Bandeira da Maurícia: história e significado

A bandeira da Maurícia é um símbolo nacional que representa a história e a identidade do país. Com suas cores vibrantes e design único, a bandeira da Maurícia conta a história da nação e seus valores fundamentais. Neste artigo, exploraremos a história por trás da bandeira da Maurícia, seu significado e o impacto que teve na cultura e na sociedade do país.

Entenda o simbolismo por trás da bandeira da Mauritânia neste breve artigo informativo.

A bandeira da Mauritânia é composta por uma faixa verde na parte superior, uma faixa dourada no centro e uma faixa vermelha na parte inferior. O verde representa o Islã, a cor predominante no país, enquanto o dourado simboliza a areia do deserto do Saara. Já o vermelho é uma homenagem ao sangue derramado pelos mártires mauritanos na luta pela independência.

A bandeira foi adotada em 1959, antes mesmo da independência do país, e passou por algumas modificações ao longo dos anos. Por exemplo, em 2017, uma estrela e uma lua crescente foram adicionadas no centro da faixa dourada, representando o papel do Islã na sociedade mauritana.

É um elemento fundamental da identidade nacional mauritana.

Qual é o nome da bandeira das Ilhas Maurício?

A bandeira das Ilhas Maurício é conhecida como “Bandeira de Maurício”. Ela foi adotada em 12 de março de 1968, quando o país conquistou a independência do Reino Unido. A bandeira é composta por quatro faixas horizontais de igual largura, nas cores azul, amarelo, vermelho e verde, da parte superior para a inferior. No canto superior esquerdo, há o brasão de armas do país, que inclui um escudo com uma estrela dourada, uma palmeira, um navio, duas folhas de cana-de-açúcar cruzadas e um lema nacional.

A história por trás das cores da bandeira da Maurícia é rica em significado. O azul representa o oceano que circunda as ilhas, o amarelo simboliza a luz do sol que brilha sobre o país, o vermelho representa a luta pela independência e o verde simboliza a rica vegetação das ilhas.

Descubra a história da colonização das ilhas Maurícias por exploradores europeus no século XVII.

A história da colonização das ilhas Maurícias por exploradores europeus no século XVII é marcada por uma série de eventos que moldaram a cultura e a identidade do país. As primeiras expedições europeias às Maurícias ocorreram no início do século XVII, com os exploradores portugueses e holandeses sendo os primeiros a chegar às ilhas.

No entanto, foi a colonização francesa que teve o maior impacto nas Maurícias. Em 1715, os franceses estabeleceram uma colônia nas ilhas e começaram a desenvolver plantações de açúcar e café. A mão de obra escrava foi trazida da África para trabalhar nas plantações, o que levou a um rápido crescimento econômico, mas também a uma exploração desumana dos trabalhadores.

A presença francesa nas Maurícias durou até 1810, quando as ilhas foram capturadas pelos britânicos durante as Guerras Napoleônicas. Os britânicos continuaram a desenvolver a economia das Maurícias, introduzindo novas culturas agrícolas e expandindo o comércio com outras colônias.

Em 1968, as Maurícias finalmente conquistaram a independência do Reino Unido, tornando-se uma nação soberana. A bandeira das Maurícias reflete essa história de colonização e independência, com suas cores e símbolos representando a diversidade étnica e cultural do país.

Bandeira da Maurícia: história e significado

A bandeira das Maurícias é composta por quatro faixas horizontais de igual tamanho, nas cores vermelha, azul, amarela e verde. No canto superior esquerdo, há um escudo com uma estrela dourada, uma palma de coco e duas folhas de cana-de-açúcar. Esses símbolos representam a história agrícola das Maurícias e sua rica diversidade cultural.

A bandeira das Maurícias foi adotada em 1968, no momento da independência do país. As cores escolhidas para a bandeira – vermelho, azul, amarelo e verde – representam respectivamente a luta pela liberdade, o oceano que cerca as ilhas, a riqueza da terra e a vegetação exuberante das Maurícias.

Sua combinação de cores e símbolos transmite a diversidade e a riqueza cultural das ilhas, tornando-a um emblema orgulhoso para os mauricianos em todo o mundo.

Qual é o nome da bandeira que possui as cores vermelha e branca?

A bandeira que possui as cores vermelha e branca é a Bandeira da Maurícia. Este país insular localizado no Oceano Índico adotou esse símbolo nacional em 1968, quando conquistou a independência do Reino Unido.

A Bandeira da Maurícia é composta por quatro faixas horizontais, sendo duas vermelhas e duas brancas, alternando entre si. No canto superior esquerdo, encontra-se o brasão de armas do país, que inclui uma estrela, um escudo e um par de troféus navais.

As cores da bandeira têm significados importantes para a Maurícia. O vermelho representa a luta pela independência e a coragem do povo mauriciano, enquanto o branco simboliza a paz e a harmonia entre os diferentes grupos étnicos que compõem a nação.

Relacionado:  Bandeira da Libéria: história e significado

Bandeira da Maurícia: história e significado

A bandeira da Maurícia é o símbolo nacional desta república localizada no Oceano Índico. É composto por quatro faixas horizontais de tamanho igual. De cima para baixo, as cores são vermelho, azul, amarelo e verde. É a única bandeira do mundo que possui quatro faixas simétricas. O pavilhão permanece em vigor desde a independência do país em 1968.

A ilha não tinha símbolos quando foi descoberta pelos árabes ou pelos portugueses. Os primeiros a se instalar e usar suas bandeiras foram os holandeses, que mais tarde abandonaram. O Império Francês conquistou esta ilha e nela acenou símbolos monárquicos e depois revolucionários. Finalmente, Mauricio se tornou uma colônia britânica e, assim, manteve três bandeiras coloniais.

Bandeira da Maurícia: história e significado 1

Bandeira da Maurícia (Zscout370 [domínio público]).

Mauricio conquistou a independência em 1968 e, desde então, a bandeira está em vigor. O vermelho é o símbolo da liberdade e da independência, o azul é o do Oceano Índico, o amarelo da luz da independência e do verde, da agricultura e da natureza sempre verde.

Histórico da bandeira

A descoberta da ilha das Maurícias não foi totalmente clara. Para alguns, os primeiros a chegar à ilha foram os navegadores fenícios. A descoberta também é concedida aos austríacos, que podem ter seguido o mesmo caminho que fizeram para Madagascar.

Outros que provavelmente fizeram presença nas Maurícias foram os árabes na Idade Média. De fato, a ilha foi nomeada no planisfério Cantino como Dina Mozare , ou East Island, em árabe.

Exploração portuguesa

O Tratado de Tordesilhas, assinado entre Espanha e Portugal em 1494, foi o ponto de partida para a colonização portuguesa nas Maurícias, deixando a região africana nas mãos de Portugal. No entanto, não foi até o século XVI que os portugueses tomaram as Ilhas Mascarene, entre 1500 e 1512. A ilha das Maurícias seria chamada Cirné.

Assim como aconteceu com os árabes, a ilha não lhes serviu mais interesse do que servir de parada para outras travessias. Por esse motivo, Mauricio permaneceu desabitado.

Bandeira da Maurícia: história e significado 2

Bandeira do Império Português. (1495-1521). (Guilherme Paula [domínio público]).

Colonização holandesa

A situação nas Maurícias mudou com a chegada dos holandeses. Por volta do final do século XVI, navegadores holandeses da Companhia Holandesa das Índias Orientais chegaram a essa área do Oceano Índico. Estando nas Maurícias, eles reconheceram o valor da ilha por seu clima e sua posição geográfica.

Desde então, começaram as reivindicações dos europeus para tomar a ilha. Foram os holandeses que a chamaram de Maurícia , em homenagem a Mauricio de Nassau, então estatutário da Holanda.

Eles, por sua vez, foram os primeiros a estabelecer colonos, que chegaram da Cidade do Cabo, além de trazer escravos africanos. Em 1638, um governador e cerca de vinte famílias viviam nas Maurícias, com uma população crescente.

A ilha tornou-se um ponto intermediário chave no comércio de escravos, especialmente os de Madagascar. Estima-se que, no século XVII, já existissem cerca de mil escravos na ilha.

No entanto, os holandeses arrasaram a vida selvagem, introduzindo espécies invasoras e caçando sem controle. Além disso, o corte de árvores causou a perda de grandes recursos, e eles decidiram deixar a colônia em 1710 para ir ao Cabo da Boa Esperança.

Bandeira da Companhia Holandesa das Índias Orientais

Durante a colonização holandesa, a bandeira da Companhia Holandesa das Índias Orientais foi usada. Consistia no tricolor holandês, com as iniciais da empresa na parte central.

Bandeira da Maurícia: história e significado 3

Bandeira da Companhia Holandesa das Índias Orientais. (Himasaram [domínio público], do Wikimedia Commons).

Colonização francesa

A presença francesa no Oceano Índico surgiu em 1643 na grande ilha de Madagascar. Desde 1663, foram mostradas as primeiras intenções francesas de habitar a ilha. No entanto, não foi até 1715 quando os franceses enviaram um navio de guerra para tomar posse da ilha após o abandono holandês. A ilha foi renomeada como Ilha da França , e o objetivo era ter uma base para o transporte comercial.

A administração passou de 1721 para a Companhia Francesa das Índias Orientais. A ilha começou a ser colonizada por escravos e colonos que chegaram de Reunião, Madagascar e o território metropolitano francês. Em 1725, os franceses também anexaram a ilha Rodrigues, vizinha.

A população se desenvolveu rapidamente e, em meados do século XVII, eram conhecidas as primeiras manifestações de crioulo ou crioulo, uma língua nativa baseada no francês.

A colônia começou a prosperar após a chegada do conde dos Bourdonnais como governador, pois se fortificou e desenvolveu a capital atual, Port-Louis. Com o tempo, a produção de animais e plantas na ilha se tornou lucrativa, além do comércio de escravos.

Relacionado:  Comida típica de Cartagena: 5 pratos típicos

Declínio da colônia francesa

Em 1760, a Ilha Rodrigues começou a ser permanentemente povoada, desenvolvendo sua pequena economia. No entanto, a Guerra dos Sete Anos terminou o boom, porque enfrentou a França e a Grã-Bretanha e os franceses acabaram derrotados.

As ilhas foram administradas pela coroa francesa e, consequentemente, foram nomeadas governador geral e prefeito. Os britânicos começaram a perseguir bens franceses com sua artilharia naval. Gradualmente, os britânicos estavam avançando no controle das colônias francesas dessa área.

Até 1792, a bandeira usada nas Maurícias era a bandeira francesa correspondente aos símbolos monárquicos. A França não possuía adequadamente uma bandeira nacional, mas símbolos reais que consistiam em flor de lis, fundo branco e tons de azul. Uma das bandeiras usadas era o pavilhão real, cheio de flor de lis e com as armas do monarca no centro.

Bandeira da Maurícia: história e significado 4

Bandeira real do rei da França. (Sodacan [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]).

Revolução Francesa e governo de Napoleão

No entanto, a realidade mudou após o triunfo da Revolução Francesa. Isso resultou na proibição do comércio de escravos emanado da Convenção Nacional Francesa em 1793 e na proibição da escravidão no ano seguinte.

No entanto, desde as assembléias coloniais do Oceano Índico, eles se recusaram a aplicá-lo. Após o declínio do movimento revolucionário e a assunção de Bonaparte como cônsul da França, isso não teve efeito.

As reformas da Revolução Francesa foram controladas pelos colonos. Ao mesmo tempo, o comércio voltou a respirar e os franceses começaram a ver possibilidades de aumentar a colonização em outras ilhas que já possuíam.

O regime da ilha foi influenciado após a chegada de Napoleão, mas isso não impediu que as rivalidades com os britânicos se espalhassem, como no Caribe.

Finalmente, em 1809 as tropas britânicas ocuparam a ilha de Rodrigues e as Seychelles. De lá, eles pegaram as atuais Ilhas Maurícias e Reunião em 1810. A Ilha da França foi renomeada Ilhas Maurício novamente .

Finalmente, em 1814, foi assinado o Tratado de Paris, pelo qual a França perdeu definitivamente as Seicheles e as Ilhas Mascarena, com exceção da Reunião, que ainda mantêm.

Bandeiras revolucionárias francesas

Após a Revolução Francesa, os símbolos mudaram definitivamente. Em 1790, a Assembléia constituinte aprovou um pavilhão nacional branco, com o tricolor vermelho, branco e azul no cantão. A borda do cantão também mantinha as três cores.

Bandeira da Maurícia: história e significado 5

Pavilhão Nacional da França. (1790-1794). (Fotografia de Rama, Wikimedia Commons, Cc-por-sa-2.0-fr [CC BY-SA 2.0 fr (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/fr/deed.en)]).

No entanto, desde 1794 foi estabelecido o tricolor francês que ainda hoje é o pavilhão nacional do país.

Bandeira da Maurícia: história e significado 6

Bandeira da França. (1794-1815) (1830-1958). (O usuário original foi Skopp no ​​Wikimedia Commons. [Domínio público]).

Colonização britânica

Os britânicos começaram o processo de colonização das Maurícias em 1810. Ao manter os costumes franceses, eles também garantiram a fala do francês e do crioulo derivado.

No entanto, em 1833, o inglês se tornou o único idioma da administração. Em 1835, finalmente chegou a abolição da escravidão nas colônias britânicas, tendo em vista a perda de um importante negócio comercial da ilha Maurícia.

A cana-de-açúcar voltou a ser o motor da economia da ilha. No entanto, a mudança mais importante ocorreu com a imigração de mão-de-obra da Índia, trazida pelos britânicos.

Isso mudou a realidade étnica da ilha, que começou a ter maior pluralidade religiosa. Estima-se que, em 450 anos, 450 mil índios tenham chegado às Maurícias, então 70% da população atual são descendentes.

Crise do modelo produtivo

A cana-de-açúcar começou a se esgotar como um modelo de produção lucrativo nas Ilhas Maurício por volta de 1865. Em 1869, essa colônia britânica manteve sua primeira bandeira colonial. Era o mesmo modelo que seguia as bandeiras das colônias britânicas, compostas por um pano azul escuro, o Union Jack no cantão e um escudo distinto.

Nesse caso, o escudo era composto por quatro quartéis, que mantinham uma chave, algumas plantas de cana, um barco e o pico de uma montanha. Na parte inferior, o lema latino Stella Clavisque maris Indici foi adicionado .

Bandeira da Maurícia: história e significado 7

Bandeira das Maurícias britânicas. (1869-1906). (Sodacan [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]).

A outra parte do declínio ocorreu devido à abertura do Canal de Suez em 1870, de modo que não era mais necessário circunavegar a África. Tudo isso fez com que as exportações diminuíssem e que, no final do século XIX, a colônia perdeu lucratividade.

Século XX

Mudanças políticas nas colônias continuaram a ocorrer no início do século XX. Em 1903, as Seychelles se separaram da colônia das Maurícias. Três anos depois, uma nova bandeira colonial foi aprovada, na qual o escudo mudou.

Relacionado:  10 refeições típicas da serra peruana

Embora ele mantivesse seu quartel e lema, ele mudou de forma e, desde então, foi acompanhado por um pássaro e um antílope vermelho, que segurava folhas de cana.

Bandeira da Maurícia: história e significado 8

Bandeira das Maurícias britânicas. (1906-1923). (Terça-feira laranja [domínio público]).

Diferentes partidos políticos com vários propósitos começaram a surgir. As instituições coloniais se desenvolveram gradualmente, além de adquirir mais autonomia. A Primeira Guerra Mundial não foi tão forte no território porque não havia recrutamento obrigatório.

Em 1923, a bandeira colonial passou por sua última mudança. Nesta ocasião, o que foi feito principalmente foi remover o círculo branco ao redor do escudo. Esta bandeira foi mantida desta maneira até a independência das Maurícias.

Bandeira da Maurícia: história e significado 9

Bandeira das Maurícias britânicas. (1923-1968). (Terça-feira alaranjada () Terça-feira alaranjada em en.wikipedia [Domínio público]).

Independence

O fim da Segunda Guerra Mundial marcou um antes e um depois na história colonial africana. O Escritório Colonial decidiu encontrar uma maneira de administrar as colônias de forma independente, porque as despesas após o golpe econômico da guerra e o aumento das pandemias haviam aumentado desproporcionalmente.

Diferentes partidos que defendiam os indiomauritanos venceram as eleições da colônia em 1961 contra os francomauritanos e os crioulos. O status colonial foi mantido por muitos anos.

Enquanto isso, as Maurícias continuavam sendo uma colônia britânica comum. No entanto, após a nova estabilização da economia e o desenvolvimento de uma indústria local, em 1965, o Escritório Colonial decidiu conceder independência às Ilhas Maurício a partir de 1968.

A independência foi aprovada após um referendo, no qual ele ganhou a opção de independência por uma pequena margem. O fim da era colonial foi consumido em 12 de março de 1968 com a assinatura do ato de independência das Maurícias como uma nova monarquia da Comunidade das Nações.

Bandeira atual

Desde a independência, a bandeira atual foi estabelecida, que não recebeu alterações, mesmo após a fundação da República Islâmica das Maurícias em 1992. Seu design correspondia ao professor da escola, Gurudutt Moher. A origem da escolha das cores não era totalmente clara, mas pode ter sua origem na natureza.

Significado da bandeira

A composição da bandeira da Maurícia não é comum no mundo vexilológico. Suas quatro faixas horizontais de tamanho igual conferem-lhe peculiaridades únicas.

A bandeira da Maurícia tem uma interpretação associada a significados empíricos, estabelecida por decreto publicado no Diário do Governo da Maurícia em 2015. Nessa interpretação, o vermelho representaria, como de costume nas bandeiras, a luta pela liberdade e independência.

Além disso, o azul seria o símbolo do Oceano Índico, enquanto o amarelo seria a luz da independência. Finalmente, o verde representaria a agricultura das Maurícias e as suas cores verdes que duram o ano todo.

As cores também podem ser entendidas do ponto de vista dos partidos políticos. O vermelho seria o do Trabalho, liderado pelo ex-Primeiro Ministro Seewoosagur Ramgoolam. O azul deve se identificar com o Partido das Maurícias, que acabou sendo uma tendência social-democrata.

Além disso, a cor amarela representava o Independent Forward Block. Enquanto isso, o verde representava o Comitê de Ação Muçulmano ou Abdool Razack Mohammed.

Outro significado natural

Por outro lado, o vermelho pode ser entendido como o sangue derramado pelos escravos de Madagascar, Senegal, Guiné e África Oriental. Também se relaciona com a força ou seus sonhos truncados, e pede para recordar a dor do passado. O azul, por outro lado, também pode representar o céu das Ilhas Maurício, a paz, a calma e o frescor da ilha.

O amarelo é identificado com o calor e a proximidade do povo das Maurícias, bem como com a hospitalidade. É uma cor alegre e dinâmica. Finalmente, o verde está relacionado à cana-de-açúcar que marcou a história das Ilhas Maurício, otimismo, juventude, calma, serenidade e sucesso.

Referências

  1. Beachcomber Resorts e Hotéis (sf). 50º aniversário da independência As quatro listras: quando três continentes se encontram em um cenário natural exuberante. Beachcomber Resorts & Hotels . Recuperado de magazine.beachcomber-hotels.com.
  2. Elix, J. (12 de março de 2017): Gurudutt Moher, père du quadricolore. L’Express . Recuperado de lexpress.mu.
  3. Grant, C. (1801). A história das Maurícias, ou a ilha da França e as ilhas vizinhas; desde a primeira descoberta até o presente . Nicol. Recuperado de books.google.com.
  4. Suplemento legal ao Diário do Governo das Maurícias nº 111. (7 de novembro de 2015). A Lei da Bandeira Nacional de 2015 . Recuperado de pmo.govmu.org.
  5. República da Maurícia (sf). Bandeira nacional República das Maurícias . Recuperado de govmu.org.
  6. Smith W. (2013). Flag of Mauritius Encyclopædia Britannica, inc . Recuperado de britannica.com

Deixe um comentário