Australopithecus Afarensis: Características, Habitat, Comida

O Australopithecus afarensis era um hominídeo considerado pelos cientistas como um dos ancestrais do Homo Sapiens . Ele viveu em algumas áreas da África Oriental, entre 3,9 e 3 milhões de anos a. C.

Era um hominídeo bípede, embora as pesquisas mais recentes sugiram que ele viveu mais nas árvores do que no chão. Eles eram de pele fina, com um crânio mais semelhante ao de um chimpanzé do que ao humano.

Australopithecus Afarensis: Características, Habitat, Comida 1

A descoberta desta espécie foi feita em 24 de dezembro de 1974. Os paleoantropólogos Donald Johanson, Yves Coppens e Tim White estavam investigando no vale do rio Awash, na Etiópia, quando encontraram os restos muito bem preservados de um hominídeo. Este espécime mostrou características diferentes das outras conhecidas.

O indivíduo encontrado, uma mulher, foi nomeado Lucy. A razão para esse nome foi que, para comemorar sua descoberta, eles ouviram sem parar a música dos Beatles “Lucy no céu com diamantes”. A denominação da espécie, Australopithecus afarensi, deriva do nome da tribo que habitava aquele território, os Afar.

Além de Lucy, foram encontrados restos de outros indivíduos da mesma espécie. Estes incluem os descobertos em 1978 em Laetoli, na Tanzânia.

Descoberta

Quando os restos de Lucy foram descobertos em dezembro de 1974, ela foi apelidada de “avó da humanidade”, o que mostra a importância que eles atribuíam à descoberta.

No local escavado foram encontrados 12 fósseis de indivíduos da espécie, cujo estudo permitiu conhecer melhor a origem do ser humano.

Foi o Australopithecus mais bem preservado dos encontrados até agora. Isso levou, por exemplo, a descobrir que a capacidade de andar de pé apareceu antes que o cérebro crescesse.

Da mesma forma, seus dentes eram essenciais para fornecer luz à evolução dos hominídeos e foi descoberto que os gêneros evoluíram simultaneamente.

Embora mais tarde tenham sido encontrados alguns fósseis de mais antiguidade, a importância de Lucy faz com que seja considerado um dos grandes marcos da paleoantropologia.

Características físicas e biológicas

O peso estimado do Australopithecus afarensis variou entre 45 e 28 quilos e sua altura entre 151 e 105 centímetros.

Essa grande variação dependia do sexo dos indivíduos. Sua pele era magra e graciosa e apresentava características que lhes permitiam andar de pé em ambas as pernas. Seu peito se estreitou, em forma de sino.

Quanto à capacidade craniana, era mais semelhante à de um chimpanzé do que a de um ser humano atual: entre 380 e 450 cm³ .

Morfologia óssea

Embora, como já mencionado, seu crânio não fosse grande comparado ao do ser humano de hoje, se fosse em relação ao tamanho do corpo.

Sua face possuía uma dimensão ampla, com uma projeção característica à frente da área da mandíbula. Isso, chamado prognatismo, era devido ao grande tamanho de seus dentes.

Por outro lado, apesar da semelhança acima mencionada com a do chimpanzé, o crânio também tinha cristas sagitais e nucais semelhantes às dos gorilas atuais, mas muito menores.

A prótese apresentou várias peculiaridades que ajudaram os cientistas a descobrir seu tipo de alimento.

Assim, os incisivos eram os de uma dieta principalmente frugívora, de tamanho considerável, assim como os molares e os pré-molares. Quanto aos caninos, eles eram pequenos.

O paladar tinha uma grande semelhança com a do ser humano de hoje, com uma curva que não se assemelhava à dos grandes símios.

Outro aspecto importante de sua morfologia foi o formato da pelve. O estudo dessa parte do corpo é o que nos permitiu afirmar que eles podiam andar de pé com as duas pernas.

O osso em questão é pequeno, com um canal de parto menor no sexo feminino do que em outras espécies antropomórficas. Isso porque os jovens também eram pequenos, principalmente o crânio.

Bípedes e com a capacidade de subir

A estrutura óssea de A. afarensis evidencia sua condição bípede, embora ainda haja discussões sobre a maneira como andaram.

Muitos cientistas afirmam que o formato da pélvis e das pernas fez sua caminhada diferente da dos humanos de hoje. Dessa maneira, eles andariam mais inclinados.

Suas pernas eram proporcionalmente mais curtas que as do Homo sapiens, impedindo-as de um movimento eficiente e rápido. No entanto, outro grupo de pesquisadores acha que, apesar da existência dessas diferenças, eles foram capazes de caminhar com facilidade.

A descoberta feita por Mary Leakey em Laetoli, foi a confirmação da capacidade de andar na vertical desses hominídeos. Nesse local, ele encontrou uma série de traços deixados por três indivíduos desta espécie em uma camada de cinzas vulcânicas. As faixas datavam de cerca de três milhões e meio de anos atrás.

São os dedos das mãos e dos pés, com falanges curvas, que levam os especialistas a salientar que eles eram muito hábeis em escalar galhos de árvores. Por esse motivo, a hipótese mais difundida é que eles passavam grande parte do tempo em alturas.

Habitat

O Australopithecus Afarensi residia apenas na África Oriental, especificamente na área atualmente ocupada pela Etiópia, Tanzânia e Quênia. É nesses três países que os restos dos mais de 300 indivíduos conhecidos até o momento foram encontrados.

O tipo de habitat que geralmente ocupavam eram áreas com florestas secas e não muito densas. Dados mais modernos sugerem que eles também foram capazes de se mudar para áreas da savana, procurando margens de rios e lagos.

Alimento

Estudos realizados no Australopithecus Afarensis afirmam que a base de sua dieta era a de um herbívoro. Ocasionalmente, ele comia os restos de outros animais, embora não fosse uma espécie de caça.

Ao analisar as microestruturas dos dentes dos indivíduos encontrados, conclui-se que, acima de tudo, alimentam-se de frutos com alto teor de açúcar e brotos de folhas. Além disso, comiam raízes, tubérculos, nozes ou sementes.

Uma hipótese mantida por alguns paleoantropólogos indica que a dieta foi prolongada ao longo do tempo. Dessa forma, eles teriam começado a consumir ovos, répteis e vários insetos.

Para chegar a essa conclusão, eles contam com a presença de uma enzima, a trealose, usada para digerir um tipo de açúcar que está muito presente nesses insetos.

Carne

Parece aceito pela maioria da comunidade científica que A. afarensis comeu um pouco de carne. Como eles não eram caçadores, seriam restos encontrados.

No entanto, uma descoberta na Etiópia gerou muita controvérsia sobre a possibilidade de consumir animais em geral.

A descoberta de uma costela de um animal do tamanho de uma vaca e do fêmur de um antílope, aparentemente com marcas de alguma ferramenta, levou alguns especialistas à conclusão de que a dieta carnívora poderia ser mais difundida do que se pensava anteriormente.

Ferramentas

Uma das grandes controvérsias presentes nos estudos sobre esse tipo de Australopithecus veio da descoberta acima, a de ossos de animais.

Tradicionalmente, considerava-se que os hominídeos começaram a usar ferramentas para cortar carne há 2,5 milhões de anos.

Por esse motivo, as marcas que apareceram nos ossos encontradas chamaram muita atenção. Se confirmado, o uso dessas ferramentas deve ser avançado consideravelmente, até 3 milhões de anos.

O estudo, publicado na revista Nature, foi baseado nas marcas que aparentemente teriam deixado algum objeto pontiagudo nos ossos encontrados na Etiópia. Essas ferramentas serviriam teoricamente para separar a carne dos ossos ou para extrair a medula.

Segundo os pesquisadores, é mais provável que a ferramenta em questão não tenha sido construída por A. afarensis, mas que eles usaram alguma pedra com uma borda afiada.

A importância dessa descoberta foi enfatizada por Zeresenay Alemseged, da Academia de Ciências da Califórnia, que chegou a afirmar que “a descoberta mudou abruptamente o prazo estabelecido para determinar o comportamento dos ancestrais humanos”.

Detratores

Apesar dos dados apresentados nessa pesquisa, a maioria dos especialistas discorda das conclusões.

Entre eles, Manuel Domínguez-Rodrigo, arqueólogo espanhol, afirma que os ossos encontrados foram danificados ao serem pisados ​​por outros animais.

As marcas seriam, dessa maneira, o resultado dos passos, não de uma ferramenta de corte.

Essa mesma hipótese é compartilhada por muitos outros estudiosos. Esperando que mais evidências apareçam, até agora é impossível dizer cem por cento que esses hominídeos usarão ferramentas.

Forma de vida

O modo de vida desses hominídeos era marcado por sua dupla capacidade de movimento: por um lado, eles podiam andar com as duas pernas; por outro, eles tinham uma grande capacidade de escalar árvores e permanecer nelas.

A teoria mais difundida era que eles viviam em pequenos grupos, nos quais havia uma colaboração mútua para sobreviver.

Para dormir, eles escalaram árvores, onde construíram uma espécie de ninho. Eles também poderiam passar a noite em cavernas rasas.

No chão ou nas árvores?

A grande questão que os cientistas tentam responder desde que, em 1974, os restos de Lucy foram encontrados, é se A. afarensis normalmente se movia pelo chão, andando ou se era uma espécie que preferia estar nas árvores.

A análise realizada na Universidade da Califórnia sobre a estrutura corporal de outro dos hominídeos encontrados tentou resolver o debate.

Os especialistas que estudaram “Selam”, um nome dado ao fóssil de uma garota da espécie, chegaram à conclusão de que passavam mais tempo entre os galhos do que no nível do solo.

As características apresentadas pelos ossos, especialmente a omoplata, identificam esse hominídeo com um alpinista ativo. A articulação do homem apontando para cima é a mesma encontrada nos macacos de hoje, mas não no ser humano.

Com isso, parece ser demonstrado que seu espaço natural era de altura, o que faria parte de sua estratégia de sobrevivência.

Estrutura social

Não é fácil extrapolar a estrutura social dos restos fósseis encontrados, mas os paleoantropólogos desenvolveram uma série de teorias baseadas em dados.

Assim, a opinião mais comum é que eles viviam em pequenos grupos, instalando-se em áreas próximas a fontes de água.

Como o resto dos bípedes, eles costumavam ser bastante gregários, estabelecendo relações de colaboração para aumentar as chances de sobrevivência.

Por outro lado, como nos macacos modernos, os grupos foram estruturados em torno de um macho dominante, com várias fêmeas para acasalar.

Quanto às crianças de A. Afarensis, acredita-se que elas tenham um desenvolvimento físico mais rápido que o dos humanos, tornando-se independentes precocemente.

Outros aspectos conhecidos são que eles não dominaram o fogo, que não eram caçadores e que não construíram lugares para habitá-los.

Diferenciação sexual

Uma das características mais levadas em consideração ao estabelecer os padrões de comportamento de uma espécie é o chamado dimorfismo sexual. Isso nada mais é do que as diferenças físicas entre homens e mulheres.

No caso de A. afarensis, esse dimorfismo é muito pronunciado, tanto em tamanho quanto em peso. Comparando-o com o apresentado por alguns macacos atuais, os especialistas concluíram que os machos eram responsáveis ​​pelo abastecimento do grupo e que, precisamente, a necessidade de mover os alimentos obtidos poderia levar à transformação em bípedes.

Da mesma forma, embora existam pesquisadores que afirmam que os indivíduos eram monogâmicos, a maioria concorda que os homens devem competir pela atenção das mulheres. Como em alguns macacos, o macho alfa controlava o grupo, tendo privilégios de acasalamento.

Referências

  1. Tezanos, Patri. Australopithecus afarensis: o pré-homo. Obtido em antroporama.net
  2. Portal Science. Australopithecus Afarensis. Obtido em portalciencia.net
  3. Meroño, Lourdes. Quem é Lucy, o Australopithecus afarensis? Obtido em elperiodico.com
  4. Instituição Smithsonian. Australopithecus afarensis. Obtido de humanorigins.si.edu
  5. Museu Australiano Australopithecus afarensis. Obtido em australianmuseum.net.au
  6. Programa Origens Humanas. Australopithecus afarensis. Obtido de eol.org
  7. Henry McHenry Donald C. Johanson. Australopithecus Obtido em britannica.com
  8. Funcionários da National Geographic O que era “Lucy”? Fatos rápidos sobre um ancestral humano primitivo. Obtido em news.nationalgeographic.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies