritonite, inchaço, obesidade extrema, doença respiratória, gravidez e cirurgias abdominais prévias são contra-indicações para seu uso.

As fases da cirurgia laparoscópica são semelhantes às da cirurgia aberta. A preparação do paciente, a distinção por planos, a remoção do apêndice, a revisão e o fechamento por planos são realizados, embora com diferenças óbvias.

– Limpeza da área operatória com anti-sépticos e colocação de campos estéreis.

– O tipo de anestesia de escolha em geral é a inalação.

– A diferença de planos visa permitir a introdução de trocateres ou portais para a câmera de vídeo e instrumentos. Geralmente são feitas duas ou três incisões de 2 cm na parede abdominal.

– A cavidade abdominal deve ser insuflada com dióxido de carbono para expandi-la e permitir a visualização das estruturas e mobilidade dos instrumentos.

– Os instrumentos utilizados, como cauterização, pinça e tesoura, são adaptados para a técnica. As ligaduras do apêndice e seu meso são feitas usando ligaduras e grampos especiais.

– A revisão final é feita por digitalização com a câmara, lavagem e aspiração de solução salina. A retirada dos trocateres precede o fechamento por planos das incisões.

A apendicectomia aberta continua sendo a mais usada atualmente; No entanto, a laparoscopia é uma alternativa aceitável.

Embora seja mais caro que a cirurgia tradicional, a relação custo-benefício é superior a isso. A recuperação do paciente submetido à laparoscopia é mais rápida.

Cuidado

O sucesso da apendicectomia depende dos resultados da cirurgia e da recuperação do paciente. Fatores como o estado geral do indivíduo, a cirurgia realizada e a reação ao procedimento influenciam na recuperação.

O atendimento pós-operatório serve para prevenir complicações e diminuir o tempo de internação. Em apendicectomias não complicadas, a vigilância hospitalar será de 24 a 48 horas.

Recuperação de Anestesia

Após a cirurgia, o efeito dos anestésicos deve ser completamente revertido. No pós-operatório imediato, a prevenção de possíveis reações à anestesia é realizada na sala de recuperação. É de responsabilidade do anestesiologista controlar e monitorar uma recuperação completa do paciente.

Vigilância de Sinais Vitais

O controle dos sinais vitais – como freqüência cardíaca, pressão arterial e respiração – pode alertá-lo para complicações precoces.

A temperatura corporal é medida regularmente para detectar a presença de febre. A estabilidade dos sinais vitais é um critério de ausência de complicações e subsequente recuperação da cirurgia.

Diet

Toda cirurgia abdominal envolve um período de descanso da atividade intestinal. O paciente deve manter uma dieta absoluta até a recuperação dos movimentos normais do sistema digestivo. Uma vez indicado, a dieta líquida começará, seguida por alimentos macios.

Após a apendicectomia, alimentos abundantes e leguminosos ou que promovam distensão abdominal devem ser evitados.

Terapia antibiótica

As cirurgias abdominais envolvem um risco potencial de infecção intra-abdominal ou ferida operatória. O uso de antibióticos é uma medida para prevenir infecções na apendicectomia pós-operatória.

Manejo da dor

A presença de dor após apendicectomia é comum. Os sistemas de analgesia por cateter no pós-operatório são uma opção em casos de dor intensa.

Durante o período de hospitalização, analgésicos intravenosos são utilizados para tratar episódios de dor secundários à instrumentação cirúrgica. Analgésicos orais são para uso ambulatorial.

Limpeza de feridas

Uma das medidas de prevenção de infecções na ferida operatória é a limpeza, que deve ser realizada diariamente. A área operatória deve ser mantida coberta com curativos estéreis durante os primeiros dias.

Exame médico

Consultas médicas regulares são uma medida de vigilância durante o período pós-operatório. Os controles médicos ambulatoriais destinam-se a avaliar a saúde do paciente e a cicatrização adequada das feridas. Complicações tardias podem ser detectadas durante verificações periódicas.

Possíveis complicações

As complicações de uma apendicectomia podem resultar de cirurgia, estágio da apendicite, condições físicas do paciente ou falhas nos cuidados pós-operatórios. Essas complicações podem ocorrer precocemente ou ter consequências tardias.

Complicações precoces

As complicações mais frequentes são as causadas por infecções intra-abdominais ou por feridas. Outras complicações que ocorrem podem incluir hemorragias intra-abdominais, lesões acidentais em órgãos e vazamento do conteúdo intestinal devido à perda da ligação do coto apendicular ou necrose cega.

Infecções

As infecções são devidas à contaminação bacteriana da cavidade abdominal e da ferida. A presença de germes, especialmente bactérias, pode ocorrer devido ao uso de material não estéril, contaminação intraoperatória ou saída de bactérias intestinais em casos de apendicite perfurada ou gangrenosa.

Entre as infecções mais frequentes estão abscessos intra-abdominais e abscessos da parede abdominal.

Uma complicação infecciosa envolve a permanência do paciente dentro do hospital. O uso de antibióticos, a drenagem do abscesso e a limpeza da ferida operatória são as medidas para o tratamento dessa complicação.

Hemorragia interna

Sangramento intra-abdominal ocorre devido a sangramento devido a descuido na hemostasia ou perda de ligação dos vasos sanguíneos. Lesões acidentais em órgãos podem causar sangramento.

O sangue livre na cavidade abdominal irrita o peritônio, causando dor intensa e, dependendo do volume de sangue perdido, sinais de choque hipovolêmico. Sangramentos na cavidade abdominal requerem cirurgia para localizar a fonte do sangramento e repará-lo.

Lesões nos órgãos

No desenvolvimento de uma apendicectomia, é possível que lesões acidentais em órgãos adjacentes ao apêndice possam ocorrer. Uma lesão de órgão deve ser tratada assim que for detectada e, se for considerável, merecerá cirurgia.

Outras complicações precoces

– Corpos estranhos, constituídos por material médico, deixados acidentalmente na cavidade abdominal, produzirão reações inflamatórias, infecções graves e dor.

– O uso de um cateter na bexiga durante a operação pode causar lesões uretrais ou infecções do trato urinário, sendo uma complicação menor.

Complicações tardias

Duas complicações podem ocorrer muito tempo após uma apendicectomia: ferida herniada e aderências.

Hérnias feridas

Consiste na saída do conteúdo abdominal como resultado da deiscência da sutura nos planos internos das feridas. Sua denominação usual é eventração e, embora não representem um alto risco, podem causar dor e merecer cirurgia para corrigi-los.

Adesões

As aderências, também chamadas flanges, são o resultado de uma reação inflamatória tardia causada por instrumentação intra-abdominal. Em casos leves, eles representam apenas causa de desconforto ou dor. Seu tratamento é através do uso de analgésicos.

Quando os flanges aderem a uma porção do intestino, eles podem causar rotação no eixo ou compressão do lúmen, levando à obstrução intestinal.

Uma víscera obstruída ou comprimida implica a interrupção do trânsito intestinal e a possibilidade de infarto visceral. A obstrução da adesão é uma emergência cirúrgica.

Referências

  1. Santacroce, L. (2017). Apendicectomia. Recuperado de emedicine.medscape.com
  2. Wikipedia (2018). Apêndice (anatomia). Recuperado de en.wikipedia.org
  3. Wikipedia (2018). Apendicectomia. Recuperado de en.wikipedia.org
  4. Marcas, JW (sf) Sintomas, causas, tratamentos e cirurgia de apendicite. Recuperado de medicinenet.com
  5. Davis, CP (sf). Apendicectomia. Recuperado de medicinenet.com
  6. Bellehaninna, Reino Unido (2017). Técnica de apaendectomia aberta. Recuperado de emedicine.medscape.com
  7. Shuhatovich, Y. (2017). Apendicectomia laparoscópica. Recuperado de emedicine.medscape.com
  8. Kim, S. (2016). Apendicectomia. Recuperado de healthline.com
  9. Carteron, N. (2017). Tudo o que você precisa saber sobre apendicite. Recuperado de healthline.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies