Aspergillus flavus: características, morfologia, doenças

Aspergillus flavus é um fungo filamentoso que pertence ao gênero Aspergillus, sendo comumente encontrado em diversos ambientes, como solo, plantas e alimentos. Este fungo apresenta uma coloração amarela esverdeada e se destaca por sua capacidade de produzir toxinas, como aflatoxinas, que representam um sério risco à saúde humana e animal.

Em relação à morfologia, Aspergillus flavus possui uma estrutura filamentosa ramificada, conhecida como hifas, que se desenvolvem em forma de colônias com aparência felpuda. Além disso, suas estruturas de reprodução são denominadas esporos, que são dispersados pelo ar e podem contaminar alimentos e outros materiais.

Aspergillus flavus está associado a diversas doenças em humanos e animais, sendo uma das principais causas de micotoxicoses, que são intoxicações causadas pela ingestão de alimentos contaminados com aflatoxinas. Essas toxinas podem causar danos ao fígado, levando a doenças como hepatite e até mesmo câncer hepático.

Portanto, é fundamental estar atento à presença de Aspergillus flavus em ambientes e alimentos, adotando medidas preventivas para evitar a contaminação e os riscos à saúde.

Impactos causados por Aspergillus flavus: o que você precisa saber sobre este fungo.

O Aspergillus flavus é um fungo comum encontrado no solo, alimentos e plantas, sendo responsável por diversas doenças em humanos e animais. Este fungo é conhecido por produzir toxinas altamente perigosas, como a aflatoxina, que pode causar sérios danos à saúde.

Características do Aspergillus flavus incluem a sua capacidade de se desenvolver em ambientes quentes e úmidos, como grãos armazenados, resultando em contaminação e deterioração dos alimentos. A sua morfologia é caracterizada por esporos de cor verde ou amarela, que podem ser facilmente dispersos pelo ar.

As doenças causadas por Aspergillus flavus incluem a aspergilose, uma infecção fúngica que pode afetar os pulmões, pele e outros órgãos. Esta doença pode ser fatal em casos mais graves, especialmente em indivíduos imunocomprometidos.

Os impactos causados por Aspergillus flavus são preocupantes, principalmente devido à sua capacidade de produzir aflatoxinas, que podem contaminar alimentos como milho, amendoim e pistache. O consumo destes alimentos contaminados pode levar a intoxicações agudas e crônicas, resultando em danos no fígado, câncer e até mesmo a morte.

Portanto, é essencial estar ciente dos riscos associados ao Aspergillus flavus e adotar medidas preventivas para evitar a sua proliferação e contaminação de alimentos. A higiene adequada, armazenamento correto de alimentos e monitoramento da qualidade dos produtos são essenciais para reduzir os impactos negativos deste fungo na saúde pública.

Identificando Aspergillus flavus: dicas para reconhecer este fungo em amostras microbiológicas.

Aspergillus flavus é um fungo comum encontrado em amostras microbiológicas, conhecido por sua capacidade de produzir toxinas potencialmente perigosas. Para identificar este fungo, é importante prestar atenção em algumas características específicas.

Primeiramente, Aspergillus flavus é reconhecido pela sua cor característica, que varia de verde a amarelo. Além disso, este fungo possui estruturas microscópicas únicas chamadas conídios, que são pequenas estruturas de reprodução que podem ser observadas sob um microscópio.

Outra dica importante para identificar Aspergillus flavus é observar a morfologia das colônias que este fungo forma em meio de cultura. As colônias de Aspergillus flavus geralmente têm um aspecto aveludado e possuem um odor característico.

Em relação às doenças associadas a Aspergillus flavus, este fungo pode causar infecções respiratórias, alergias e até mesmo intoxicações alimentares. Portanto, é essencial estar atento à presença deste fungo em amostras microbiológicas, especialmente em ambientes suscetíveis à sua proliferação, como locais úmidos e quentes.

Em resumo, a identificação de Aspergillus flavus em amostras microbiológicas requer atenção a detalhes como cor, estruturas microscópicas e morfologia das colônias. Estar ciente das características deste fungo e das doenças que ele pode causar é fundamental para garantir a segurança em ambientes contaminados por Aspergillus flavus.

Principais causas do Aspergillus e como prevenir sua proliferação e contaminação.

O Aspergillus flavus é um fungo comum encontrado no ambiente, especialmente em solos, plantas e alimentos. Ele é conhecido por produzir toxinas chamadas aflatoxinas, que podem ser prejudiciais à saúde humana e animal. A principal causa da proliferação do Aspergillus flavus é a presença de umidade e calor, condições ideais para o crescimento do fungo.

Relacionado:  Endocitose mediada por receptor: processo e funções

Para prevenir a proliferação e contaminação do Aspergillus flavus, é importante manter a higiene adequada em ambientes propensos ao seu crescimento, como armazéns de alimentos e áreas úmidas. Além disso, é essencial manter os alimentos secos e bem armazenados, evitando a formação de mofo.

Outra medida importante é garantir a ventilação adequada em espaços fechados, para evitar a umidade excessiva. O uso de desumidificadores também pode ser útil para manter a umidade sob controle e prevenir o crescimento do fungo.

Em suma, a prevenção da proliferação e contaminação do Aspergillus flavus envolve a manutenção da limpeza e da ventilação adequada nos ambientes propícios ao seu crescimento, além de garantir a correta armazenagem dos alimentos para evitar a formação de mofo e a produção de aflatoxinas.

Motivos para a preferência por Aspergillus flavus em determinados ambientes.

Aspergillus flavus é um fungo amplamente encontrado em diversos ambientes, sendo conhecido por sua capacidade de crescer em condições adversas. Existem vários motivos que explicam a preferência por este fungo em determinados ambientes.

Uma das características marcantes de Aspergillus flavus é sua capacidade de produzir aflatoxinas, substâncias tóxicas que podem contaminar alimentos e rações. Essa capacidade de produção de toxinas torna o fungo um competidor mais eficiente em ambientes onde a concorrência por recursos é alta.

Além disso, Aspergillus flavus é capaz de se desenvolver em substratos com baixa disponibilidade de água, o que lhe confere uma vantagem competitiva em ambientes secos. Sua capacidade de crescer em condições de estresse hídrico o torna um dos fungos mais prevalentes em regiões áridas e semiáridas.

A morfologia de Aspergillus flavus também contribui para sua preferência em determinados ambientes. Seus esporos são facilmente dispersos pelo vento, permitindo que o fungo se dissemine rapidamente em áreas abertas e ventiladas. Além disso, sua capacidade de formar micélios densos e resistentes contribui para sua sobrevivência em ambientes hostis.

Em resumo, Aspergillus flavus é favorecido em ambientes onde a competição por recursos é intensa, a disponibilidade de água é baixa e a dispersão de esporos é facilitada. Sua capacidade de produzir toxinas e sua morfologia adaptada a condições adversas o tornam um dos fungos mais bem-sucedidos em determinados habitats.

Aspergillus flavus: características, morfologia, doenças

O Aspergillus flavus é um fungo ambiental que pode afetar como um patógeno oportunista, produtor de micotoxinas e como contaminante de culturas e produtos alimentícios.Você também pode encontrá-lo contaminando couros, tecidos, tintas, bolsas de diálise quebradas, lentes de contato gelatinosas, medicamentos abertos, entre outros.

É amplamente distribuído na natureza e, juntamente com outros gêneros e espécies, é importante na decomposição da matéria orgânica. Estes desempenham um papel fundamental no ciclo do carbono e nitrogênio.

Aspergillus flavus: características, morfologia, doenças 1

Por Medmyco [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

Este gênero possui uma grande versatilidade metabólica, além de uma grande capacidade de espalhar e espalhar seus conídios, pois sua cabeça conidial pode produzir mais de 500.000 conídios.

Os conídios se espalham no ar, podendo atingir muitos substratos. Eles são encontrados até nos desertos e nas camadas superiores da atmosfera.É por isso que qualquer pessoa pode causar reações alérgicas devido à hipersensibilidade quando há exposição contínua.

Também pode causar patologias graves em pacientes imunossuprimidos, comportando-se como um patógeno oportunista.

Por outro lado, se o A. flavus se desenvolver em grãos de cereais como milho , arroz e amendoim , ele produzirá substâncias tóxicas sobre eles. Entre eles: hepatotoxinas e aflatoxinas cancerígenas, que afetam humanos e animais.

Caracteristicas

O gênero Aspergillus é geralmente caracterizado como microrganismos anamórficos (Deuteromycetes); isto é, eles apenas se reproduzem assexuadamente .No entanto, em algumas espécies, incluindo A. flavus , são conhecidas suas formas teleomórficas (Ascomycetes), ou seja, possuem reprodução sexual .

Outra característica importante do Aspergillus flavus é que eles podem produzir metabólitos secundários.Isso significa que eles não têm uma função direta no metabolismo fisiológico do fungo, mas atuam como um fator de defesa para um ambiente hostil.

Relacionado:  Membranas semi-permeáveis: características, transporte, funções

Estes são feitos durante o desenvolvimento de fungos, chamados aflatoxinas, entre outros compostos.Embora não seja uma propriedade única de A. flavus , eles também são produzidos por A. parasiticus e A. nomius .

O perigo surge quando o fungo é instalado e produz substâncias tóxicas nos grãos e legumes, que serão posteriormente consumidos por seres humanos e animais.

O fungo também pode afetar as folhas de plantas previamente danificadas por insetos em climas quentes e úmidos, sendo muito frequente nos trópicos.

Em perus e galinhas, há epidemias de aspergilose do trato respiratório devido ao consumo de grãos contaminados com aflatoxinas, causando 10% das mortes em pintos, enquanto em bovinos e ovinos causa abortos.

Produção de aflatoxinas e outras substâncias tóxicas

Aflatoxinas são consideradas as substâncias hepatocarcinogênicas naturais mais potentes que existem.Nesse sentido, Aspergillus flavus produz 4 aflatoxinas (B1 e B2 G1 e G2), dependendo do tipo de cepa.

O Aspergillus flavus é classificado em dois grupos de acordo com o tamanho de suas escleródios, onde o grupo I (linhagens L) possui escleródios maiores que 400 µm e os do grupo II (linhagens S) possuem esclerócios menores que 400 µm.

As aflatoxinas mais comuns (B1 e B2) são produzidas pelas linhagens L e S, mas as aflatoxinas G1 e G2 são produzidas apenas pelas linhagens S. No entanto, a linhagem L é mais virulenta que a linha S, embora produz menos aflatoxinas .

A aflatoxina B1 é a mais tóxica, possui grande potencial hepatotóxico e carcinogênico, podendo causar desde hepatite aguda a carcinoma hepatocelular.

Da mesma forma, Aspergillus flavus produz ácido ciclopiazônico, causando degeneração e necrose do fígado, lesões do miocárdio e efeitos neurotóxicos.

Além disso, produz outros compostos tóxicos, como estigmatmatocistina, ácido kojic, ácido β-nitropropiônico, aspertoxina, aflatrem, gliotoxina e ácido aspergil.

Produção de substâncias com propriedades antibacterianas

Sabe-se que A. flavus produz 3 substâncias com atividade antibacteriana.Essas substâncias são ácido aspergil, flavicina e flavacidina.

O ácido aspergil possui atividade bacteriostática ou bactericida contra certas bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, dependendo da concentração em que é usado.

As principais bactérias afetadas são: Streptococcus ß-hemolítico, Staphylococcus aureus , Enterobacter aerogenes , Enterococcus faecalis e Escherichia coli.

Por seu turno, a flavicina possui efeito bacteriostático contra Streptococcus ß- hemolítico, Bacillus anthracis, Corynebacterium diphtheriae, Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Brucella abortus, Bacillus subtilis, Shigella dysenteriae e Vibrio escolheu.

Enquanto isso, a flavacidina é uma substância que tem características biológicas e químicas muito semelhantes à penicilina.

Taxonomia

Reino: Fungos

Filo: Ascomycota

Classe: Eurotiomycetes

Ordem: Eurotiales

Família: Aspergillaceae

Gênero: Aspergillus

Espécie: flavus.

Morfologia

Características macroscópicas

As colônias de A. flavus variam em aparência, podem ser vistas de granular, lanoso ou em pó.

A cor das colônias também pode variar, inicialmente são amareladas, depois se transformam em tons de verde amarelado e, com o passar do tempo, se tornam em tons mais escuros, como marrom-amarelado.

A parte de trás da colônia pode ser marrom incolor ou amarelado.

Características microscópicas

Microscopicamente, conidióforos incolores medindo 400 a 800 µm de comprimento, parede espessa e aparência áspera podem ser vistos na área inferior onde a vesícula globosa é encontrada.

A vesícula globosa ou subglobosa mede entre 25-45 µm de diâmetro. De lá, deixe os phialides em torno de toda a vesícula biliar.Os fiálides podem ser monoseriados, ou seja, com uma única fileira de conídios ou biseriados com fileira dupla de conídios.

Os conídios são globos verdes lisos, piriformes ou amarelados, mas, quando maduros, tornam-se levemente ásperos. Os conídios dessa espécie formam cadeias relativamente longas.

Como uma estrutura reproduzida sexualmente, eles têm esclerose subglobosa ou longa branca ou preta, onde os ascósporos se desenvolvem.

Doenças e sintomas

Entre as patologias mais frequentes causadas por A. flavus estão sinusite fúngica, infecção cutânea e pneumonia não invasiva. Também pode causar córnea, infecções nasoorbitais e doenças disseminadas.

O Aspergilus flavus é responsável por 10% das doenças invasivas e é a terceira causa de onicomicose em humanos. Também causa aflatoxicose.

Relacionado:  Jaguar: evolução, características, habitat, reprodução

Uma breve explicação das principais doenças é dada abaixo:

Sinusite fúngica

É caracterizada por congestão nasal de longa evolução, rinorréia, drenagem pós-nasal, dor de cabeça e aparecimento de pólipos nasais, sem invasão do tecido circundante.

No muco há presença de eosinófilos abundantes e as hifas características podem ser observadas .IgE total e IgG são altos. Em casos graves, pode se tornar uma sinusite invasiva.

Infecção da córnea

Manifesta-se como um quadro de conjuntivite que piora até a perfuração da córnea e a perda do globo ocular afetado.Está associado a trauma com elemento perfurocortante ou por disseminação endógena.

Aspergilose nasal-orbital

Consiste em um aspergiloma localizado nos seios paranasais que se estende à órbita ocular. Os sinais mais significativos são protopsia unilateral e inflamação dos tecidos circundantes.

Aspergilose cutânea

É uma lesão local que apresenta necrose do tecido subjacente, que produz angio-invasão e trombose.

Aspergilose pulmonar invasiva

É definida como uma pneumonia necrosante com invasão de vasos sangüíneos secundária à colonização do parênquima pulmonar.

Os sintomas que ela reflete são febre, nódulos ou infiltrados pulmonares, hemoptise, infarto hemorrágico.O fungo pode se espalhar através da pleura para o espaço pleural, músculos intercostais e miocárdio.

Também pode atingir a corrente sanguínea e se espalhar para o cérebro, olhos, pele, coração e rim.

Consumo de alimentos contaminados com aflatoxinas pelo homem (aflatoxicose)

Os efeitos que pode produzir em humanos podem ser de três tipos: cancerígenos, mutagênicos e teratogênicos.

Os metabólitos gerados a partir da biotransformação das aflatoxinas consumidas podem afetar qualquer órgão, porém o órgão branco é o fígado.

As manifestações que se destacam são fígado gorduroso, necrose moderada e extensa, sangramento, aumento da vesícula biliar, danos ao sistema imunológico, nervoso e reprodutivo.

Prevenção

Nível industrial

Para evitar a infestação de grãos e leguminosas, a umidade do armazenamento deve ser regulada abaixo de 11,5% e as temperaturas abaixo de 5 ° C. Isso impede o crescimento e a proliferação do fungo.

A pulverização também deve ser feita para reduzir a quantidade de ácaros e insetos que são os principais vetores que carregam conídios nas pernas.A remoção de grãos quebrados e imaturos ajudará a diminuir a colonização do fungo.

Por outro lado, um controle biológico foi proposto para reduzir o desenvolvimento de fungos toxigênicos em substratos suscetíveis.Consiste no uso de cepas não-toxigênicas de A. flavus para deslocar competitivamente cepas toxigênicas.

A nível clínico

Colocação de filtros de ar e arejamento constante dos espaços, evitando umidade e escuridão.

Referências

  1. Amaike S. Keller N. Aspergillus flavus . Annu Rev Phytopathol . 2011; 49: 107-133
  2. Ryan KJ, Ray C. Sherris .Medical Microbiology , 2010. 6º Ed. McGraw-Hill, Nova York, EUA
  3. Casas-Rincón G. Micologia Geral. 1994. 2ª Ed. Universidade Central da Venezuela, edições da Biblioteca. Venezuela, Caracas
  4. Koneman, E, Allen, S, Janda, W, Schreckenberger, P, Winn, W. (2004). Diagnóstico microbiológico (5ª ed.). Argentina, Editorial Panamericana SA
  5. Arenas R. Micologia Médica Ilustrada. 2014. 5º Ed. Mc Graw Hill, 5º México.
  6. Bonifaz A. Micologia Médica Básica. 2015. 5º Ed. Mc Graw Hill, Cidade do México.
  7. Atividade antibacteriana de Rocha A. Aspergillus flavus . Memórias do Instituto Oswaldo Cruz Rio de Janeiro, Brasil. 1944; 41 (1): 45-57
  8. Cuervo-Maldonado S, Gómez-Rincón J, Rivas P, Guevara F. Atualização sobre aspergilose com ênfase na aspergilose invasiva. Infectio 2010; 14 (2): 131-144
  9. Majumdar R, Lebar M, Mack B e outros. O gene Aspergillus flavus Spermidine Synthase (spds) é necessário para o desenvolvimento normal, produção de aflatoxina e patogênese durante a infecção de grãos de milho. Fronteiras em Ciência das Plantas. 2018; 9: 317
  10. Pildain M, Cabral D, Vaamonde G. Populações de Aspergillus flavus em amendoins cultivados em diferentes áreas agroecológicas da Argentina, caracterização morfológica e toxigênica. RIA 2005; 34 (3): 3-19
  11. Contribuidores da Wikipedia. Aspergillus flavus . Wikipedia, a enciclopédia livre. 10 de setembro de 2018 às 11:34 UTC. Disponível em: Wikipedia.org.

Deixe um comentário