As 5 Principais Funções do Provedor de Justiça

Algumas das principais funções do Ombudsman são investigar irregularidades, controlar as atividades dos poderes executivo e legislativo e supervisionar as atividades administrativas.

O Ombudsman é uma instituição criada para as necessidades de uma sociedade democrática.É a unificação de todas as organizações setoriais (como a defesa dos direitos das mulheres, crianças, etc.), responsável por garantir a defesa global de todos os direitos e liberdades dos cidadãos.

As 5 Principais Funções do Provedor de Justiça 1

Esse instrumento foi implementado na Europa no final do século XX, com base em um modelo sueco que teve um grande impacto favorável na transição dos regimes comunistas para a democracia.

Atualmente, existe na maioria dos países democráticos da América Latina, Ásia e África.O Ombudsman é um órgão independente que goza de total autonomia e não recebe instruções de nenhuma instituição.

O Ouvidor, ao serviço do povo, torna-se exclusivamente um servidor público.

Portanto, de acordo com os poderes concedidos por lei, você tem a responsabilidade de fazer julgamentos imparciais, sem discriminar os cidadãos por causa de sua condição ou problemas.

Principais funções do Provedor de Justiça

O ombudsman reconcilia os interesses, erros e abusos que afetam os direitos dos cidadãos.

Tente se comprometer a proteger e resolver as preocupações dos cidadãos, sem realizar nenhum procedimento judicial e sem a necessidade de advogados ou advogados.

1- Investigar

Sua principal função é investigar, detectar irregularidades e atuar como intermediário em torno delas.

Muitas vezes, quando a dissuasão entre as entidades envolvidas não traz nenhum resultado favorável, o funcionário usa outros meios de coerção como ajuda da opinião pública.

2- Controle

Verifique se as atividades realizadas pelo Poder Executivo e pelo Poder Legislativo são realizadas dentro dos parâmetros da constituição.

Relacionado:  Julgamento Moral: Características, Tipos, Exemplos

Prepare relatórios e explique seus resultados.

3- Supervisionar

Supervisionar e coordenar as atividades administrativas, prestando contas nos tribunais gerais.

Isto é, proteger o cidadão dentro de suas capacidades contra qualquer procedimento de má administração pública, que é consequentemente forçado a tolerar.

4- Fornecer ajuda

Gerar propostas e recomendações que reduzam irregularidades no sistema de burocracia administrativa, em favor dos direitos humanos.

Essas propostas devem ser submetidas igualmente a instituições regionais, nacionais, públicas e locais.

No nível internacional, ajuda a criar instituições e projetos semelhantes em outros países em favor dos cidadãos.

Além disso, os projetos permitem uma melhor harmonia entre alianças de governos, seus sistemas políticos e suas estruturas administrativas.

5- Relatório

Uma consideração especial do Provedor de Justiça deve ser transparente em seus relatórios sobre as atividades realizadas administrativamente. Em particular, forneça acesso a essas atividades e documentos à opinião pública.

Apesar de todos os poderes constitucionais concedidos, o limite do Provedor de Justiça reside na entrega das investigações realizadas aos poderes judiciais ou aos tribunais federais.

Como tal, o funcionário não tem poder ou autoridade para processar. Em suma, o Ombudsman deve legitimar o cumprimento da constituição e das leis, a favor e defesa do povo.

Referência

  1. Belda, Enrique. (2009) Instituições de apoio a governos e parlamentos: (conselhos, defensores e câmaras de contas ). Valência, Tirant e Blanch.
  2. Cavalo, Gerardo. (2008) Mediação administrativa e Ouvidoria . Navarra, Thompson-Aranzadi.
  3. Campos, Bidart e Carnota, Walter. (2000) Direito Constitucional Comparado . Volume II Editorial Ediar. Bons ares.
  4. Mora, Antonio. (2003) The Ombudsman’s Book .
  5. Rovira, Antonio (2002) Comentários sobre a Lei Orgânica do Ombudsman . Madri, Aranzadi.

Deixe um comentário