As 9 lendas e mitos mais populares da Nicarágua

As 9 lendas e mitos mais populares da Nicarágua

Entre as principais lendas e mitos da Nicarágua estão os cadejos, a coiota de El Viejo e o chefe Diriangén. Os nicaraguenses têm uma rica cultura mitológica que leva à criação de contos dantescos e contos populares.

Muitos dizem que na Nicarágua não existe uma única região na qual não haja lenda, mito ou história fantástica conhecida. A América Central contém um imaginário negro, mágico, feiticeiro, paranormal e ancestral que molda as crenças e superstições de seus habitantes.

Na Nicarágua, a transmissão de lendas e mitos por meio da narrativa oral é muito importante; portanto, falar de sustos, almas e seres sobrenaturais – bons e ruins – já é um hábito da população.

A América Central é um funil e local de convergência de uma cultura mestiça devido à sua localização geográfica estratégica. Índios, africanos e europeus criaram histórias, contos e histórias místicas que se referem à tradição ancestral indígena da região.

As 9 principais lendas e mitos da Nicarágua

1- O pai sem cabeça

Frades e religiosos são os protagonistas de muitos contos aterrorizantes originários da era colonial na América Latina.

Na cidade de León, houve um padre que defendeu o povo indígena. Por esse motivo, eles o decapitaram, aproximadamente em 1550.

Desde aquele dia, o pai decapitado tem andado de tristeza à noite. Ele aparece quando conhece pessoas que estão festejando ao amanhecer. Estes são atraídos por uma espécie de feitiço e o pai o leva à igreja onde ele faz missa em latim.

Imediatamente depois, o pai mostra sua ferida como resultado do abate. Dizem que aqueles que foram enfeitiçados passaram semanas sem falar.

2- O chefe Diriangén

Os maribianos são do oeste da Nicarágua e adoravam a onça como um símbolo divino do poder. Há uma lenda sobre a morte do chefe Diriagén que conta que um dia ele subiu a colina Casitas à noite para fazer uma cerimônia que o faria se tornar o deus do sol .

Relacionado:  O que é aroma sexta-feira?

O cacique subiu ao topo da colina e caiu na escuridão. A mitologia conta que o cacique morreu ao cair do penhasco, mas que seu espírito voou em direção ao céu e sempre sulca em direção ao oeste.

3- A serpente furiosa da catedral

Dizem que uma cobra gigante vive sob as águas da área da Catedral. É tão grande que fica de costas na igreja de Sutiaba, na cidade de León.

A Virgem da Misericórdia é quem segura essa cobra rebelde por um fio de cabelo para que não destrua a cidade. Dizem que a serpente é feroz e treme, mas a Virgem faz o possível para controlá-la.

Quando a cobra é liberada, a Terra treme e as ruas são inundadas para que possam surgir.

4- O Punche de Ouro dos sutiabas

Dizem que na região de Sutiaba existe um tesouro escondido cujo espírito se materializa em um imenso caranguejo dourado brilhante que sai do oceano e “ilumina as praias de Peneloya”.

A mitologia indígena indica que quem tentar pegar o Punche de Ouro ficará sem palavras. E se alguém conseguir pegá-lo, o chefe Anahuac ficará desencantado, a quem os colonizadores mataram em um pau de tamarindo que ainda é exibido em Sutiaba.

O Punche de Oro também procura um sutiaba para pegar, encontrar o tesouro e ficar rico.

5- La Cegua

Esta é uma velha coruja noturna que assusta homens mulheres. Ele tem assobios do além-túmulo e seus cabelos são longos até a cintura.

A voz dela é oca. Quando ele ataca junto com outras ceguas, ele ataca, aperta e arranca os cabelos da vítima até que ele fica inconsciente ao ar livre.

6- Os Cadejos

A lenda do Cadejo é conhecida em vários países da América Central. São dois cães de olhos ardentes, um preto e um branco, um ruim e um bom.

Relacionado:  20 tradições e costumes da Guatemala típicos

O homem bom acompanha homens honestos que devem trabalhar à noite. O bandido assusta aqueles que ficam acordados até tarde para festejar.

Quando alguém exclama “o Cadejo tocou”, significa que alguém foi deixado morrendo no chão.

7- La Mocuana de Sébaco

Segundo a história, muitos espanhóis chegaram às terras do chefe de Sébaco, a quem ele tratou com cordialidade e lhes deu ouro sob uma condição: que eles deixem seu domínio e nunca mais voltem.

Como esperado, os espanhóis fizeram o contrário e queriam roubá-lo. O chefe, consciente, escondeu toda a sua fortuna, confiando o segredo apenas à filha.

Anos depois, a filha do cacique se apaixonou por um espanhol e fugiu da comunidade. O europeu acabou por ser um louco que a trancou dentro de uma caverna, mas a garota, conhecendo o lugar, conseguiu escapar por uma brecha.

Dizem que essa garota aparece para os transeuntes e os convida a segui-la até a caverna. Ninguém foi capaz de ver seu rosto, mas seus cabelos longos e sua figura esbelta o fizeram.

8- O coiota de El Viejo

Dizem que em uma cidade chamada El Viejo morava Teodora Valdivieso, uma mulher Coyota. Depois que o marido adormecia, ela ia para trás do rancho, pronunciava o feitiço “carne abaixo, carne abaixo” e se transformava para se juntar a um rebanho.

Uma daquelas noites em que seu marido a espionou e jogou um punho de sal pouco antes de ela dizer que o feitiço voltaria a ser humano, um ato que a deixou em sua forma de coiota para sempre.

Alguns dizem que seus gritos ainda são ouvidos e que às vezes ela é vista se movendo pela planície acompanhada por seus filhotes.

9- Menino Longo da Piscina Verde

O Chico Largo caminha perto das águas da lagoa Charco Verde.

Relacionado:  Os 7 principais valores democráticos e suas características

Eles dizem que, se as pessoas entrarem na lagoa na quinta e na sexta-feira, correm o risco de serem pegos por Chico Largo e de sua caverna, onde só podem sair transformados em vacas que serão posteriormente vendidas para um matadouro.

Assuntos de interesse

Lendas do Peru .

Lendas venezuelanas .

Lendas mexicanas .

Lendas da Guatemala .

Lendas colombianas .

Lendas argentinas .

Lendas equatorianas .

Referências

  1. Peña Hernández, E. Folclore da Nicarágua . Union Publishing House, Masaya, 1968.
  2. Palma, M. Trilhas míticas da Nicarágua . Editorial Nueva América, Bogotá, 1987.
  3. Cuadra, PA e Pérez Estrada, F. Amostra do folclore nicaragüense . Fundo de Promoção Cultural – Bank of America (Human Sciences series No. 9) Manágua, 1978.
  4. Zepeda Henríquez, E. mitologia nicaragüense . Editorial “Manolo Morales”, Manágua, 1987.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies