Síndrome brônquica obstrutiva: sintomas e tratamentos

A síndrome brônquica obstrutiva é uma condição respiratória crônica caracterizada pela obstrução das vias aéreas, resultando em dificuldade para respirar, chiado no peito, tosse e produção de muco. Os principais sintomas incluem falta de ar, cansaço e aperto no peito, que podem piorar com o tempo. O diagnóstico é feito com base na história clínica, exames físicos e testes de função pulmonar. O tratamento da síndrome brônquica obstrutiva inclui o uso de medicamentos broncodilatadores, corticosteroides, terapia de oxigênio, reabilitação pulmonar e, em casos mais graves, cirurgia. É importante seguir as orientações médicas e adotar um estilo de vida saudável para controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Principais sintomas da DPOC: descubra quais são os 3 mais comuns.

A Síndrome brônquica obstrutiva, também conhecida como DPOC, é uma condição crônica que afeta os pulmões e dificulta a respiração. Os principais sintomas da DPOC incluem tosse crônica, falta de ar e produção de muco em excesso. Estes são os três sintomas mais comuns que os pacientes com DPOC costumam apresentar.

A tosse crônica é um dos primeiros sinais da DPOC e pode ser persistente ao longo do tempo. Ela geralmente piora pela manhã e pode estar acompanhada de expectoração. A falta de ar é outro sintoma característico da DPOC, que pode se manifestar durante atividades físicas ou até mesmo em repouso. A produção de muco em excesso também é comum em pacientes com DPOC, o que pode levar a infecções respiratórias frequentes.

Além desses sintomas, os pacientes com DPOC também podem apresentar chiado no peito, cansaço excessivo, perda de peso involuntária e inchaço nas pernas. É importante procurar um médico caso você apresente algum desses sintomas, pois o diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem melhorar significativamente a qualidade de vida dos pacientes com DPOC.

Principais abordagens terapêuticas para indivíduos diagnosticados com DPOC.

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma doença respiratória progressiva que causa dificuldade para respirar devido à obstrução das vias aéreas. Existem várias abordagens terapêuticas que podem ajudar os pacientes a gerenciar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Uma das principais formas de tratamento para a DPOC é a terapia medicamentosa. Os broncodilatadores, como os beta-agonistas e os antimuscarínicos, são comumente usados para ajudar a relaxar os músculos das vias aéreas e facilitar a respiração. Os corticosteroides também podem ser prescritos para reduzir a inflamação nos pulmões.

Além da medicação, a terapia de oxigênio também é uma opção para pacientes com DPOC avançada. O oxigênio suplementar pode ajudar a melhorar a oxigenação do sangue e reduzir a falta de ar em atividades cotidianas.

Outra abordagem terapêutica importante para pacientes com DPOC é a reabilitação pulmonar. A reabilitação pulmonar envolve um programa personalizado de exercícios físicos, educação sobre a doença e suporte psicológico para ajudar os pacientes a gerenciar os sintomas e melhorar a função pulmonar.

Em casos mais graves de DPOC, a cirurgia pode ser uma opção. O transplante de pulmão pode ser considerado para pacientes com doença pulmonar terminal que não responderam a outras formas de tratamento.

É importante que os pacientes com DPOC sigam o plano de tratamento prescrito pelo médico e realizem acompanhamento regular para monitorar a progressão da doença. Com o tratamento adequado, é possível controlar os sintomas da DPOC e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Conheça os quatro tipos de DPOC com detalhes e características específicas.

A Síndrome Brônquica Obstrutiva, também conhecida como DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), é uma condição respiratória crônica que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Existem quatro tipos principais de DPOC, cada um com suas próprias características específicas.

Relacionado:  Diabetes mellitus: história natural, fatores e complicações

O primeiro tipo de DPOC é a bronquite crônica. Neste tipo de DPOC, os brônquios ficam inflamados e produzem muco em excesso, o que leva a tosse crônica e dificuldade para respirar. Os sintomas incluem tosse produtiva, falta de ar e chiado no peito.

O segundo tipo de DPOC é o enfisema. Neste tipo, os sacos de ar nos pulmões (alvéolos) ficam danificados e perdem a elasticidade, o que dificulta a respiração. Os sintomas incluem falta de ar, cansaço e dificuldade para expirar completamente.

O terceiro tipo de DPOC é a bronquiectasia. Neste tipo, os brônquios ficam dilatados e danificados, o que leva a infecções frequentes e acúmulo de muco. Os sintomas incluem tosse crônica com muco, infecções respiratórias recorrentes e falta de ar.

O quarto tipo de DPOC é a asma. Neste tipo, os brônquios ficam inflamados e contraem, levando a ataques de falta de ar, chiado no peito e tosse. Os sintomas podem variar em gravidade e frequência.

O tratamento da DPOC geralmente envolve o uso de broncodilatadores para abrir as vias aéreas, corticosteroides para reduzir a inflamação e terapia de oxigênio, se necessário. Além disso, é importante parar de fumar e evitar a exposição a poluentes ambientais para prevenir a progressão da doença.

Limitações de uma pessoa com DPOC: atividades que devem ser evitadas para uma vida saudável.

As pessoas que sofrem de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) enfrentam diversas limitações em suas atividades diárias devido à dificuldade de respirar. Essa condição é caracterizada por uma obstrução crônica das vias aéreas, o que leva a sintomas como falta de ar, tosse crônica e produção de muco. Para uma vida saudável, é importante que essas pessoas evitem algumas atividades que podem agravar seus sintomas.

Uma das atividades que deve ser evitada por pessoas com DPOC é o tabagismo. O fumo é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença e pode piorar significativamente os sintomas já existentes. Além disso, atividades que envolvem esforço físico intenso, como corrida ou levantamento de pesos, também devem ser evitadas, pois podem causar falta de ar e cansaço excessivo.

Outra atividade que pode ser prejudicial para pessoas com DPOC é a exposição a poluentes atmosféricos, como fumaça de cigarro, poeira e produtos químicos. Essas substâncias podem irritar as vias aéreas e agravar os sintomas da doença. Por isso, é importante evitar ambientes com ar poluído e manter a casa limpa e arejada.

Além disso, é importante que pessoas com DPOC evitem locais com grandes aglomerações de pessoas, especialmente durante épocas de gripe e resfriado. Infecções respiratórias podem agravar os sintomas da doença e levar a complicações mais graves.

Em resumo, para uma vida saudável com DPOC, é essencial evitar o tabagismo, atividades físicas intensas, exposição a poluentes atmosféricos e locais com grande concentração de pessoas. Seguindo essas recomendações, é possível controlar os sintomas da doença e melhorar a qualidade de vida.

Síndrome brônquica obstrutiva: sintomas e tratamentos

A síndrome de bronquiolite obliterante é um conjunto de sinais e sintomas causados pelo estreitamento das vias aéreas. Os principais gatilhos dessa síndrome são infecções respiratórias e hipersensibilidade brônquica. Este último é um distúrbio imunológico muito comum em crianças em idade pré-escolar e escolar.

O nome dessa síndrome mudou muito ao longo do tempo. A comunidade médica não concorda totalmente sobre qual terminologia é mais apropriada devido ao simples fato de ter uma fisiopatologia multifatorial e uma sintomatologia muito variada. Ele até recebe nomes diferentes de acordo com a faixa etária que afeta.

Relacionado:  Vesícula em camadas: causas, características, tratamento

Síndrome brônquica obstrutiva: sintomas e tratamentos 1

Estatisticamente falando, a síndrome brônquica obstrutiva é uma das principais causas de consulta de emergência e hospitalização em pediatria. Essa condição tem um importante comportamento sazonal, aumentando sua incidência nos meses frios e chuvosos, melhorando no verão ou aumentando a temperatura ambiente.

Sintomas

Obviamente, as manifestações respiratórias são as mais importantes nessa síndrome, mas não as únicas. Os sinais e sintomas mais relevantes desta tabela estão descritos abaixo:

Sibilos

É um dos sintomas principais da obstrução brônquica. É um som agudo, como um apito, predominantemente expiratório, que é gerado nas vias aéreas menores e mais profundas do pulmão. Está relacionado à estreiteza brônquica e evidencia a dificuldade do ar em sair dos pulmões.

A obstrução brônquica devido ao excesso de muco ou broncoconstrição exerce um efeito valvar. Pode permitir a entrada de ar com pouca dificuldade, mas não a saída.

Portanto, o bipe ocorre quase sempre na expiração, embora em casos graves também possa ser inspiratório antes do silêncio auscultatório.

Expiração prolongada

É um sinal clínico importante, mas pode ser difícil avaliar se você não possui a experiência necessária. Conforme explicado na seção anterior, em pacientes com obstrução brônquica o ar entra facilmente no trato respiratório, mas é difícil sair, de modo que a expiração se torna lenta, dolorosa e prolongada.

O exame físico pode mostrar esforço expiratório, ventilação irregular, tosse e caixa torácica. Na ausculta do tórax, agregados serão ouvidos no final da expiração, como chiado e ronco universal.

Falta de ar

O terceiro sintoma cardinal da síndrome brônquica obstrutiva é o desconforto respiratório; Sempre acompanhe essa patologia em menor ou maior grau.

A diminuição da concentração de oxigênio no sangue desencadeia uma série de sinais que são enviados aos centros respiratórios superiores e os sistemas de compensação ventilatória são ativados.

Clinicamente, há flutter nasal, circulação intercostal, retração xifóide e, às vezes, cianose.

Na ausculta, podemos ouvir chiado universal e roncos espalhados. Em casos graves, há um silêncio auscultatório devido ao fechamento total das vias aéreas que não permite a entrada ou saída de ar.

Cianose

Coloração violeta ou azulada da pele devido à hipoxemia. À medida que a quantidade de hemoglobina desoxigenada aumenta, o sangue perde a cor avermelhada habitual e fica azul devido aos efeitos ópticos da luz nos tecidos livres de oxigênio.

Distúrbios neurológicos

Hipóxia no nível do cérebro pode causar anormalidades comportamentais. Da agitação psicomotora à letargia, são sinais de doença grave e devem ser tomadas medidas urgentes para melhorar o quadro clínico. As conseqüências finais da hipóxia sustentada podem ser convulsões e coma.

Fisiopatologia

Embora existam várias causas da síndrome obstrutiva brônquica, as duas mais importantes são infecciosas e imunológicas. A maioria das infecções é de origem viral. As causas imunológicas dependem da faixa etária e podem inicialmente ser bronquiolite e terminar em asma.

Os mecanismos fisiopatológicos podem variar um pouco, dependendo da causa, mas são resumidos de cinco maneiras principais:

Contração do músculo liso brônquico

A presença de um germe ou alérgeno no trato respiratório causa a liberação de várias substâncias pró-inflamatórias locais. Histamina, leucotrieno D4, prostaglandinas e tromboxanos são algumas dessas substâncias cujos receptores são encontrados nos músculos lisos dos brônquios.

Esses receptores são acoplados à fosfolipase C, que libera IP3 e PKC. Por sua vez, ativa o cálcio intracelular, que está intimamente ligado à contração sustentada da musculatura brônquica e, portanto, na geração de sintomas. A ação do IP3 e PKC é geralmente objeto de pesquisa para novos tratamentos.

Relacionado:  Matilde Montoya: Biografia

Edema e inflamação

As mesmas substâncias que estimulam a fosfolipase C e causam broncoconstrição também causam inflamação. As vias aéreas edematizadas não permitem a passagem normal do ar e contribuem para o aparecimento dos sintomas usuais de obstrução brônquica.

Retenção de secreção

A produção de muco é um fenômeno normal das vias aéreas. É usado para tarefas defensivas e expulsão de corpos estranhos.

Quando as células caliciformes no pulmão são excessivamente estimuladas e produzem muco excessivo, elas não podem ser adequadamente removidas pela mesma obstrução brônquica e se acumulam no trato respiratório.

Como foi dito anteriormente, esse muco causa efeito valvular nos bronquíolos, permitindo a entrada de ar, mas não a saída, gerando retenção e deterioração clínica do paciente.

Perda de suporte elástico

A inflamação local crônica, qualquer que seja sua origem, pode causar efeitos permanentes nas vias aéreas. Um desses efeitos é a perda de elasticidade nos músculos da parede brônquica devido à disfunção da elastina, entre outras causas. Isso leva a uma recuperação mais lenta e possível cronicidade das doenças respiratórias.

Remodelação de paredes

Outra causa de doença obstrutiva crônica é a remodelação da parede brônquica. A constante contração do músculo liso brônquico produz sua hipertrofia, como qualquer músculo submetido a um regime de exercícios, e esse aumento no tamanho altera a estrutura normal da parede e diminui permanentemente o lúmen das vias aéreas.

Tratamentos

Conhecendo os fenômenos fisiopatológicos da síndrome brônquica obstrutiva, os tratamentos podem ser estabelecidos. Existem linhas terapêuticas básicas, incluindo os seguintes tratamentos:

Broncodilatadores

Eles podem ser de ação curta ou de ação prolongada, dependendo de seu uso agudo ou crônico. São medicamentos inalados e os mais populares são agonistas beta-2 adrenérgicos, anticolinérgicos e teofilina.

Síndrome brônquica obstrutiva: sintomas e tratamentos 2

Esteróides

Eles têm função anti-inflamatória e imunorreguladora. Eles podem ser administrados por inalação ou via intravenosa. Seu uso deve ser controlado devido aos seus efeitos adversos.

Oxigênio

O suprimento de oxigênio em diferentes concentrações é necessário quando há evidências clínicas e laboratoriais compatíveis com hipoxemia. Em casos graves, pode ser administrado diretamente aos pulmões através de um tubo endotraqueal.

Antibióticos

Se houver suspeita de que a origem da doença seja infecciosa por bactérias, os antibióticos devem ser iniciados imediatamente, por via oral ou intravenosa. Alguns autores recomendam seu uso profilático em casos graves de origem desconhecida.

Outros tratamentos

Outros medicamentos, como anti-histamínicos, mucolíticos, antileucotrienos e imunomoduladores, podem ser usados ​​para controlar os sintomas associados à síndrome brônquica obstrutiva. Todos mostraram um efeito positivo e boa tolerância.

Referências

  1. Novozhenov, VG e outros (1995). A patogênese de uma síndrome bronco-obstrutiva em pacientes com bronquite crônica. Klinicheskaia Meditsina, 73 (3): 40-44.
  2. Academia Khan (2018). Síndrome bronco-obstrutiva em crianças. Recuperado de: doctorask.com
  3. Bello, Osvaldo e outros (2001). Síndrome brônquica obstrutiva da criança. Gerenciamento ambulatorial.Arquivos uruguaios de pediatria, volume 72, número 1.
  4. Puebla Molina, S et al. (2008). A escala de Tal como teste diagnóstico e o diagnóstico clínico como padrão-ouro na síndrome obstrutiva dos brônquios infantis.Pediatria da Atenção Básica, volume X, número 37, 45-53.
  5. Picó Bergantiños, María Victoria e outros (2001). O papel do músculo liso brônquico e dos nervos na fisiopatologia da asma brônquica.Revista Cubana de Medicina Geral Compreensiva, 17 (1): 81-90.
  6. Wikipedia (última edição 2018). Broncodilatador Recuperado de: en.wikipedia.org

Deixe um comentário