As 61 lendas argentinas curtas mais populares

As lendas curtas argentinas mais conhecidas são a de Enrique Smurf, a maldição da Virgen de Tilcara ou a dançarina fantasma do Teatro Colón, entre outras.

Lendas e mitos são um grupo de crenças sem nenhum suporte científico, mas são transmitidos oralmente de geração em geração, portanto sua durabilidade parece eterna.

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 1

Buenos Aires, Argentina

Neste artigo, você poderá conhecer algumas das lendas urbanas mais populares da Argentina, que falam da presença de espíritos a combinações mortais, incluindo a aparição no país de celebridades que supostamente estavam mortas.

Se você gosta de lendas, pode conhecer outros lugares do mundo. Por exemplo, você pode ver 10 lendas e mitos equatorianos incríveis (breves) .

As 50 lendas mais conhecidas da Argentina

1- A combinação letal entre vinho e melancia

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 2

É uma verdade popular que misturar vinho com melancia pode ser fatal para quem o consome. No entanto, esta lenda não tem explicação lógica.

Do campo científico, Facundo Di Genoa explicou que essa mistura não é apenas não letal, mas é boa para o sexo. “O vinho tem glicerina, melancia e aminoácido L-arginina, que gera a substância ativa do Viagra”, explicou.

2- O Henry Smurf

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 3

Essa lenda começou em 17 de abril de 2000, em Santiago del Estero, quando dois policiais da cidade de Frías disseram ter visto na pequena praça Antonio De La Vega uma pequena criatura parecida com uma criança.

O caso chegou à televisão, onde os agentes disseram que, de repente, os olhos desse personagem se iluminaram e desapareceram. Pouco tempo depois, outro policial denunciou um evento semelhante na Banda Varela, Catamarca.

Neste último registro, o duende disse que era um enviado de Satanás. A lenda ainda perdura, embora as evidências não sejam claras.

3- As redes que se movem sozinhas

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 4

Em uma praça na cidade de Firmat, província de Santa Fe, houve um movimento estranho nas redes, movendo-se sozinho. As imagens foram televisionadas e o mistério cresceu.

Diferentes teorias foram apresentadas, todas relacionadas aos espíritos presentes na área. No entanto, um grupo de cientistas americanos revelou que o movimento foi causado por uma combinação de fatores ambientais.

4- A maldição da virgem de Tilcara

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 5

Virgem de Punta Corral, padroeira de Tilcara. Foto recuperada de Jujuy Al Momento.

Antes da Copa do Mundo do México, em 86, todo o time da seleção argentina prometeu à Virgem de Tilcara, Jujuy, onde a competição estava sendo preparada, voltar para agradecer se eles deixassem os campeões.

A equipe conquistou o título em terras astecas com Diego Maradona como estrela, mas nunca cumpriu sua promessa, por isso acredita-se que a maldição tenha feito isso, apesar de ter os melhores jogadores do mundo, ele nunca vencerá uma Copa do Mundo.

5- O couro no lago Gutiérrez

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 6

Esta lenda é uma das muitas que têm os povos originais nos lagos da Patagônia. Os mapuche dizem que no lago Gutierrez vive uma criatura incrível, um animal cujo corpo está coberto de couro.

Segundo o mito, para se alimentar perto da costa, permanece imóvel, oculto e espera que alguma criança desavisada se aproxime para levá-lo às profundezas e comê-lo.Essa lenda é semelhante à do nahuelito, uma criatura com características semelhantes que vive no lago Nahuel Huapi.

6- A dançarina fantasma que percorre os corredores do Teatro Colón

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 7

El Colón é um dos principais teatros da Argentina e em seus salões há histórias de todos os tipos. Um deles é o do dançarino fantasma que caminha pelo local.

Muitos trabalhadores locais dizem que havia o espírito de uma dançarina. Dizem que quando as luzes se apagam, ela está presente chamando os funcionários pelo nome.

7- Elvis viveu no Conurbano

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 8

O mistério sobre a morte de Elvis Presley se estende por todo o mundo. Existem muitas versões sobre sua vida e, na Argentina, acredita-se que ele mora fora da Capital Federal.

Segundo algumas testemunhas, em 1977, um avião de Memphis pousou em El Palomar com apenas um passageiro: John Burrows, um pseudônimo que o rei do rock havia usado várias vezes.

Além disso, muitos usuários do trem San Martín afirmam ter visto nas formações, enquanto outros registraram pessoas com semelhanças físicas em uma casa no Parque Leloir.

8- O Santo Graal está na Patagônia

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 9

O mistério sobre o cálice sagrado que Jesus teria usado na última ceia também tem uma lenda na Argentina.

O grupo Delphos, liderado por seu diretor Fluguerto Martí, argumenta que o Santo Graal chegou à América em 1307 ao longo da costa atlântica e ainda permanece na Patagônia, embora seu lugar seja um mistério.

9- Ter-ter

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 10

Essa lenda tem origem no sul da Argentina e tem como protagonista um grande pássaro preto que aparece à noite.

O pássaro está presente em uma casa na hora do jantar e aguarda um convite para retornar no dia seguinte em forma humana.

Como ele já foi convidado, você não pode recusar a visita humana dele, se uma maldição não cair sobre você. Para afastá-lo, você deve dizer: “Terça-feira hoje, terça-feira amanhã, terça-feira a semana toda”.

10- Hitler em Bariloche

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 11

Embora a morte do líder nazista seja oficialmente registrada em 30 de abril de 1945, ainda se acredita que seja realmente uma farsa e que Hitler mora na Patagônia.

Há muitos moradores de Bariloche que afirmam ter visto e até premiado uma casa em Villa La Angostura, onde ele residia desde o final da Segunda Guerra Mundial .

11- O Familiar

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 12

Essa lenda nasceu nas usinas de açúcar do norte da Argentina, como Tabacal em Salta, La Esperanza em Jujuy e outros lugares em Tucumán.

Para sair dos problemas econômicos que afetavam seus negócios, os proprietários concordaram com o diabo, que foi oferecido como sacrifício pela vida de seus peões.

Assim, a lenda conta que os proprietários fizeram um pacto com o mesmo demônio, para poder deixar o poço financeiro. Foi um enorme cachorro preto que devorou ​​os trabalhadores, prevendo um ano próspero.

Embora ninguém possa ter contato com essa criatura, acredita-se que ele tenha dormido no porão dos moinhos e atacado à noite.

12- O abraço

Essa lenda tem uma cerimônia entre os camponeses do noroeste da Argentina, que para aumentar uma maior fertilidade no gado, eles unem no casamento de dois animais.

Esta cerimônia é comemorada com folhas de coca na boca dos animais para mastigar. Além disso, eles recebem chicha para beber.

13- O carrinho fantasma

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 13

Carrinho fantasma, Salvador Dalí. Foto recuperada do ABC.es.

As rotas argentinas são uma fonte inesgotável de lendas urbanas, uma delas em Tucumán. Segundo algumas testemunhas, o espírito de um maldito tropero atravessa as ruas à noite.

Há muitas testemunhas que afirmam tê-lo visto em estradas provinciais, especialmente em uma rua próxima à General Paz, onde o ruído das rodas é bastante amplificado.

14- A lobização

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 14

Embora seja uma lenda extensa, sua origem está na Mesopotâmia Argentina. Acredita-se popularmente que quando uma família tiver sete filhos, o último será lobizón.

Ele será um homem alto, magro, com muito cabelo, que se irrita facilmente. Sua transformação de humano para animal ocorre durante os dias de lua cheia.

Para finalizar, você deve deixar uma bala abençoada em três igrejas ou uma faca abençoada com a forma de uma cruz, usar uma lanterna com pilhas gastas ou bater com uma alpargata.

15- O elfo

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 15

Na área dos vales de Calchaquí, há duas histórias que envolvem o duende, uma criança que morreu sem ser batizada. Ele usa um chapéu grande e chora como um bebê.

A primeira lenda foi realizada por um arqueólogo que encontrou essa criatura chorando na colina e, quando ele se aproximou, o bebê disse com um rosto diabólico: “Tatita, olhe para os meus dentes”.

A segunda história aconteceu em Tafi del Valle, onde um peão viu o duende conversando em uma vala com uma criança que estava sob seus cuidados. Quando o homem se aproximou, as duas criaturas desapareceram.

16- A luz ruim

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 16

Esta é uma das lendas mais populares da Argentina e tem origem nas rotas provinciais do norte, onde a luz fraca ou o Farol de Mandinga está presente à noite.

A luz aparece repentinamente entre as escuras estradas da província, deslumbra a todos e nela você pode ver a alma de alguns falecidos que não purgaram suas tristezas.

17- O Pombero

É uma história semelhante à do elfo, que tem sua origem no norte da Argentina. Nesse caso, é uma capivara de pé nas patas traseiras, com olhos chatos e sobrancelhas compridas.

Ele é conhecido como o dono dos pássaros, o sol e o senhor da noite. Está presente nos meses quentes. A lenda mais difundida é que o furioso Pombero pegou um peão rural de sua cama e o deixou no meio da montanha.

18- Caá Porá

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 17

Ele é um grande homem peludo que fuma um cachimbo estranho feito de ossos humanos, especificamente um crânio e uma tíbia. Esta criatura pega pessoas e as devora sugando-as em Missões e Correntes.

A lenda tem muitas versões, mas nenhuma delas explica como se defender contra essa criatura diabólica.

19- UFOs no Uritorco

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 18

Cerro Uritorco, na província de Córdoba, é um dos locais turísticos favoritos dos amantes de OVNIs, pois acredita-se que haja uma base extraterrestre lá.

As lendas são muitas, mas todos concordam que seres de outro planeta visitam este lugar carregado com uma energia específica.

20- A senhora da vela

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 19

No telhado, a escola Juan Pujol de Corrientes conta a lenda que vive uma bela jovem, lindamente vestida com um longo terno de renda branca e uma capa de veludo vermelho.

Segundo a lenda, esta criatura viaja pelos pisos do local durante a noite com uma vela acesa. Quando o sol começa a aparecer, a figura desaparece.

21- A senhora vestida de preto

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 20

A mulher vestida de preto apareceu na Rota 14, perto da cidade de San Gregoria, província de Santa Fe. Depois de ser levada à cidade por um traficante de carne, a senhora desapareceu.

A senhora se apresentou como Nancy Nunez, que havia falecido há um ano e meio quando seu carro foi atingido pelo avião pilotado pelo marido.

Existem várias histórias sobre a presença de mulheres na Rota 14, onde ocorreu o acidente fatal.

22- A senhora vestida de branco

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 21

É outra das lendas mais populares da Argentina, com alguma diferença em sua história, mas semelhanças em sua história.

Esse mistério é o protagonista de um jovem que participa de uma festa e convida uma dama de vestido branco para dançar, que se apaixona instantaneamente.

Eles saem juntos, ela com o casaco dele. No dia seguinte, quando o homem visita a casa da dama, os pais dizem que ele morreu há dois anos, mas em seu quarto encontram a jaqueta que o jovem lhe emprestou na noite anterior.

23- A dama do cemitério

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 22

Cemitério da Recoleta, Buenos Aires.

Esta é a lenda do homem que estava trancado em um cemitério. Tentando encontrar a saída, encontrou uma mulher diante de um túmulo, que o ajudou a escapar.

No entanto, a certa altura, a senhora estava diante de uma parede lateral e apontou o caminho. O homem viu apenas uma parede, pela qual ela atravessou sem problemas. Esta história tem versões diferentes em todo o país.

24- Um cachorro estranho

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 23

No bairro de La Boca, na capital federal, dois idosos encontraram um cachorro abandonado e o resgataram, apesar de sua aparência estranha.

Preocupado com sua saúde, ele foi levado a um veterinário, que explicou que não era um cachorro, mas um rato de uma medida extraordinária.

25- A história do edifício Kavanagh

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 24

Diz a lenda que essa construção no bário da Recoleta foi erguida a pedido de Corina Kavanagh, uma jovem de uma família rica, mas não de Patricia.

A menina construiu o prédio para obstruir a visão da igreja local à família Anchorena, o que a impediu de se casar com o filho por causa de seu status social.

26- O vampiro de Flores

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 25

Imagem recuperada de: es. creepypasta.wikia.com.

A lenda de Belek começou quando este anão de circo foi demitido de sua companhia e se estabeleceu em uma casa abandonada em Bajo Flores, na Capital Federal.

Com o tempo, os moradores começaram a perceber que os gatos do bairro desapareceram misteriosamente e apareceu o mito de que Belek era um vampiro.

Alguns dizem que o anão do circo foi pego com uma rede, mas escapou e ainda vive no cemitério de Flores.

27- Furufuhué

Esta é a lenda de um pássaro enorme, com um corpo coberto de escamas brilhantes e que só pode ser visto no controle. Seu local de residência é desconhecido, mas sua música poderosa pode ser ouvida em qualquer lugar da Terra.

28- A história de Felicitas Guerrero

É outra história de famílias patrícias na Argentina. Sua protagonista é Felicitas Guerrero, uma das mulheres mais bonitas do momento, que se casou com Martín de Álzaga.

Um ano depois, a menina perdeu um filho e ficou viúva. Havia muitos homens que a cortejavam, mas ela se apaixonou por um fazendeiro.

Cansado de ciúmes e cansado de rejeição, Enrique Ocampo, um dos pretendentes e um homem de família patrício, matou Felicitas e depois cometeu suicídio.

Diz a lenda que, a cada 30 de janeiro (o dia da morte de Guerrero), o fantasma da mulher aparece com um torso sangrento, vagando pela noite até o amanhecer.

29- O fantasma de 237

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 26

Segundo os moradores da cidade de Ciudadela, em Buenos Aires, uma nuvem branca aparece na linha 237 quando o ônibus atinge a altura do cemitério israelita.

Testemunhas descrevem que você pode ver o rosto de uma mulher, que desaparece quando o cemitério termina.

30- Acidente do motorista

No cemitério El Salvador, em Rosário, um motorista da linha 114 viu uma garota atravessar a frente do ônibus e foi atropelada. O motorista escapou, mas o espírito da garota estava no último assento.

31- Os habitantes do metrô

Existem várias histórias no metrô de Buenos Aires, especialmente na linha A, a primeira a ser inaugurada em 1913. A mais popular é a de um trabalhador que encontrou um homem morto em um banheiro, mas quando voltou com ajuda em O lugar não era nada.

32- A mulher que chora

Essa lenda é popular nas cidades rurais da província de Buenos Aires, onde muitas testemunhas afirmam ter visto uma mulher com um lençol branco cobrindo o corpo chorando pelas ruas.

Na tradição oral, é uma dama de tristeza, tentando curar sua angústia, procurando seus filhos.

33- Faculdade de Engenharia

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 27

Faculdade de Engenharia de Buenos Aires

O prédio da Faculdade de Engenharia da Universidade de Buenos Aires, no bairro de Recoleta, na Capital Federal, não pôde ser concluído e sobre seus problemas há um mito generalizado na comunidade acadêmica.

Segundo as histórias, Arturo Prins, o engenheiro responsável, falhou nos cálculos e não pôde revogar o edifício em estilo gótico ou colocar sua cúpula. O construtor foi encontrado morto em seu escritório, enquanto planejava o fim do trabalho.

34- As telhas

Esta doença que causa uma erupção cutânea possui uma série de lendas. Além de que seu progresso pode ser perigoso, acredita-se que, se essa erupção cutânea envolver o corpo, a cobra une a cabeça à cauda e se torna letal.

Essa lenda tem um apoio médico, não porque as telhas envolvem o corpo que se morre, mas a gravidade da imagem é dada pelos órgãos comprometidos.

Existem também vários mitos sobre sua cura. Uma delas é que pode ser curada esfregando um sapo sobre a área afetada. Outro está escrevendo a tinta nas duas extremidades as palavras Jesus, Maria e José.

Além disso, nos rituais dos Pampas, o mal foi curado com um jarro de água que continha três galhos enquanto recitava: «Eu estava caminhando por um pequeno caminho, conheci São Paulo, ele me perguntou o que eu tinha, respondi que eram telhas, que com que iria curar? São Paulo respondeu: com água da fonte e ramo de … (nome do paciente) ».

35- O falecido Correa

A veneração do falecido Correa é muito popular na Argentina. Isso é feito deixando garrafas de água nos santuários, localizados nas laterais das rotas em todo o país.

Segundo a lenda, essa mulher morreu de sede no meio de um deserto de areia e pedras em 1841, enquanto tentava fugir dos captores de seu marido na província de San Juan.

Deolinda Correa pediu a Deus a vida de seu filho antes de morrer e o milagre aconteceu, graças ao qual o menino sobreviveu alimentando os seios de sua mãe até que ele foi encontrado por alguns locais que o resgataram.

36- Gardel, o cantor que dá vida

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 28

Após a morte do cantor em 1935, milhares de fiéis reverenciam sua figura como um auxílio à vida. Essa lenda começou nas prisões e se espalhou por toda a sociedade.

É normal que existam cartas, flores e cigarros em ação de graças em seu túmulo no cemitério Chacarita. A primeira placa em memória de seus milagres é de 1979.

37- Benteveo

Este pássaro da família das tiranias é um dos pássaros típicos de Corrientes, e os habitantes locais acreditam que é a encarnação de uma velha abandonada por sua família por estar reclamando.

Mas não é a única lenda sobre o Benteveo, mas há outras crenças que dizem que um avô transformou seu neto em um pássaro, quando ele se recusou a pegar um copo de água.

38- Zapám Zucúm

Essa voz onomatopéia é conhecida como mãe e providência de crianças e alfarrobeiras; portanto, em muitos lugares da Argentina é adorada com festas simples que são celebradas sob as árvores.

Segundo a lenda, Zapám Zucúm pune aqueles que cortam alfarroba e aqueles que fazem alfarrobeiras com a intenção de prejudicá-los, levando uma criança para que nunca a devolva.

39- Pericana

Esse goblin goblin vive em alfarrobeiras e quebrachales, e segundo a lenda é uma mulher de baixa estatura, estampa feia, vestido esfarrapado e cores escuras.

Sua habilidade lhe permite interferir nas estradas e desaparecer rapidamente. No entanto, aqueles que a viram dizem que ela tem um apito particular.

Pericana age com pedras atirando mal pelas costas para os cavaleiros, para que caiam no chão e o cavalo consiga fugir. Também tente seduzir crianças com frutas silvestres, para levá-las sem retorno.

40- Pujllay

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 29

Festa Chaya. Foto recuperada do Blogs-Infobae.

A lenda de Pujllay é a de um gaúcho velho, manhoso, impertinente, alegre e feliz, cuja veneração é dada no festival Magna de la Chaya, que marca o fim da colheita.

Para sua celebração, buquês de manjericão são atingidos em rostos descoloridos, e todos riem e cantam ao som do tambor, em agradecimento ao santo.

41- Mama Zara

O noroeste da Argentina adora Mama Zaras, mãe de milho, com um monólito no centro do plantio, o que garante uma boa estação das chuvas.Em tempos de seca, as ofertas são feitas com diferentes culturas e rituais, para que a água caia e fertilize a terra.

42- Mikilo

A lenda deste pequeno elfo é originária de La Rioja e, de acordo com os habitantes locais, essa criatura aparece aos cochilos, no verão, para assustar as crianças que andam pelo campo.

Ele é descrito com uma mão de lã e uma mão de ferro, que golpeia os homens. Segundo o mito, ele age à tarde porque protege quem tira uma soneca.

43- Huazas

Este rito urbano é generalizado no noroeste da Argentina e é o protagonista deste santo, que é venerado com duas pedras na entrada do plantio para proteger a colheita. Isso impedirá a entrada de hexágonos e pragas no plantio.

44- Runauturunco

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 30

Esta lenda é uma das mais populares da região de Cuyana e conta a história de um homem que magicamente se torna um tigre feroz.

Segundo a história, após mergulhar no chifre de um tigre, ocorre a transformação que leva os humanos a ter poderes malignos.

45- Cachín

Essa lenda, originária da província de Neuquén, conta a história de um método xamânico para curar uma doença que causa dermatopatia ulcerativa nos membros inferiores.

Segundo os fiéis, as feridas devem ser lavadas com água salgada e emplastros de ivircún, mehuellín e deo, para quebrar o feitiço das formigas que causam esta doença.

46- Calcurá

Com esse nome, chama-se pedras negras que são encontradas em San Martín de los Andes, a caminho do Chile , e que, segundo a lenda, elas carregam dentro da alma de um feiticeiro preso.

Para evitar a natureza perversa deste ser, aqueles que colidem com essas rochas devem orar: “Pedra de Melimilla, deixe-me passar, eu imploro e tenho essa luz acesa; para você, tenho, deixe-me passar, sou um amigo sincero, não mato, não roubo animais, eu venho de um bom pai e o machi sabe quem eu sou, deixe-me passar que lhe trarei um presente do Chile ».

47- Curundú

Curundú é uma bebida amplamente usada na costa argentina, usada no mate para atrair o amor de outra pessoa. Sua receita é um mistério, mas o mito é popular.

48- Junllu

Esse nome é chamado de bastão de 30 centímetros de comprimento, com sinos de metal presos a ele, usados ​​para a cura.

Entre outras funções, é usado para fazer desaparecer um espírito não viciado que incomoda sua performance.

49- Pillán

É uma divindade suprema dos araucanos, chamada trovão, que vive nas colinas da cordilheira, provocando a tempestade.

Segundo a lenda, seus eixos são os raios que cortam os velhos carvalhos. Para isso, ele deve ser invocado dizendo seu nome quatro vezes.

50- Sachayoj Zupay

Esta lenda nativa da selva de saladas de Santiago del Estero conta a história de um espírito que percorre os campos correndo ou montando uma mula negra. Isso leva consigo multas, lechiguanas e outros presentes para quem se atreve a encontrá-lo.

51- Coquena

É uma divindade do noroeste da Argentina, que protege as vicunhas e os guanacos. Segundo a lenda, ele percorre as colinas durante a noite dirigindo bandos cheios de ouro e prata.

Aqueles que a conhecem tornam-se ar. Mas é também uma fonte de abundância e punição para quem trata bem e mal os animais, respectivamente.

52- Cachirú

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 31

Este pássaro de mau agouro, de plumagem cinza escuro, tem poder sobre os corpos e almas dos homens, às vezes os castigando na vida, removendo os olhos com seus bicos afiados.

Para evitar seu mal, três arremessadores que estavam localizados no pátio devem ser oferecidos; se ele os bebe, ele aceita a oferta e se torna amigo e protetor.

53- Amovindo

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 32

Segundo a crença popular, Amovindo era um rico proprietário de terras que morava em Santiago del Estero, perto do rio Salado. Estima-se que o tempo em que ele morou foi por volta de 1785.

A fortuna de Amovindo era incalculável; Além das riquezas visíveis, ele havia escondido e enterrado baús onde guardava jóias, prata, ouro e outros itens valiosos.

Dizem que ele constantemente recebia a visita de um ser de aparência estranha e mutável, que às vezes lembrava um homem e outras vezes era mais como um touro com chifres dourados e brilhantes. Este ser habitado na selva vizinha.

Amovindo morreu, e diz-se que, na época, o touro apareceu na fazenda do milionário, reuniu os animais que moravam naquele local e os levou para a selva.

54- A árvore de sal

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 33

Essa lenda refere-se a uma samambaia de tamanho considerável (atinge 2 metros de altura) que os índios Mocoví, que vivem no norte da Argentina, chamam de Iobec Mapic.

Dizem que essa árvore foi criada por Cotaá, o deus principal dessa tribo, para servir de alimento aos homens. Muito em breve a árvore se reproduziu bastante no chão e havia muitos humanos que a consumiam.

A entidade diabólica do Mocovi, Neepec, queria acabar com essa abundância. Ele foi até as salinas próximas a ele, encheu uma tigela com água salgada e depois a derramou sobre a árvore. Seu objetivo era queimar as folhas com sal.

As raízes da árvore absorveram o sal e as folhas tiveram um sabor salgado. Finalmente, o bem venceu o mal, porque a planta não era mais útil, pois os homens a usavam para dar sabor à comida.

55- O cardon

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 34

Esta história está relacionada aos cardões na área perto de Amaicha del Valle, uma comunidade indígena argentina. O contexto da lenda é o tempo da conquista espanhola.

Dizem que o líder inca queria enfrentar o massacre que estava testemunhando pelos conquistadores espanhóis. Para fazer isso, ele fez quatro membros da tribo apostarem em quatro pontos estratégicos, reunir outros guerreiros e atacar de surpresa.

Os índios receberiam o sinal para atacar e enfrentar os conquistadores. O chasquis (mensageiros incas) foi responsável pela entrega do sinal; no entanto, eles não puderam fazê-lo desde que foram presos e mortos. Da mesma forma, o líder inca também foi torturado e morto.

Os índios posicionados nos pontos estratégicos viram as tropas espanholas passarem sem poder atacá-las, pois não haviam recebido a ordem. Os conquistadores seguiram seu caminho, e os índios ficaram naqueles pontos, esperando.

Diz a lenda que Pachamama (mãe natureza), vendo que eles não se mudavam de seu lugar, tinham compaixão deles, lentamente os entorpeciam e os transformavam em cardões, cheios de espinhos, para que ninguém pudesse interromper sua vida. sonhar

56- Huayrapuca

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 35

Essa lenda fala de um ser extravagante, que tem duas cabeças e habita os cumes e os precipícios das montanhas. Uma de suas cabeças é de dragão e a outra de cobra; outra configuração pode ser uma cabeça de guanaco e outro girino.

Algumas versões o descrevem como um ser cujo corpo é composto de diferentes partes de vários animais. Em vez disso, outras histórias indicam que esse ser tem a forma de uma linda mulher com longos cabelos negros, vestida com uma capa vermelha.

Segundo a lenda, o principal objetivo de Huayrapuca é estender a seca. Diz-se que perambula pelas lavouras, secando-as e também seca a garganta dos animais, que morrem de sede. A ausência de nuvens se deve a esse ser, comprometido porque o sol é intenso.

Al Huayrapuca, também chamado de vento vermelho, costumava fugir, desenhando cruzes de cinzas nas portas das casas ou emitindo gritos intensos e terríveis.

57- Kakuy

As 61 lendas argentinas curtas mais populares 36

O kakuy ou cacuy é uma ave da família dos cuculídeos que tem hábitos noturnos e é presa. Existem duas versões associadas a essa legenda:

Irmãos

A primeira lenda conta a história de dois irmãos, uma mulher e um homem. O homem era nobre e de bons sentimentos, enquanto a mulher era maliciosa e ingrata.

A irmã constantemente mudou seu irmão. Em uma ocasião, o irmão voltou do trabalho, exausto e com sede, e pediu à irmã que lhe trouxesse uma refrescante bebida de mel. Ela procurou a bebida, mas antes de entregá-la ao irmão, esvaziou o recipiente e derramou a bebida no chão.

Esse mesmo cenário foi repetido várias vezes com bebidas e refeições, e o irmão decidiu dar-lhe uma lição. Outro dia, ele pediu que ela o acompanhasse a tomar mel de uma grande árvore próxima; eles estavam subindo juntos e a irmã, que era a primeira, chegou ao topo.

O irmão desceu e ao mesmo tempo estava cortando os galhos para impedir que sua irmã caísse. O irmão saiu e ela ficou lá, sozinha e assustada. Horas se passaram, seu terror aumentou e ele se sentiu ainda mais horrorizado ao perceber que, pouco a pouco, seu corpo estava se transformando.

Em vez de pés, ele tinha garras, seus braços s

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies